Ilusão da Morte: “No Universo Quântico Existimos Indefinidamente”

Ilusão da Morte: "No Universo Quântico Existimos Indefinidamente"

O renomado físico matemático Sir Roger Penrose, da Universidade de Oxford, e pesquisadores do renomado Instituto Max Planck de Física de Munique, sugerem que o universo físico em que vivemos é apenas nossa percepção e, uma vez que nossos corpos físicos morrem, existe um infinito além.

Alguns acreditam que a consciência viaja para universos paralelos após a morte.

O além é uma realidade infinita que é muito maior … à qual este mundo está enraizado. Desta forma, nossas vidas neste plano de existência já estão cercadas, cercadas pelo mundo posterior … O corpo morre, mas o campo quântico espiritual continua. Dessa forma, sou imortal.

Embora os cientistas ainda estejam em acalorados debates sobre o que exatamente é a consciência, Stuart Hameroff e Penrose, da Universidade do Arizona, concluem que é uma informação armazenada em um nível quântico. Penrose concorda – ele e sua equipe encontraram evidências de que “microtúbulos baseados em proteínas – um componente estrutural das células humanas – carregam informações quânticas – informações armazenadas em um nível subatômico”.

Penrose argumenta que, se uma pessoa morre temporariamente, essa informação quântica é liberada dos microtúbulos para o universo. No entanto, se eles forem ressuscitados, a informação quântica é canalizada de volta para os microtúbulos e isso é o que desencadeia uma experiência de quase morte:

Se eles não reviverem e o paciente morrer, é possível que essa informação quântica possa existir fora do corpo, talvez indefinidamente, como uma alma.

Em “Beyond Biocentrism: Rethinking Time, Space, Consciousness, and the Illusion of Death” (“Além do Biocentrismo: Repensando o Tempo, o Espaço, a Consciência e a Ilusão da Morte”, Robert Lanza pergunta: “a alma existe?” A teoria que ele propõe diz que somos imortais e existimos fora do tempo. O biocentrismo postula que o espaço e o tempo não são os objetos sólidos que pensamos. A morte não existe em um mundo atemporal e sem espaço. Sua nova teoria científica sugere que a morte não é o evento terminal que pensamos:

Há um número infinito de universos e tudo o que poderia acontecer ocorre em algum universo. A morte não existe em nenhum sentido real nesses cenários. Todos os universos possíveis existem simultaneamente, independentemente do que acontece em qualquer um deles.

Embora corpos individuais estejam destinados a se autodestruir, o sentimento vivo – o ‘Quem sou eu?’ – é apenas uma fonte de energia de 20 watts operando no cérebro. Mas esta energia não desaparece na morte. Um dos mais seguros axiomas da ciência é que a energia nunca morre; não pode ser criada nem destruída. Mas essa energia transcende de um mundo para o outro?

(Fonte)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.