Categorias
Estudos

Teólogo diz que estudiosos estão errados ao vincular Ezequiel 38 à guerra na Ucrânia

 

“Precisamos entender os princípios da interpretação bíblica”, alertou.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN POST
Hank Hanegraaff, teólogo e apresentador do programa “Bible Answer Man”. (Foto: Captura de tela/Facebook Bible Answer Man)
Hank Hanegraaff, teólogo e apresentador do programa “Bible Answer Man”. (Foto: Captura de tela/Facebook Bible Answer Man)

O teólogo e apresentador do programa “Bible Answer Man”, Hank Hanegraaff, diz que os especialistas em profecias modernas estão errados em vincular a profecia do livro de Ezequiel, capítulo 38, à atual guerra na Ucrânia.

Um dos especialistas que faz a associação é Pat Robertson, que acredita que o profeta falou sobre a invasão russa há 2500 anos. O fundador da CBN News, disse recentemente, que “as tropas de Putin e de Erdogan (presidente da Turquia), vão formar um exército nos últimos dias”.

Para ele, a Ucrânia é fundamental por ligar Bulgária, Grécia e Turquia. “Toda essa área será mobilizada contra Israel”, disse Robertson ao se referir à grande batalha contra os judeus no fim dos tempos.

Teólogo discorda

“Isso é coisa da nossa imaginação moderna e não faz parte do contexto histórico e bíblico. Ezequiel fala sobre o príncipe de Rosh e de outras nações que vão atacar Israel”, argumentou Hank.

“A Bíblia não está falando da Rússia moderna”, disse ao apontar para a necessidade de entender todo o contexto ao longo da história.

“Ezequiel profetizou sobre um período extremamente sombrio na história de Judá. O profeta nasceu na época em que Josias encontrou o Livro da Lei no templo. Isso foi quando um renovo espiritual invadiu a terra”, citou.

Ele explicou ainda que, “infelizmente, a reforma espiritual durou pouco. Na época da morte de Josias, as práticas idólatras do passado voltaram com força total, e assim, os atos do julgamento de Deus caíram sobre eles. E, como resultado, Ezequiel também foi parar nas planícies empoeiradas da Babilônia”.

‘Ezequiel profetizou à próxima geração’

Para Hank, o profeta Ezequiel estava fazendo um aviso aos companheiros de exílio que o pior ainda estava por vir.

“Ele se referia à profanação de Jerusalém e seu templo em 586 a.C. [pelos babilônios]. Ezequiel estava profetizando perto do rio Kebar. E ali ele olhou para o céu oriental e ansiava que a glória do Senhor voltasse a um templo que havia desaparecido nas rochas que o cercavam”, disse.

“Ezequiel ansiava pela promessa de um templo cuja glória excederia até mesmo a do templo de Salomão. E, no Espírito, ele estava prevendo eventos que aconteceriam uma geração depois”, continuou.

“Uma geração depois, não no século 21. Na próxima geração, quando Zorobabel reconstruiria a condição espiritual dos exilados que retornaram e quando Neemias desafiaria seus compatriotas a se levantar para reconstruir os muros destruídos de Jerusalém”, reforçou.

‘Deus derrotará Gogue’

Para o pastor, Rosh não significa Rússia e Gogue é uma pessoa. “Quem quer que seja Gogue, ele é da terra de Magogue e é o líder de Tubal e Meseque. Além disso, trata-se de uma confederação de outras nações: Pérsia, Cuxe, Pute, Gomer e Beth Togarmah, conforme Ezequiel 38.5-6”, mencionou.

“Quem quer que seja, ele terá planos de ‘atacar um povo pacífico e inocente’, isto é, Israel, conforme versículos 11, 14 e 18. Mas, independentemente dos planos de Gogue, o Senhor Deus está contra ele e o derrotará”, disse ainda.

‘A palavra Rosh não tem ligação semântica com Rússia’

Hank também cita que a “Pérsia”, nação listada como aliada de Magogue, é o Irã moderno. E também esclareceu que “a palavra ‘Rússia’ é uma palavra viking do século 11 e não está semanticamente ligada à palavra hebraica Rosh.

Precisamos entender os princípios da interpretação bíblica para que nossa imaginação moderna não nos enlouqueça”, alertou.

Vale citar ainda que vários teólogos exploram abertamente as profecias do Antigo Testamento associando-as ao fim dos tempos e colocando a Rússia como uma das peças do tabuleiro, que vai se mover contra Israel no jogo da guerra.

Joel Rosenberg, por exemplo, acredita que o líder da Rússia [disse sem citar nomes], fará uma aliança com Irã, Turquia e alguns outros países hostis para atacar Israel nos últimos dias.

O arqueólogo e historiador, Rodrigo Silva, explica que o foco em países como Rússia ou China, por exemplo, se dá por serem nações expansionistas e que lutam por poder. “Mas, não deveriam ser colocadas, neste momento, no cenário profético de Gogue e Magogue”, mencionou.

Ele também esclareceu que o nome “Ros” ou “Rosh”, dependendo da versão bíblica, apenas se assemelha ao nome Rússia. “Mas, é estranho pegar só a fonética similar porque gramaticalmente teremos problemas”, esclareceu.

“Rôs em hebraico (ro’sh) significa cabeça, topo, começo ou principal. Não há menção na Bíblia de que Rôs seja um lugar. Daí fica difícil dizer que Rôs possa ser a Rússia”, reforçou.

De acordo com o historiador, os russos são de tribos bárbaras do nono século. Além disso, a palavra “russo” quer dizer “remadores”.

Por Pastor Ângelo Medrado

Pr. Batista, Avivado, Bacharel em Teologia, PhDr. Pedagogo Holístico docente Restaurador, Reverendo pela International Minystry of Restoration - USA - Autor dos Livros: A Maçonaria e o Cristianismo, O Cristão e a Maçonaria, A Religião do Anticristo, Vendas Alto Nível com Análise Transacional, Comportamento Gerencial.
Casado, 4 filhos, 6 netos, 1 bisneto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.