Categorias
Cultos

O cristão não pode entrar em pânico pelo coronavírus

Os reinos se abalam, os governos caem, os homens entram em desespero, mas o Todo Poderoso permanece inabalável.

Enfermeira alimenta paciente com coronavirus. (Foto: China Daily)

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o coronavírus como uma pandemia e a previsão é que a coisa pode piorar e piorar. Governos estão fechando as fronteiras, restringindo voos, declarando estado de emergência e impondo restrições para tentar impedir o avanço da doença. Sem falar no prejuízo financeiro enorme que isso vem causando.

No entanto, um dos ensinamentos mais importantes que o cristão jamais deve esquecer é que nada foge do controle de Deus. Lembre-se que a Bíblia, em Lucas capítulo 21 e versículo 11, adverte sobre esses acontecimentos: “Haverá grandes terremotos, fomes e epidemias em vários lugares e acontecimentos terríveis e grandes sinais provenientes do céu”.

O que estamos vendo já estava previsto para os últimos tempos, mas em Mateus 24 e versículo 6, Jesus diz que não devemos nos assustar, “porque é necessário que essas coisas aconteçam”. Ele diz ainda que isso acontecerá antes de Seu retorno para buscar a Igreja, o que todos esperamos ansiosamente. Maranata!

Não estou dizendo que a situação atual não causa preocupação. Seria leviano de minha parte afirmar que não devemos nos precaver. Porém, digo que isso deve estar acompanhado de serenidade. Pânico não é bom e não leva a nada.

Todas as crises que enfrentamos neste mundo, seja qual for o seu nível, devem ser encaradas com fé e coragem. Entrar em desespero demonstra que nossa confiança em Deus está abalada e que não estamos olhando a situação da maneira correta.

Em 2 Timóteo no capítulo 1 e versículo 7, a Bíblia diz: “Pois Deus não nos deu um Espírito que produz temor e covardia, mas sim que nos dá poder, amor e autocontrole” (NVT).

As Escrituras também ensina que Deus é o nosso refúgio e fortaleza (Salmos 46.1), o que demonstra o tamanho do Seu poder para nos proteger e nos assegurar vitória em meio aos enormes problemas que temos de enfrentar nesta vida.

De nada adianta entrarmos em pânico e acabar piorando ainda mais a situação que já é delicada. Algumas coisas podem nos deixar confusos, crises podem provocar preocupação e levantar dúvidas em nossa mente, mas o Senhor não se abala.

A Bíblia diz que Deus está assentado no seu trono. Os reinos se abalam, os governos caem, os homens entram em desespero, mas o Todo Poderoso permanece inabalável. É por isso que devemos depositar toda a nossa confiança nEle, sabendo que nada pode impedir o Seu agir.

Problemas de proporções tão grandes podem nos deixar desequilibrados, causam preocupação e trazem muitas coisas negativas. Eu poderia dizer para você se prevenir da melhor forma, estocar alimento, comprar remédios, encher sua despensa, estocar álcool gel, mas nada disso te daria esperança.

Ao invés de te trazer mais preocupação, quero que pense em como o Senhor mantem o controle sobre tudo isso que está acontecendo. Você precisa se cuidar, se precaver e evitar o contágio pela doença, mas jamais deve permitir que isso vire pânico descontrolado.

Caro leitor, estamos em tempos difíceis em todo o mundo, o medo está aumentando e o desespero vem se tornando cada vez mais evidente. É por isso que, como crentes em Jesus Cristo, devemos ser instrumentos de boas notícias. Devemos anunciar a esperança de um Reino de perfeita paz.

“Não fique ansioso por nada, mas em todas as situações, por oração e petição, com ações de graça, apresente seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que transcende todo entendimento, guardará seus corações e suas mentes em Cristo Jesus ”(Filipenses 4.6-7).

Samuel Gonçalves

Pastor da catedral da Assembleia de Deus em Cabo Frio, casado com Michelle Gonçalves, formado em direito, filosofia e teologia.
Categorias
Cultos

Coronavírus e a igreja: é certo cancelar o culto?

É absolutamente prudente uma Igreja abrir mão do encontro presencial – por amor aos irmãos e em favor da sociedade

Bancos da igreja vazios. (Foto: Rudy and Peter Skitterians / Pixabay)

Parece-me que o povo de Deus ainda tem muito a amadurecer na fé. Um problema como esse (cancelar o culto ou não) deveria ser um dos mais tranquilos e fáceis de resolver.

Antes de tudo, preciso informar que o culto ao Senhor não é uma prerrogativa do “Templo”. O culto a Jesus Cristo deve transcender as quatro paredes – ou alguma coisa está errada na espiritualidade da comunidade. Se nós dependemos de reuniões públicas para que a nossa comunhão com o Senhor não morra, isto é um sinal de que estamos espiritualmente deficientes.

Contudo, veja: este é um tempo em que o valor da congregação será medido nos corações. Pois logicamente não é saudável que alguém se sinta confortabilíssimo de não estar mais em comunhão com outros irmãos em virtude das precauções relacionadas à pandemia da Covid-19.

A espiritualidade cristã se desenvolve na lógica binária [porém, paradoxal] “quarto x templo”, onde eu cresço na devoção a Cristo através dos meios de graça que são compartilhados numa relação vertical direta entre eu e o Deus Trino e na relação horizontal direta entre eu, o Deus Trino e meus irmãos.

Nenhum cristão saudável vive muito tempo sem a Igreja. Nenhum cristão saudável morre por ficar por algum tempo sem a Igreja.

As nuances das peculiaridades de cada congregação não são tão essenciais como é a necessidade de entendermos que, em tempos de pandemia, é absolutamente prudente uma Igreja abrir mão do encontro presencial – por amor aos irmãos e em favor da sociedade – para manter a chama dos encontros familiares (e virtuais) acesa.

A fé de ninguém deve ser testada por conta de um vírus. Creio que o maior teste da fé é o da permanência na mesma em tempos de tribulação e sofrimento.

Entretanto, ainda sabemos de contextos em que os riscos podem ser calculados, como é o caso de algumas Igrejas que possuem um volume baixo de aglomeração e que estão em regiões onde ainda são raros os casos de pessoas infectadas.

Não acho que nestes tipos de casos os líderes e os irmãos estejam tentando a Deus. No entanto, tenho de encorajá-los a refletir se de fato sofrerão muitos danos caso se preservem por algumas semanas para contribuir com as medidas cautelares do Ministério da Saúde.

Creio que, onde há muito barulho, há pouca sabedoria. Precisamos ouvir mais e falar menos nessas horas e evitar fazer acusações uns contra os outros de falta de fé ou de responsabilidade com a sociedade. Tudo que é tratado com mansidão e sabedoria tende a ser solucionado com êxito.

É tempo de oração, seja em casa ou na Igreja. É tempo de confiar em Deus e seguir com a vida normal, ainda que com adaptações de rotina e lugares. Só não é tempo de dividir o Corpo com discussões acerca de uma questão tão simples e tão pontual.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes da Betânia Igreja Batista (Sulacap – RJ), na juventude da PIB de Vilar Carioca e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Categorias
Estudos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Unsplash / Travis Grossen

Os cristãos podem ter atração sexual sem que isso seja luxúria, de acordo com um par de conselheiros cristãos especializados em casamento e família.

O podcast “The Table” do Seminário Teológico de Dallas teve um episódio publicado no YouTube na semana passada intitulado ” Uma abordagem saudável para a atração sexual “.

A entrevista de especialistas do anfitrião Bill Hendricks incluiu Debby Wade, uma conselheira profissional licenciada especializada em casamento, família e dependência de sexo; e Gary Barnes, ministro ordenado e psicólogo licenciado, especializado em casamento e assuntos familiares.

Wade discordou da crença de que atração sexual e luxúria eram a mesma coisa, com ela explicando que luxúria envolve “objetivar” e “apenas ver um nível de uma pessoa”.

“Acho que a atração sexual é muito mais profunda e abrange muitas coisas”, disse Wade. “Da maneira que Deus nos projetou fisiologicamente, temos essa reação química e a química que podemos experimentar com os outros.”

“E nós sabemos que há uma atração por lá. Mas não queremos apenas basear um relacionamento nessa atração. ”

Wade acrescentou que a atração envolve um sentimento de longo prazo, usando o exemplo hipotético de um casal que está junto há 60 anos ou mais.

“Eles foram atraídos um pelo outro fisicamente. E embora o corpo deles tenha mudado fisicamente, por causa da intimidade, havendo uma atração e um conhecimento mais profundo, eles ainda diriam que, de todas as mudanças no corpo, nas rugas e tudo mais: ‘Estamos tão atraídos um pelo outro agora quanto há 60 anos ‘”, continuou ela.

Barnes também notou um contraste entre atração e luxúria, definindo luxúria como “objetivando a auto-satisfação”, enquanto a atração seria “contemplar a beleza” e “poderoso”.

“É poderoso de propósito. E poderia ser usado para fins construtivos ou destrutivos. Mas não é ho-hum. E essa é realmente a coisa boa da idéia de sexualidade de Deus é que não deveria ser ho-hum ”, disse Barnes .

Barnes também falou sobre o que ele descreveu como a “ladeira escorregadia da sexualidade”, que envolvia os extremos de “demonizar a sexualidade” de um lado e “deificar a sexualidade” do outro.

“Agora, no topo, a ladeira escorregadia que tendemos a deslizar para um lado ou para o outro é a sexualidade sagrada. E esse é o chamado de Deus para elevarmos ”, explicou.

“O que Deus nos deu é um presente que Ele deseja que elevemos. E o objetivo, novamente, é nos levar além da fisicalidade da sexualidade, embora a fisicalidade seja necessária para o desenho. E é para isso que a atração contribui. É uma parte poderosa do desenho. Mas não podemos deixar que isso nos puxe para os dois lados da ladeira escorregadia.

Para ajudar a elevar uma atração sexual saudável, Wade disse que é importante começar com “um coração de gratidão”.

“Uma gratidão que Deus escolheu para nos tornar como seres sexuais, uma gratidão que Deus escolheu para tornar homens e mulheres, que Deus escolheu, em Sua maneira criativa, nos tornar tão diferentes”, explicou Wade.

“Acho que quando ficamos em um coração de gratidão, estamos cientes disso, então não podemos reprimir, somos gratos por isso. E então, acho que quando temos uma gratidão e uma gratidão por alguma coisa, e sabemos que Ele é o Criador, isso nos ajuda a ficar na linha de manter isso elevado. ”

Carl Thomas, criador do Live Free Community App e fundador do ministério do vício em pornografia Live Free , abordou o assunto sobre o que a luxúria é e não está em um artigo de 2018 publicado pelo The Christian Post .

“Luxúria não está olhando. A luxúria está deixando sua mente vagar para pensamentos sexuais DEPOIS de olhar ”, escreveu Thomas, cuja coluna apareceu originalmente no XXXchurch.com.

“Veja bem, luxúria não é isso que acontece. Não é espontâneo. Não é aleatório. A luxúria cresce. É de várias maneiras orgânico. E tem seu próprio ciclo de vida. ”

Thomas acrescentou que “quando você ou eu olhamos para uma pessoa atraente, não estamos desejando … mas é nesse momento que o ciclo de vida pode começar a se desenrolar”.

Siga Michael Gryboski no Twitter ou Facebook