Categorias
Estudos

O nascimento de Jesus – Isaías 7:14 realmente é uma profecia messiânica?

Luke Wayne

Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7:14 Os críticos muitas vezes afirmam que este versículo nunca se destinou a ser uma profecia messiânica.

Eles apontam que Isaías 7 descreve um encontro entre Isaías e o rei Acaz. O ‘sinal’ em Isaías 7:14 é oferecido ao rei para assegurar-lhe que Deus livrará Judá da sua coalizão de inimigos. O sinal de um Messias que nasceria muito tempo depois que o rei Acaz estava morto não parece cumprir o objetivo. Eles argumentam, portanto, que Isaías 7:14 só poderia estar falando sobre algo que aconteceu pouco depois que Isaías falou essas palavras e não tinha nada a ver com o Messias.

O problema com este argumento é que ele pressupõe que Isaías 7 foi escrito no vácuo. Assume que a história foi escrita sem conexão com o resto do livro de Isaías e para absolutamente nenhum propósito além de meramente registrar um evento.

O Livro de Isaías, no entanto, não é um livro de memórias ou uma obra de história. Há muito pouca narrativa em Isaías. Quando ele conta uma história, está utilizando essa história para fazer um ponto maior. Quando o autor do Novo Testamento citou Isaías 7:14 em referência a Jesus, não estava apenas “rasgando” o verso e atirando-o na página. Estava fazendo um caso maior de que Jesus era o cumprimento de uma série de profecias sobre um Filho Messiânico prometido em Isaías 7-12. Mateus aplicou diretamente o versículo a Jesus, dizendo: Artigos Relacionados Isaías 40:22 e a Forma da Terra Apologéticos A primeira parte de Isaías 40:22 diz: “É ele [isto é, Deus] quem se assenta acima do círculo da… Quem é o ‘Príncipe da Paz’ de Isaías 9: Jesus ou Ezequias? Uma Resposta ao Judaísmo.

O livro de Isaías contém uma profecia sobre uma impressionante criança em seu capítulo 9:…

Analisando 10 “Fake News” sobre o Natal

Estudos Diversos

1) ANO DO NASCIMENTO? Jesus não nasceu no ano zero (até porque não existe esse ano; 1 a.C. passa… Jesus: O Centro das Promessas do Antigo Testamento Judaísmo Jesus Cristo é o cumprimento das promessas e profecias do Antigo Testamento. Ele é a semente… Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz; Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco. Mateus 1:22-23

O evangelho de Lucas, no entanto, estabelece o ponto de forma mais holística. Enquanto Lucas não cita diretamente nenhum versículo, Lucas 1:31-33 liga diretamente o nascimento virginal com as profecias, como Isaías 9:7 sobre sentar no trono de Davi e governar um reino para sempre. Há também linguagem semelhante à de Isaías 10. Lucas não está apenas citando um texto-prova, mas aplica a ideia do Filho Davídico prometido em Isaías 7-12 como um todo a Jesus, começando com o nascimento virginal.

Da mesma forma, Mateus não cita apenas Isaías 7:14. Mateus 4:15-16 também aplica Isaías 9 a Jesus, e um caso pode ser feito de que Mateus 2:23 aplica Isaías 11 a Jesus também. Em outros lugares do Novo Testamento, Jesus é explicitamente identificado com a ‘raiz de Jessé’ de Isaías 11:10 (Romanos 15:12), bem como a ‘pedra do tropeço’ de Isaías 8:14-15 (Romanos 9:33 1 Pedro 2:8). Claramente, eles viram Isaías usando a história de seu encontro com o rei Acaz como parte de um ponto maior que Isaías estava fazendo para seus leitores naquela seção inteira de seu livro. Mas isso é realmente o que Isaías pretendia? Os detalhes certamente apontam nesse caminho: Em Isaías 7:3, quando Deus envia Isaías para falar com o rei, Deus diz a Isaías que leve seu filho Sear-Jasube.

A Bíblia diz especificamente que os filhos de Isaías são sinais do Senhor para Israel (Isaías 8:18) e, no próximo capítulo, somos informados de que Isaías nomeia outro de seus filhos como um sinal profético (Isaías 8:3-4). O fato ter sido dito a Isaías para trazer um filho específico pelo nome não é um acidente. É parte de sua mensagem.

O nome da criança, Sear-Jasube, significa ‘um remanescente retornará’. A conversa de Isaías com o rei é sobre Deus protegendo Judá, mas abaixo havia algo mais: uma promessa de que um remanescente retornaria. Retorno de onde? Do exílio, é claro. Todo o Livro de Isaías está lidando com o exílio vindouro e a promessa de retorno e restauração. Não era essa, no entanto, a preocupação do rei Acaz. Ele estava preocupado com seus inimigos naquele momento, e Deus prometeu protegê-lo contra esses inimigos. No entanto, Deus também falava claramente de algo maior do que isso, e Ele trouxe Isaías e com ele a mensagem de que ‘um remanescente retornará’. Se você lê Isaías 7-12 conjuntamente, esta mensagem é central e frequentemente repetida. É também uma futura esperança messiânica. Isaías está falando ao rei Acaz no singular, mas quando chegamos em 7:13, a gramática muda e ele está falando com a ‘casa de Davi’ no plural.

Embora seja difícil perceber no inglês, os pronomes mudam do singular ‘você’ para o plural ‘vocês’ [Nota do Tradutor: ambas as formas são You em inglês], e as formas verbais refletem um endereço plural. Isaías entregou sua profecia de forma a falar com um público mais amplo do que o rei apenas. Isaías 8:8 continua a referir-se a Emanuel como aquele a quem a terra pertence. Então, o filho prometido de Isaías 7:14 é trazido para o contexto maior, e não como um mero espectador. Isaías 9:6-7 descreve o Filho prometido que se sentará no trono de Davi e governará para sempre. Isaías 11 fala de um rebento do tronco de Jessé (o pai de Davi) que governará em justiça. A imagem é da casa de Davi como uma árvore que foi cortada até o toco, mas um novo rebento brota da árvore e produz nova vida. É uma imagem de restauração futura através de um novo rei davídico.

Há um tema consistente de um futuro Messias a nascer. Corre por toda a passagem e começa com Isaías 7:14 e a primeira promessa de Emanuel. A inclusão desta história no livro de Isaías mostra que ela continha uma mensagem para leitores posteriores e não apenas para o rei Acaz. Provavelmente havia uma criança nascida nos dias de Acaz que lhe serviu de sinal nessa situação, mas não nos é dito nada mais sobre ela porque não era esse o ponto nesta história contada.

Isaías contou esta história para apontar uma mensagem maior para seus leitores, a mensagem de julgamento e a promessa de restauração. Houve uma dupla realização desta profecia que foi concebida por Deus desde o início. Foi o que tornou esta história significativa até mesmo para os leitores originais de Isaías, que eles mesmos teriam lido este capítulo bem depois do Rei Acaz e da libertação de Jerusalém da ameaça imediata e temporária. As profecias de Isaías foram sobre o exílio vindouro e a posterior esperança de restauração sob o Messias. Isaías inclui a história porque continha essa mensagem, mesmo que o rei Acaz não a conhecesse.

A leitura estreita e superficial de Isaías 7 oferecida pelos céticos perde tudo isso e, portanto, perde a bela consistência que atravessa esses capítulos. Isaías está advertindo as pessoas que um julgamento violento está chegando, mas ele também promete uma esperança além desse julgamento. A esperança última de um reino eterno e um rei Messias que será ‘Deus conosco’ e que será chamado de ‘Deus poderoso’. Jesus é esse Messias divino. Traduzido por Fabricio Luís Lovato a partir de

Fonte: https://gracamaior.com.br/estudos/apologeticos/1249-profecia-messianica-isaias-7-14.html
Apologéticos
© Graça Maior – Verdades Bíblicas

Categorias
Artigos

Cristo veio para nos tornar verdadeiramente humanos: a pecaminosidade humana e a imagem de Deus

eu
“The Nativity”, Jacopo Tintoretto, final dos anos 1550. Museu de Belas Artes de Boston.

O Advento está sobre nós, e em minha casa, pelo menos, já estamos inundados de decorações de Natal, música e filmes. O doce de casca de hortelã-pimenta já está à mão. Os pratos, xícaras e copos de Natal acabaram. Nossa árvore foi erguida em 29 de novembro! Minha esposa, Jeanie, faz o Natal direito .

Na missa católica do primeiro domingo do Advento, a homilia do padre continha uma frase que ressoou em mim. Ele disse: “Jesus não veio ao mundo para nos tornar deuses. Ele veio para nos tornar verdadeiramente humanos. ”

David Gushee

Embora eu saiba que essa afirmação dificilmente esgota o significado da Encarnação, acredito que seja profundamente importante. É um aspecto importante da teologia do “humanismo cristão” que abracei em After Evangelicalism (2020) e que estava trabalhando em outros termos antes disso. Em três posts entre agora e o Natal, quero oferecer um relato teológico do que significa dizer que Cristo veio ao mundo para tornar os seres humanos verdadeiramente humanos. Essas postagens são vagamente adaptadas do meu livro de 2013, The Sacredness of Human Life .

Gênesis 1 diz que os seres humanos foram feitos à imagem e semelhança de Deus (1: 26-27). O conceito de imago dei desempenha um papel importante na maioria dos tratamentos teológicos cristãos contemporâneos da natureza, dignidade e direitos dos seres humanos.

Quer a imagem de Deus seja entendida como consistindo em nossas elevadas capacidades racionais, espirituais e morais, em nossa responsabilidade delegada pela terra e outras criaturas, em nossa imortalidade originalmente pretendida, ou talvez como uma declaração de que os humanos são as únicas representações permitidas do divina na terra, a imago dei há muito tempo é entendida como conferindo um status moral elevado à vida humana.

Em Gênesis 9, de forma bastante significativa, é citado como a razão pela qual o assassinato é proibido: “Vou requerer um ajuste de contas pela vida humana … porque à sua imagem Deus fez o homem” (9: 5-6). Quase todos os documentos cristãos de direitos humanos fazem afirmações fundamentais vinculadas à imagem de Deus. É precisamente porque o homem foi feito à imagem de Deus que a vida humana tem dignidade, a vida humana deve ser protegida e os direitos humanos devem ser respeitados.

“É precisamente porque os humanos foram feitos à imagem de Deus que a vida humana tem dignidade, a vida humana deve ser protegida e os direitos humanos devem ser respeitados.”

No entanto, alguns teólogos cristãos, tomando a metanarrativa criação / queda / redenção cristã como normativa, como eu, argumentaram que a imagem de Deus não sobreviveu (totalmente ou de forma alguma) à entrada do pecado no mundo. As tradições cristãs e os teólogos discordam entre si sobre se, ou quais componentes de, ou em que medida, a imagem de Deus na humanidade sobreviveu à queda.

Dado o grande significado atribuído à imago dei na teologia e na ética cristã, isso não é pouca coisa. Se a imago dei foi perdida com a queda, então fazer reivindicações morais contemporâneas com base na imago dei é inteiramente ilegítimo. Isso anularia a base teológica central de muito trabalho sobre direitos humanos e outras questões.

Uma revisão das confissões cristãs históricas nos lembra que o foco da teologia cristã é propriamente e sempre foi a atividade salvadora de Deus em Cristo, não detalhes sutis sobre a natureza humana. No entanto, o padrão geral em relação à questão em questão parece ser que a tradição católica afirma uma imago dei enfraquecida, mas ainda presente.mesmo na humanidade caída, ainda implantando o conceito da imagem de Deus para fundamentar suas reivindicações de direitos humanos e dignidade humana. A teologia ortodoxa oriental traça uma distinção entre “imagem” e “semelhança” e emprega isso para preservar algum bem da humanidade caída, mas também a necessidade de nossa abrangente recuperação moral e espiritual. Algumas versões da teologia protestante tradicional argumentam que a imagem de Deus na humanidade foi destruída. Dietrich Bonhoeffer, por exemplo, disse que a imagem de Deus foi totalmente perdida quando Adão caiu: “Os seres humanos perderam sua própria essência divina, que tinham de Deus. Eles agora vivem sem seu propósito essencial, o de ser a imagem de Deus. Os seres humanos vivem sem ser verdadeiramente humanos. ”

Não vejo nenhuma evidência clara na Bíblia Hebraica de um ensino de que a imagem de Deus foi totalmente perdida com a entrada do pecado no mundo. A imago dei é aparentemente reafirmada em Gênesis 5: 1-2 e claramente reafirmada em Gênesis 9: 5-6, na mesma história primitiva em que ocorre a história da queda. Não se pode dizer mais do que isso, visto que o conceito não reaparece em nenhum outro lugar da Bíblia Hebraica.

“Não vejo nenhuma evidência clara na Bíblia Hebraica de um ensino de que a imagem de Deus foi totalmente perdida com a entrada do pecado no mundo.”

Talvez o silêncio seja relevante para o argumento. Em qualquer caso, não é implausível argumentar que algo está fundamentalmente errado com os seres humanos – não biblicamente implausível, já que as alegações de pecaminosidade humana abundam nas Escrituras, e não experimentalmente implausível, conforme testemunhamos nossa própria dificuldade e a de outras pessoas para descobrir o que significa ser verdadeiramente, totalmente, significativamente, com sucesso, humano.

A afirmação de Bonhoeffer de que os humanos perderam algo de nossa essência divina projetada, propósito essencial e capacidade de ser “verdadeiramente humano” faz muito sentido quando olhamos ao nosso redor. Pense na violência, crueldade, injustiça, estupidez, mal-estar e desespero que afligem a vida humana. Pense em um jovem de 15 anos apontando uma arma para seus colegas de classe em um dia normal de escola secundária. Essa interpretação pessimista da narrativa da criação e queda, na qual a vida humana tropeçou ao longo dos milênios, mas algo fundamental para o que significa ser humano foi escondido de nós, ou perdido para nós, ou danificado dentro de nós, tem um certo poder convincente para ele.

Se a salvação vai chegar até nós, como promete o Advento, vamos precisar de um tipo de ajuda que vai direto ao nosso âmago. Precisaremos de alguém que nos mostre o que significa ser verdadeiramente humano e nos ajude a ser isso. O Novo Testamento tem algo a dizer sobre isso. Esse será o foco do meu próximo post.

David P. Gushee  é um importante especialista em ética cristã. Ele atua como Distinguished University Professor of Christian Ethics na Mercer University e é o ex-presidente da American Academy of Religion e da The Society of Christian Ethics. Ele é o autor de  Kingdom Ethics ,  After Evangelicalism , e  Changing Our Mind: The Landmark Call for Inclusion of LGBTQ Christians . Ele e sua esposa, Jeanie, moram em Atlanta. Saiba mais: davidpgushee.com  ou  Facebook .

Categorias
Artigos

Por que a justiça social dos batistas do sul é realmente sobre a suficiência das Escrituras

O trailer do documentário Founders revela uma discordância maior sobre como abordar teorias seculares sobre raça e gênero.
Imagem: Por que tela padrão do trailer / Founders Ministries
O pastor Tom Ascol atua como presidente dos Ministérios dos Fundadores.

FALLOUT sobre uma controversa reboque documentário repreender uma suposta agenda de justiça social dentro das marcas Convenção Batista do Sul a mais recente ponto de inflamação em confrontos em curso sobre a forma como a denominação deve envolver ideologias vêem como contrária às Escrituras.

O Founders Ministries, um grupo batista do Sul orientado para calvinistas, anunciou em 1º de agosto que três de seus seis membros do conselho haviam renunciado por objeções ao trailer de um documentário intitulado By What Standard? Abordando debates recentes sobre justiça racial e papéis das mulheres, o documentário alega um compromisso “vacilante” “com a autoridade e suficiência” da Bíblia entre alguns batistas do sul, afirmou o ministério.

Dois dos membros cessantes do conselho – Tom Hicks e Fred Malone – disseram em declarações que concordam com as questões levantadas no documentário, mas acreditam que o trailer, que apresentava clipes da reunião anual da SBC em junho, confundiu os problemas com os esforços da denominação para confrontar abuso sexual. (Inicialmente, o trailer de quatro minutos incluía uma imagem do sobrevivente de abuso sexual e advogado da vítima, Rachael Denhollander. Após as queixas, o clipe foi removido.)

O outro membro do conselho de demissão, Jon English Lee, não divulgou uma declaração.

No ano passado, dois membros adicionais do conselho de fundadores haviam renunciado, mas o presidente do ministério, Tom Ascol, disse que nenhum dos dois citou diferenças teológicas ou filosóficas entre os motivos de sua saída.

Pelo menos três entrevistados a serem apresentados no documentário – o presidente do seminário Daniel Akin, o pastor Mark Dever e o autor Jonathan Leeman – pediram para serem retirados do filme devido a “preocupações sobre qual será o tom, o teor e o conteúdo do documentário completo. . ” Vários outros participantes tiveram problemas com o trailer.

Esses líderes não representam extremos opostos da maior denominação protestante do país. Os batistas do sul que discordam da abordagem dos fundadores compartilham muitas convicções fundamentais com o ministério, não apenas a inerrância das Escrituras, mas também uma oposição ao feminismo radical e à teoria crítica das raças que ditam o engajamento social da igreja. Uma diferença fundamental entre os batistas conservadores do sul está no quanto eles estão dispostos a aprender com elementos de ideologias seculares, em vez de rejeitá-los completamente.

Ascol, pastor da Grace Baptist Church em Cape Coral, Flórida, disse que a reação ao documentário ilustra como pode ser desafiador para os cristãos que concordam com a inerrância das Escrituras e a exclusividade do evangelho estabelecer uma estratégia comum para enfrentar o erro na Igreja. cultura.

http://lhm.org

Ascol disse ao CT que todos os envolvidos na discussão atual da SBC estão comprometidos com as Escrituras, mas há uma divisão entre aqueles que vêem o aprendizado de ideologias seculares como uma ameaça à suficiência da Palavra e aqueles que “pensam que podemos usar as ferramentas dessas ideologias sem se queimar pelas próprias ideologias “.

‘Inconsciente’ do perigo?

As ideologias em questão tendem a envolver raça e gênero, que se tornaram temas quentes entre os batistas do sul nos últimos anos, já que a denominação continua a contar com o racismo ao longo de sua história e a aplicar a aplicação adequada do ensino complementar.

Apesar do acordo relativo da SBC em sua declaração de fé, The Baptist Faith and Message , abordagens diferentes sobre essas questões sociais foram destacadas pela Convenção Batista do Sul nos últimos três anos, remontando a divergências em torno da eleição presidencial de 2016 .

Mais de 11.000 evangélicos conservadores – muitos deles batistas do sul – assinaram uma “Declaração sobre justiça social e o evangelho” de 2018, reivindicando “palestras sobre questões sociais” na igreja e “ativismo voltado para remodelar a cultura mais ampla” “tendem a se tornar distrações que inevitavelmente levam a afastamentos do evangelho. ”

Os batistas do sul adotaram recentemente uma resolução controversa sobre a teoria crítica da raça e a interseccionalidade (CRT / I), que citou as duas teorias como úteis para confrontar divisões raciais, embora as teorias “tenham sido apropriadas por indivíduos com visões de mundo contrárias à fé cristã”.

Os membros da denominação foram divididos: “Alguns batistas do sul afirmam que as idéias do CRT / I podem ser apropriadas para entender a situação das populações vitimizadas e para abordá-las mais efetivamente com o evangelho”, relatou o texano batista do sul . “Outros dizem que as origens das teorias – tipicamente atribuídas ao pós-modernismo e ao neo-marxismo – minam sua utilidade para os crentes.”

Uma discussão no Twitter sobre mulheres como Beth Moore pregando em culto público despertou entre os batistas do sul na primavera passada e levou a um debate formal sobre o assunto em uma reunião de fundadores em junho entre Ascol e o pastor do Texas Dwight McKissic, que também discordou de seu retrato. no trailer do documentário.

Graças à internet, o Southern Baptist se alterna sobre como envolver questões sociais e está acontecendo em tempo real e diante da igreja e do mundo observador. Ao mesmo tempo, os principais líderes e pastores de entidades têm procurado abordar os principais momentos culturais de uma perspectiva bíblica, em vez de permitir que a ideologia secular ou de esquerda conduza a discussão.

A denominação já esteve aqui antes. O presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, Albert Mohler, reconhece as “grandes revoltas culturais” que a igreja enfrenta hoje, e ele se lembra de uma resistência à teologia liberal na década de 1970 que instituiu o Ressurgimento Conservador da SBC.

“Existe uma ansiedade … de que uma geração mais jovem desconheça muitos dos mesmos perigos” que levaram a SBC para a esquerda no passado “e talvez não saiba até que ponto muitas das maiores correntes da cultura foram adotadas”, disse ele. CT.

Mohler se distanciou do documentário dos Fundadores e disse que não acredita que exista um compromisso ideológico com “doutrinas de esquerda” na SBC, sem esforços conscientes para afastar a denominação das Escrituras.

‘Lutando com’ a justiça social

Olhando para trás ainda mais além do ressurgimento conservador, o conflito sobre o engajamento cultural na SBC não é novidade, de acordo com Carol Holcomb, professora da Universidade de Mary Hardin-Baylor que estuda batistas e o evangelho social.

Desde que o ensino do evangelho social surgiu no início do século 20, a SBC o adotou e denunciou alternadamente. A reticência dos batistas do sul de se dedicarem totalmente às causas sociais, Holcomb disse à CT, decorre em parte do desejo dos primeiros batistas do sul de defender a escravidão. Os fundadores da convenção planejaram uma “defesa elaborada da escravidão” em meados do século XIX “que separou o indivíduo do pecado social” e fez com que a SBC desenvolvesse “uma cultura religiosa” que “seja inóspita à justiça social”. Embora o apoio à escravidão tenha se dissipado há muito tempo, ela disse, a resistência residual às causas sociais permanece.

Embora os batistas do sul tenham se preocupado muito com os males sociais, disse Holcomb, sua herança teológica dificulta que eles “encontrem o evangelho de ambos / e” – abraçando a ideia de que “Jesus se importa com toda a pessoa” e não apenas com a salvação de Deus. a alma. Alguns se concentram mais na salvação individual, enquanto outros incluem uma ênfase maior no ministério social com seus esforços evangelísticos, disse ela.

https://www.umcmission.org/umcor?utm_source=&utm_medium=website&utm_campaign=&utm_content=3/1/2020paid300x250

Os autores de The Baptist Faith and Message aparentemente viam o ministério social e o evangelismo como complementares, e não como tensão. A declaração de fé da SBC defende tanto o dever de “tornar discípulos de todas as nações” quanto a “obrigação de buscar tornar a vontade de Cristo suprema em nossas próprias vidas e na sociedade humana”.

Para Ascol, a questão é a fidelidade às Escrituras. Ele teme que alguns batistas do sul, embora comprometidos em teoria com a inerrância, estejam permitindo que outras ideologias além das Escrituras determinem suas crenças e práticas na igreja.

Por exemplo, ele disse, a Bíblia declara qualificações para pastores em 1 Timóteo 3: 1–7, mas alguns minam a suficiência das Escrituras alegando que um pregador não está qualificado para declarar o ensino da Bíblia sobre raça, a menos que ele também estude extensivamente a experiência da etnia. minorias. Da mesma forma, as Escrituras apresentam um ensino claro sobre os papéis de gênero, mas alguns afirmam que o ensino não pode ser entendido sem se estudar extensivamente a experiência de ser mulher.

“Pode ser uma coisa muito boa” buscar a compreensão das experiências de outros crentes, disse Ascol. “Mas sugerir” que “de alguma forma não podemos conhecer a verdade a menos que façamos isso” implica “a Bíblia realmente não é suficiente”.

Além disso, as vozes preocupadas com o lugar das iniciativas de justiça social na igreja temem que essas prioridades possam desviar os esforços do evangelismo e da missão cristã.

Mark Coppenger, professor aposentado de filosofia e ética no Southern Seminary, disse: “Muitos evangélicos parecem pensar … ao se agraciarem com a cultura (ou pelo menos não desligá-la), eles verão uma colheita de boa vontade e crescimento do reino. ”

No entanto, alguns defensores da justiça social a veem como uma expressão do ensino e da missão cristã.

Kevin Smith, diretor executivo da Convenção Batista de Maryland-Delaware, onde cerca de 500 igrejas cultuam em 41 idiomas diferentes, disse que abordagens variadas ao envolvimento cultural não devem atrapalhar a comunhão de crentes, como os batistas do sul, que “concordam com a pessoa e o trabalho de Jesus. “

“Pelo menos metade do que está acontecendo entre os cristãos não é nem mesmo sobre o conteúdo e a discordância do assunto, mas sobre personalidade pecaminosa e divisiva, etnocentrismo, convicções políticas e arrogância excessivamente zelosa”, disse Smith. “Outra metade está discordando sobre como aplicamos o amor ao próximo”.

A SBC não está sozinha em discutir o caminho a seguir para os crentes em meio a desafios culturais. A Coalizão do Evangelho, um grupo para-igreja de evangélicos reformados, enfrentou discussões semelhantes e um intercâmbio muito discutido na Conferência dos Pastores do professor da Bíblia John MacArthur, no início deste ano, também abordou a justiça social.

David Roach é escritor em Nashville, Tennessee.