Categorias
católicos Israel

Existem novas evidências de tesouros do Templo Judaico no Vaticano?

Existem várias pessoas vivas que podem atestar pessoalmente serem testemunhas oculares do Vaticano possuindo vasos do Templo, incluindo o candelabro da Menorá.
A menorá do Segundo Templo é retratada sendo carregada pelos romanos no Arco de Tito.  (Crédito da foto: AMOS BEN GERSHOM/GPO)
A menorá do Segundo Templo é retratada sendo carregada pelos romanos no Arco de Tito.
(Crédito da foto: AMOS BEN GERSHOM/GPO)

Finja por um momento que o Vaticano tem em sua posse algumas relíquias sagradas e preciosas que estavam originalmente no Templo Judaico Herodiano localizado em Jerusalém há 1.950 anos.

Se você fosse o papa que vivesse no século 14 e pudesse verificar esse fato, você não se perguntaria como tais artefatos judeus chegaram à sua residência em primeiro lugar?

Depois de algumas escavações (sem trocadilhos), você descobriria que sua nova residência do Vaticano foi realmente construída sobre seções do Palácio de César – o Vaticano, incluindo a Basílica de São Pedro, foi construído sobre o palácio romano do imperador Vespasiano aproximadamente 200 anos após o saque de Roma em 455 d.C. De fato, há escavações acontecendo lá agora, mesmo enquanto você lê esta revista.

O que isso significa é que os vândalos e os visigodos passaram, ou simplesmente não encontraram, os tesouros selecionados escondidos naquele palácio e, em vez disso, levaram consigo os muitos itens em exibição pública no Templo, localizado não muito longe.

Diz no Talmud que o famoso sábio judeu e autor do Zohar, Rabi Shimon bar Yochai , foi a Roma com seus colegas para anular decretos severos colocados na Judéia e, enquanto estava lá, viu os itens exatos mencionados neste artigo. Eles acabaram sendo convidados reais no palácio de Vespasiano depois de serem convidados a cuidar de sua filha doente. Quando eles milagrosamente a curaram, os sábios tiveram a chance de ver esses itens extremamente sagrados, provando que eles eram mantidos naquele lugar.

As escadas em espiral dos Museus do Vaticano, projetadas por Giuseppe Momo em 1932. (crédito: Wikimedia Commons)As escadas em espiral dos Museus do Vaticano, projetadas por Giuseppe Momo em 1932. (crédito: Wikimedia Commons)

De fato, o historiador Josephus Flavius ​​registra o evento em que Vespasiano tomou para si esses itens especificamente como seus tesouros especiais para custódia, incluindo um antigo rolo da Torá.

Distrito Federal: 30 cursos liberados sem mensalidades.Patrocinado por Capacitando o Brasil

De acordo com o especialista do Vaticano Dr. Michael A. Calvo, esses navios e outros chegaram ao Vaticano por outra rota, depois de chegar a Bizâncio: “Estes incluem candelabros do templo dados ao Papa Inocêncio III por Balduíno I após o saque de Constantinopla e o massacre da população cristã ortodoxa”, afirma Calvo. “Shofares e utensílios do templo; vestes do Sumo Sacerdote; o Tzitz – uma placa de ouro com as palavras Kodesh L’Hashem (“Santo ao Senhor”); objetos culturais e muitos outros objetos de arte, livros e manuscritos que o Vaticano e outras igrejas se apropriaram e colocaram em seus próprios depósitos, bibliotecas e museus”.

Mas onde está a prova factual e tangível de que o Vaticano “herdou” esses itens sagrados e os mantém até hoje?

O Ministério das Relações Exteriores de Israel e os serviços de segurança já podem ter provas: há cerca de 50 anos, havia um certo estudante judeu – vamos chamá-lo de DM – que estava matriculado em um curso por correspondência na Urbaniana, a universidade do Vaticano. Ao cursar presencialmente os últimos semestres de seu doutorado, ele se viu o único judeu entre 17.000 alunos! DM me disse que ele era muito amado, mas quando a pressão chegou, tanto o professor quanto o aluno se aproximaram dele respeitosamente para convertê-lo.

Depois de se recusar firmemente várias vezes, um amigo dele (que mais tarde se tornaria um dos arquivistas do Vaticano, o Cardeal Antonio Samore) se ofereceu para mostrar a ele o que “costumava ser” sua herança judaica – os vasos do Templo – na tentativa de seduzi-lo a converter. DM concordou em ser levado para vê-los meses depois, à noite. Quando lhe perguntei se havia alguma coisa naquela caverna que pertencesse ao Templo, ele simplesmente respondeu: “Tudo está lá!”

Ele realmente viu alguma coisa, ou apenas chegou perto? Muitos anos depois, em 2002, DM aparentemente deu provas suficientes ao então ministro das Relações Exteriores Shimon Peres e outros que estavam em negociação com altos funcionários do Vaticano na época. Se isso for verdade, Israel já pode ter um caso sólido e bem documentado.

E agora? Hoje, no século 21, existe um próspero Estado soberano de Israel, sendo o único representante mundial do povo judeu, ou o Congresso Mundial Judaico, sendo ambos endereços adequados para fazer um acordo para algum tipo de acordo de repatriação.

Enquanto isso, as relações católicas romanas com Israel estão em ascensão, o diálogo e a cooperação com o Estado judeu estão próximos, e há até mesmo vários judeus que foram condecorados por papas recentes. Então, por que não negociar sobre o que existe agora?

Homem causa difusão ao aparelho que economiza combustível em frente a um postoPatrocinado pelo Portal G9
A Torá é mostrada ao Papa Bento XVI na Sinagoga Park East, em Nova York, em 18 de abril de 2008. (crédito: GARY HERSHORN/REUTERS)A Torá é mostrada ao Papa Bento XVI na Sinagoga Park East, em Nova York, em 18 de abril de 2008. (crédito: GARY HERSHORN/REUTERS)

Antes de chegar a isso, no entanto, deixe o leitor atento ler histórias verdadeiras, sugerindo que o Vaticano tem muito a esconder?

UM DOS maiores rabinos de sua geração no início do século 20 foi o rabino-chefe da Líbia, o rabino Yitzchak Chai Bozovka de 77 anos, um especialista em todas as áreas da Torá oculta e revelada, autor de muitos livros notáveis. Em 1929, o rei da Itália Vittorio Emanuel III veio a Trípoli para uma visita real. A Líbia estava então sob o domínio italiano, e os judeus da cidade fizeram um enorme banquete, de fato digno de um rei, com seu amado rabino-chefe na vanguarda.

O rabino Bozovka impressionou bastante o monarca e, antes que o rei zarpasse de volta a Roma, convidou o rabino para assistir ao casamento de seu filho, o príncipe. Um ano depois, o rabino recebeu o convite real, mas recusou-se a ir por ser fraco, embora tenha acrescentado a pergunta: “Por que sou necessário quando você tem o papa?”

Dentro de 48 horas, o rei enviou um telegrama dizendo para não se preocupar, e que ele queria muito que o rabino abençoasse o novo casal (de novo). Ele se ofereceu para enviar-lhe seu barco real, dar-lhe toda a comida kosher e acomodações necessárias, e até assinou: Seu amigo, o rei. O rabino concordou com relutância. Quando chegou a Roma, foi tratado como realeza e o casamento foi um enorme sucesso.

Quando as cerimônias chegaram ao fim, o rei perguntou ao rabino se havia algo que ele pudesse fazer por ele. Bozovka respondeu que desejava muito ver os vasos sagrados do Templo Judaico nos porões do Vaticano. Quando o rei ouviu isso pela primeira vez, ele recusou, dizendo que há uma separação entre Igreja e Estado, e que ele não tinha jurisdição sobre o papa nesses assuntos. Os dois não se davam exatamente bem!

No entanto, depois de muito insistir, o rei foi em frente e conseguiu convencer o papa (fazendo-lhe uma oferta irrecusável), mas com a condição de que fosse apenas o rabino. Naquele dia, ele foi convidado à Santa Sé para uma audiência pessoal com o pontífice.

Mais tarde naquela noite, e depois de muita preparação espiritual, o rabino encontrou o guarda nos portões do Vaticano, com seus alunos permanecendo do lado de fora, e desceu os degraus (quatro andares sob o Museu de São Pedro) para um labirinto escondido de galerias antigas anexadas ao Necrópole. Depois de finalmente chegar à entrada da caverna, ele viu o que viu e escreve em seu livro de Responsa que viu “o suficiente”, e não era mais capaz de ver. Ele então se virou e praticamente correu para fora do prédio.

Ao sair, seus alunos ficaram chocados ao descobrir que seu rosto estava realmente brilhando. Daquele dia em diante, o rabino assumiu a responsabilidade de se abster de falar, até morrer em 21 de fevereiro de 1930, 40 dias depois.

Outra história, sobre o famoso rabino Benjamin (ben Yonah) de Tudela, um comerciante judeu da moderna Navarra na Espanha. Ele passou um tempo significativo em Roma após a eleição do Papa Alexandre III em 1159, e novamente de novembro de 1165 até 1167. Sua missão era registrar o estilo de vida dos judeus sefarditas em toda a Europa e África. Suas viagens o levaram da Espanha para a França, Itália, Turquia e Oriente Próximo, incluindo Beirute e Jerusalém. Conhecido viajante ibérico, manteve registros completos e extremamente precisos em seu diário de viagem, como notaram seus contemporâneos. Quando o rabino passou por Roma na década de 1160, ele notou a “posição honrosa” da população judaica da cidade, bem como os “edifícios maravilhosos” ali.

Ele era credível, no entanto? Evidentemente, os comentadores deste trabalho tinham seu assunto em alta estima. Um comentarista que traduziu o itinerário em 1840, A. Asher, elogiou o rabino Benjamin: consideração dessas vantagens, não tem rival na história literária da Idade Média. Nenhuma das produções do período está tão livre de fábulas e superstições como As Viagens de Benjamin de Tudela.”

Tudela escreveu: “Roma é a cabeça dos reinos da cristandade, e lá vivem cerca de 200 (famílias de) judeus, que são respeitados e que não pagam impostos a ninguém”. E agora pessoal para a carne e as batatas: “Em Roma, há… a caverna onde Tito, filho de Vespasiano, guardou os vasos do Templo que ele trouxe de Jerusalém”.

Isso foi antes de os papas se estabelecerem no final dos anos 1300 no Vaticano. Parece que, de fato, os vândalos não fugiram com todo o tesouro, afinal.

Há uma foto antiga em minha posse daquele corredor misterioso em frente à caverna, repleto de pessoas esqueléticas assustadoras embalsamadas até hoje, 50 de cada lado, e mostrando a enorme porta de madeira em arco no final. Esta foto foi tirada há pelo menos 50 anos com o zelador todo vestido de preto e segurando uma lanterna, essencialmente atestando o relato de Tudela.

O rabino DAVID ROSEN, diretor internacional de assuntos inter-religiosos do Comitê Judaico Americano, tem uma abordagem diferente. Rosen – que chefiou o Comitê Judaico Internacional para Consultas Inter-religiosas (IJCIC), a ampla coalizão de organizações e denominações judaicas que representa o judaísmo mundial em suas relações com outras religiões do mundo – recebeu o título de cavaleiro papal em 2005 por sua contribuição para reconciliação judaico-católica.

O presidente da AP Mahmoud Abbas, o papa Francisco e o presidente Shimon Peres deixam a Casa de Santa Marta no Vaticano em 8 de junho de 2014. (crédito: RICCARDO DE LUCA/POOL/REUTERS)O presidente da AP Mahmoud Abbas, o papa Francisco e o presidente Shimon Peres deixam a Casa de Santa Marta no Vaticano em 8 de junho de 2014. (crédito: RICCARDO DE LUCA/POOL/REUTERS)

Ele também foi escolhido para liderar o famoso serviço de oração de 2013 com o papa, o presidente da AP Mahmoud Abbas e Shimon Peres no Vaticano. Rosen sugere abordar vários museus em Israel que já tinham exposições de arte e arqueologia do Vaticano (que vieram originalmente de Israel) e sugerir um acordo de empréstimo por um período limitado, para exibir alguns vasos antigos de sua escolha.

Isso constituiria uma vitória/ganha para ambas as partes e certamente seria um grande evento! Rosen adverte que toda a ideia de restaurar artefatos do patrimônio cultural ou religioso de volta aos seus países de origem é complexa, que deve levar em consideração os interesses do país que atualmente possui os artefatos, entre outras coisas.

Pode, ou mais importante, Israel deve fazer uso das atuais leis internacionais de repatriação? Isso também pode ser considerado, mas problemas desconfortáveis ​​podem surgir. Por exemplo, nesta era de correção política, o seguinte pode ter que ser abordado: o povo judeu ainda é o legítimo proprietário desse antigo tesouro?

E a teologia da substituição? Será que depois de 2000 anos, a portas fechadas, a propriedade desses artefatos religiosos históricos está sendo debatida e disputada? Da mesma forma, por exemplo, que a propriedade legal de Jerusalém é debatida e disputada? Eu digo sim!

Isso não é apenas alimento para o pensamento. Acredite ou não, e com todo o respeito, tenho motivos para sugerir aqui (sem entrar em detalhes) que isso é parte integrante de uma nova atitude e abordagem, uma indicação do que realmente está sendo discutido nos longos corredores de Roma, as Nações Unidas, a UE e também a AP. Tem até nome: Lawfare.

Aqui está um exemplo: não muito tempo atrás, Abbas teve uma consulta pessoal com o Papa Francisco. Depois de concordar que a solução de dois Estados era o único caminho a seguir para fazer a paz com Israel, Abbas afirmou que com relação ao advento de uma capital palestina, “a identidade de Jerusalém deve ser preservada por meio de um status especial garantido internacionalmente”. Em outras palavras, o território que pertencia ao povo judeu há tanto tempo não significa necessariamente que pertence a Israel hoje, segundo Abbas. Tem mais.

A ligação oficial do papa com Israel, arcebispo Giuseppe Lazzarotto, núncio apostólico em Israel e delegado apostólico em Jerusalém e Palestina, afirmou em uma carta oficial datada de 15 de novembro de 2013, que se os tesouros do Templo de fato ainda existem, certamente a Igreja devolveriam esses itens perdidos aos seus “proprietários legítimos”. Deixe isso afundar um pouco.

Estou disposto a apostar que tão certo quanto o sol nasce no leste, se os funcionários do Vaticano afirmassem que são donos de tudo (tendo agido como preservacionistas paternos, por assim dizer), e que o tesouro teoricamente seria mantido em um “museu judaico do Vaticano” em algum lugar, tudo mudaria. De fato, este é de fato o Plano B: não há mais necessidade de o Vaticano ignorar o elefante na sala; a evasão diplomática não é mais necessária. E sim, nesse ponto, tenho certeza de que o prefeito-chefe levaria tudo o que eles têm para toda a humanidade ver.

Sejamos claros, no entanto. O Plano A não é politicamente correto, mas na visão deste autor é a verdade, que este vasto tesouro era, é agora e sempre será judeu, com sua casa em Jerusalém, a capital unida de Israel.

No final do dia, porém, a prova está no gelato. Existem várias pessoas vivas que podem atestar pessoalmente serem testemunhas oculares do Vaticano possuindo vasos do Templo, incluindo o candelabro da Menorá. Algum deles se apresentará e exporá o que sabe (junto com eles mesmos)? Não, e francamente não os culpo. Isso pode ser imprudente. Mas não termina aqui, porque se isso estivesse em um cenário de tribunal judicial (e não é), a maioria concordaria que há informações suficientes já arquivadas para ter uma causa razoável ou “justificável” para seguir em frente. O que isso significa no nosso caso é que fazer esse acordo com o museu está começando a parecer cada vez melhor.

Depois de mais de 25 anos de pesquisa sobre o paradeiro dos tesouros perdidos do Templo, mais detalhes do Vaticano foram incluídos na minha série de livros, The ARK Report, incluindo a existência do rolo de Torá mais antigo (e muito frágil) retirado do edifício do Templo, o cabeça dourada do sumo sacerdote com o santo nome de Deus gravado nele (tzitz em hebraico), a cortina gigante que pendia da entrada do Templo (parohet em hebraico) que ainda tem o rasgo da espada de Tito, trombetas, e vários outros utensílios rituais (de cobre) do altar, como mencionado anteriormente e documentado por Josefo.

Trinta e cinco anos atrás, um certo notável guarda suíço do Vaticano (agora legalmente cego) que estava postado perto dos dormitórios descobriu que ele era de fato judeu. Isso o inspirou a decidir abrir o portão à noite e descer todo o caminho. Ele fala de caminhar até o final e encontrar um túnel estreito e apertado que leva a uma sala de estátuas, um corredor misterioso e depois a caverna onde ele viu (e aparentemente quase tocou) o candelabro de Menorá, aparentemente brilhando com uma luz branca. Na manhã seguinte, ele aparentemente contou toda a história ao rabino-chefe de Roma na época, o rabino Elio Toaff, que era conhecido por ter testemunhado sua veracidade.

Mas voltemos aos negócios! A principal preocupação agora está realmente no nível político. Em 2022, longe de ser ultrajante ou ofensivo, aproximar-se da Santa Sé com a ideia de museu em que o Vaticano mantém a propriedade e envia uma exibição de certos itens do Templo antigo para Jerusalém apresenta uma ideia brilhante. Esta é uma tendência internacional hoje em dia. A maioria das pessoas percebe que não há sentido em guardar itens preciosos que são de certa forma para toda a humanidade em um porão ou caverna em algum lugar.

No entanto, se a Santa Sé sentir que ainda não é o momento para tal gesto, as coisas podem ficar um pouco mais confusas.

Alguma decisão arbitrária pode surgir dos poderes que estão (pense na Resolução #2334 do Conselho de Segurança da ONU) designando, neste caso, os vasos perdidos do Templo, como algo diferente dos judeus e, portanto, devem permanecer parados. Embora o status quo em relação aos tesouros escondidos do Templo tenha permanecido in situ por milênios, pode-se supor que não continuará assim para sempre. De qualquer forma, como no caso de Jerusalém, as decisões acabarão sendo tomadas com ou sem o consentimento do Ministério das Relações Exteriores de Israel.

Se as coisas derem certo com o Vaticano, ótimo! Agora é a hora, e testemunhos de várias formas estão chegando, todos com a mensagem de que já é hora de os judeus trazerem seu orgulho e glória de volta para casa.

Enquanto isso, uma equipe de advogados e embaixadores associados ao Centro de Assuntos Públicos de Jerusalém (JCPA) está se juntando a mim nesta empreitada, enquanto me encontro com o Departamento de Religiões Mundiais do Ministério de Relações Exteriores de Israel, bem como o Núncio Papal em Israel, Arcebispo Adolfo Tito Yllana. Meu objetivo, em última análise, é identificar os itens sagrados mencionados acima no Vaticano, cruzando-os com as primeiras aquisições do Vaticano (incluindo os séculos XII e XIII), conforme aparecem em suas listas de inventário originais.

É interessante notar que este manifesto pode ser encontrado no Arquivo Secreto Papal localizado atrás de uma pesada porta no final de um corredor no andar inferior da Torre dos Ventos (originalmente construída em 1578). Só o prefeito-chefe tem essa chave. Esta lista de inventário, na verdade, é anterior à época em que os papas usaram pela primeira vez o Vaticano como local de residência, começando em 1377.

Se as coisas não derem certo com o Vaticano, isso não é tão bom. O Estado de Israel, portanto, deve começar a preparar um caso de repatriação legal argumentando que os artefatos do antigo Templo, onde quer que estejam, pertencem totalmente a Jerusalém como herança nacional eterna do povo judeu. A menos que isso aconteça, talvez tenhamos que enfrentar uma nova realidade vindo daqueles longos corredores em breve. 

Agora vamos terminar com algo GRANDE, algo desconhecido antes, algo novo, que deu impulso a todo esse empreendimento. Houve muitas histórias escritas sobre este assunto antes, mas nenhuma abordou o fato de que até 10 pás de incenso foram encontradas em Israel ao longo dos muitos anos de arqueologia bíblica aqui. Eu sei porque as tenho nas mãos: pás de bronze de 2.000 anos (agora verdes, claro!) com cerca de 40 cm de comprimento que ainda podem ser usadas hoje! Eles foram encontrados em todo o Israel, desde Jerusalém na região da própria área do Templo, até cidades próximas a Tiberíades no norte e nas margens do Kineret.  

Todos eles têm uma coisa em comum. Eles pertenciam às várias sinagogas que existiam em Israel durante o período romano tardio, algumas talvez sendo consagradas para o próprio Templo! Muitos desses tesouros foram enviados ao exterior para lugares como Abu Dhabi, Coréia do Sul e Cingapura, enquanto outros foram para Roma (adquirida pelo Vaticano) e até Beverly Hills. Eles se encaixam perfeitamente na descrição das machtah (pás de incenso), sendo do mesmo tamanho e formato daqueles utensílios que eram usados ​​pelos sacerdotes no Templo Herodiano, conforme descrito no Talmud.  

Por que isso importa? Porque acontece que o Vaticano é parte de algumas das convenções internacionais sobre restituição e repatriação de artefatos culturais antigos para seus países de origem. 

Este item em particular não seria difícil de encontrar na lista de inventário do Vaticano em minha próxima viagem a Roma, onde eu aprenderia não apenas quantos eles têm, mas a localização exata de onde eles estão sendo mantidos. ■

Harry (Hirschel) Moskoff é um arqueólogo investigativo, estudioso do Templo, produtor de filmes e autor do The ARK Report. Ele pode ser contatado em office@harryhmoskoff.net

Por Pastor Ângelo Medrado

Pr. Batista, Avivado, Bacharel em Teologia, PhDr. Pedagogo Holístico docente Restaurador, Reverendo pela International Minystry of Restoration - USA - Autor dos Livros: A Maçonaria e o Cristianismo, O Cristão e a Maçonaria, A Religião do Anticristo, Vendas Alto Nível com Análise Transacional, Comportamento Gerencial.
Casado, 4 filhos, 6 netos, 1 bisneto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.