Categorias
Artigos

Pastores esquecem que são humanos

 

PorBrittany Smith | Repórter do The Christian Post tradutor Ana Araújo

Pastores também podem sofrer estresse, disse Wayne Cordeiro, pastor da igreja americana New Hope Christian Fellowship, durante encontro de sete líderes da igreja nesta quarta-feira.

Durante o evento, Cordeiro reconheceu que o assunto ainda é um tabu entre os pastores, como escreveu em seu livro lançado recentemente “Leading on Empty”, ou “Liderando com empatia”, em tradução livre ao português.

No livro, ele relata momentos de estresse que passou no ministério. "Não importa se você está em uma igreja pequena ou grande, pode acontecer a qualquer um”, disse ele na conferência que foi transmitida para mais de 60 locais em todo o EUA.

Cordeiro explicou que quando começou a se sentir estressado, ele não admitiu e tentou continuar.

"Eu sentia como Schindler. Eu poderia ter salvado mais um casamento. Eu poderia ter levado mais uma pessoa a Cristo", mas finalmente percebeu que estava errado ao pensar que podia fazer tudo o que ele sentia que tinha capacidade, se não fosse realmente o que Deus queria que fizesse.

Muitas vezes no ministério "não se pode parar o trem", explicou. "Você pensa que é ‘Superman’ no início, acha que é à prova de balas. Não se esqueçam de que somos pastores, não podemos esquecer que somos humanos".

Curta-nos no Facebook

James MacDonald, mediador do evento e pastor da Harvest Bible Chapel, disse que ele também experimentou dois períodos de estresse em seu ministério, onde ele teve que realinhar suas prioridades.

A primeira vez que passou por isso, teve que dar um tempo para descobrir o que estava acontecendo. "O Senhor me deu algumas ideias espirituais. Eu tinha negligenciado a minha alma. Eu tinha negligenciado a minha caminhada com o Senhor", disse ele.

MacDonald disse que o apoio de outras pessoas o ajudaram. "Eu tive que me tornar responsável perante um grupo de pessoas que poderiam me dizer, ‘Você não vai lá. Você não está fazendo isso."

Os pastores que participaram do evento também falaram sobre o ano sabático, um tempo prolongado longe do ministério, como uma boa forma para um pastor evitar o estresse. Crawford Loritts, no ministério há mais de 40 anos, disse que estas pausas são importantes.

Ele também afirmou que parte do problema que leva ao estresse é que na cultura de hoje na igreja "todos se concentram em conferências sobre desenvolvimento de liderança, quando temos de nos concentrar mais tempo no desenvolvimento de líderes. Minha identidade não é o meu ministério. Dirigentes mais jovens começam em uma esteira de desempenho, quando a verdade da questão é, Deus soprou sobre todos nós".

Categorias
Artigos

Evangelicals and Muslims: Theologians Say Isaac, Ishmael Story Not Significant

 

Part Three in ‘Oil and Water or Fertile Ministry?’ Series

Illinois Ministries Partner to Open First Bible Seminary in State Prison

prison ministry

A group of prison and jail Christian ministry volunteers from Illinois are …

COLUMN

Should a Pastor Continue in Ministry If His Child Proves to Be an Unbeliever?

Jessica memorial

How can you manage the flock if you can’t manage your household? Good …

OPINION

Making GLAAD’s ‘Accountability’ List

chuck colson

The Gay and Lesbian Alliance Against Defamation has placed 36 commentators, …

LIVING

How to Find True Security and Complete Freedom from Insecurity

Joyce Meyer

We have an epidemic of insecure people in our society today. Many people have …

By Michael Gryboski , Christian Post Reporter

March 17, 2012|5:58 pm

When examining the issues between evangelical Christians and Muslims, many point to the history of Isaac and Ishmael as a source of the tension. However, some experts believe the history surrounding Isaac and Ishmael does not play a major role.

According to Steve Strauss, chair and professor of World Missions and Intercultural Studies at Dallas Theological Seminary, the Jews and Christians trace their spiritual ancestry through Isaac while Muslims trace their spiritual ancestry through Ishmael.

"Of course the biblical evidence is clear that Isaac is the physical progenitor of the Hebrew people," said Strauss in an interview with The Christian Post.

"In Galatians 4 Paul uses Isaac as an example of ‘children of promise,’ of which he includes New Testament believers. This would be the biblical roots of Jews and Christians tracing their lineage through Isaac."

Strauss explained that in the Quran Ishmael is identified as being a prophet of God and present when Abraham establishes his "House." Although the Hebrew Bible says that Isaac was the son of Abraham who was nearly sacrificed, in Islam most believe it was Ishmael instead.

"When the Quran speaks of the near sacrifice of Abraham’s son (Surah 37:100-109), the name of the son is not specified, but most Muslims assume it was Ishmael," said Strauss.

Like us on Facebook

Isaac was born of Abraham’s wife, Sarah, while Ishmael was born of Sarah’s handmaiden, Hagar.

Despite the different lineage, Strauss believes that the efforts of Paul of Tarsus to convert Gentile believers show that the different spiritual lineages should not be an issue.

"By application we can use [Paul’s words] to address any system – Muslim, Jewish, Hindu, even works-oriented Christianity that seeks to please God through ritual and good works," said Strauss.

"So I would not put the Ishmael-Isaac distinction at the heart of understanding the difference between Muslims and Christians."

Kamal Nawash, founder and president of the Free Muslims Coalition, told CP that he believes that the Isaac and Ishmael matter is also minor.

"The story of Isaac and Ishmael is NOT significant at all in terms of understanding the theological prospective of Christians and Muslims," said Nawash. "Muslims revere both Isaac and Ishmael equally as God’s prophets."

Nawash went further and also stated that "Muslims do not trace their lineage through Ishmael. This is a confusion by many in the West."

Strauss found the treatment of religious minorities to be a greater difference between the worldviews of evangelical Christian and Islamic societies.

"Traditionally, Muslims have been hostile to Christians when they (the Muslims) were in power in a society," said Strauss. "The hostility has ranged from limiting Christians’ public rights … and higher taxes on one extreme, to intense persecution on the other extreme."

Scott Horrell, professor of Theological Studies at Dallas Theological Seminary, agreed with Strauss, telling CP what differed between evangelical Christianity and Islam on that issue.

"In theory, Islam is explicit theocracy, with divine authority from top down in all parts of life; there is little if any theological room for democracy, much less for freedom of religion," said Horrell.

"Christianity including evangelicalism professes a triune God (three Persons in one essence); implicitly this allows for personal diversity, and more implicitly it allows for freedom of religious belief."

Strauss also felt that the evangelical mindset was fundamentally a democratic one.

"Evangelicals have traditionally recognized that one can only be a true follower of Christ based in his/her decision to trust and follow him; the decision cannot be coerced," he explained. "Soevangelicals have tended to favor an open society with a free interchange of ideas."

Nawash, meanwhile, believes that the religious intolerance noted by Strauss and Horrell is more the product of recent political movements in the Middle East that use religion to gain legitimacy rather than a long-standing theological viewpoint.

"Currently, people in the Muslim world are euphoric about religious political movements because of the belief that they will rule justly with no corruption," said Nawash.

"I expect this to change in the next few years as the winners of today may not be able to produce the prosperity that the people expect."

Regarding cooperation between Muslims and evangelical Christians in the United States, both Strauss and Horrell felt that this could be found in mutual views on faith and morality.

"We can cooperate with non-Christians to advance biblical values that we share in common," said Strauss. "For example, we could cooperate with Muslims in issues like opposition to gay marriage, opposition to abortion on demand and opposition to wider access to pornography."

"Certainly much is similar in our understanding the nature (attributes) of God. Indeed, on this level Christianity and Islam have far more in common than with secular states or non-theistic religions," said Horrell.

"This provides a solid foundation for ethical and social harmony on many issues. There are reasons to join together in fighting abortion, pornography, homosexuality, abuse of women, violence, etc."

Nawash believes that a strong issue that created tension for evangelicals and Muslims in America was their largely different positions on the Israeli-Palestinian conflict as well as the perception that "evangelical leaders have attacked and defamed Muslims over the last 30 years."

Nevertheless, many Muslims in America hold a high opinion of evangelicals due to their "pious nature and obedience to God," according to Nawash.

"Many Muslims in the South of the U.S. prefer to live in neighborhoods with majority evangelicals to avoid the corrupting influence of the cities or secular society," he said.

Categorias
Artigos

Pastores esquecem que são humanos

 

PorBrittany Smith | Repórter do The Christian Post tradutor Ana Araújo

Pastores também podem sofrer estresse, disse Wayne Cordeiro, pastor da igreja americana New Hope Christian Fellowship, durante encontro de sete líderes da igreja nesta quarta-feira.

Durante o evento, Cordeiro reconheceu que o assunto ainda é um tabu entre os pastores, como escreveu em seu livro lançado recentemente “Leading on Empty”, ou “Liderando com empatia”, em tradução livre ao português.

No livro, ele relata momentos de estresse que passou no ministério. "Não importa se você está em uma igreja pequena ou grande, pode acontecer a qualquer um”, disse ele na conferência que foi transmitida para mais de 60 locais em todo o EUA.

Cordeiro explicou que quando começou a se sentir estressado, ele não admitiu e tentou continuar.

"Eu sentia como Schindler. Eu poderia ter salvado mais um casamento. Eu poderia ter levado mais uma pessoa a Cristo", mas finalmente percebeu que estava errado ao pensar que podia fazer tudo o que ele sentia que tinha capacidade, se não fosse realmente o que Deus queria que fizesse.

Muitas vezes no ministério "não se pode parar o trem", explicou. "Você pensa que é ‘Superman’ no início, acha que é à prova de balas. Não se esqueçam de que somos pastores, não podemos esquecer que somos humanos".

James MacDonald, mediador do evento e pastor da Harvest Bible Chapel, disse que ele também experimentou dois períodos de estresse em seu ministério, onde ele teve que realinhar suas prioridades.

A primeira vez que passou por isso, teve que dar um tempo para descobrir o que estava acontecendo. "O Senhor me deu algumas ideias espirituais. Eu tinha negligenciado a minha alma. Eu tinha negligenciado a minha caminhada com o Senhor", disse ele.

MacDonald disse que o apoio de outras pessoas o ajudaram. "Eu tive que me tornar responsável perante um grupo de pessoas que poderiam me dizer, ‘Você não vai lá. Você não está fazendo isso."

Os pastores que participaram do evento também falaram sobre o ano sabático, um tempo prolongado longe do ministério, como uma boa forma para um pastor evitar o estresse. Crawford Loritts, no ministério há mais de 40 anos, disse que estas pausas são importantes.

Ele também afirmou que parte do problema que leva ao estresse é que na cultura de hoje na igreja "todos se concentram em conferências sobre desenvolvimento de liderança, quando temos de nos concentrar mais tempo no desenvolvimento de líderes. Minha identidade não é o meu ministério. Dirigentes mais jovens começam em uma esteira de desempenho, quando a verdade da questão é, Deus soprou sobre todos nós".