Teólogos divergem sobre se chamar mulher de pastor de “pastora” é bíblico

“Você normalmente vê a figura de uma co-pastora em igrejas mais pentecostais”, acredita teólogo.

 

   gospel prime –

Mulher orando. (Photo by Ben White on Unsplash)

O uso do termo “pastora” para se referir à esposa de um pastor é prática recorrente em muitas igrejas evangélicas. Um levantamento recente aponta que na última década cresceu o número de ministérios que atribuem o título mesmo àquelas que não fizeram preparação formal em seminário ou equivalente.

Contudo, teólogos discordam que este modelo seja suportado pelas Escrituras. O presidente do Seminário Teológico Batista do Meio-Oeste, Jason K. Allen, que também é professor de ministério pastoral, argumenta que a Bíblia não apoia esse modelo de liderança da igreja.

“Você normalmente vê a figura de uma co-pastora em igrejas mais pentecostais. Isso não acontece em igrejas tradicionais”, disse ele ao Christian Post. Para Allen, é mais provável que as esposas dos pastores funcionem como uma “extensão” do trabalho pastoral, atuando em situações como visitas a hospitais, discipulando outras mulheres e trabalhando como conselheiras.

A posição defendida por Allen é que o título de “pastor” seja usado apenas para “homens qualificados para o ministério. Isto ficou explícito na Escritura em passagens como 1 Timóteo 3:1-7, Tito 1:6-9”.

“Não é um debate se há mulheres tão qualificadas quanto homens. O apóstolo Paulo lista as qualificações que só se encaixam com homem, dizendo, por exemplo, que deve ser marido de uma só mulher.”

O estudioso diz que as igrejas que usam esse modelo de co-pastoreio entre homem e mulher estão contrariando as Escrituras. Allen salientou que essa não é somente a sua opinião e que o tema já foi extensivamente analisado em diversos livros, em especial os do pastor John Piper.
A ressalva que ele faz é que não se trata de uma leitura “machista” das Escrituras.

“A Bíblia acredita em honrar as mulheres… Eu sou diretor de um seminário onde cerca de 1/3 dos alunos é do sexo feminino. Elas estão se preparando para cargos no ministério, mas nós não determinamos o que podem ou não fazer depois de se formarem”, observou Allen.

A maioria das alunas que ele conhece no seminário está estudando para ser missionária, trabalhar como conselheira ou exercer outras funções ministeriais que não incluem a liderança pastoral.

Por outro lado, a pastora Cheryl J. Sanders, professora de Ética Cristã na Faculdade de Divindade da Howard University e pastora da Igreja de Deus em Washington, DC, questiona o argumento de Allen que a Bíblia não apoia mulheres dividindo papéis pastorais.

Ela aponta para Atos 18, onde fala sobe o casal de missionários cristãos do primeiro século, Áquila e Priscila, que eram casados.

“Eles eram um casal que trabalhava ao lado do apóstolo Paulo. E a Bíblia diz que Áquila e Priscila serviam juntos e tinham a mesma vocação que Paulo. Paulo falou muito bem deles. Quando Apolo começou a pregar coisas erradas, foi Priscilla quem o corrigiu, orientou-o e o guiou para uma maneira melhor de pregar”, disse Sanders.

A professora deixa claro que discorda “de toda a visão tradicional sobre as mulheres na liderança”. “Seu gênero não determina sua elegibilidade para ser um pastor. Eu acredito que se você é uma co-pastora é porque está qualificada para ser uma pastora e não pelo fato de você ser casada com o pastor da igreja”, encerra.

Siga-nos