Globo apadrinhou o movimento gay, diz Marco Feliciano

Emissora exibe beijo gay na terceira idade no capítulo de estreia de Babilônia.

por Michael Caceres

  • gospelprime
  • O deputado e pastor Marco Feliciano comentou nesta segunda-feira (17) a estreia da novela Babilônia, da Rede Globo.  Feliciano afirmou não assistir a novelas e garantiu não ter vist
  • o à cena do beijo gay exibido logo no primeiro capítulo de Babilônia.

“Não assisto novela, e já que o nome é Babilônia, deixo a Bíblia falar por mim”, disse o líder evangélico citando algumas passagens bíblicas.

A novela escrita por Gilberto Braga, João Ximenes Braga e Ricardo Linhares, com direção de Dennis Carvalho, recebe o nome de Babilônia por causa do Morro da Babilônia, que fica na Zona Sul do Rio de Janeiro, região onde é ambientada a história.

No capítulo de estreia da nova novela, que substitui Império, as personagens interpretadas por Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro protagonizaram um beijo gay. As atrizes interpretam Teresa e Estala, duas mulheres que vivem juntas há mais de 40 anos.

Para Marco Feliciano a cena exibida logo na estreia é mais um indício de que a Globo apadrinhou o comportamento homossexual. A emissora vem fazendo apologia a prática nos últimos anos e exibindo cenas constrangedoras entre homossexuais.

“A Globo já demonstrou seu apadrinhamento ao movimento gay. Virou moda. O público é adulto, eu ficaria preocupado e agiria nos rigores da lei caso fosse passado em horários onde crianças tivessem acesso”, disse Feliciano.

Preocupado com o avanço da ideologia homossexual, Feliciano tem orientado os fiéis a não compactuar com a prática e se manifestar contra as tentativas de doutrinar os telespectadores a ser favorável à agenda homossexual.

Defesa da Família

Não é a primeira vez que Feliciano se posiciona em favor da família. Em 2013, quando assumiu a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados o parlamentar foi perseguido por conta de suas opiniões contrárias a prática homossexual e afirmou na época que não recuaria, pois estava defendendo a família.