Camisa ensanguentada de Valdemiro estaria “curando” fiéis

Roupa foi guardada pela “importância do que aconteceu”

 

 

Camisa ensanguentada de Valdemiro estaria “curando” fiéisCamisa ensanguentada de Valdemiro estaria “curando” fiéis
Após o apóstolo Valdemiro Santiago ser esfaqueado dentro da Igreja Mundial do Poder de Deus no Brás, em São Paulo, a igreja já identificou um aumento no número de fiéis nas reuniões da tarde e da noite de domingo. O bispo Jorge Pinheiro, que assumiu a liderança dos cultos, explica que “Muitas pessoas foram orar pelo apóstolo.”
Em um dos vídeos que gravou após o atentado contra sua vida, Santiago aparece sentado ao lado da mulher, na residência da família. Além de anunciar que perdoa seu agressor, contou que a camisa que ele usava na hora do ataque está “curando” fiéis. Sem dar muitos detalhes, apenas afirma que o evento está sendo usado por Deus para abençoar pessoas.

Durante um dos programas da Mundial exibido pela TV, um membro da igreja aparece esfregando-a em um manto. Valdemiro explica: “Passaram até a camisa ensanguentada no manto. Quando ela [a fiel] tocou no manto, ela aplumou. Foi curada. O demônio fez o serviço dele, mas acabou dando o contrário. No acerto de contas com o diabo, foi assim: ‘E aí, como é que foi com o Valdemiro? O saldo foi negativo. Porque teve até gente que saiu curada’”

O apóstolo acredita que “A unção está na nossa roupa, no nosso copo, no nosso relógio, na nossa aliança, no nosso chapéu, no nosso sangue”, ressaltando que isso não vem dele, mas é o poder de Deus agindo.

Na segunda-feira, fez até piada sobre o assunto, durante entrevista ao apresentador José Luiz Datena, no “Brasil Urgente”. Santiago afirmou que vai instituir agora a “fila do açougue”.

Contou ainda que o domingo (8) foi um “dia de azar”, pois sofreu um pequeno acidente enquanto era encaminhado ao hospital. “Eles me deixaram cair da ambulância com a cabeça no chão. Eu estava com um azar aquele dia”, lembra.

Uma revelação feita durante o programa é que os seguranças identificaram mais duas pessoas armadas com facas na fila onde estava a esposa do apóstolo, a bispa Francileia iria orar e impor as mãos, como sempre faz.

Em entrevista à revista Veja, o pastor Jorge Pinheiro, que assumiu o comando da denominação enquanto Valdemiro se recupera, explica que a camisa ensanguentada de Santiago não seria utilizada para “fins simbólicos”, mas que foi guardada “pela importância do que aconteceu”.

O bispo disse também que, apesar do ocorrido no domingo, a igreja não irá alterar o esquema de segurança nos dias de cultos.

Havia cerca de 15 mil pessoais no local no culto de domingo de manhã.

Fiéis acreditam em milagre

Vários membros da IMPD acreditam que Deus interveio para salvar a vida do líder religioso. O funcionário da igreja, Marivaldo Lima de Assis, garante: “Foi a mão de Deus que o salvou”.

Raimundo Simião, 61, também ajudava na organização das filas das bênçãos na hora que aconteceu o ataque, é enfático: “Deus mostrou para o mundo inteiro que está presente no apóstolo”.

O fiel Willian Costa Mendes, 22 anos, que estava na fila à espera de oração quando tudo aconteceu explica que o atentado reforçou sua fé em Deus. Dizendo ter inclusive chorado depois do ataque, emenda que “O apóstolo é um grande exemplo. A pessoa fez maldade com ele e ele o mesmo o perdoou”.

Cristine de Oliveira, 66 anos, sublinha que ficou revoltada com a agressão. Contudo, faz questão de dizer que “Tenho mais fé nele agora, que provou mais do que nunca que é um ungido de Deus”