Categorias
política

Bolsonaro diz que por ele não teria carnaval em 2022

O chefe do executivo lembrou que em fevereiro de 2020 declarou situação de emergência devido à iminência da pandemia da Covid-19.

Presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima

Presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima (Foto: Reprodução/Twitter)

Diante de tanta discussão a respeito do carnaval em 2022, o presidente Jair Bolsonaro se manifestou contra a folia nesta quinta-feira (25), mas ressaltou que a decisão não está na sua mão. As festividades estão marcadas para acontecer de 25 de fevereiro a 1º de março.

“Por mim, não teria Carnaval, mas tem um detalhe: quem decide não sou eu. Segundo o Supremo Tribunal Federal, quem decide são os governadores e prefeitos”, disse ele em uma entrevista à Rádio Sociedade Bahia.

O chefe do executivo lembrou que em fevereiro de 2020 devido à iminência da pandemia da Covid-19 ele declarou situação de emergência.

“Em fevereiro do ano passado, ainda estava engatinhando a questão da pandemia, pouco se sabia, praticamente não tinha óbito no Brasil, eu declarei emergência, e os governadores e prefeitos ignoraram, fizeram Carnaval no Brasil”, continuou

Os óbitos da Covid-19

O presidente não quis se aprofundar no assunto para não gerar uma “nova polêmica”. E reforçou que não é o responsável pela culpa dos óbitos por coronavírus no Brasil.

“Não tenho culpa disso. Não estou me esquivando nem culpando outras pessoas. É uma realidade, é uma verdade. Todo o trabalho de combate à pandemia coube aos prefeitos e governadores. Para mim, o que coube: mandar recursos para estados e municípios. No total, gastamos no ano passado R$ 700 bilhões”, concluiu.

Categorias
católicos Noticias

Já são 1.400 as denúncias de abuso na Igreja Católica na América Latina

México registrou 550 casos de abusos de menores de idade; Chile e Argentina são únicos países a fornecer ajuda às vítimas e exigir investigação
Giovanna Orlando, do R7
Mais de mil casos foram registrados na América Latina

Mais de mil casos foram registrados na América Latina

Arquivo/Agência Brasil

A América Latina é um dos lugares com a maior concentração de católicos no mundo, com o Brasil encabeçando a lista, e se tornou foco de uma investigação de abuso de menores de idades por religiosos.

Em um relatório de 60 páginas divulgado pelo Children Rights International Network, a chamada “terceira onda de denúncias” acontece no continente latino-americano anos depois da primeira, nos Estados Unidos, e da seguda, na Europa e Oceania.

Mesmo com mais de 1.400 denúncias registradas, sendo 550 no México e 243 no Chile, a América Latina ainda é a região com o menor número de casos registrados.

Os números chocantes sequer incluem cinco países importantes no continente. Brasil, Cuba, e Honduras não registram ou tornam públicos casos de abusos. Já o Equador não tem informações disponíveis e El Salvador é conhecido por não divulgar publicamente os casos.

 Argentina e Chile na vanguarda

A Argentina, com 129 denúncias, e o Chile se destacam na luta contra os abusos crescentes, com sobreviventes falando sobre sua experiência e pedindo ações contra os abusadores e a instituição religiosa que os protege.

“Essa mudança cultura é especialmente evidente no Chile, onde a determinação para responsabilizar instituições como a Igreja Católica pelos seus fracassos levou os sobreviventes a coletivamente pedir que o governo crie uma comissão para investigar independentemente a verdade sobre o histórico de abuso sexual no país pela igreja”, diz o relatório.

Além do Chile, a Itália, Polônia, Espanha e os Estados Unidos também investigam e tentam responsabilizar a igreja pelos abusos por meio de investigações independentes.

As maiores dificuldades porém estão na falta de auxílio da Santa Sé com as investigações. A Igreja se recusa a divulgar arquivos internos e o nome dos responsáveis, já admitiu ter destruído ou alterado provas que pudessem incriminar a instituição e alegam que os casos são falsos.

Os casos na América Latina

Muitas vezes, as vítimas não querem reportar o abuso ou demoram décadas para conseguir lidar com o trauma e conseguir registrar a ocorrência, o que torna impossível a missão de saber com precisão quantos menores de idade foram abusados dentro da Igreja Católica.

O caso mais antigo registrado na América Latina é de 2002, quando o padre Luis Francisco Calvo Bolaños foi sentenciado a quatro anos de prisão na Costa Rica por beijar forçadamente uma menina de 16 anos.

No Paraguai, em 2003, o padre Juan Andrés López Souza foi o primeiro padre condenado depois de abusar de um coroinha de 11 anos. Ele foi sentenciado à 11 anos de prisão.

Os únicos países latino americanos que oferecem ajuda às vítimas de abuso sexual na igreja, exigem investigações independentes, tomada de medidas e permitir que as vítimas tenham acesso à justiça são o Chile e a Argentina.

No mundo, a instituição Ending Clerical Abuse (Acabando com o abuso clerical, em tradução livre) é a primeira organização internacional focada em investigar e responsabilizar a igreja pelos abusos cometidos.

Mais de 1.400 casos

O México lidera o ranking de países com o maior número de casos de abuso, com 550 registrados até fevereiro de 2019.

Publicidade

Fechar anúncio

A Igreja Católica no México diz ter suspendido 152 padres das suas obrigações religiosas nos últimos 9 anos depois de suspeitas de abuso de menores, mas não divulgou os nomes dos clérigos e nem se os casos estão sendo investigados.

Na Argentina, o número de casos vem crescendo desde 2015. Até junho deste ano, 243 padres, freiras e outros clérigos foram acusados de abuso nos últimos 20 anos.

O Chile tem 166 casos sendo investigados e outras 243 acusações foram feitas contra clérigos e funcionários da igreja, segundo a Rede Chilena de Sobreviventes de Abuso Sexual de Clérigos.

 Brasil não investiga casos

A Igreja Católica no Brasil não conduz atualmente nenhuma investigação de abuso sexual de menores envolvendo religiosos.

Um dos poucos dados disponíveis diz que um relatório do Vaticano estimou em 2005 um aumento de 70% em casos de padres envolvidos em abuso sexual, cerca de 1.700 clérigos sendo acusados. A maior parte das vítimas é pobre.

Cuba também não divulgou informações sobre abusos e não existem estatísticas disponíveis sobre o número de acusações.

 Transferência de padres, dinheiro e manipulação

Os casos de abuso mancham a imagem e credibilidade da Igreja Católica, que tenta por séculos esconder os casos e crimes cometidos.

Quando um padre é acusado de abusar sexualmente de um menor de idade, ele pode ser transferido para um novo país e escapar das investigações e acusações.

A Igreja também pode tentar resolver o caso diretamente com a família, através de pagamentos secretos para comprar o silêncio da criança e dos familiares. Em um caso na Colômbia, em que o padre William Jesús de Mazo foi sentenciado a 33 anos de prisão por abusar de 4 crianças, a instituição disse que a culpa era da família, que falhou na missão de cuidar, proteger e vigiar as crianças.

Em outros casos, psicólogos indicados pela igreja conversam com as vítimas e as fazem acreditar que a culpa é delas e as ameaçam na esperança de que elas nunca falem sobre os abusos, por medo de irem para o inferno por terem pecado e poderem ser presas.

 Mídia silenciada

A mídia também é silenciada e impedida de reportar os casos. No Paraguai, o jornal La Nación publicou uma série de reportagens em 2016 sobre um padre acusado de abusar de crianças na Argentina antes de se mudar para o país. Depois da quarta publicação, a série foi descontinuada sem explicação.

O embaixador do Vaticano, Eliseo Ariotti, teria conversado com a dona do jornal, dizendo que “a publicação não era conveniente”.

O jornal decidiu publicar sobre a censura imposta pela igreja e ganhou um prêmio de jornalismo de direitos humanos.

Categorias
Cultos

Igreja Católica está preocupada com avanço evangélico na Amazônia

Pesquisa do Datafolha mostra que há mais evangélicos que católicos no Norte do Brasil

Assembleia de Deus no Norte. (Foto: Arquivo Pessoal / Folha de SP)

Em junho deste ano o Vaticano já demonstrava interesse em aumentar a presença da Igreja Católica na região Amazônica.

O documento emitido naquela época falava sobre a possibilidade de ordenar pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade.

Para isso, a Santa Sé estaria disposta a ordenar homens casados como sacerdotes, algo que não é permitido aos padres.

O interesse do Sínodo da Amazônia, que começou dia 6 e durará até o dia 27 de outubro, é discutir como oferecer aos povos distantes da Amazônia o acesso à eucaristia, como explicou o Dom Mário Antônio da Silva, bispo de Roraima.

Uma pesquisa recente do Datafolha mostra que a região Norte do Brasil tem mais evangélicos que católicos. São 46% de evangélicos e 45% de católicos. A média de todo o país é de 51% da população se assumindo como católica e 32% como evangélica.

Ao longo de todo o encontro episcopal, serão discutidos assuntos de como a Igreja Católica pode se adaptar à realidade amazônica e também serão tratados assuntos comuns aos nove países que formam a região, tanto em questão pastoral, quanto ambiental.

Enquanto as igrejas evangélicas se expandiram na região, a Igreja Católica não conseguiu avançar. Com 27,3 mil padres no país, há poucos que atuam na região Amazônica e vem daí o desejo de usar lideranças locais para atrair a confiança das comunidades.

A antropóloga francesa Véronique Boyer, autora do livro “Expansão Evangélica e Migrações na Amazônia Brasileira”, analisou a situação e entendeu que esse cenário foi traçado pelos pequenos missionários que resolveram atuar na Amazônia.

“Se deve mais à ação de pequenos missionários autoproclamados —que, inicialmente, têm por objetivo fundar a sua igreja— do que a uma ação planejada de igrejas mandando missionários”, declarou ela à Folha de São Paulo.

A antropóloga lembra que os primeiros missionários estrangeiros já atuavam onde padres não iam.

“Não sei se a gente pode falar em uma certa arrogância da igreja, mas se parece um pouco com isto. É claro que padres e bispos estão agora muito preocupados”, declara a pesquisadora.