Categorias
Estudos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Unsplash / Travis Grossen

Os cristãos podem ter atração sexual sem que isso seja luxúria, de acordo com um par de conselheiros cristãos especializados em casamento e família.

O podcast “The Table” do Seminário Teológico de Dallas teve um episódio publicado no YouTube na semana passada intitulado ” Uma abordagem saudável para a atração sexual “.

A entrevista de especialistas do anfitrião Bill Hendricks incluiu Debby Wade, uma conselheira profissional licenciada especializada em casamento, família e dependência de sexo; e Gary Barnes, ministro ordenado e psicólogo licenciado, especializado em casamento e assuntos familiares.

Wade discordou da crença de que atração sexual e luxúria eram a mesma coisa, com ela explicando que luxúria envolve “objetivar” e “apenas ver um nível de uma pessoa”.

“Acho que a atração sexual é muito mais profunda e abrange muitas coisas”, disse Wade. “Da maneira que Deus nos projetou fisiologicamente, temos essa reação química e a química que podemos experimentar com os outros.”

“E nós sabemos que há uma atração por lá. Mas não queremos apenas basear um relacionamento nessa atração. ”

Wade acrescentou que a atração envolve um sentimento de longo prazo, usando o exemplo hipotético de um casal que está junto há 60 anos ou mais.

“Eles foram atraídos um pelo outro fisicamente. E embora o corpo deles tenha mudado fisicamente, por causa da intimidade, havendo uma atração e um conhecimento mais profundo, eles ainda diriam que, de todas as mudanças no corpo, nas rugas e tudo mais: ‘Estamos tão atraídos um pelo outro agora quanto há 60 anos ‘”, continuou ela.

Barnes também notou um contraste entre atração e luxúria, definindo luxúria como “objetivando a auto-satisfação”, enquanto a atração seria “contemplar a beleza” e “poderoso”.

“É poderoso de propósito. E poderia ser usado para fins construtivos ou destrutivos. Mas não é ho-hum. E essa é realmente a coisa boa da idéia de sexualidade de Deus é que não deveria ser ho-hum ”, disse Barnes .

Barnes também falou sobre o que ele descreveu como a “ladeira escorregadia da sexualidade”, que envolvia os extremos de “demonizar a sexualidade” de um lado e “deificar a sexualidade” do outro.

“Agora, no topo, a ladeira escorregadia que tendemos a deslizar para um lado ou para o outro é a sexualidade sagrada. E esse é o chamado de Deus para elevarmos ”, explicou.

“O que Deus nos deu é um presente que Ele deseja que elevemos. E o objetivo, novamente, é nos levar além da fisicalidade da sexualidade, embora a fisicalidade seja necessária para o desenho. E é para isso que a atração contribui. É uma parte poderosa do desenho. Mas não podemos deixar que isso nos puxe para os dois lados da ladeira escorregadia.

Para ajudar a elevar uma atração sexual saudável, Wade disse que é importante começar com “um coração de gratidão”.

“Uma gratidão que Deus escolheu para nos tornar como seres sexuais, uma gratidão que Deus escolheu para tornar homens e mulheres, que Deus escolheu, em Sua maneira criativa, nos tornar tão diferentes”, explicou Wade.

“Acho que quando ficamos em um coração de gratidão, estamos cientes disso, então não podemos reprimir, somos gratos por isso. E então, acho que quando temos uma gratidão e uma gratidão por alguma coisa, e sabemos que Ele é o Criador, isso nos ajuda a ficar na linha de manter isso elevado. ”

Carl Thomas, criador do Live Free Community App e fundador do ministério do vício em pornografia Live Free , abordou o assunto sobre o que a luxúria é e não está em um artigo de 2018 publicado pelo The Christian Post .

“Luxúria não está olhando. A luxúria está deixando sua mente vagar para pensamentos sexuais DEPOIS de olhar ”, escreveu Thomas, cuja coluna apareceu originalmente no XXXchurch.com.

“Veja bem, luxúria não é isso que acontece. Não é espontâneo. Não é aleatório. A luxúria cresce. É de várias maneiras orgânico. E tem seu próprio ciclo de vida. ”

Thomas acrescentou que “quando você ou eu olhamos para uma pessoa atraente, não estamos desejando … mas é nesse momento que o ciclo de vida pode começar a se desenrolar”.

Siga Michael Gryboski no Twitter ou Facebook
Categorias
Estudos

A teologia do céu ou do inferno pode ser simples, mas não é bíblica nem moralmente defensável. Qual a alternativa?

 

Você acredita no inferno? Nesse caso, você tem muita companhia.

Uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center descobriu que 82% dos cristãos evangélicos (independentemente da raça) acreditam no inferno. Os católicos (63%) eram menos propensos a temer o tormento consciente eterno, mas mesmo entre os protestantes principais (60%), continua sendo a opinião da maioria. Como os protestantes principais raramente mencionam a condenação eterna no púlpito ou nos currículos denominacionais, alguém se pergunta por que o “infernalismo” (o termo técnico) permanece tão forte entre os fiéis.

O medo do tormento consciente eterno é um grande atrativo para chamar a atenção. E a religião dos céus ou do inferno é simples o suficiente para ser entendida por praticamente todos.

Além disso, se os sermões do falecido evangelista Billy Graham tiverem alguma coisa a ver, os ingressos para o céu podem ser comprados barato. Faça a oração do pecador e você estará presente. Boas obras, como Billy nunca se cansou de nos lembrar, não têm influência no seu destino eterno.

Mais importante, a ameaça de perdição fornece à igreja uma emocionante raison d’être. Realizamos serviços de pregação e enviamos missionários para salvar almas do inferno. Ponto final.

Ao mesmo tempo, o grupo religioso que mais cresce na América é aquele sem afiliação religiosa de qualquer tipo. Outra pesquisa da Pew descobriu que 4 em cada 10 millennials (atualmente entre 24 e 39) se enquadram nessa categoria. No quadro mais jovem de adultos da América, em outras palavras, existem tantos “nones” quanto cristãos. Como uma manchete declarou : “A geração do milênio está deixando a religião e não voltando”.

Se Deus é amor, perguntam os Millennials, como Deus pode alegremente consignar a parte do leão da população ao eterno tormento consciente? Todos os budistas, hindus e muçulmanos? Todos os ateus e agnósticos? E quanto aos milhões de pessoas que não têm capacidade mental para verificar a caixa teológica correta?

“A teologia do céu ou do inferno não é bíblica nem moralmente defensável.”

Em seu esplêndido livro, Que tudo será salvo: céu, inferno e salvação universal (Yale University Press, 2019), o teólogo ortodoxo oriental David Bentley Hart argumenta que o conceito de condenação eterna é anti-bíblico e moralmente abominável. Hart tem uma reputação conquistada como um estudioso conservador; portanto, suas conclusões não têm nada a ver com ser gentil com o pecado ou rejeitar o claro ensino da Bíblia.

A primeira estrofe do título do livro é a tradução de Hart de 1 Timóteo 2: 4, que afirma que Deus deseja “que todos sejam salvos”. Além do tratamento de textos bíblicos específicos, Hart retorna repetidamente a uma questão teológica central: como os abençoados no céu podem existir em um estado de êxtase, enquanto seus amigos e familiares que nunca chegaram a orar a oração dos pecadores se contorcem em agonia sem fim? ?

Setenta anos atrás, quando meus pais estavam começando na vida de casados, essa pergunta raramente surgia. Todo mundo ia à igreja, pelo menos de vez em quando, e mesmo a maioria dos que não apareciam aos domingos ainda se identificavam como cristãos.

Mas quando 40% da sua faixa etária não tem afiliação com a religião organizada e todos têm amigos agnósticos ou ateus, a idéia de que apenas os cristãos passam pelos portões perolados torna-se altamente problemática.

Isto é particularmente verdade quando tantos cristãos professos mostram pouco da compaixão de seu Mestre pelos pobres e pelos marginalizados.

O trabalho acessível de Hart, com 232 páginas, lembra-nos que as referências à salvação universal abundam nas escrituras. João Batista vê Jesus andando pela estrada e clama: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo “. Mais tarde, no evangelho de João, Jesus declara: “E quando eu for levantado da terra, atrairei todas as pessoas para mim”.

No meu trabalho como capelão de um hospital , descobri que praticamente todos os texanos de uma certa idade podem citar João 3:16 de memória (invariavelmente da versão King James): “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único filho , para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. ” Poucos, porém, memorizaram o versículo a seguir: “Porque Deus não enviou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo, por meio dele, pudesse ser salvo .”

Em 1 Timóteo, o escritor celebra “Deus nosso Salvador, que deseja que todos sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. Pois existe um Deus; há também um mediador entre Deus e a humanidade, Cristo Jesus, ele próprio humano, que se deu um resgate por todos . ” E há 1 Coríntios 15:22: “Porque, como em Adão todos morrem, também em Cristo todos serão vivificados .”

A enunciação mais clara desse ensinamento vem no segundo capítulo de Filipenses, onde Paulo, provavelmente citando um hino cristão primitivo, elogia essa grande manhã – quando “em nome de Jesus todo joelho deve dobrar-se , no céu, na terra e sob o céu. terra, e toda língua confessa que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai. ”

Todos serão salvos. Está no livro.

As objeções são óbvias. Se todos serão salvos, por que Jesus tinha tanto a dizer sobre o inferno? Por exemplo, por que a parábola das ovelhas e das cabras (Mateus 25) termina com estas palavras assustadoras: “Afaste-se de mim, amaldiçoou, no fogo eterno preparado para o diabo e seus anjos”?

“Se Deus é amor, perguntam os Millennials, como Deus pode alegremente consignar a parte do leão da população ao eterno tormento consciente?”

Como harmonizamos “todos serão salvos” com “partimos para o fogo eterno”? Qual opção devemos favorecer?

Devemos, como sugere o teólogo Jurgen Moltmann, escolher entre a escatologia de duplo destino de Mateus e Marcos e o universalismo de João e Paulo (os apóstolos, não Lennon e McCartney)?

Acho que não.

Se considerarmos literalmente a passagem de “ovelhas e cabras” em Mateus 25, todos estaremos em apuros. A passagem não tem nada a ver com aceitar Jesus como seu Salvador pessoal. É nosso desprezo pelos encarcerados, pelos pobres, pelos famintos e pelos refugiados que nos coloca na coluna das cabras: “Porque eu estava com fome e você não me deu comida, eu estava com sede e você não me deu nenhuma bebida, era um estranho e você não me recebeu bem, nua e não me vestiu, doente e na prisão, e não me visitou.

A parábola de Lázaro e o homem rico Dives (Lucas 16) é provavelmente a segunda passagem do inferno mais famosa do Novo Testamento. Uma grande e intransponível divisão separa os salvos que descansam no seio de Abraão dos condenados que definham em um mar de chamas.

Mas, mais uma vez, não há conexão entre rezar a Oração do Pecador e “ser salvo”; a questão crucial, como em Mateus 25, é como nos comportamos em relação aos menos e aos perdidos.

O capítulo 10 do Evangelho de Marcos oferece um dilema semelhante. O homem tradicionalmente identificado como “o jovem governante rico” checou todas as caixas religiosas, mas ele não está pronto para dar todos os seus bens aos pobres e depois seguir a Jesus. Quando o pobre coitado se afasta tristemente, Jesus se volta para seus discípulos e diz: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus”.

Os discípulos estão chocados, até escandalizados. Se os principais cidadãos da sociedade não são dignos do reino, que chance temos o resto de nós? Se esse modelo religioso não for aceito, eles perguntam: “Então quem pode ser salvo?”

No dia em que escrevi esta coluna, 10% dos meus investimentos em aposentadoria desapareceram no decorrer de uma única semana. Donald Trump e Michael Bloomberg podem se qualificar como ricos, mas estou me sentindo financeiramente vulnerável.

Os norte-americanos representam cinco por cento da população mundial, mas controlam mais de um terço da riqueza do planeta. Pelos padrões globais, sou rico – e prefiro manter essa posição. O que me faz uma cabra.

Eu não quero ser uma cabra. Como o jovem rico de Marcos, eu me afasto de Jesus com lágrimas nos olhos e uma dor no coração. Mas eu me afasto da mesma forma. Meu apego às bênçãos da vida transformou meu coração em pedra.

Nos Evangelhos Sinópticos, estranhamente, os ralé são conduzidos ao partido do reino, com ou sem bilhete. São aqueles de nós que sofrem de um vício de bênção que acabam olhando de fora.

É por isso que nossa salvação é, humanamente falando, “impossível”. Felizmente, “todas as coisas são possíveis com Deus”.

Em Romanos 8, Paulo faz uma observação semelhante quando diz que o mundo foi “sujeito à futilidade”. Existe a futilidade existencial de saber que fraqueza e morte estão se aproximando a cada dia. Há a futilidade moral de que Paulo fala no capítulo anterior: “Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero é o que faço.” Existem as formas sistêmicas ou sociais de futilidade reveladas na violência, guerra e opressão.

O mundo geme sob o peso da futilidade, a aparente impossibilidade de que o mundo possa ser salvo da sua escravidão à morte e à decadência. Mesmo aqueles que andam com Jesus gemem interiormente pelo caminho para o reino é longo e nossas pernas são fracas. Até o Espírito de Deus geme profundamente dentro de nós.

Mas Paulo continua convencido de que “não vale a pena comparar os sofrimentos do tempo presente com a glória que deve ser revelada a nós”. Somos como uma mulher em dificuldades, diz o apóstolo. Nossa dor é produtiva. Deus está transformando gemidos em glória. A magia do evangelho está funcionando. Nós podemos sentir isso.

“É nosso desprezo pelos encarcerados, os pobres, os famintos e os refugiados que nos colocam na coluna das cabras.”

Quando os pacientes do hospício com quem trabalho são informados de que sua dor é produtiva, tudo muda. O jovem rico não podia doar tudo o que tinha, mas a viúva que jogou suas moedas no tesouro podia. Da mesma forma, meus pacientes deram tudo. Tudo o que resta é a dor, o gemido, a futilidade impossível de uma morte sem sentido.

Eles não precisam entender como o mundo deles ficou tão distorcido e injusto; eles só precisam acreditar que Deus ainda está trabalhando. Um dia, digo aos meus pacientes, Deus endireitará tudo que estiver torto, consertará tudo que estiver quebrado, curará tudo que estiver doente e enxugará cada lágrima dos nossos olhos. Quando digo isso, seus olhos se iluminam. Só então eu acredito nisso.

Por isso, nesta estação da Quaresma, lembramos a nós mesmos que somos pó e ao pó retornaremos. Essa é a única cura para o nosso vício em bênçãos.

No caminho para a igreja, passo, assino que grita: “Aonde você irá quando morrer: céu ou inferno?” A maioria de nossas igrejas deixou esse tipo de teologia para trás, mas temos medo de oferecer uma alternativa viável.

Hart está certo. A teologia do céu ou do inferno não é bíblica nem moralmente defensável. Mas para as pessoas que obtêm suas informações religiosas de pregadores de TV e outdoors na estrada, é o único tipo de cristianismo no mercado.

Chegou a hora dos pregadores da linha principal moderados e progressivos falarem sobre a visão bíblica da redenção universal.

Se não sabemos o que dizer, podemos apenas ecoar a linguagem das escrituras. Claro, é tudo poesia e parábola, linguagem projetada para expressar o inexprimível. Mas é a única linguagem que temos, e é suficiente.

Deus é amor. Deus ama o mundo e está resgatando cada centímetro dele. E um dia Deus presidirá o casamento do céu e da terra.

Não sei ao certo o que isso significa, mas pretendo estar lá para ver isso acontecer.

 

Categorias
Estudos

“Satanás Realmente Existe?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: “Satanás Realmente Existe?” 

Satanás é a força egoísta humana, ou seja, o desejo de desfrutar às custas dos outros, que compreende a natureza de cada pessoa.

A sabedoria da Cabalá diz muito sobre essa força em livros como a Torá e O Zohar. Por exemplo, a palavra “Satanás” se conecta à mesma raiz que a palavra hebraica “Soteh“, que significa “desvio” e “Masit“, que significa “incitação”. É uma força que desvia a pessoa do caminho correto – uma conexão positiva com outras pessoas em amor e doação mútua.

Essa força chamada “Satanás” está enraizada em cada pessoa e é impossível nos livrarmos dela. O ego humano tem muitas manifestações diferentes, mas especificamente a que nos desvia da conexão positiva entre si é chamada “Satanás”.

Para nos libertarmos de seu controle sobre nós, precisamos nos envolver ativamente em nossa sociedade, construindo conexões positivas sobre ela.

Essa força sempre existirá e constantemente gerará discórdia entre nós. No entanto, quando alcançamos um estado positivamente unificado, todas as formas satânicas que nos impediram serão adicionadas aos nossos esforços para conectar-se positivamente e servirão para aumentar a força positiva de conexão entre nós.

Precisamente devido ao motor em constante movimento do ego humano que tenta nos manipular a cada momento, nos fazendo querer nos separar em vez de nos conectar, e nos afundando cada vez mais profundamente em nós mesmos, em vez de aplicar esforços para sair de nós mesmos e nos conectar com os outros, então, graças a esse ego, ficaremos cansados ​​dele, um estado chamado “o reconhecimento do mal”, e logo nos forçaremos a nos aproximar um do outro.

Nesse momento, Satanás se tornará uma força positiva. É, em última análise, o que nos ajudará a entender nossa necessidade de conexão e a forma correta que nossa conexão precisa adquirir.