Categorias
católicos Cultos Jovens católicos maçonaria

A Igreja Católica e a Maçonaria

“VOU EXPLICAR-LHE POR QUE A MAÇONARIA E A IGREJA SÃO INCOMPATÍVEIS” (Padre Zbigniew Suchecki)

Por Nico Spuntoni – Fonte: https://lanuovabq.it/

Existem cerca de seiscentos documentos, aprovados pelos Papas, que condenam a Maçonaria, sob qualquer forma. A Maçonaria “nega em princípio o valor da verdade revelada”, rejeitando qualquer fé nos dogmas ensinados pela Igreja. O indiferentismo religioso dos maçons é caracterizado por uma “concepção deísta”, incompatível com a concepção católica. La Bussola entrevista o padre Zbigniew Suchecki, um dos maiores especialistas na complexa relação entre a Igreja e a Maçonaria.
O julgamento da Igreja sobre a Maçonaria sempre levou em consideração não apenas o fato de que a organização opera contra a Noiva de Cristo ou não, mas, de modo mais geral, de estar em contradição filosófica e moral com a doutrina católica. Eles vão desde a bula de excomunhão In eminenti apost o lat us specula (1738) de Clemente XII até a declaração da Congregação para a Doutrina da Fé de 26 de novembro de 1983, redigida pelo então cardeal Joseph Ratzinger e aprovada por São João Paulo II. Os pronunciamentos da Igreja contra a Maçonaria se repetem ao longo dos séculos e reafirmam que até agora nada mudou na legislação sobre o assunto.
O New Compass falou sobre a complexa relação entre a Maçonaria e a Igreja Católica com o Padre Zbigniew Suchecki, professor da Pontifícia Faculdade de St. Bonaventura – Seraphicum e um dos maiores especialistas no assunto, sobre o qual escreveu os volumes La Maçonaria nas disposições do “Codex Iuris Canonici” de 1917 e 1983 e Igreja e Maçonaria. Volumes nos quais ele se inspirou para responder às nossas perguntas.

Padre Suchecki, sobre a relação entre a Igreja e a Maçonaria, quais são os documentos que merecem ser lembrados?

O cânon 2335 do Código de Direito Canônico de 1917 declara que aqueles que se inscrevem na Maçonaria ou outras associações do mesmo tipo, que conspiram contra a Igreja, incorrem ipso facto na excomunhão reservada à Sé Apostólica. Nos últimos séculos a Maçonaria, seja regular, legítima, irregular ou “desviante”, sem distinção, foi condenada por vários Papas em cerca de seiscentos documentos. No entanto, a questão é muito atual porque muitos católicos pertencem à Maçonaria.

Quais foram as posições que surgiram sobre a maçonaria durante o Concílio Vaticano II ?
A Comissão Pré-preparatória do Concílio Vaticano II havia reunido em seis pontos as propostas dos bispos e a documentação que dizia respeito explicitamente à Maçonaria, De secta Francomurariorum.
Os bispos pediram explicitamente que a condenação da Maçonaria fosse confirmada. Durante o Concílio Vaticano II, houve quem tentasse apresentar a Maçonaria em uma perspectiva diferente, empurrando para uma revisão da posição tomada no passado pela Igreja. Por exemplo, o tema referente à Maçonaria foi lembrado por cartão. Ernesto Ruffini durante a 89ª Congregação Geral e três vezes pelo bispo de Cuernavaca, no México, Mons. Sergio Méndez Arceo, que durante a 35ª Congregação Geral destacou que na Maçonaria há muitos cristãos não católicos, que, se conhecessem melhor a Igreja, poderiam ser um fermento para eliminar da Maçonaria o que há de anticristão e anticristão nela. -Católico. Durante a 71ª Congregação Geral, Monsenhor S. Méndez Arceo, referindo-se à Maçonaria.
Como a Muratória Livre questiona a Igreja? Essa posição mudou ao longo do tempo?
O fato de que a Maçonaria questiona a Igreja de maneira fundamental não mudou. Esta circunstância torna-se particularmente clara se considerarmos que autocompreensão concreta, que base cultural, que concepção do presente e que perspectiva de futuro os maçons se deram como programa espirituoso e combativo no documento: Tese para o ano 2000 , publicado há 22 anos. Nela o valor da verdade revelada é negado em princípio, e com esse indiferentismo uma religião revelada é excluída desde o início.
Por que entre as razões da incompatibilidade está o conceito de “verdade” próprio da Muratória Livre ?
Nos anos de 1974-1980, a Conferência Episcopal Alemã criou uma Comissão oficialmente encarregada de examinar a compatibilidade dos membros contemporâneos da Igreja Católica e da Maçonaria. Após as conversas oficiais entre a Igreja Católica e a Maçonaria, foram produzidos depoimentos conclusivos da obra em que foram expostos os motivos da incompatibilidade. Neles, lemos que «os maçons negam a possibilidade de um conhecimento objetivo da verdade. A relatividade de cada verdade representa a base da Maçonaria. Como o maçom livre rejeita qualquer fé em dogmas, ele não admite nenhum dogma mesmo em sua Loja. Tal conceito de verdade não é compatível com o conceito católico de verdade, nem do ponto de vista da teologia natural.
Em 1983 a Congregação para a Doutrina da Fé , na época dirigida pelo Cardeal Ratzinger, sentiu a necessidade de fazer um documento sobre a incompatibilidade entre a Igreja e a Maçonaria, escrevendo que “existia a possibilidade de que a opinião errônea segundo a qual a adesão a uma loja maçônica agora era legal “. Pode-se ainda dizer que a iniciação dos rituais maçônicos está em contradição explícita com a dos sacramentos cristãos?
No coração dos Rituais Maçônicos está o conceito do “Grande Arquiteto do Universo”. Apesar da manifestação de boa vontade na tentativa de abraçar qualquer religião, trata-se de uma concepção deísta. Essa representação de um Arquiteto universal que domina em um afastamento deísta mina os fundamentos da concepção católica de Deus e de sua resposta ao Deus que os desafia como Pai e Senhor. Como se observa na afirmação conclusiva da já mencionada Declaração da Conferência Episcopal Alemã de 1980 sobre a pertença dos católicos à Maçonaria, portanto, «as oposições indicadas tocam os fundamentos da existência cristã.

A Zeno.FM Station

Luiz Sergio Castro às 11:22:00

Compartilhar

3 comentários:

Anônimo2 de junho de 2022 12:56

O desconhecimento dos fundamentos basilares da Maçonaria e o “esquecimento” proposital dos crimes cometidos contra o conhecimento da humanidade (inquisição), é que permitem que siga avante o pensamento retrógrado do gestor católico. Sou Católico e Maçom.
Responder

Respostas

Anônimo2 de junho de 2022 15:14

Apoiado

Responder

 

Anônimo2 de junho de 2022 13:30

A Igreja Católica, hoje, não nos preocupa porque não faz proselitismo contra a Maçonaria. Devemos nos preocupar com as igrejas neo-pentecostais. Basta uma busca rápida nas redes sociais para constatar quem são os verdadeiros inimigos da fraternidade.
Responder

Por Pastor Ângelo Medrado

Pr. Batista, Avivado, Bacharel em Teologia, PhDr. Pedagogo Holístico docente Restaurador, Reverendo pela International Minystry of Restoration - USA - Autor dos Livros: A Maçonaria e o Cristianismo, O Cristão e a Maçonaria, A Religião do Anticristo, Vendas Alto Nível com Análise Transacional, Comportamento Gerencial.
Casado, 4 filhos, 6 netos, 1 bisneto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.