Categorias
Cultos

Alerta máximo: liberdade em risco

Devemos lutar juntos por isso, antes que apenas um único governo, uma única crença e uma única religião governe a todos.

Por  – via gospelprime
Homem na prisão

Homem na prisão (Foto: Direitos Reservados/Deposiphotos)

Eles entenderam que precisam estabelecer sobre o mundo um único tipo de crença, um único tipo de opinião, um único tipo de linguagem e um único tipo de moeda e transições financeiras, sem contar o desejo e a “urgência” que eles tem de controlarem a natalidade sobre o mundo, visto que “para eles”, a terra já passou do limite necessário de pessoas, podendo com isso faltar carne, água e mais recursos naturais devido ao aumento da população.

Também se “preocupam” com o crescimento das metrópoles com suas poluições que contribuem para o aumento do buraco da camada de ozônio levando a um maior aquecimento global que pode se tornar irreversível no futuro. A ideia agora é o financiamento milionário por parte de tais poderosos para que esse crescimento populacional não siga acontecendo.

Dessa forma, eles financiam milhões para que todo tipo de movimento que visa a destruição da família tradicional cresça, tenha poder e entre em “destaque” social, empresarial e político, onde com o apoio da mídia, colocam tais “figuras” como “modelos” a serem seguidos, aumentando a participação deles em programas de televisão, propagandas de empresas, filmes, quadrinhos e séries. Portanto, qualquer um que falar qualquer coisa contra “eles”, “elas” ou “elos” será censurado, cancelado, expulso de empresas, emissoras, escolas, times de vôlei e alguns até serão presos, tudo por cometerem um “grande crime” que é apenas dar sua opinião e mostrar-se contrário a tais ideologias destrutivas e intimidadoras.

Em seus planos monstruosos de controlar as pessoas, eles acabam causando, ou permitindo certas crises mundiais que sejam reais e buscam por uma “solução” também a modo mundial, para que assim, possam, aos poucos, nos prendendo em casa, nos separando uns dos outros, nos conscientizando do que deve ser feito ou não feito, nos “incentivando” a fazer isso ou aquilo e finalmente nos obrigando a fazer o que eles querem, com a ameaça que se não for feito o que eles querem, não será permitido mais viver dentro do sistema que eles mesmo comandam, como acesso ao dinheiro, a cultura, alimentação, esportes, escolas, empresas, etc.

A velocidade do conhecimento tecnológico onde somos levados a nos conectar por celulares, aplicativos, vídeos, áudios e mensagens que afirmam ser “criptografados” de “ponta a ponta”, nada mais é que uma jogada onde todos estão nas mãos deles e tudo o que você escreve hoje, conversa hoje e registra hoje, mesmo apagando depois, será usado contra você, pois eles terão todos os arquivos.

A liberdade não se tira de uma só vez, pois o povo pode se revoltar, a liberdade se tira aos poucos, como se fosse cortar rodelas de salame até finalmente ter cortado todo ele.

Hoje vivemos um tempo onde quem é a favor do governo torce contra aqueles que são contra o governo e quem é contra o governo torce contra os que são a favor do governo.

Se prendem um jornalista de esquerda por dar sua opinião, alguns de direita podem vibrar com o fato; se prendem um jornalista de direita por sua opinião existe festa no lado da esquerda e até o chamam de blogueiro e não jornalista para não irem contra sua própria consciência, mas a verdade é que, se hoje tiram a liberdade de alguém contrário a sua ideologia e você se alegra, saiba que logo você será o próximo.

Existe uma frase perfeita aqui para entendermos como devemos defender nossa liberdade: “Não concordo com o que você está falando, mas sempre defenderei com unhas e dentes o seu direito de poder falar”.

Olha o que diz o artigo quinto da nossa Constituição Federal:

Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XV – e livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;”

IX – É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença

Conforme lido nos textos da constituição acima, não deveria ser crime dar opinião daquilo que cremos ou entendemos ser certo ou errado e sermos condenados, cancelados e presos por isso é uma atitude que rasga nossa constituição tornando-se um ato inconstitucional.

É evidente que, nesse ínterim de dar uma opinião, deve ser sim criminalizado quem ameaça ou ofende a dignidade de uma pessoa com o o único desejo de causar dano, vergonha e lesão física ou moral! Aqui entra o que achamos de bom senso, que nos leva a entender que a liberdade deve ser usada com amor, educação, sabedoria e respeito.

Em meios jurídicos, se uma pessoa se ofende com outra, pode processar ela e tentar ressarcimento, mas todo tipo de censura, condenação e até mesmo prisão de pessoas que possuem uma crença, opinião, ideologia, posicionamento diferente do que está sendo implantado na sociedade deve ser sim combatido e não aceito, pois se nada for feito agora, amanhã pode ser tarde.

Se o próprio Deus nos deu o livre arbítrio para decidirmos se vamos ou não obedecer a Ele, certamente qualquer tipo de imposição sobre como devemos ou não devemos pensar, como devemos ou não devemos nos comportar, pertence a satanás, seus demônios e a todos que o seguem.

Deus abençoe sua vida e família para que possa viver sempre a liberdade de ir e vir, pensar e se comportar baseado naquilo que acredita e que admira e que possa respeitar as pessoas que não vivem como você vive, mesmo não concordando com elas. Isso é liberdade! Isso é ser livre!

Devemos lutar juntos por isso, antes que apenas um único governo, uma única crença e uma única religião governe a todos.

 

Categorias
Cultos

Prédios da igreja são deixados vazios no domingo, com Trump, milhares de fiéis se mudando

Prédios da igreja são deixados vazios no domingo, com Trump, milhares de fiéis se mudando

Jentezen Franklin, pastor sênior da Igreja Free Chapel de vários campus em Gainesville, Geórgia, prega para sua audiência on-line em um auditório vazio em 15 de março de 2020. | YouTube / Capela Grátis

O presidente Donald Trump estava entre centenas de milhares de cristãos que freqüentaram a igreja on-line em todo o país no domingo depois que ele se apoiou fortemente nas Escrituras no sábado para declarar um Dia Nacional de Oração após a nova pandemia de coronavírus.

A mudança on-line ocorre quando muitas igrejas respondem a um chamado da saúde pública e de outras autoridades do governo local e federal para abandonar reuniões físicas para ajudar a conter a propagação do vírus que já infectou quase 4.000 pessoas e matou 69 delas nos Estados Unidos.

Na manhã de segunda-feira, mais de 169.000 pessoas foram infectadas globalmente e mais de 6.500 delas morreram,  segundo a Universidade Johns Hopkins .

O presidente Trump anunciou no Twitter na manhã de domingo que havia se ligado ao culto on-line de Jentezen Franklin, pastor sênior da Igreja Free Chapel de vários campus em Gainesville, Geórgia, que também é um de seus conselheiros evangélicos.

“Estou assistindo a um ótimo e belo culto do pastor Jentezen Franklin. Obrigado! @Jentezen ”, twittou Trump.

Categorias
Cultos

Coronavírus e a igreja: é certo cancelar o culto?

É absolutamente prudente uma Igreja abrir mão do encontro presencial – por amor aos irmãos e em favor da sociedade

Bancos da igreja vazios. (Foto: Rudy and Peter Skitterians / Pixabay)

Parece-me que o povo de Deus ainda tem muito a amadurecer na fé. Um problema como esse (cancelar o culto ou não) deveria ser um dos mais tranquilos e fáceis de resolver.

Antes de tudo, preciso informar que o culto ao Senhor não é uma prerrogativa do “Templo”. O culto a Jesus Cristo deve transcender as quatro paredes – ou alguma coisa está errada na espiritualidade da comunidade. Se nós dependemos de reuniões públicas para que a nossa comunhão com o Senhor não morra, isto é um sinal de que estamos espiritualmente deficientes.

Contudo, veja: este é um tempo em que o valor da congregação será medido nos corações. Pois logicamente não é saudável que alguém se sinta confortabilíssimo de não estar mais em comunhão com outros irmãos em virtude das precauções relacionadas à pandemia da Covid-19.

A espiritualidade cristã se desenvolve na lógica binária [porém, paradoxal] “quarto x templo”, onde eu cresço na devoção a Cristo através dos meios de graça que são compartilhados numa relação vertical direta entre eu e o Deus Trino e na relação horizontal direta entre eu, o Deus Trino e meus irmãos.

Nenhum cristão saudável vive muito tempo sem a Igreja. Nenhum cristão saudável morre por ficar por algum tempo sem a Igreja.

As nuances das peculiaridades de cada congregação não são tão essenciais como é a necessidade de entendermos que, em tempos de pandemia, é absolutamente prudente uma Igreja abrir mão do encontro presencial – por amor aos irmãos e em favor da sociedade – para manter a chama dos encontros familiares (e virtuais) acesa.

A fé de ninguém deve ser testada por conta de um vírus. Creio que o maior teste da fé é o da permanência na mesma em tempos de tribulação e sofrimento.

Entretanto, ainda sabemos de contextos em que os riscos podem ser calculados, como é o caso de algumas Igrejas que possuem um volume baixo de aglomeração e que estão em regiões onde ainda são raros os casos de pessoas infectadas.

Não acho que nestes tipos de casos os líderes e os irmãos estejam tentando a Deus. No entanto, tenho de encorajá-los a refletir se de fato sofrerão muitos danos caso se preservem por algumas semanas para contribuir com as medidas cautelares do Ministério da Saúde.

Creio que, onde há muito barulho, há pouca sabedoria. Precisamos ouvir mais e falar menos nessas horas e evitar fazer acusações uns contra os outros de falta de fé ou de responsabilidade com a sociedade. Tudo que é tratado com mansidão e sabedoria tende a ser solucionado com êxito.

É tempo de oração, seja em casa ou na Igreja. É tempo de confiar em Deus e seguir com a vida normal, ainda que com adaptações de rotina e lugares. Só não é tempo de dividir o Corpo com discussões acerca de uma questão tão simples e tão pontual.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes da Betânia Igreja Batista (Sulacap – RJ), na juventude da PIB de Vilar Carioca e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.