Categorias
Israel

Israel determina estoque de trigo devido à crise, como fez José do Egito

Decisão da ministra dos Transportes Merav Michaeli lembrou crise de seca no período de José.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ISRAEL365
José do Egito, interpretado por Juliano Laham. (Foto: Blad Meneghel / Record). Ministra dos Transportes Merav Michaeli. (Foto: David Azagury / U.S. Embassy Tel Aviv / CC)
José do Egito, interpretado por Juliano Laham. (Foto: Blad Meneghel / Record). Ministra dos Transportes Merav Michaeli. (Foto: David Azagury / U.S. Embassy Tel Aviv / CC)

Com temores de uma possível escassez de alimentos em meio à crise na Ucrânia, Israel prioriza o desembarque e estoques de alimentos que chegam aos portos do país.

David Sidman lembra que a medida, implementada pela ministra dos Transportes Merav Michaeli, remete ao conselho de José do Egito como prevenção a uma severa seca em sua época, que afetaria diversas regiões.

Em sua decisão, Michaeli instruiu que os navios de carga com grãos e ração animal tenham prioridade para descarregar nas docas do porto, a partir do próximo mês.

De acordo com o Antigo Testamento, a solução de estocar grãos foi levada por José a faraó, após contar um sonho enigmático. O filho de Jacó teve a revelação de que se tratava de um fome que assolaria o país e outras localidades, inclusive onde vivia sua família.

O conselho de José, para estocar trigo para ter reservas suficientes quando a fome chegasse, conforme relato da Bíblia em Gênesis 41:36, foi aceito por faraó, que promoveu o israelita ao cargo de governador do Egito.

Agora, diz Sidman, Israel parece estar prestando atenção ao antigo conselho de José de priorizar o trigo sobre outros produtos importados.

Segurança alimentar

A preocupação sobre segurança alimentar é real. O diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos da ONU, David Beasley, alertou que o conflito na Ucrânia, além de desencadear a pior crise de refugiados até então, poderá provocar uma crise alimentar global.

Beasley descreveu essa combinação como “inferno”.

Alex Coman, consultor econômico de Israel, também disse que a interrupção no fornecimento de trigo e milho para o mundo atingiu Israel. “Vimos os preços do pão subirem nas últimas semanas”, comentou.

“Em Israel temos controle de preço do pão básico, que é decidido pelo governo para garantir que os pobres possam comprar pão”, explicou. Alex lembra que a Páscoa está chegando, época em que os judeus consomem mais farinha.

Em comunicado na quinta-feira (24), a ministra Michaeli declarou: “Enfrentamos desafios à nossa segurança alimentar no momento por causa dos desenvolvimentos preocupantes na Ucrânia”.

“O Estado de Israel deve salvaguardar sua segurança alimentar fortalecendo nossa agricultura doméstica. Tomando medidas para obter os grãos e a forragem dos quais a agricultura israelense depende, a nação garantirá rapidamente que mantenhamos a segurança alimentar israelense, apesar das mudanças em todo o mundo”, declarou.

De acordo com o comunicado, o chefe de navegação e portos, Yigal Maor, já está providenciando “várias medidas” para implementar a decisão.

Categorias
Cultos

Crise pode ser juízo de Deus sobre o Brasil, diz Paulo Junior

Pastor convoca igreja para orar pela nação diante da crise política

por Leiliane Roberta Lopes -gospelprime-

Em uma pregação, o pastor Paulo Júnior, da Igreja Aliança do Calvário, explicou a situação política atual do Brasil, falando do desvio de dinheiro da Petrobras e principalmente do plano de poder do Partido dos Trabalhadores.
“Uma vez que ele [Lula] é ministro, ele não pode ser julgado pela Polícia Federal, sai da mira do Sérgio Moro e vai ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Ou seja, ele não só pode escapar da condenação, como sendo ministro, ele toma das mãos da presidenta o governo do país e passa para o seu terceiro mandato”, explica o pastor.
Paulo Júnior afirmou estar chocado com as notícias daquela semana, que seria o início da instalação de uma ditadura, a menos que o Congresso ou a Justiça intervenham.
Espiritualmente, o pastor vê que essa situação pode trazer o juízo de Deus para o Brasil. “Essa nação é corrupta, essa nação é imoral, essa nação é idólatra”, disse ele, condenando também as igrejas contemporâneas.
“Pode ser que Deus esteja aplicando através dessa quadrilha juízo sobre o Brasil, porque o Brasil não é um país correto, um país honesto. Pode ser que é uma das medidas de Deus aplicar juízo neste país por causa da igreja brasileira que é uma igreja adúltera, corrupta, e não é igreja de Cristo”, afirma.
Outra fala do pastor Paulo Júnior que chama atenção na pregação é a comparação de Lula se chamando de jararaca.
“Por trás de toda essa onda de corrupção, desses escândalos, essas aberrações e até essa apostasia dentro da igreja que está clamando pelo juízo de Deus, está sim a jararaca. É de fato a jararaca que está no comando, a antiga serpente, o diabo”.
Em sua visão, essa é uma guerra espiritual e os cristãos não podem ficar parados, precisam orar e clamar a Deus por essa situação, intercedendo. “Não existe nenhuma outra instituição no mundo que possua essa ferramenta [a oração]”, ensina o pastor.
Assista:

Categorias
Estudos

Brasil um país em crise moral, política e religiosa!

Por Silvio Costa em 14 de junho de 2015

Brasil um país em crise moral, política e religiosa!
Os tempos são difíceis no Brasil em vários aspectos (refiro-me a “tempos” porque nossos problemas nacionais emendam décadas e enlaçam gerações); existe a crônica e sistêmica dificuldade da corrupção política derivada de uma outra desvirtuação moral que também emana de mais uma adulteração imaterial (espiritual) – sim, e nesta última a constatação de que a alma do “povo brasileiro” está doente! Ficamos enfermos pois bebemos dos cálices das mentiras variadas e nos alimentaram dos banquetes de enganos e trapaças – por isso que o brasileiro é de alguma forma “corrupto”; nosso espírito geme no que parece um beco escuro e sem saída e nossa vida se esvai em meio a tanta desgraça social.

A última esperança é a “igreja de Jesus”, pois para esta as portas do inferno não prevalecerão; para ela a mentira não triunfa e o pecado em qualquer estágio e meio não é tolerado. Estamos numa “crise de verdade” e num cenário de inverdades onde se mente do “púlpito” ao parlamento; da polícia ao judiciário e da liderança comunitária a Presidência da República. É uma crise moral onde a retidão se extingue frente a intentos de ganância e poder onde tudo vale e se justifica. É uma crise de valores onde o relativo não permite convergirmos em quase nenhum acordo – todo mundo tem a sua verdade e sua isolada posição – e numa sociedade em que ninguém se entende a própria se destrói.

Também estamos em meio a uma crise de respeito e civilidade, há uma guerra entre “cristãos” (com destaque para alas evangélicas) e “gays” neste país, onde os primeiros através de alguns de seus líderes pelo discurso da defesa da família e dos bons costumes formam um cinturão de apelo político e usam do canhão das mídias evangélicas para mobilizarem o segmento a pressionarem os legisladores na aprovação de leis mais “teocráticas”; incitam a promoção de boicotes comerciais a empresas que “apoiam” o homossexualismo, fomentam discussões e desferem acusações ao ativismo gay. Essa “causa evangélica” deixa de ser cristã quando instiga ódio e arranca fobias interiorizadas em mentes fundamentadas na extrema e única opção de condenar pessoas. O brasileiro têm liberdade se quiser ser gay ou lésbica e ponto. O cristão também tem o direito de continuar pregando o evangelho sem ofender as pessoas – apenas repetindo o que as Escrituras ensinam. Vale lembrar que a Palavra de Deus enquanto o indivíduo está vivo só condena o comportamento dele e não o próprio, de outra forma Deus jamais o chamaria ao arrependimento – não haveria sentido para tal.

Whatsapp
Compartilhar
Evangelho no sentido vernacular são boas novas de salvação – é isso que a igreja evangélica precisa se ocupar em fazer – quem convence é o Espírito Santo! Se nós temos a verdade e se o ativismo gay quer propor e impor inversões de papéis sociais através de um novo conceito de sexo e família – nosso comportamento precisa basear-se numa apologia fidedigna à Palavra de Deus em todos os sentidos – inclusive naquela de amar o próximo (gays, lésbicas, bissexuais e travestis); se quisermos dialogar com essa sociedade não evangélica onde não impera quase nada de valores bíblicos; teremos de ouvi-la, respeitá-la em seu direito de expressão e para os mais radicais de nosso meio o apelo não é menos radical – você terá que dar a face mesmo àqueles que aprovam demonstrações como a do transsexual que aludiu a Jesus crucificado sobre um trio elétrico em plena parada gay.

Voltando ao campo político e estendendo uma ponte de reflexão ao religioso, eu acredito que a presença de representantes cristãos na câmara dos deputados é necessária, como também representantes de outros segmentos sociais. Acredito que através da política é que conseguiremos fazer um país para e de todos, sob a ordem do respeito mútuo – ninguém obrigando ninguém a nada, quer por sentir-se injustiçado por ser minoria ou por achar-se absoluto pelo apoio da maioria. O Brasil não é uma “igreja” e menos uma “parada GLBT” e enquanto os enfrentamentos e xingamentos continuarem, mais distantes do entendimento ficaremos e os caudais generalizados de nossas crises só aumentarão.

“As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores.”
Profile photo of Silvio Costa
Por Silvio Costa

Silvio mora na belíssima cidade de Guarapari no ES; é administrador de empresas por profissão; estudou teologia no Seminário SEET e na Faculdade FAIFA. É membro do conselho editorial da revista Seara News. Contribui como colunista em outros portais evangélicos e é palestrante em escolas bíblicas realizadas em seu Estado. Escreve também para o seu blog Cristão Capixaba e é o editor responsável pelo portal Litoral Gospel.