Categorias
Noticias

O PCC usa “seita” como pretexto para perseguir crenças religiosas | O que é uma seita?

Desde que assumiu o poder, o Partido Comunista Chinês vem reprimindo desenfreadamente as crenças religiosas. Sua política religiosa e as condições dos direitos humanos na China têm sido amplamente denunciadas por países democráticos e organizações internacionais de direitos humanos. A definição de “seita” e o modo como a China o utiliza como pretexto para atacar crenças religiosas particularmente fizeram suscitar sérias dúvidas e críticas na comunidade internacional. Neste episódio, os convidados são o professor Massimo Introvigne, fundador e diretor do Centro de Estudos sobre Novas Religiões na Itália, e o professor Holly Folk, da Universidade Western Washington dos Estados Unidos. Eles apresentam uma discussão aprofundada e trocam opiniões sobre a definição de “seita” e sobre a questão da condenação da Igreja de Deus Todo-Poderoso pelo Partido Comunista Chinês sob o pretexto de ser esta uma seita. Como os professores veem a usa da seita pelo Partido Comunista Chinês como pretexto para reprimir e perseguir crenças religiosas? Acompanhe!

Categorias
Cultos

Um mórmon de sexta geração encontra um cristão nascido de novo

Ele me perguntou como eu sabia que minha fé era verdadeira. Eu não poderia dar uma resposta convincente.
Um mórmon de sexta geração encontra um cristão nascido de novo
Imagem: Scott Cook

Eu era um tenista competitivo e um acadêmico de alto desempenho. O que quer que eu fiz, fiz com todo o meu coração – e ser um bom mórmon não foi exceção.

Como uma menina mórmon da sexta geração, eu acreditava que a Igreja Mórmon era a única igreja verdadeira de Deus. Eu acreditava que Joseph Smith era um verdadeiro profeta de Deus. Aos seis anos, eu estava convencido de que ter um casamento no templo e obedecer fielmente às leis Mórmons me qualificaria para passar a eternidade no mais alto céu – o Reino Celestial. Lá, eu me exaltaria à divindade e geraria filhos espirituais. Este foi o meu maior sonho.

Quando jovem, a obediência era tão fácil quanto pular pedras. Quando entrei na adolescência, parecia mais arrastar pedregulhos. Os encargos incluíam pagar o dízimo, vestir-se modestamente, manter a pureza moral e sexual, freqüentar ativamente a igreja e obedecer à Palavra de Sabedoria (que proibia o consumo de álcool, chá, café ou tabaco). Eu desejava me tornar digno de entrar no templo um dia.

Mas havia tentações para resistir. Durante o ensino médio, meus amigos mórmons começaram a entrar no mundo das festas. O álcool parecia libertá-los do esforço e da vergonha que advém do amor baseado no desempenho. Foi preciso uma vontade de aço para resistir a se juntar a eles todo fim de semana. Por três anos resisti, sentindo-me uma panela de pressão de indignidade esperando para explodir.

Testando Minhas Crenças

No último ano, desisti de resistir, dizendo a mim mesma que essa rebelião duraria apenas uma temporada. Entrei no mundo das festas com a mesma paixão que trouxe para o resto da minha vida, canalizando cerveja sem restrições. Uma festa de cada vez, minha consciência começou a se desligar. Eu era “indigno” – e aliviado por não me importar mais.

No entanto, mesmo quando me senti liberto do legalismo mórmon, não deixei de acreditar que a igreja mórmon era a verdadeira igreja de Deus. Essa verdade estava embutida no fundo.

Durante meu primeiro ano na Universidade de Utah, conheci Gary. Nós dois éramos atletas vivendo de forma rebelde e ficamos mutuamente apaixonados. Embora tenhamos compartilhado muito em comum, nossas crenças religiosas eram diferentes. Gary me disse que ele era um cristão nascido de novo – eu nunca tinha ouvido falar de um. Durante o primeiro mês de nosso relacionamento, evitamos o assunto. Então, em um dia invernal de dezembro, Gary abriu a porta dessa conversa.

“Como você sabe que o mormonismo é verdadeiro?” Eu nunca tinha ouvido essa pergunta antes. Mas, sem hesitar, respondi: “Porque senti uma queimação no peito.” (Foi isso que nossas escrituras nos informaram – que uma “queimação no peito” acompanharia a percepção da verdade autêntica.)

Gary não era tão facilmente influenciado. Nos 15 minutos seguintes, ele desafiou minha lógica. Ele me pediu para explicar como uma experiência emocional sozinha torna algo verdadeiro, apontando que os sentimentos fluem e flutuam e variam de acordo com as circunstâncias. Eu, no entanto, não conhecia outro paradigma para avaliar a verdade espiritual. Além disso, fui ensinado a não questionar ou testar minhas crenças, então nunca o fiz.

Gary continuou: “Você examinou a historicidade do mormonismo?” Historicidade? O que é isso?

“Como você sabe que Joseph Smith é um verdadeiro profeta de Deus? Como você sabe que o Livro de Mórmon é a Palavra de Deus? ”Mais perguntas que nunca passaram pela minha cabeça. Em minutos, meu desconforto se transformou em terror. Percebi que uma queimação no meu peito não convenceria Gary de nada. O que parecia uma base firme estava se dissolvendo em areia movediça.

No mês seguinte, Gary e eu nos divertimos juntos e evitamos conversas espirituais. Eu tinha medo de contar com minha própria ignorância. Desafiar o mormonismo significava trair meus pais, minha igreja e minha comunidade.

No entanto, nossa afeição um pelo outro estava crescendo, e sabíamos que essa divisão persistente precisava ser tratada. Então concordamos em estudar a Bíblia juntos. Gary acreditava que era a Palavra de Deus, e eu acreditava que era verdade “na medida em que foi traduzida corretamente”. Eu esperava que Gary se convertesse ao mormonismo. Ele esperava que eu encontrasse um Jesus que ele acreditava que nunca tinha conhecido.

Foi preciso apenas um estudo bíblico para me levar a uma queda. Cada estudo subsequente provocou mais sofrimento, pois fiquei chocado ao encontrar várias disparidades cruciais entre os ensinamentos bíblicos e os mórmons. Por cinco meses, lutei com Gary e a Bíblia, defendendo o mormonismo com paixão. Mas minha fortaleza começou a desmoronar ao comparar a autenticidade histórica do Mormonismo e Joseph Smith com a da Bíblia.

Isso foi devastador e irritante. Ao mesmo tempo, abriu minha mente para a visão bíblica da minha natureza – pecaminosa, não divina. Vi que não podia obter a vida eterna através do casamento no templo, mas apenas pela graça de Deus. Também abriu minha mente para entender melhor a natureza de Deus – três pessoas em um Deus, o Pai sendo Espírito, em vez de carne e ossos. O Deus Mórmon era um homem que trabalhava no caminho da divindade. O Deus bíblico sempre foi Deus, imutável. Eu lutei para envolver minha mente em torno disso.

Vi também que Deus estava me convidando para entrar em seu reino pela confiança em Jesus. Coberto pela justiça de Cristo, sempre seria digno do deleite e da presença do Pai. Mas rejeitar a fé dos meus antepassados ​​e arriscar a ira da minha família me aterrorizava. Eu queria mais garantias de que estava certo em dar esse mergulho.

Depois de mais cinco meses de pesquisa, eu ainda estava lutando com a idéia de um Deus trinitário. Um dia, quando me sentei na cama em conflito, Deus se aproximou de mim em uma visão. Eu vi um mar de pessoas ao redor de Jesus, que estavam sentadas no trono. Eles se curvaram diante dele, cantando: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus Todo-Poderoso. Quem foi, e é, e está por vir. ”Enquanto eles adoravam, eu caí na minha cara e chorei.

Naquele dia quente de agosto, recebi Jesus em meu coração e entrei em seu reino. Fiquei livre da vergonha que me sufocara há 18 anos.

Coberto de dignidade

Nos meses que se seguiram, Deus me deu o desejo de finalmente enfrentar os vícios que haviam crescido e inflamado dentro de mim. Rezei para que ele me preenchesse com o amor e a paz que eu procurava através de relacionamentos e álcool, o que nunca poderia satisfazer. Mas me senti impotente para mudar.

No meu aniversário de 21 anos, depois de consumir grandes quantidades de álcool, passei a noite afastando caras bêbados que queriam me levar para casa. Apoiei a testa de uma amiga quando ela vomitou no banheiro de um banheiro encharcado de urina. Eu ansiava por um tipo diferente de vida.

Naquela mesma noite de dezembro, voltei para casa e caí de bruços diante de Deus. Com os punhos cerrados e as lágrimas escorrendo, eu ofereci cada vício a ele, convidando-o a ter o seu caminho no meu coração, minha mente e meu corpo. Pedi que ele me libertasse para viver totalmente entregue a Jesus, aquele que dá vida. E então eu dormi.

Quando acordei na manhã seguinte, me senti nascido de novo , como se Deus tivesse realizado um transplante total de coração e mente. Fui libertado de meus vícios e a paz encheu todo o meu ser. A garota mórmon dentro de mim deu um suspiro de alívio. Liberto do fardo de me provar digno, descansei nos braços daquele que me amava o suficiente para me cobrir com dignidade. E eu desejava derramar esse amor nos outros.

Lisa Brockman é membro da equipe da Cru que mora na Flórida. Ela é autora de Out of Zion: Meeting Jesus in the Shadow of the Mormon Temple (Harvest House).

Categorias
Estudos

Me respeite viu! Fui promovido a apóstolo

Como funciona o sistema de promoção na igreja?

olho

Me respeite viu! Fui promovido a apóstolo

Há uma letra de um louvor, que fala bastante ao meu coração, que diz: “Eu não preciso ser reconhecido por ninguém; a minha glória é fazer com que conheçam a ti, e que diminua eu, pra que Tu cresças, Senhor, mais e mais.”.♫

Eu sempre aprendi desde criança que todos nós somos iguais, apesar de atuação em diversas áreas na igreja, mesmo assim diante de Deus somos servos inúteis, pois fazemos apenas o que está ordenado pra fazer.

O próprio Jesus nos ensina que, aquele que exaltar a si mesmo será humilhado e o que se humilhar será exaltado, também nos ensina sobre, a soberba, de querer sempre ser os primeiros, nos adverte sobre posições elevadas no serviço, sobre servo e senhor Veja: Marcos 8:34, Marcos 09:34-35,Marcos 10:43-44, Mateus 10:7-10,Mateus 18:4, Mateus 20:24-28, Mateus 23:10-12.

Sobre talentos, Dons, serviços, ministérios, temos a noção que tudo seja colocado e usado pra honra e glória do nosso Senhor Jesus Cristo, só a Ele a Honra e a Glória.

Eu sempre orei ao Senhor, que eu nunca saísse da simplicidade, que esta fosse minha atitude até a volta de Cristo. Mesmo que seja conhecido entre os irmãos continuasse nos bastidores, dando a glória ao único merecedor dela, procurando a todo tempo fugir da vaidade.

Quem dera que todos cantassem este louvor como uma expressão verídica do que está cantando, que “diminua eu” diz a letra deste louvor, mais muitos desejam que os outros diminuam, para eles aparecerem.

Chegam a procurar cargos elevados, e promoções apenas para se mostrarem superiores aos demais. Título de Pastor, não é mais interessante tem que ser de Bispo pra cima .

Só não entendo algumas promoções que acontecem, muitas delas, apenas para mostrarem uma superioridade em relação ao serviço. Há uns quinze anos atrás, lembro-me bem ,não era normal usarem títulos como “DD” Doutor em Divindade, “Apóstolo”.

Mas nesta ultima década , já contabilizamos diversos Doutores Divinos, e apóstolos, maioria deles promovidos de uma hora pra outra. Como funciona isto? Um determinado Pastor, cresce na mídia, fica conhecido internacionalmente, e não quer mais o título de pastor e de repente, aparece como apóstolo, e se recusa a se chamar de Pastor.

Seria uma crise de identidade? Outro dia peguei um livro de um certo Pastor, recém promovido a apóstolo, e fui ler sobre o autor e seu ministério. Confesso fiquei chocado com tanta glória atribuída a ele.

Este “apóstolo” colocou Paulo no bolso, com tantos títulos e cargos e obras realizadas. Não sou contra a nenhum título, nem cargos elevados dentro do corpo de Cristo,( igreja), nem também a honra, pois a bíblia fala que devemos dar honra a quem tem honra.

O problema é quando se usa a honra para e elevo do ego do honrado, mostrando que suas muitas letras, lhe deixa muito sábio, mostrando a todo tempo sua superioridade aos demais.

Em I Corintios 1:27-29 o Apóstolo Paulo diz: Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes.

E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para que nenhuma carne se glorie perante ele. Para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. Paulo mostra o que significa ser Apostolo, ele cita que, embora muitos não o consideram, ele foi colocado por ultimo como exemplo de trabalho e humildade.

Será que os doutores dos dias atuais querem seguir o exemplo de Paulo? Será que eles podem copiar este modelo? Será que o copiaremos na íntegra, mesmo que represente perda para nossa vidinha boa.

O próprio Paulo nos aconselha: sede, pois meus imitadores, veja: I Coríntios 4:17. Ninguém quer copiar Paulo. Veja como ele abre sua intimidade e mostra abertamente seu luxo, seus ganhos, seus carros, sua mansão, veja o relatório de Paulo em I Corintios 4:9-13: Porque tenho pra mim, que Deus a nós apóstolos nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculos ao mundo, aos anjos, e aos homens. Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustreis, e nós vis.

Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa. E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos; somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como lixo deste mundo, e como a escória de todos.

Alguém se candidata ao apostolado? Veja também: I Tessalonicenses 2:9 , Filipenses 4:11-12. Paulo mostra seu trabalho, mostra de onde vinha seus ganhos, também mostra sua fadiga e que nenhuma ambição fazia parte de seu ministério mesmo que passasse até fome ele estava satisfeito.

Que saudade da igreja primitiva escrita em Atos dos Apóstolos, onde chegamos?. Por estes últimos dias creio que Deus levantará uma nação de servos de orelha furada que não queira ser reconhecido, que busque a glória de Deus sobre todas as coisas.

Que se preocupe em pregar a palavra, apenas a palavra, sem invenções. Que Deus por sua infinita misericórdia levante tais adoradores, para transformar este mundo tenebroso. Romanos 12.

“E que diminua eu pra que tu cresças Senhor, mais e mais” ♫

Pb Josiel Dias