Categorias
Noticias

Filhos de Flordelis são condenados pela morte do pastor Anderson do Carmo

Flávio e Lucas dos Santos, filhos da ex-deputada Flordelis são condenados pela morte do pastor Anderson do Carmo.
Flávio e Lucas dos Santos, filhos da ex-deputada Flordelis são condenados pela morte do pastor Anderson do Carmo.

Após 15 horas de julgamento no Tribunal do Júri de Niterói, os filhos da ex-deputada Flordelis Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cézar dos Santos de Souza foram condenados no início da manhã desta quarta (24) por envolvimento no assassinato do pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.

Flávio, acusado de efetuar os disparos que mataram o pastor, foi condenado a 33 anos e dois meses de prisão por homicídio, porte ilegal de arma de fogo, uso de documento falso e associação criminosa. Já Lucas, acusado de ter comprado a arma usada no crime, foi condenado a sete anos e seis meses de prisão por homicídio.

Durante a longa sessão, foram ouvidas oito testemunhas e Lucas, além das alegações do Ministério Público e de dois defensores públicos que representam os filhos de Flordelis. Flávio preferiu se manter em silêncio.

Como houve um desmembramento, a ex-deputada e outros oito réus estão sendo julgados em outro processo. Flordelis está presa desde o dia 13 de agosto, após perder o mandato. Os advogados que representam Flordelis acompanharam a sessão. Rodrigo Faucz, que faz parte de sua defesa, afirmou que nada do que se debatesse ali poderia envolver sua cliente, que, segundo ele, é inocente. “Estamos aguardando os recursos ao STJ, para que se faça justiça”, afirmou. As menções a Flordelis, no entanto, foram constantes ao longo do dia.

O pai de Anderson, Jorge Souza, também acompanhou a sessão. “Quero justiça, foi muita maldade, ganância. Isso aconteceu por causa de dinheiro”, afirmou.

Os filhos de Flordelis foram julgados por sete pessoas que foram sorteadas entre uma lista de 25 convocados. Os dois —que já estavam presos— chegaram algemados ao tribunal, mas a juíza Nearis dos Santos Arce, que presidiu o julgamento, permitiu que as algemas fossem retiradas minutos após o início da sessão.

Havia grande expectativa em relação ao depoimento de Flávio, que preferiu permanecer calado. Durante as investigações da polícia, ele chegou a confessar que atirou no padrasto. No ano passado, porém, voltou atrás e negou o envolvimento no crime.

Lucas, filho adotivo, é acusado de ter comprado a arma utilizada no crime. Ele afirmou que a ex-deputada teria citado a “primeira-dama e um ministro” numa carta em que pedia para que ele assumisse a autoria do crime. Em depoimento em abril deste ano na Comissão de Ética da Câmara, Flordelis negou que fosse amiga da primeira-dama Michelle Bolsonaro. Lucas não especificou quem seria o “ministro” supostamente citado pela ex-deputada.

A carta, que teria sido entregue a Lucas dentro do presídio, nunca apareceu.

A primeira testemunha a ser ouvida foi a delegada Bárbara Lomba, que conduziu a primeira fase das investigações da polícia. Lomba afirmou que os filhos da ex-deputada eram “peças manobradas” e que, pelos depoimentos deles, era possível perceber que “não planejaram nada sozinhos. Lomba reforçou ainda que “houve a intenção de proteger um esquema” e que “os mais frágeis foram explorados”, ao se referir aos filhos da ex-deputada.

A delegada disse ainda que Flávio nunca citou uma ligação direta da ex-deputada no crime, “mas admitiu informalmente que pode ter sido usado por outras pessoas (próximas à ex-deputada)”. Ele também relatou, segundo Lomba, um suposto abuso do pastor contra duas filhas como o motivo do crime.

Ela contou ainda que uma carta escrita por Lucas Cézar, em que incriminava outras duas pessoas —Wagner Andrade Pimenta, conhecido como Misael, e Luan dos Santos—, foi redigida a pedido de Flordelis. O próprio Lucas já havia admitido em depoimento, em dezembro do ano passado, que o conteúdo da carta era falso.

O segundo depoimento foi do delegado Allan Duarte, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá, que assumiu as investigações após Bárbara Lomba deixar o caso. Ele também citou Flordelis ao afirmar que, de acordo com as investigações, a ex-deputada teria sido a responsável pela compra da arma utilizada no crime.

Misael deu o terceiro depoimento do dia. Também filho de Flordelis, ele afirmou por mais de uma vez que a ex-deputada foi a mandante do assassinato do marido. Em encontro após a morte de Anderson, Flordelis teria afirmado que “aqui não tem luto”, ao se referir a uma possível tristeza diante da morte de Anderson.

O filho de Flordelis, assim como sua mulher, Luana Rangel, quarta a depor, afirmaram que ela teria escrito num papel que jogou o celular de Anderson no mar após a morte dele, depois da polícia ter instalado escuta na casa.

Até as 23h desta terça, haviam sido ouvidos também Roberta Santos e Luan Santos, filhos de Flordelis; Daniel Pereira Solter, o motorista de aplicativo, que disse ter levado os filhos de Flordelis para comprar a arma usada no crime e Regiane Ramos, ex-patroa de Lucas que acusou Flordelis de ter pressionado o filho.

Fonte: UOL

Categorias
Cultos

Filhos são suspeitos de matar o Pastor Anderson do Carmo

Os dois já estão presos, um deles tem 17 anos. O motivo seria defender mãe após traição.

Flordelis no enterro de Anderson do Carmo. (Foto: Reprodução / TV Globo)

Um dos filhos da cantora e deputada federal Flordelis foi preso durante o enterro do pastor Anderson do Carmo, que foi executado na madrugada deste domingo (16). O adolescente de 17 anos foi apreendido durante o velório e é um dos principais suspeitos do crime.

Há ainda a suposição de que um segundo filho da cantora, este biológico, Flávio Rodrigues de Souza, também esteja envolvido. Ele foi levado para a delegacia para prestar depoimentos, mas foi preso por conta de um mandato de prisão por violência doméstica.

“Há uma concentração de tiros na genitália da vítima e isso mostra que os criminosos agiram com raiva. Há uma terceira pessoa sendo procurada pelo crime”, disse uma fonte da Polícia Civil ao jornal O Dia.

O governador do Rio, Wilson Witzel, já havia declarado que a polícia descartou a hipótese de latrocínio e começava a investigar o crime de execução.

“Ontem, estive com o secretário de Polícia Civil e ele me disse que há suspeita de que um dos filhos adotados, não sei se formalmente ou informalmente, teria praticado o crime. Agora, está nessa linha de investigação. É um fato lamentável e espero que tudo seja rapidamente esclarecido. Vamos acompanhar a investigação”, disse.

Durante o enterro, Flordelis foi questionada sobre a possível participação de seus filhos no crime e ela disse que não aceitaria que acusassem seus filhos sem provas. “Isso é ridículo, acusar alguém sem provas”, disse ela.