Categorias
Cultos

Rede Batista Conservadora lançada em meio à tendência ‘acordada’ na SBC, enfatizando as Escrituras, o evangelismo

Por Brandon Showalter , Repórter da CP
Uma pessoa participa da Conferência MLK50, organizada pela Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul e pela The Coalition Gospel em Memphis, Tennessee, em abril de 2018. | (Foto: ERLC)

Em meio à crescente preocupação de que a maior denominação protestante do país esteja cada vez mais “acordada” e se afastando da ortodoxia bíblica, uma nova rede foi formada para enfatizar o evangelismo e a suficiência das Escrituras na Convenção Batista do Sul.

Rede Batista Conservadora , que está sendo lançada na sexta-feira, descreve-se como um esforço de base para manter a proclamação do Evangelho no centro da vida da SBC, além de priorizar a fidelidade às Escrituras e todas as suas implicações, incluindo a apresentação de um ambiente bíblico vibrante. testemunha informada ao envolver a cultura. A rede afirma plenamente as crenças de longa data da Fé Batista e da Mensagem 2000.

Os envolvidos na formação da rede, muitos dos quais conversaram com o Christian Post, dizem que seus esforços são necessários, dada a direção e o futuro percebido da Convenção que muitos devotos batistas do sul consideram preocupantes. Mas a rede não é, dizem eles, uma nova denominação, um blog ou uma página de mídia social que exista apenas para expressar queixas ou um concorrente com outros ministérios afins.

“Estamos preocupados com o caminho atual que nossa família Batista do Sul está percorrendo. É um caminho que está distorcendo o que a Palavra de Deus está dizendo sobre coisas como sexualidade humana, reconciliação racial bíblica e justiça socialista ”, disse Brad Jurkovich, porta-voz da rede e pastor da Primeira Igreja Batista em Bossier City, Louisiana, em uma imprensa. liberação fornecida exclusivamente à CP na quinta-feira.

“Existem três opções que todo pastor e igreja precisa fazer”, explicou.

Essas três opções, disse ele, são permanecer na SBC e não dizer nada e vê-la cair na obscuridade; afaste-se inteiramente, consciente do que está deixando para trás; ou permanecer dentro da denominação e defender a restauração do que foi perdido nos últimos anos.

O pastor da cidade de Bossier acredita que muitos desejam a terceira opção e os pastores da CBN, ministros leigos e professores do seminário estão prontos para ficar ao lado deles.

“Os aparentes compromissos teológicos, éticos e sociais são simplesmente indicativos de batistas do sul sucumbindo à apostasia da era de Laodicéia? Estamos condenados ao destino de uma igreja impenitente ou abriremos a porta para deixar Cristo entrar, superar nosso mal-estar atual e experimentar outro renascimento espiritual? “Jurkovich ofereceu, falando sobre como ele atualmente vê o status espiritual da denominação como um todo. .

Ele sustentou ainda que um número significativo de batistas do sul está especialmente preocupado com a ênfase excessiva em certos assuntos que receberam mais atenção do que o evangelismo e a renovação espiritual – ênfases que ajudaram a tornar os batistas do sul o maior e mais influente grupo evangélico do país.

Para muitos, especialmente aqueles que fazem questão de comparecer à reunião anual da denominação a cada ano, sua preocupação se cristalizou após a reunião de 2018 em Dallas, quando foram feitas moções para impedir o vice-presidente Mike Pence de falar com os mensageiros. Embora esses esforços tenham fracassado, alguns participantes, no entanto, levantaram-se e deixaram o centro de convenções em protesto quando Pence começou a falar, ações que muitos consideravam desrespeitosas e contrárias à advertência em 1 Pedro 2: 11-17 sobre mostrar deferência adequada à autoridade governamental.

Outra questão controversa que incomodou muitos batistas do sul de longa data é a Resolução Nove, uma medida de 2019 que os mensageiros adotaram, que afirma que o que é conhecido como teoria crítica da raça e interseccionalidade são lentes analíticas úteis. A resolução definiu a CRT como “um conjunto de ferramentas analíticas que explicam como a raça tem e continua a funcionar na sociedade” e a interseccionalidade como “o estudo de como diferentes características pessoais se sobrepõem e informam a experiência de alguém”.

A rede considera essas ferramentas como fundamentalmente defeituosas porque elas provêm de visões de mundo como o neomarxismo e outros sistemas ideológicos hostis à fé cristã.

Lorine Spratt, assistente executiva de Jurkovich e leiga afro-americana da SBC, disse ao PC em entrevista na quinta-feira que apóia as aspirações da nova iniciativa conservadora e que considera as palavras da Resolução Nove ofensivas à CRT.

“Até sugerir que outra coisa é necessária, como uma ferramenta para envolver a cultura é ridículo”, disse ela, observando que sempre que alguém a menciona, ela responde referindo-se à história do eunuco etíope a quem Filipe explicou o Evangelho em Atos 8 .

“Aquele homem voltou e evangelizou seu povo [na Etiópia]. E assim não havia ferramenta para ajudá-lo. Filipe obedeceu ao Senhor e Deus fez o que Ele faz.”

Embora o texto da resolução estipule que a teoria crítica da raça e a interseccionalidade “devem ser empregadas apenas como ferramentas analíticas subordinadas às Escrituras – e não como estruturas ideológicas transcendentes”, ela ainda vê o que está acontecendo na SBC como um empurrão insidioso de cada vez mais vocal. “bolsos. A influência dessas teorias enfraquece a missão da Igreja, ela acredita, “porque elas são diametralmente opostas ao Evangelho de Jesus Cristo”.

A palavra “acordou”, como um termo político, costuma ser de origem afro-americana e refere-se a uma percepção percebida sobre questões raciais e justiça social, e costuma ser empregada em outras causas de estimação da esquerda secular.

Spratt disse que se sente apadrinhada quando os defensores da CRT dizem que precisam da ferramenta para envolver sua etnia e cultura.

“Eu digo absolutamente não. O Evangelho é totalmente suficiente. Totalmente suficiente”, enfatizou ela, “e o fato de sua origem deve dizer a alguém que não precisamos disso na Igreja Batista do Sul ou no reino da igreja”.

Perguntou o que ela argumenta de que exemplos de interseccionalidade podem ser vistos nas Escrituras, como quando Jesus ministrou à mulher samaritana do poço – que foi duplamente marginalizada naquele dia por ser mulher e samaritana – Spratt sustentou que os defensores da teoria apenas destacam passagens das Escrituras que se encaixam com uma narrativa predeterminada de seu próprio projeto.

Os coletores de impostos judeus também foram odiados e marginalizados durante esse período, ela apontou, mas “o despertar” de alguma forma nunca menciona esse caso.

“Estou envergonhado. Estou realmente envergonhado que eles insinuam que uma ferramenta analítica precisa ser usada para lidar comigo. Estou insultado que eles pensariam em usar algo assim para dizer que minha cultura ou etnia … isso precisamos de cuidados extras. Isso não é verdade “, disse ela.

“O que ele faz é procurar nos fazer uma vítima para que eles possam nos resgatar, para que se sintam bem em ajudar [minorias raciais]. Bem, não, você não está me ajudando se não está me apontando” ao Senhor Jesus Cristo. E eu não sou uma vítima. Eu sou vitorioso em Jesus Cristo. ”

Os afiliados à nova rede lembram os ganhos obtidos durante o que é conhecido como o Ressurgimento Conservador, um movimento iniciado várias décadas atrás e marcado por uma longa luta dentro da denominação por sua trajetória teologicamente liberal na época. Os principais atores desse movimento insistiram que, à medida que líderes moderados e liberais de seminários e outras entidades da SBC foram substituídos por conservadores teológicos, a denominação floresceu e, de várias maneiras, tornou-se uma espécie de porta-estandarte para evangelismo e ortodoxia bíblica nos Estados Unidos. Os opositores ao ressurgimento conservador geralmente se referem de maneira irisca ao movimento como a aquisição fundamentalista da SBC.

Mas alguns conservadores teológicos agora estão se perguntando, à luz da crescente apreensão sobre os ventos teológicos variáveis ​​em muitas igrejas, se seus valores permanecem representados em suas agências e se outro ressurgimento semelhante pode estar próximo.

Mike Spradlin, presidente do Seminário Batista Teológico Batista da América Central, em Cordova, Tennessee, disse que seu objetivo consistente é permanecer ancorado na verdade das Escrituras e que, sob sua autoridade, ele fala com convicção em todas as áreas da vida. Spradlin também ensina Antigo Testamento e Hebraico no seminário.

“Para mim, não é apenas uma nova luta, mas uma luta constante”, disse ele, observando a importância da diligência, porque é fácil escapar das verdades essenciais da Bíblia.

“E como teólogo, sou muito sensível quando você tenta acrescentar ao Evangelho ou acrescentar à Bíblia e diz: ‘Isso é necessário para a salvação, para uma vida piedosa ou para uma mudança social”.

Os batistas do sul estão perdendo sua paixão pelo evangelismo pessoal e pelas missões, afirmou.

“É como o elefante na sala. Ninguém quer falar sobre isso. Como batista do sul, nossa denominação está em declínio numericamente. Também estamos declinando rapidamente nos batismos, o que é um bom indicador de que as pessoas estão vindo para Cristo. Portanto, esse deve ser um momento de crise para nós “, afirmou.

Embora a denominação sempre tenha tido vários acampamentos e grupos que tendem a reunir idéias particulares, paradigmas teológicos ou personalidades, o conflito não é novo, ele enfatizou.

Ele continuou que, por causa de como a denominação é estruturada – é uma coleção de igrejas e não uma instituição singular – às vezes surge uma frustração nas igrejas, pois algumas se sentem desconectadas dos líderes denominacionais, principalmente se têm visões diferentes do que a SBC deve ser.

No entanto, ele disse: “escolheremos trabalhar juntos porque queremos levar o Evangelho às nações. Acho que sempre foi um grito de guerra de uma maneira boa. E se você deseja reunir os batistas do sul, Os convenceremos a levar o Evangelho às nações “, disse Spradlin.

“Minha esperança é que a Rede Batista Conservadora mantenha as pessoas envolvidas na Grande Comissão, que elas permaneçam conectadas, que não se desconectem ou apenas joguem suas mãos, mas que continuem comprometidas e levem o Evangelho às nações, “ele reiterou.

Echoing Spradlin, Chuck Kelley, presidente emérito do Seminário Teológico Batista de Nova Orleans, disse que a necessidade da rede ocorre principalmente por causa do declínio contínuo da Convenção Batista do Sul, uma tendência que ele vem acompanhando e chamando a atenção há muitos anos.

“Sou um evangelista simplório”, disse Kelley à CP. “Essa é a paixão da minha vida, esse é o meu chamado. Tem sido o foco da minha vida adulta como estudioso no mundo acadêmico.”

“E o que realmente me preocupou é uma verdadeira crise da Convenção Batista do Sul no evangelismo e na saúde de nossas igrejas”, disse ele.

Antes que as conversas sobre o declínio fossem mais comuns entre os batistas do sul, Kelley tocava o alarme com apresentações em vários fóruns batistas. Anos atrás, quando ele fez uma dessas apresentações sobre o assunto, a Baptist Press se recusou a cobri-lo porque o canal considerou “muito controverso”, lembrou. O declínio agora não é digno de nota.

O ex-presidente do NOBTS observa que, dependendo de com quem você fala na SBC, o pensamento deles sobre a saúde da denominação varia significativamente.

Em 2018, após um crescente movimento #metoo e uma tumultuada reunião anual, ele encontrou vários pastores conservadores que lhe confidenciaram que não tinham certeza se poderiam permanecer na SBC por muito mais tempo, devido à direção que parecia seguir. .

A conhecida tensão sobre a orientação teológica da SBC entre as alas calvinista e tradicionalista permanece, disse Kelley, mas a falta de conversa sobre evangelização é mais chocante.

Ele espera que os esforços da rede aliviem a “inquietação” na denominação e forneçam uma “voz clara” que mostre que a SBC, como tem sido historicamente, está “comprometida com a inerrância das Escrituras e da Palavra de Deus, e fazer as primeiras coisas primeiro e manter as primeiras coisas primeiro “.

“E o evangelismo está nessa lista de coisas.”

Lee Brand, reitor do MABTS, destacou a importância que a rede está colocando na primazia da Bíblia e espera que seja um fórum no qual as pessoas possam se reunir para dialogar.

“Penso em pastores e igrejas porque essas são as pessoas pelas quais estou muito preocupado. Quero que nossos pastores saibam que defendemos a posição de que a Bíblia é suficiente”.

“Queremos garantir que qualquer coisa que digamos sobre a Bíblia, que tenhamos a Bíblia em sua estima adequada, não apenas como a Palavra de Deus, mas o suficiente para lidar com todas as questões da vida”, enfatizou.

Quando perguntado como ele vê a CBN como um catalisador da unidade na igreja, Brand disse que acredita que será um veículo para iniciar uma discussão oportuna sobre a suficiência das Escrituras.

“Estamos em um momento muito importante na vida da SBC. Estamos falando da maior agência de envio de missões em nosso país e essa missão em que estamos enraizada nas Escrituras. E acho que, se são as raízes e fundamento disso, acho que precisa ser o foco daqui para frente “, afirmou.

Ao contrário de outros seminários da SBC, o Seminário da América Central não recebe fundos através do Programa Cooperativo da denominação.

“Não é uma questão de dinheiro para nós, é uma questão de princípio”, enfatizou.

Rod Martin, que atua no Comitê Executivo da Convenção Batista do Sul e no conselho estadual de missões da Convenção Batista da Flórida, explicou ao CP que a coisa mais importante para a nova rede alcançar é oferecer esperança a “incontáveis” pessoas do sul. Batistas, que precisam saber que não estão sozinhos.

“Há um enorme impulso da mídia na direção da esquerda”, disse ele, observando que o impulso é teológico e político. “Não era o que era nos dias do tio Walter [Kronkite]. Você podia confiar nele, olhar a televisão e ele disse isso e é verdade”.

Hoje, no entanto, grande parte da imprensa supostamente convencional tem uma forte defesa, afirmou ele, e “eles podem muito bem ser Super PACs. E essa [influência] sangra a igreja”.

Dada essa desconfiança generalizada dos meios de comunicação de massa, os batistas do sul tendem a abrir mão da esperança com muita facilidade, disse ele.

E como a política batista do sul é organizada em torno da autonomia da igreja local, uma estrutura eclesiástica em que eles continuam acreditando, no nível do Comitê Executivo, o que precisa ser restabelecido é a validade contínua de que a CE não diz às igrejas locais o que fazer, Martin disse; o contrário, que as igrejas dizem à CE o que fazer, é o padrão da SBC.

“Precisamos nos posicionar contra o abuso sexual? Absolutamente. Precisamos nos posicionar contra o racismo onde quer que o encontremos? Cem por cento. Estou completamente lá. Mas no momento em que começamos a nos tornar outra denominação … se eu quiser ser episcopal ou presbiteriano, serei um “, disse ele.

“Mas escolhemos ser batistas e temos que manter a autonomia da igreja local. E estamos tendo problemas reais lá. Mas com isso dito, o papel do Comitê Executivo é em parte defender a realidade de que toda a superestrutura de a Convenção é sobre administrar os dons da igreja local para fazer ministério coletivo, não para pregar a eles “.

Assim, a CE tem que defender os direitos das igrejas locais de gastar suas contribuições de uma maneira biblicamente fiel, disse ele.

A reunião anual da Convenção Batista do Sul ocorrerá em Orlando em junho.

Categorias
Artigos

O Legado Congregacional e os Conclaves Assembleares

Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos
Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos

Os Batistas tem sua estruturação religiosa fundamentada no Governo Congregacional, submetendo-se a orientação do Espírito Santo personificada na manifestação de vontade da membresia, especialmente dos membros-efetivos, que tem direito a assento, voz e voto nas deliberações religiosas-administrativas, com sua fé em Jesus Cristo como único e suficiente salvador das ´almas´ das pessoas, embasando-se na Bíblia Sagrada como Regra de Fé e Prática, subordinando-se exclusivamente a direção de Deus, com a proposição de esperança, de transformação, de “uma vida em abundância”, como ensina o Cristianismo.

Enfatizamos que foi neste salutar ambiente eclesiástico, ainda adolescente, na década de 1970, que tivemos a satisfação de aprender com o “Pastor-Emérito do Coração”, Pr. Walter Santos, eis que, por este Homem de Deus recebemos o batismo em 1980 na PIB em São João de Meriti/RJ, o qual, juntamente com sua esposa, proficiente auxiliadora, Profa. Zeni Santos, diretora de escolas, liderou a Igreja por quase 32 anos, tendo durante seu Ministério Pastoral edificado um Moderníssimo Santuário, inaugurado em 1971, até a ocasião, pela maior Assembleia da Convenção Batista Fluminense, uma das inúmeras marcas de sua profícua liderança espiritual e comunitária, inclusive reconhecida junto à Sociedade Civil Meritiense.

Ele, que sempre teve uma respeitada atuação denominacional, seja na Associação Meritiense, na Convenção Fluminense, e ainda, na Convenção Brasileira, compartilhou vivencialmente ensinamentos da democracia batista, praticando as regras parlamentares na assembleias da Igreja, além de incentivar os membros a participar da vida eclesiástica, sobretudo dos Conclaves Deliberativos Denominacionais, em todos os níveis, pelo que, com satisfação prestamos este ‘Preito de Gratidão’ e estimamos com afeto de filho na fé a este amado Casal de Obreiros da Causa do Senhor, pelo ensino do legado congregacional, sistema de governo eclesiástico em que os membros efetivamente participam nas deliberações da Igreja.

A PIB São João de Meriti/RJ, onde há mais de quatro décadas congregamos, juntamente com a esposa Diác. Soraia Garcia, com quem enamoramos há trinta anos, e, a filha Alana Garcia, que é a 5ª Geração de Batistas na Família, celebra neste Ano de 2020, ‘Jubileu de Sândalo’ de Organização Denominacional pela PIB Jacarepaguá, Rio/RJ, sob a orientação do pioneiro Pr. Salomão Ginsburg, sendo que, neste período de 95 Anos de Instituição Eclesiástica foi praticamente presidida por quatro Líderes Espirituais: Pr Joaquim Rosa (29a), Pr. Walter Santos (32a), Pr. José Maria de Souza (20a), e, pelo Pr. Claudio de Souza, nos últimos 10 anos; cultivando ao longo da história o legado congregacional deliberativo dos batistas.

É de se ressaltar que Igrejas tradicionais se mantém praticando os princípios do Governo Congregacional, e até encontrando estratégias de ressignificação a indispensável participação dos membros nas deliberações, inclusive através da implementação de ferramentas digitais, modernização no formato das assembleias, além da conscientização dos membros da participação nos destinos da Grei, enfatizando a intrínseca relação do Sistema de Governo com a Igreja, eis que, este identifica os batistas ao longo da história, seja nos Cultos, EBD, Reuniões, Treinamentos etc; em algumas Congregações tem-se adotado um sistema de governança representativo, onde os membros elegem pessoas que atuam em Conselhos Administrativos, sejam de áreas ministeriais, de grupos etários, por funções eclesiásticas etc, os quais deliberam assuntos temáticos atinentes a governança, embasado no Estatuto Associativo da Igreja.

Estas pessoas assumem o comprometimento de compartilhar as referidas decisões, numa proposição de transparência com a prestação de relatórios etc, através participação da Diretoria Estatutária, Ministério Diaconal, Conselho Fiscal, Conselho de Ética, Diretores de Departamentos, Professores da EBD etc, socializando as informações que devem ser conhecidas dos fiéis, sendo estas deliberações submetidas a homologação de toda a membresia, o que não desobriga a Igreja a exercer a governança com transparência, buscando a aprovação da Congregação nas decisões de impacto na Comunidade de Fé.

As Assembleias Denominacionais se realizam no município, Associação Regional, no estado, Convenção Estadual, no país, Convenção Brasileira, no continente, União Latino-Americana, e, internacional, a Aliança Batista Mundial, que após 60 anos volta a se reunir no Brasil em 2020, não havendo hierarquia entre estas Entidades Denominacionais e a Congregação Batista, à luz do princípio da Autonomia da Igreja Local, e sim uma atuação cooperativa e voluntária, de sinergia de esforços em prol do Reino de Deus.

Com esta proposição os Batistas Fluminenses se reuniram na Cidade de São Gonçalo/RJ para a realização de mais uma Assembleia Convencional, que em 2019 ocorreu sob a presidência do Pr. Vanderlei Marins (PIB Alcântara/RJ), onde tivemos a alegria de completar 35 anos de participação na condição de ‘delegado’ da Igreja às Assembleias da Convenção Batista Fluminense (CBF), tendo como mensageiro direito a assento, voz, voto, igualmente a outros irmãos em Cristo, nos debates convencionais, usufruindo do legado congregacional construído ao longo da história, desde os protestantes holandeses.

Destacamos, com alegria, que há mais de duas décadas temos contribuído com os Conclaves Assembleares dos Batistas Fluminenses, e, dos Batistas Brasileiros, inclusive na presidência da Comissão de Assessoria Jurídico-Parlamentar, provendo suporte legal preventivo à Mesa Diretora e ao Plenário Convencional, retribuindo o aprendizado recebido ao longo dos anos de diversos líderes denominacionais, cooperando para que o Legado Congregacional deliberativo seja usufruído plenamente, pelos civilmente capazes, à luz do Ordenamento Jurídico Nacional, embasados na Constituição Federal, Código Civil, Estatuto Associativo, Regimento Interno e Regras Parlamentares aprovadas pelos Mensageiros das Igrejas, que elegeram o Pr. Elildes Macharete (PIB Barra de São João, São Pedro da Aldeia/RJ) para conduzir os destinos da CBF, e presidir a Assembleia de 2020, na Cidade de Campos dos Goytacazes/RJ.

Dr. Gilberto Garcia

Categorias
Cultos

Igreja Batista batiza mais de dois mil fiéis em Salvador

Evento foi realizado pela Primeira Igreja Batista do Brasil, com 137 anos.

Batismo da Primeira Igreja Batista do Brasil (Foto: Reprodução/TV Bahia)

No último sábado (14) a Primeira Igreja Batista do Brasil reuniu dois mil evangélicos para um batismo coletivo, na praia de Jaguaribe, em Salvador, Bahia.

Com 137 anos, a igreja vem realizando nos últimos 10 anos batismo coletivo, com milhares de pessoas louvando e orando nas praias baianas.

O batismo reúne pessoas de todas as idades, como Thalita, a mais nova do grupo, com apenas oito anos. “Eu quis fazer uma aliança com Deus”, disse ao G1.

Edna Santos, de 62 anos, disse que a fé lhe ajudou na luta contra um câncer de mama.”Eu me apeguei muito com Deus e foi aí que eu resolvi aceitar Jesus porque ele me curou”, disse.

O grande número de pessoas a serem batizadas também empolga os corações dos membros da igreja, cujo trabalho na última década tem sido destaque na região.