Categorias
Artigos

Jacó profetizou a vinda do Messias

Alguém viria de Judá como um leão maduro que governará e julgará o mundo inteiro.
FONTE: GUIAME, MÁRIO MORENO
Ilustração: Providence Lithograph Company
Ilustração: Providence Lithograph Company

Embora Ia´aqov tenha vivido os últimos 17 anos de sua vida no Egito, ele nunca se esqueceu da Terra que D-us lhe havia prometido por meio da Aliança divina.

Da mesma forma, desde que D-us chamou Abraão para fora de Ur, o Povo Judeu não perdeu de vista a Terra Prometida que lhe foi dada por Isaque e Ia´aqov. Mesmo quando Nabucodonosor levou o povo de Israel cativo, eles se sentaram à beira dos rios da Babilônia, chorando e se lembrando de Sião, jurando nunca esquecê-la.

Se eu te esquecer, ó Jerusalém, esqueça a minha destra a sua destreza! Se eu não me lembrar de você, que minha língua se apegue ao céu da minha boca – Se eu não exaltar Jerusalém acima da minha alegria principal” (Sl 137:5-6).

Devemos entender esse anseio eterno plantado na alma judaica para compreender a determinação feroz do povo de Israel de permanecer na Terra que D-us nos prometeu por meio de nossos antepassados, Abraão, Isaque e Ia´aqov. Muitos mantêm um forte vínculo emocional com a Terra de Israel, mesmo enquanto viviam no exílio entre as nações do mundo.

Ia´aqov abençoa Efraim e Manassés

À medida que Ia´aqov se aproximava de sua morte, Iosef trouxe seus dois filhos à presença do pai para uma bênção. Ia´aqov perguntou quem eram os dois meninos e Iosef respondeu: “Eles são meus filhos, que D-us me deu neste lugar [Egito]” (Gn 48:9).

Quando ele viu os filhos de Iosef, ele pensou apenas na bondade de D-us. Ia´aqov disse a Iosef: “Não pensei em ver seu rosto; mas, na verdade, D-us também me mostrou sua descendência!” (Gn 48:11).

No final de sua vida, Ia´aqov louvou ao Senhor por Sua bondade abundante, apesar de ter passado por muitas dificuldades e provações. A bondade de D-us não apenas atendeu, mas também superou suas expectativas.

A glória pertence a D-us, cujo poder está operando em nós. Por este poder, Ele pode fazer infinitamente mais do que podemos pedir ou imaginar” (Ef 3:20).

Ia´aqov abençoou os filhos de Iosef, Efraim e Manassés; no entanto, em um movimento de surpresa, ele colocou sua mão direita em Efraim, que era o mais jovem, e a esquerda em Manassés, que era o primogênito e deveria ter recebido por direito a bênção principal.

Então ele os abençoou naquele dia, dizendo: Por ti Israel abençoará, dizendo: ‘Que D-us te faça como Efraim e como Manassés!‘ (Gn 48:20).

Ainda hoje, muitos pais judeus abençoam seus filhos na sexta-feira à noite, quando as famílias anunciam o sábado (Shabat), dizendo: “Que D-us faça você como Efraim e Manassés (Ye’simcha Elohim ke’Efrayim ve’khe-Menasheh).”

Mas por que abençoaríamos nossos filhos para serem como Efraim e Manassés? O que havia de tão especial nesses jovens? Embora tenham nascido na cultura pagã e idólatra do Egito, eles permaneceram fiéis à adoração do D-us de Israel.

Isso é o que desejamos para nossos filhos – que apesar de estarem cercados por um mar de ética e moralidade questionáveis, eles crescerão para ter um bom caráter, agarrando-se à fé no Único D-us Verdadeiro, adorando-O em espírito e em verdade, mantendo a Torah que foi escrita nos corações daqueles que seguem Ieshua.

Quando abençoamos nossos filhos para serem como Efraim e Manassés, os exortamos a resistir à pressão negativa dos colegas e à imoralidade da sociedade em que vivem e, em vez disso, manter-se fiéis aos valores que lhes ensinamos na Palavra de D-us.

E não vos conformeis com este mundo, mas sede transformados pela renovação da vossa mente, para que possais provar qual é a vontade de D-us, a que é boa, agradável e perfeita” (Rm 12:2).

Por meio de sua bênção, Ia´aqov elevou esses dois netos a um nível de igualdade com seus próprios filhos. Manassés e Efraim tornaram-se líderes de suas próprias tribos, representando a Casa de Iosef, recebendo sua própria porção de terra e agitando suas próprias bandeiras.

Bênçãos proféticas de Ia´aqov sobre as 12 tribos

Ia´aqov chamou seus filhos e disse: ‘Juntem-se para que eu possa lhes contar o que acontecerá com vocês no final dos dias. Reúnam-se e ouçam, ó filhos de Ia´aqov, e ouçam Israel [Ia´aqov], seu pai.’” (Gn 49:1-2)

Ia´aqov, claro, não abençoa apenas seus netos, Efraim e Manassés. Ele também chamou todos os seus filhos para abençoar e profetizar sobre eles em seu leito de morte. Todos eles foram abençoados por entrarem na Terra Prometida e receberem uma herança lá.

As bênçãos foram cuidadosamente elaboradas e adequadas ao indivíduo. Frequentemente, baseavam-se em comportamentos passados ​​projetados para além da vida desses filhos, para seus descendentes.

Quando Ia´aqov abençoou seu filho primogênito, Rúben, ele não lhe deu a porção dobrada ou a preeminência normalmente reservada aos primogênitos. Por causa da instabilidade de Reuben, a porção dobrada foi dada a Iosef e a preeminência foi dada a Judá.

Ele fez isso porque Reuben dormiu com a concubina de Ia´aqov, Bilhah, que revelou seu desejo de poder sobre a família. Em outras palavras, quando Reuben tomou posse do harém de seu pai, isso revelou uma tentativa de usurpar sua autoridade. Por essa razão, Ia´aqov resistiu em dar a Reuben uma posição de proeminência.

Quando Ia´aqov abençoou Simeão e Levi, ele amaldiçoou a raiva deles por seu papel no massacre em Siquém depois que a filha de Ia´aqov, Diná, foi estuprada. Embora a raiva deles fosse uma resposta adequada, não era uma raiva justa. Eles enganaram os homens de Siquém com um falso acordo de paz e o usaram como uma armadilha para matá-los. A violência deles foi tão excessiva que eles até mesmo amarraram os bois.

No entanto, outros filhos foram abençoados com beleza e fertilidade (Iosef); rapidez de um veado (Naftali); ferocidade de um lobo (Benjamin); sabedoria (Issacar); poder militar (Gad); e assim por diante.

Ia´aqov proclama Judá, o líder das tribos de Israel

Judá, tu és aquele a quem teus irmãos hão de louvar; sua mão estará no pescoço de seus inimigos; os filhos de seu pai se prostrarão diante de você” (Gn 49:8).

Quando o povo de Israel saiu da escravidão no Egito, Judá se tornou o “santo” de D-us:

Quando Israel saiu do Egito, a casa de Ia´aqov de um povo de língua estranha; Judá tornou-se Seu santuário [kadosho], Israel Seu domínio [memshalah]” (Sl 114:1-2).

A palavra traduzida como santuário é kadosho (קָדְשׁוֹ), que significa “santidade ou porção sagrada”. Vem da palavra kadosh (קדוש), que significa “sagrado ou separado”.

Em Judá, vemos o chamado à santidade. Embora ele tenha mostrado lapsos de santidade e bom senso às vezes, ele salvou a vida de Iosef da ira de seu irmão depois que eles o jogaram em um buraco. E, mais tarde, Judá foi o único irmão disposto a escravizar sua própria vida para libertar seu irmão Benjamin.

Essas ações revelaram traços de caráter semelhantes ao nosso Messias – Aquele que nos salva da morte espiritual e nos liberta da escravidão espiritual.

Quando não temos certeza do que devemos agradecer, podemos louvar e agradecer a Ele por esses dons de liberdade. Na verdade, a palavra hebraica para “judeu” vem de Judá (Iehudah יהודה), da raiz IDH — yadah (ידה), que significa “agradecer”.

Lia, a esposa de Ia´aqov, usou um jogo de palavras ao nomear seu último filho Judá (Iehuda), dizendo que agora ela louvaria (Iadah – agradecer) ao Senhor (Gn 29:35).

E o apóstolo Paulo disse que um verdadeiro judeu, interiormente, é aquele que louva (graças) ao Senhor, seja judeu ou gentio (Rm 2:28-29).

Ia´aqov também compara Judá a um filhote de leão; portanto, a tribo de Judá é conhecida como Gur Ariyeh (filhote de leão).

Judá é um filhote de leão [Gur Ariyeh]; da presa, meu filho, você subiu. Ele se curva, ele se deita como um leão; e como um leão, quem o despertará?” (Gn 49:9).

Na verdade, da tribo real de Judá surgiram reis, legisladores e o Redentor prometido, o Messias, o Rei ungido de Israel – Ieshua HaMashiach!

Conforme profetizado, um dia, o domínio de Sua autoridade se estenderá a todo o mundo. A Ele, todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Fp 2:10).

Ia´aqov profetiza a vinda do Messias

O cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a Ele será a obediência do povo” (Gn 49:10).

O significado da palavra Shiloh como é usada neste versículo significa literalmente “que é seu” ou “aquele de quem é”. Portanto, este versículo poderia ser reafirmado para dizer que o cetro (cajado de um governante) não se afastará de Judá até que venha aquele a quem pertence.

Mais especificamente, Shiloh é considerado um sinônimo de Messias, mesmo por antigos eruditos judeus e rabinos que escreveram comentários sobre esta Escritura:

“O governo permaneceu com a tribo de Judá até a chegada de Siló, ou seja, o Messias.” (Midrash Rabbah, escrito 200-500 DC)

Encontramos indícios de quem é esse Messias ao examinarmos mais de perto as palavras dessa profecia.

Embora Judá e sua descendência tivessem o cetro do governo e da lei sobre o povo escolhido de D-us, seu reinado permaneceria limitado a Israel. Alguém viria de Judá como um leão maduro que governará e julgará o mundo inteiro. (Gn 49:9)

Na profecia de Ia´aqov – “o cetro não se afastará de Judá” – encontramos todas as letras do alfabeto hebraico, exceto a letra zayin (ז), que representa a palavra hebraica para arma. Isso, talvez, indica que quando o Messias viesse pela primeira vez, Ele não viria com armas físicas.

Na verdade, Ieshua segurou o bastão soberano do próprio D-us, liberando a opressão espiritual e libertando os cativos por meio do Espírito o Santo de D-us (Ruach HaKodesh).

Com o cajado de D-us nas mãos, Ieshua veio como o servo sofredor (Mashiach ben Josef).

A liderança judaica da época de Ieshua, no entanto, estava procurando um cetro para ser erguido por um líder militar que conquistaria os opressores romanos com armas e força (Mashiach ben David). Como resultado, muitos perderam completamente seu Messias.

Com o tempo, conforme o cristianismo se desenvolveu e os cristãos perseguiram os judeus em nome do Messias, a maioria do povo judeu passou a se definir como pessoas que rejeitam que Ieshua seja o Messias. No entanto, sempre houve crentes judeus. Hoje, muitos crentes messiânicos permanecem fiéis à cultura e às tradições judaicas, permanecendo firmes contra a atração da assimilação.

De acordo com comentaristas judeus rabínicos no Talmud (Lei Oral), Ia´aqov queria revelar a vinda do Messias no final dos dias, mas foi impedido pelo Ruach HaKodesh (Espírito o Santo).

Ia´aqov desejava revelar a seus filhos o fim dos dias [ketz ha-yamin], após o que a presença divina se afastou dele.” (Talmud Pesachim 56a)

Em Sua soberania, o Ruach revelou aqueles dias finais por meio dos muitos ensinamentos de Ieshua (Mt 24; Mc 13; Lc 21) e a visão do apóstolo João no livro do Apocalipse, bem como outras profecias bíblicas.

Significando ainda mais a chamada profética de Judá como os “santos” de D-us, o nome de Judá, Iehuda – יהודה, usa todas as quatro letras do nome próprio de D-us, IHVH (יהוה) com a adição de uma letra hebraica dalet (ד), que permanece para delet ou “porta”.

Ieshua morreu na Terra de Judá na estaca de execução romana, ressuscitou e se tornou a porta da salvação.

Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo e entrará e sairá e encontrará pasto” (Jo 10:9).

Ieshua HaMashiach um dia se tornará conhecido por Seus irmãos como esta porta, e eles O louvarão e agradecerão por isso.

“Desta forma, todo o Israel será salvo, como está escrito, ‘O Libertador virá de Sião, ele banirá a impiedade de Ia´aqov’” (Rm 11:26; Is 59:20).

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

 

Por Pastor Ângelo Medrado

Pr. Batista, Avivado, Bacharel em Teologia, PhDr. Pedagogo Holístico docente Restaurador, Reverendo pela International Minystry of Restoration - USA - Autor dos Livros: A Maçonaria e o Cristianismo, O Cristão e a Maçonaria, A Religião do Anticristo, Vendas Alto Nível com Análise Transacional, Comportamento Gerencial.
Casado, 4 filhos, 6 netos, 1 bisneto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.