Categorias
Noticias

Marina Silva pede orações a evangélicos

image

 

LEIÇÕES 2010

Em Manaus, Marina Silva pede orações a evangélicos

Cerca de 7 mil pessoas oraram na manhã deste domingo, 15, pela vitória da candidata do PV à Presidência, Marina Silva, num templo da Igreja da Restauração, fundada em Manaus em 1992 e que já elegeu vereadores e deputados estaduais.

A candidata fez um discurso de 35 minutos, entremeado de citações bíblicas, enaltecendo o papel da mulher na sociedade. No final pediu que orassem por ela. "Quero pedir a todos para orarem por mim, para que Deus me capacite para essa missão e abençoe nosso País com o que for melhor", disse.

Pela manhã, antes de ir ao templo, a candidata passeou por uma das mais populares feiras de artesanato da capital. Foi aplaudida, abraçada e ganhou presentes. "Esse é meu fraco", disse numa banca de colares com pedras e madeiras da região. Ganhou cinco, em bancas diferentes. Ao falar na igreja depois da visita à feira, usou um dos colares, de jarina e casca de pupunha escovada.

No início da tarde, a candidata viajou para São Paulo num jato fretado. Nesta segunda-feira, 16, à noite, Marina fará campanha na capital paulista em um encontro com lideranças da comunidade judaica.

A candidata, que fez campanha nos últimos dois dias em Manaus, chorou na tarde deste sábado, 14, na inauguração de um dos comitês voluntários na periferia da cidade, ao reencontrar uma antiga vizinha, do período em que morou na capital amazonense.

"Era na casa da senhora que a gente guardava as coisas na geladeira, porque não tínhamos. E a senhora ajudou minha mãe a encontrar um emprego", contou, emocionada ao relembrar da mãe, já falecida.

No final da tarde deste sábado, aproximadamente 200 pessoas lotaram uma livraria em Manaus para pedir autógrafo da candidata, biografada no livro da jornalista Marília de Camargo César, "Marina, a Vida por uma Causa".

No lançamento, o poeta Thiago de Mello anunciou seu voto. "Por onde ela for, estou com ela, que me atrai com coerência num tempo onde o que falta é exatamente isso", afirmou o poeta

Data: 16/8/2010 08:26:41
Fonte: Agência Estado

Categorias
Artigos Cultos

DEUS NÃO É SURDO: Moradores criam site para denunciar barulho excessivo de Igrejas

 

O ruído causado por templos religiosos desperta mais queixas que a poluição sonora de bares e restaurantes, e faz com que paulistanos percam a paz de espírito

por Margarida Telles –

Valter é um dos moradores da Vila Gumercinda que não pode optar pelo silêncio. Em Mudança de Hábito, famoso filme de 1992, a cantoria de um coral gospel comandado por Whoopi Goldberg traz alegria para a vizinhança e aproxima a igreja da comunidade que a cerca. Na vida real, a história é diferente. No último ano, pela primeira vez os templos religiosos lideraram o ranking das queixas por barulho feitas ao Ministério Público Estadual de São Paulo, posto antes ocupado pelos bares.

Isso significa que muita gente tem ligado para o Programa de Silêncio Urbano (Psiu) para reclamar da prece de seus vizinhos, já que existem cerca de 22 mil templos na capital paulista, contra os mais de 55 mil restaurantes, casas noturnas e similares, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

O designer Valter de Oliveira Silva é um dos incomodados pela cantoria alheia. Mesmo morando no décimo andar, consegue ouvir em alto e bom som a música que vem da Assembleia de Deus próxima à sua casa, na Vila Gumercinda. A igreja possui todo um aparato de amplificadores, coral, orquestra e até um mezanino próprio para os músicos, mas a isolação acústica deixa a desejar. “Não é que a música seja ruim, mas é péssimo não ter a opção de ficar em silêncio”, diz o designer, que acompanha religiosamente os cultos nas noites de sexta, sábado e domingo, independente de sua vontade.

Valter não está sozinho. Além de seus vizinhos, muitas outras pessoas querem falar sobre os incômodos gerados por alguns templos religiosos. O site Deus não é surdo (www.deusnaoesurdo.com.br), criado em 2006, é um exemplo. Com o slogan “Seja um crente decente, não grite no ouvido da gente” e mais de um milhão de acessos, o endereço reúne relatos de pessoas obrigadas a conviver com o barulho gerado pelas igrejas.

Site faz relação de igrejas mais barulhentasOs criadores do site, o analista de sistemas Leandro Zavitoski e seu irmão, Mário Luis Zavitoski Júnior, sabem exatamente como é morar ao lado de uma igreja que supera os 65 decibéis permitidos por lei para áreas mistas da cidade – que abrangem estabelecimentos comerciais e residências.

Os irmãos mudaram-se para uma casa no bairro do Limão, na zona norte de São Paulo, em 2006. Mas logo no primeiro final de semana, descobriram que qualquer traço de simpatia da nova moradia acabava assim que os membros da igreja ao lado ligavam os amplificadores para o culto. “As coisas próximas à parede que separava a nossa casa da igreja tremiam com o barulho. Não dava pra conversar ou trabalhar, era um inferno”, conta Leandro.

Os irmãos Zavitoski tentam abaixar o tom da reza conversando com os membros da igreja. Sem um acordo com os religiosos, Leandro ligou para o Psiu diversas vezes, mas não teve as suas queixas ouvidas. “A solução que encontramos foi criar o site, e vimos que existe muita gente na nossa situação”, afirma o analista de sistemas.

O Deus não é surdo tem um ranking das igrejas mais barulhentas, atualmente liderado pela Universal do Reino de Deus, e uma seção dedicada às “igrejas legais”, para valorizar os templos que respeitam os ouvidos do próximo e praticam uma política da boa vizinhança. Mas a área com maior participação dos internautas é a dos desabafos. E a reclamação mais comum nos relatos está ligada à falta de iniciativa do poder público em multar estes estabelecimentos. Muitos falam que já reclamaram com a prefeitura, mas as queixas não foram levadas à diante, e os alvarás das igrejas, que por vezes não estão de acordo com o número de eventos realizados semanalmente no local, não foram cassados.

Questionada, a Prefeitura de São Paulo afirma que a fiscalização continuará a ser feita do mesmo modo. “Cumprimos o que está na legislação, e nela não há nenhum tipo de diferenciação entre bares e igrejas”, afirmou a Prefeitura, por meio de sua assessoria de imprensa. Para os irmãos Zavitoski, a fiscalização não foi boa o bastante. Cansados de rezar por um pouco de silêncio, mudaram de casa recentemente. E desta vez, certificaram-se de que não havia nenhuma igreja próxima ao novo endereço, graças a Deus.

Fonte: O Globo Online

27-5-16-a 006

Rev. Ângelo Medrado, Bacharel em Teologia, Doutor em Novo Testamento, referendado pela International Ministry Of Restoration-USA e Multiuniversidade Cristocêntrica é presidente do site Primeira Igreja Virtual do Brasil e da Igreja Batista da Restauração de Vidas em Brasília DF., ex-maçon, autor de diversos livros entre eles: Maçonaria e Cristianismo, O cristão e a Maçonaria,A Religião do antiCristo, Vendas alto nível, com análise transacional e Comportamento Gerencial.

Categorias
Noticias

Pentecostais crescem, inovam e viram tema de debate

 

O crescimento do pentecostalismo no Brasil não pode ser atribuído unicamente ao uso da mídia. Ele explica o fenômeno em parte, disse o cientista social Paul Freston. O estudioso será o palestrante de abertura do Eclesiocom, agendado para o dia 19 de agosto, em São Paulo.

“O meio de comunicação não funciona isoladamente, ele está dentro de um pacote maior, que inclui o contato com familiares, vizinhos, colegas de trabalho e também a ida à congregação local”, afirmou Freston em entrevista ao Instituto Humanitas, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Freston citou que há uma diversidade muito grande no pentecostalismo. De um lado, aparecem igrejas que recorrem aos meios de comunicação de massa, rádio e TV de modo especial, como é o caso da Igreja Universal do Reino de Deus, e há igrejas que rejeitam as mídias eletrônicas, como a Congregação Cristã, a segunda maior do país em número de frequentadores.

Nessas, “o crescimento numérico da igreja ocorre por outros meios, não pelos meios massivos de comunicação. Há casos ainda como o da Deus é Amor, que sempre usou massivamente o rádio, mas não a televisão”, assinalou Freston.

O diretor do Programa de Estudos da Religião na América Latina, da Baylor University, lembrou também que nas metrópoles a importância dos meios de comunicação é maior. “A congregação que rejeita o uso dos meios se dá melhor no interior, em cidades menores”, arrolou.

A divulgação religiosa no rádio ganhou intensidade no Brasil a partir dos anos 50 do século passado. Nos anos 70, programas religiosos começam a aparecer na televisão, primeiro com programação vindo do exterior, de cunho pentecostal. “Nos anos 80, transforma-se em uma indústria nacional”, historiou.

As novas iniciativas partem, muitas vezes, de igrejas pentecostais recém-criadas, “que surgem com maior desinibição e ousadia”, e que são imitadas, em seguida, pelas igrejas pentecostais mais antigas.

Na análise de Freston, a internet possibilita que grupos pequenos, que nunca teriam oportunidade de ter presença televisiva, possam fazer sua divulgação. “Também permite um processo mais democrático dentro de uma determinada igreja, por exemplo, com grupos dissidentes”, mencionou.

Data: 3/8/2010 08:46:51
Fonte: ALC Notícias