Categorias
católicos

Segredos sobre o papa Pio XII são revelados pelo Vaticano

O Vaticano abriu nesta segunda-feira, 2, os arquivos sobre o pontificado do papa Pio XII, acusado de se manter em silêncio durante o extermínio de 6 milhões de judeus no Holocausto, supostamente por ser um simpatizante do nazismo.

A partir de agora, os documentos, que se referem ao período do pontificado, de 1939 a 1958, estarão acessíveis a pesquisadores do mundo inteiro. A liberação ocorre um ano após o papa Francisco declarar que a “Igreja não tem medo da História”. A montanha de documentos se tornou acessível graças a um inventário elaborado por funcionários da Santa Sé durante 14 anos. Na mesma leva, também serão abertos, pela primeira vez, os arquivos do pós-guerra e da censura de escritores e padres inspirados pelo comunismo.

Os desafetos criticam Pio XII por nunca ter condenado publicamente a perseguição e o extermínio de judeus. Seus defensores dizem que bater de frente com a Alemanha colocaria em risco padres e freiras. Eles garantem que o papa incentivava discretamente que conventos e outras instituições católicas dessem abrigo aos perseguidos pelo nazismo.

“Agora, os historiadores poderão fazer um juízo histórico”, disse o bispo Sergio Pagano, diretor dos Arquivos Apostólicos do Vaticano. Segundo o bispo, os gestos de bondade de Pio XII “ofuscarão algumas pequenas sombras” de seu papado. A análise de milhões de páginas, no entanto, poderá levar anos.

Pio XII foi secretário de Estado do Vaticano no papado anterior, de Pio XI, e núncio apostólico na Alemanha – espécie de embaixador do Vaticano. Em 1933, ele negociou uma concordata entre a Igreja Católica e o governo alemão. Ele foi eleito papa seis meses antes do início da 2.ª Guerra. Na Santa Sé, ele manteve relações diplomáticas com o Terceiro Reich e nunca condenou a invasão nazista da Polônia, em 1.º de setembro de 1939.

Em sua biografia, o historiador britânico John Cornwell chama o pontífice de “papa de Hitler”, descrevendo Pio XII como “antissemita”, narcisista e determinado a “promover o poder do papado”. “Ele foi um peão de Hitler”, grifou Cornwell.

Em 2012, o Yad Vashem, o museu do Holocausto em Jerusalém, mudou a descrição de Pio XII em uma exposição sobre o papa de “não interveio” contra o extermínio de judeus para “não protestou publicamente”.

O novo texto reconheceu diferentes visões da posição do papa dizendo que o museu “aguarda com expectativa o dia em que os arquivos do Vaticano serão abertos aos pesquisadores para que se possa obter uma compreensão mais clara dos acontecimentos”. O dia, finalmente, chegou. Fonte: Associated Press.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Categorias
católicos Estudos

Estudo revela 3 mil ataques a igrejas e símbolos cristãos na Europa em 2019

Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)

Um estudo divulgado pela Fundação Católica Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) revela que em 2019 ocorreram cerca de 3 mil ataques contra igrejas, escolas e símbolos cristãos na Europa, entre incêndios criminosos, profanação de lugares de culto, saques, roubo e vandalismo.

A pesquisa foi realizada por Gatestone Institute, centro de estudos e conselho de política internacional e aponta que os ataques foram particularmente significativos na França e na Alemanha, mas também foram “comuns” em países como a Bélgica, Grã-Bretanha, Dinamarca, Irlanda, Itália e Espanha.

Para a realização deste estudo, o instituto analisou inúmeras notícias e reportagens divulgadas durante o ano passado na imprensa europeia, assim como registros policiais e publicações nas redes sociais.

O resultado indica que “aproximadamente 3 mil igrejas, escolas, cemitérios e monumentos cristãos foram vandalizados, queimados, saqueados ou desfigurados na Europa durante 2019 – mais de cinco por dia, um ano recorde para a hostilidade anticristã no continente”.

Conforme assinala ACN, estes dados confirmam uma tendência registrada ao longo dos últimos tempos e que tem sido avaliada por diversas entidades. Uma delas, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos, denunciou, em junho do ano passado, que no espaço de apenas 60 dias, entre o início do mês de abril e o início desse mês de junho, foram registrados 30 incidentes em igrejas apenas na Alemanha.

Esses incidentes, assaltos, roubos e incêndios intencionais traduziam, segundo o Observatório, “falta de respeito” pelos lugares de culto naquele país.

Do mesmo modo, a França surge como um dos países onde têm ocorrido mais incidentes contra Igrejas e símbolos cristãos. Em abril de 2019, a Fundação ACN informou sobre relatórios dos serviços de segurança que evidenciavam um aumento do número de ataques ao longo dos últimos três anos.

De 2016 a 2018, segundo um relatório do Serviço Central e Inteligência Criminal, citado pelo jornal ‘Le Figaro’, “houve milhares de casos de vandalismo nas igrejas”, com 1063 ocorrências registradas em um dos anos, o que dava, nesse caso, uma média de quase três casos por dia.

Estes dados foram divulgados após doze igrejas francesas terem sido saqueadas, profanadas e alvo de atos de vandalismo no espaço de apenas sete dias, durante a segunda semana de março de 2019. Um desses templos, o de Saint-Sulpice, foi mesmo incendiado logo após a celebração Eucarística do meio-dia.

Entretanto, no final de 2019, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos publicou um relatório sobre o ano de 2018 em que documenta “um aumento no número de igrejas, símbolos cristãos e cemitérios em toda a Europa sendo vandalizados, profanados e queimados, em comparação com os anos anteriores”.

Divulgado em 16 de novembro, Dia Internacional da Tolerância, data instituída pelas Nações Unidas, este relatório assinala diversos sinais de intolerância para com a comunidade cristã na Europa e que se estendem para lá dos ataques ou incidentes em Igrejas.

Segundo a diretora executiva do Observatório, Ellen Fantini, “os cristãos são ‘pressionados’ de muitas maneiras diferentes na Europa: desde interferência nas liberdades de consciência, expressão e associação, até negação de acesso à justiça e serviços jurídicos”.

Aponta ainda diversas situações em que isso se verifica, como a violação dos “direitos dos pais cristãos de criar seus filhos em conformidade com a sua fé”. “Os símbolos religiosos cristãos são removidos da praça pública, os cristãos são submetidos a estereótipos negativos nos meios de comunicação social e os grupos cristãos são excluídos dos campus universitários”, completou.

Fonte: ACI Digital

Categorias
católicos

Vaticano recebeu mil denúncias de abusos sexuais em 2019

Pedofilia na igreja
Pedofilia na igreja

O departamento do Vaticano responsável por registrar denúncias de abusos sexuais cometidos por membros do clero no mundo todo recebeu o número recorde de mil queixas ao longo do ano de 2019.

O balanço foi apresentado pelo diretor da Seção Disciplinar da Congregação para a Doutrina da Fé, John Joseph Kennedy, em entrevista à agência AP, ressaltando que o número recorde de denúncias “sobrecarregou” os funcionários da entidade.

“Eles trabalharam sete dias por semana”, comentou.

As mil denúncias representam quase quatro vezes mais do registrado há dez anos.

“Estamos, efetivamente, assistindo a um tsunami de casos, principalmente de países dos quais nunca tínhamos ouvido falar”, disse Kennedy.

De acordo com o diretor, Argentina, México, Chile, Itália, Polônia e Estados Unidos foram os países com o maior número de denúncias neste ano.

“Suponho que, se eu não fosse padre e se eu tivesse um filho que foi maltratado, provavelmente eu pararia de comparecer à missa”, comentou. “Mas o Vaticano está empenhado em combater os abusos e só precisa de tempo para examinar todos os casos. Examinaremos do ponto de vista forense e garantiremos o resultado justo. Não se trata de reconquistar o público, porque a fé é uma coisa muito pessoal. Daremos apenas a chance das pessoas dizerem: ‘Podemos dar uma segunda chance à Igreja para escutar a mensagem’”, defendeu Kennedy.

O papa Francisco se reuniu no Vaticano com o secretário-geral das Nações Unidas, o português Antonio Guterres, com quem gravou uma mensagem em vídeo fazendo um apelo contra os abusos.

“Não podemos e nem devemos virar as costas para as injustiças, para as desigualdades, para a fome no mundo, para a pobreza, para os meninos que morrerem porque não têm acesso à água, à comida, às curas necessárias. O mesmo empenho deve ser tido diante de qualquer abuso dos menores”, diz um trecho da mensagem.

“Devemos, todos juntos, combater essa praga”, ressaltou o papa.

O vídeo tem duração de cerca de oito minutos e defende o multilateralismo. Nas imagens, Francisco e Guterres também falam sobre imigração.

Fonte: Agência ANSA