Categorias
Noticias

Carro que conduzia pastores da CBB capota, mas Deus dá o livramento

Pastor Eli Fernandes, mesmo machucado, pregou na mesma noite


        Carro que conduzia pastores capota, mas Deus dá o livramento

Um acidente automobilístico envolveu os pastores Luiz Roberto Silvado, presidente da Convenção Batista Brasileira, o pastor César, e o pastor Eli Fernandes, ex-vice-presidente da Convenção Batista nesta sexta-feira (5). Eles dirigiam-se a um retiro de pastores no sul da Bahia, onde seriam preletores.

O carro onde estavam teve dificuldades para subir uma ladeira muito íngreme, conhecida como Plano Inclinado, no acesso de uma das cabeceiras da Ponte Lomanto Júnior, em Ilhéus.

Quando o motorista tentou mudar a função de automático para manual, o automóvel se desgovernou, bateu num barranco e acabou virando.

Em grupos de pastores no aplicativo Whatsapp foi grande a comoção. Pelas imagens do acidente, muitos consideram um milagre ninguém ter morrido.

O pastor Eli Fernandes, contou que “realmente, foi um livramento de Deus. Creio que Deus usou o fato de estarmos com o cinto de segurança para nos poupar. Foi um susto muito grande, os vidros sendo estilhaçados do nosso lado e sem podermos fazer nada”.

Mesmo ferido, Eli Fernandes insistiu para chegarem até o acampamento Teosópolis, em Ilhéus, onde ele pregou pela manhã e Silvado à noite, fechando o Congresso. Segundo Fernandes, “foi um encerramento de quebrantamento, Deus nos falou sobremaneira e vimos o agir de Deus. Como Deus é bom!”.

Passado o susto, os três pastores passam bem, embora ainda tenham dores localizadas. Com informações de Neemias Lima 

Categorias
Cultos Noticias

Pastor Dodanin – 100 anos a serviço de Deus

httpv://www.youtube.com/watch?v=n83Fgu3a34Y

Categorias
Artigos

UMA DENOMINAÇÃO QUE SE IMPLODE – CBN (Convenção Batista Nacional)

cbn I Cor. 12:12-13 “12 “Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. 13 Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito”.

A diversidade doutrinária, teológica, litúrgica, histórica, filosófica etc., usando como parâmetro os vários tipos de pessoas que compõem a igreja, o corpo de Cristo. No texto citado de Paulo a ênfase é de que cada parte do corpo coopera para o crescimento deste. Essa cooperação não se dá com cada parte achando o que é melhor para si ou para o corpo, mas se integrando na dinâmica e sinergia gerada pelo Espirito Santo para crescimento ordenado do corpo.
A figura do corpo humano é fundamental para exemplificar a igreja. Cada parte ou órgão ajustado com um propósito.
Assim sendo, as mais diversas pessoas que compõem o corpo de Cristo, a igreja, pelo batismo, trabalham para unidade da igreja, observando princípios e valores que não podem ser transigidos para que o corpo não se esfacele. Agora dizer que vários tipos de pessoas na igreja é um paralelo para os vários tipos doutrinários existentes conviverem harmoniosamente é algo pueril.
Na afirmação do autor se destaca um erro sutil, mas muito significativo. A diversidade de pessoas na igreja não é base para se afirmar que a diversidade teológica seja bem vinda ou aclamada como um princípio batista de liberdade. Essa pseudo liberdade é a porta escancarada para a libertinagem teológica, doutrinária, eclesiástica, litúrgica etc.
O referido autor afirma Ipsis litteris que “o respeito pela autonomia da igreja local tem sido uma das marcas da Convenção Batista Nacional e permitiu que visões ministeriais completamente diferentes se desenvolvessem em nosso meio. Tanto na teologia quanto na liturgia, temos igrejas bem tradicionais, pentecostais e até neopentecostais e isso não nos empobrece; pelo contrário, nossa diversidade é fruto de nossa liberdade e da prova que é possível amar e viver em comunhão, a despeito das diferenças”.
Vejamos alguns pontos erráticos nesta afirmação:
a.     Se na teologia e na liturgia a CBN possui igrejas tradicionais, por que elas não permaneceram na Convenção Batista Brasileira – CBB ou mesmo pediram filiação àquela denominação?
Por que passar pelo desgaste vivido na década de 60 do século passado? Se possui igrejas pentecostais e neopentecostais, o que elas fazem na CBN?
Por que não estão em seus meios de origem?
Se as práticas teológicas, litúrgicas, eclesiásticas coadunam com outras denominações e estas nada possuem de batista, então a CBN não possui significância alguma em termos de denominação.
b.     O respeito pela autonomia das igrejas locais e uma marca de todos Batistas no mundo inteiro e não somente da CBN. Qualquer convenção Batista respeita e preserva a autonomia das igrejas locais.
c.      Esse respeito à autonomia da igreja local não é um passaporte para permitir visões dispares no meio batista renovado, mas somente é usado como pretexto para afundar a denominação no caos doutrinário, eclesiológico, litúrgico, teológico etc.
d.     O fato de termos, como afirma o autor, liturgias, teologias tradicionais, pentecostais e neopentecostais no meio da CBN, não constitui fator diferencial para o bem da denominação, nem de destaque em relação à outras denominações que não aceitam tais disparidades, mas é fator de desintegração das malhas doutrinárias, teológicas, históricas, filosóficas e bíblicas da denominação.
A proposta do autor do texto, talvez sem o perceber, é de transformar a denominação – CBN em uma colcha de retalhos,  o que, por sinal, já é um fato incontestável. Chega a afirmar que essa salada de frutas proposta não empobrece a denominação, e nisso ele acerta, pois esse pensamento e prática já detonou toda uma história de quase 50 anos. Pergunto: empobrecer o que? Diminuir o que? Aquilo que quase não existe?
Se o autor entende que essa Caixa de Pandora pode ser aberta sem causar danos irreparáveis é algo lastimável e simplório demais. Essa forma de pensamento somente descaracteriza toda uma denominação e a implode de um modo irreversível.
A verdade nua e crua é que a CBN, em vários aspectos, quase nada possui de Batista ou no mínimo sonha um dia voltar aos fundamentos batistas.
Sem medo errar afirmo que um grande percentual da liderança batista nacional (pastores, obreiros, diáconos etc.) desconhece a história dos batistas, da CBN e principalmente desconhece os princípios distintivos dos batistas.
BATISTA NÃO É PENTECOSTAL e NEM NEOPENTECOSTAL.
BATISTA PRIMA PELA COERÊNCIA E NÃO PELA INCOERÊNCIA.
PARA O BATISTA NÃO VALE TUDO DE QUALQUER JEITO E FORMA.
Acho que para o preclaro autor do texto, bem como para muitos de nós batistas nacionais, a música que mais se encaixa nessa forma de pensamento seja o do ex-cantor Tim Maia:VALE TUDO.
No final do texto o autor se mostra imerso na cultura e pensamento pós moderno. Tece uma crítica para aqueles que criticam erros de outros.
Com certeza serei apedrejado ou irei para o tribunal do Santo Ofícios Batista Nacional. Essa tolerância ampla e irrestrita advogada pelo autor do texto é antifilosófica. Então a admoestação do apóstolo Judas em sua carta V. 3 não procede para o autor. “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”. Se assim for, teremos de rasgar grande parte do N. Testamento que fala sobre os julgamentos de Paulo, Pedro e outros apóstolos.
De fato vemos uma denominação que se implode.
Necessário se faz repensarmos nossa história, não nos afastarmos dos fundamentos lançados e preservarmos aquilo que nos é caro e próprio.
Soli Deo Gloria
Pr. Luiz Fernando R. de Souza – CBN-MG.
As inserções e negritos foram incluidas pelo autor do site
06-06-16 013

Rev. Ângelo Medrado, Bacharel em Teologia, Doutor em Novo Testamento, referendado pela International Ministry Of Restoration-USA e Multiuniversidade Cristocêntrica é presidente do site Primeira Igreja Virtual do Brasil e da Igreja Batista da Restauração de Vidas em Brasília DF., ex-maçon, autor de diversos livros entre eles: Maçonaria e Cristianismo, O cristão e a Maçonaria, A Religião do antiCristo, Vendas alto nível, com análise transacional e Comportamento Gerencial.