Categorias
católicos Cultos Jovens católicos maçonaria

A Igreja Católica e a Maçonaria

“VOU EXPLICAR-LHE POR QUE A MAÇONARIA E A IGREJA SÃO INCOMPATÍVEIS” (Padre Zbigniew Suchecki)

Por Nico Spuntoni – Fonte: https://lanuovabq.it/

Existem cerca de seiscentos documentos, aprovados pelos Papas, que condenam a Maçonaria, sob qualquer forma. A Maçonaria “nega em princípio o valor da verdade revelada”, rejeitando qualquer fé nos dogmas ensinados pela Igreja. O indiferentismo religioso dos maçons é caracterizado por uma “concepção deísta”, incompatível com a concepção católica. La Bussola entrevista o padre Zbigniew Suchecki, um dos maiores especialistas na complexa relação entre a Igreja e a Maçonaria.
O julgamento da Igreja sobre a Maçonaria sempre levou em consideração não apenas o fato de que a organização opera contra a Noiva de Cristo ou não, mas, de modo mais geral, de estar em contradição filosófica e moral com a doutrina católica. Eles vão desde a bula de excomunhão In eminenti apost o lat us specula (1738) de Clemente XII até a declaração da Congregação para a Doutrina da Fé de 26 de novembro de 1983, redigida pelo então cardeal Joseph Ratzinger e aprovada por São João Paulo II. Os pronunciamentos da Igreja contra a Maçonaria se repetem ao longo dos séculos e reafirmam que até agora nada mudou na legislação sobre o assunto.
O New Compass falou sobre a complexa relação entre a Maçonaria e a Igreja Católica com o Padre Zbigniew Suchecki, professor da Pontifícia Faculdade de St. Bonaventura – Seraphicum e um dos maiores especialistas no assunto, sobre o qual escreveu os volumes La Maçonaria nas disposições do “Codex Iuris Canonici” de 1917 e 1983 e Igreja e Maçonaria. Volumes nos quais ele se inspirou para responder às nossas perguntas.

Padre Suchecki, sobre a relação entre a Igreja e a Maçonaria, quais são os documentos que merecem ser lembrados?

O cânon 2335 do Código de Direito Canônico de 1917 declara que aqueles que se inscrevem na Maçonaria ou outras associações do mesmo tipo, que conspiram contra a Igreja, incorrem ipso facto na excomunhão reservada à Sé Apostólica. Nos últimos séculos a Maçonaria, seja regular, legítima, irregular ou “desviante”, sem distinção, foi condenada por vários Papas em cerca de seiscentos documentos. No entanto, a questão é muito atual porque muitos católicos pertencem à Maçonaria.

Quais foram as posições que surgiram sobre a maçonaria durante o Concílio Vaticano II ?
A Comissão Pré-preparatória do Concílio Vaticano II havia reunido em seis pontos as propostas dos bispos e a documentação que dizia respeito explicitamente à Maçonaria, De secta Francomurariorum.
Os bispos pediram explicitamente que a condenação da Maçonaria fosse confirmada. Durante o Concílio Vaticano II, houve quem tentasse apresentar a Maçonaria em uma perspectiva diferente, empurrando para uma revisão da posição tomada no passado pela Igreja. Por exemplo, o tema referente à Maçonaria foi lembrado por cartão. Ernesto Ruffini durante a 89ª Congregação Geral e três vezes pelo bispo de Cuernavaca, no México, Mons. Sergio Méndez Arceo, que durante a 35ª Congregação Geral destacou que na Maçonaria há muitos cristãos não católicos, que, se conhecessem melhor a Igreja, poderiam ser um fermento para eliminar da Maçonaria o que há de anticristão e anticristão nela. -Católico. Durante a 71ª Congregação Geral, Monsenhor S. Méndez Arceo, referindo-se à Maçonaria.
Como a Muratória Livre questiona a Igreja? Essa posição mudou ao longo do tempo?
O fato de que a Maçonaria questiona a Igreja de maneira fundamental não mudou. Esta circunstância torna-se particularmente clara se considerarmos que autocompreensão concreta, que base cultural, que concepção do presente e que perspectiva de futuro os maçons se deram como programa espirituoso e combativo no documento: Tese para o ano 2000 , publicado há 22 anos. Nela o valor da verdade revelada é negado em princípio, e com esse indiferentismo uma religião revelada é excluída desde o início.
Por que entre as razões da incompatibilidade está o conceito de “verdade” próprio da Muratória Livre ?
Nos anos de 1974-1980, a Conferência Episcopal Alemã criou uma Comissão oficialmente encarregada de examinar a compatibilidade dos membros contemporâneos da Igreja Católica e da Maçonaria. Após as conversas oficiais entre a Igreja Católica e a Maçonaria, foram produzidos depoimentos conclusivos da obra em que foram expostos os motivos da incompatibilidade. Neles, lemos que «os maçons negam a possibilidade de um conhecimento objetivo da verdade. A relatividade de cada verdade representa a base da Maçonaria. Como o maçom livre rejeita qualquer fé em dogmas, ele não admite nenhum dogma mesmo em sua Loja. Tal conceito de verdade não é compatível com o conceito católico de verdade, nem do ponto de vista da teologia natural.
Em 1983 a Congregação para a Doutrina da Fé , na época dirigida pelo Cardeal Ratzinger, sentiu a necessidade de fazer um documento sobre a incompatibilidade entre a Igreja e a Maçonaria, escrevendo que “existia a possibilidade de que a opinião errônea segundo a qual a adesão a uma loja maçônica agora era legal “. Pode-se ainda dizer que a iniciação dos rituais maçônicos está em contradição explícita com a dos sacramentos cristãos?
No coração dos Rituais Maçônicos está o conceito do “Grande Arquiteto do Universo”. Apesar da manifestação de boa vontade na tentativa de abraçar qualquer religião, trata-se de uma concepção deísta. Essa representação de um Arquiteto universal que domina em um afastamento deísta mina os fundamentos da concepção católica de Deus e de sua resposta ao Deus que os desafia como Pai e Senhor. Como se observa na afirmação conclusiva da já mencionada Declaração da Conferência Episcopal Alemã de 1980 sobre a pertença dos católicos à Maçonaria, portanto, «as oposições indicadas tocam os fundamentos da existência cristã.

A Zeno.FM Station

Luiz Sergio Castro às 11:22:00

Compartilhar

3 comentários:

Anônimo2 de junho de 2022 12:56

O desconhecimento dos fundamentos basilares da Maçonaria e o “esquecimento” proposital dos crimes cometidos contra o conhecimento da humanidade (inquisição), é que permitem que siga avante o pensamento retrógrado do gestor católico. Sou Católico e Maçom.
Responder

Respostas

Anônimo2 de junho de 2022 15:14

Apoiado

Responder

 

Anônimo2 de junho de 2022 13:30

A Igreja Católica, hoje, não nos preocupa porque não faz proselitismo contra a Maçonaria. Devemos nos preocupar com as igrejas neo-pentecostais. Basta uma busca rápida nas redes sociais para constatar quem são os verdadeiros inimigos da fraternidade.
Responder