Categorias
Artigos

O diabo entra na briga entre Edir Macedo e Valdemiro

 

Pastores recorrem até ao inferno para vencer guerra por fiéis no mercado da fé. Igreja Universal, de Macedo, perde fiéis e receita para a Mundial, de Valdemiro

Leonardo Coutinho

Edir Macedo para fiel supostamente possuída pelo demônio:  “É você que tem tirado os pastores da Universal?”
Fiel:  “Eu me sinto bem no meu trono (na Igreja Mundial). Eu curo todo mundo.”
Edir Macedo:  “Quer dizer, demônio, que  você faz a festa lá no Valdemiro?”

Edir Macedo para fiel supostamente possuída pelo demônio: “É você que tem tirado os pastores da Universal?”
Fiel: “Eu me sinto bem no meu trono (na Igreja Mundial). Eu curo todo mundo.”
Edir Macedo: “Quer dizer, demônio, que  você faz a festa lá no Valdemiro?”

Os hoje arqui-inimigos Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, e Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus, convocaram o demônio para ajudá-los na batalha que travam pela alma e generosidade dos fiéis. Recentemente, em seu programa de TV, Macedo “interrogou” o diabo, que, supostamente encarnado em uma devota, “confessou” ter se instalado na igreja rival e ser o responsável pelas propaladas curas operadas por Valdemiro. As entrevistas com o demônio para difamar a concorrência passaram a ser recorrentes na programação da Rede Record. O chefe da Mundial, por sua vez, rebateu as acusações com outras de igual fineza: em seu programa no Canal 21, ele afirmou que o “câncer” de Macedo é obra do demônio. Na tréplica, Macedo levou sua médica à TV para atestar que não sofre da doença e ainda exibiu no programa Domingo Espetacular, da Rede Record, uma reportagem sobre a compra, por Valdemiro, de três fazendas avaliadas em 50 milhões de reais.

O acirramento da guerra dos pastores se dá num momento em que a Universal, de Macedo, perde fiéis e receita aos borbotões para a Mundial, de Valdemiro. Estima-se que, em catorze anos, o segundo tenha conquistado mais de 20% de seguidores do primeiro. Durante muito tempo, Valdemiro foi membro da cúpula da Universal. Preterido por Macedo na indicação para um posto de maior visibilidade na organização, ele rompeu com o chefe e fundou a sua própria igreja. Habilidoso, deu um passo atrás e resgatou o modelo primitivo que deu origem ao fenômeno da Universal: a luta contra Lúcifer e a promessa de curas e milagres de toda ordem — pilares que Macedo mais tarde substituiu pela “teologia da prosperidade”. Ao adotar essa estratégia, Valdemiro passou a atender um nicho de fiéis que Macedo havia negligenciado com o amadurecimento do seu negócio, o público de menor poder aquisitivo e alta credulidade. Seus seguidores passam horas de pé em filas para poder tocar o seu corpo ou recolher um pouco de seu suor em toalhas ou pedaços de pano que são distribuídos na igreja. Valdemiro fomenta a crença de que sua transpiração tem o condão de realizar milagres.

Com os cofres recheados, Valdemiro passou a assediar os membros da Universal. Oferecendo salários e comissões mais altos que os pagos por Edir Macedo, ele atraiu prepostos do rival na Argentina, Inglaterra e em países africanos. Para profissionalizar seus negócios, canibalizou executivos da Record e do Banco Renner, controlado pela Igreja Universal. A riqueza que Valdemiro Santiago ostenta Macedo contabiliza como prejuízo. O estrangulamento de suas contas pela concorrência chegou a afetar as operações da Record e a atrasar salários na TV, como ocorreu no ano passado. O quadro de deterioração das finanças de Macedo se tornou ainda mais calamitoso com a penhora pela Justiça da sede da emissora no Rio de Janeiro para garantia do pagamento de dívidas da Universal do Reino de Deus.

A má fase não terminou aí. Em setembro, o Ministério Público denunciou Edir Macedo pelos crimes de estelionato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Os procuradores o acusam de lavar no exterior o dízimo recebido pelos fiéis para depois despejá-lo nas contas da Record. Ao lançar suspeitas sobre a forma como Valdemiro adquiriu suas fazendas, Macedo quer mostrar que o ex-discípulo também dá suas trombadas com a lei. Valdemiro já esteve enroscado em outras diabruras. Em 2003, o chefão da Mundial foi condenado a pagar cestas básicas por porte ilegal de armas. Ele foi flagrado em uma blitz com uma escopeta, duas carabinas e munição. Em 2010, três de seus pastores foram presos em Mato Grosso do Sul transportando sete fuzis M-15. Em depoimento à polícia, o motorista afirmou que o destino das armas era a cidade de Niterói, no Rio de Janeiro.

A crise desencadeada pela Mundial do Poder de Deus obrigou Macedo a redesenhar a administração de seu negócio. Uma das providências foi baixar as exigências para a abertura de novos templos. Antes, para abrir uma franquia, o pastor tinha de comprovar um potencial de arrecadação mínimo de 150 000 reais mensais, a ser atingido em seis meses. Agora, esse piso caiu para 50 000 reais. A comissão a que cada pastor tinha direito sobre o total arrecadado além da meta era originalmente de 10%. Macedo agora a dobrou. O que ele não abre mão é da eficiência. Os pastores que não cumprem as metas dentro do prazo contratado são transferidos ou perdem o comando da franquia. Essa mudança, que aponta para uma capilarização da Universal, faz parte da estratégia de Macedo de substituir o modelo de construção de megatemplos pela pulverização de igrejas menores no país, de manutenção mais barata e mais próximas da casa dos fiéis. Com isso, ele espera baixar os seus custos de operação e evitar que outras ovelhas se desgarrem. Pastores e assessores próximos dos dois líderes afirmam que estes são apenas os primeiros movimentos de uma guerra sem previsão de fim.

“Tô falando para a igreja da fogueirinha, da Record, que fica me perseguindo falando um monte de abobrinha. Tô falando daqueles doentes desenganados que o demônio está comendo o pâncreas e o fígado deles e não tomam juízo.”Valdemiro Santiago, referindo-se a Edir Macedo, que levou sua médica à TV para afirmar que ele não tem câncer

“Tô falando para a igreja da fogueirinha, da Record, que fica me perseguindo falando um monte de abobrinha. Tô falando daqueles doentes desenganados que o demônio está comendo o pâncreas e o fígado deles e não tomam juízo.”
Valdemiro Santiago, referindo-se a Edir Macedo, que levou sua médica à TV para afirmar que ele não tem câncer

Veja.com

Categorias
Artigos

Responsables de las “Iglesias de Cristo” abordan liderazgo y evangelización

 

Responsables de las “Iglesias de Cristo” abordan liderazgo y evangelización

Los líderes de este movimiento también trataron la necesidad de una implantación más efectiva de sus iglesias en la sociedad española actual.

27 DE MARZO DE 2012, MADRID

El jueves 22 de este mes de marzo, a las siete y media de la tarde, Jesús Manzano daba la bienvenida al grupo de personas que acudieron al lugar reservado en Los Molinos, no lejos de Madrid, para asistir al Encuentro de Ancianos, Predicadores y otros líderes de las Iglesias de Cristo en España. El sábado día 24, a las dos de la tarde, Juan Antonio Monroy despedía con oración a los participantes.
Entre uno y otro hecho, muchas horas de vivencias espirituales, fraternidad y confraternidad, oraciones y cánticos, cordialidad y relación, abrazos, testimonios y exposición de la Palabra.
Representando a sus iglesias, los predicadores que se citan a continuación testificaron del momento que viven las congregaciones: Luis García , Cádiz; Jaime Moros , Albacete; José Antonio Mellado , Chipiona (Cádiz), Jenaro Redero , Ciudad Real; Francisco López , Dos Hermanas (Sevilla); Feliciano Miguel , Fuenlabrada (Madrid); Jesús Manzano , Madrid y Guadarrama; Manolo García , Parla (Madrid); José Inostrosa , Sanlúcar de Barrameda (Cádiz); Vicente Ruiz , Sevilla (calle Alanís); Carlos Rico , Sevilla (calle Mariano Benlliure); Daniel Urdaneta , Valencia.
Excusaron su asistencia por enfermedad, trabajo u otras circunstancias: Jesús Ordóñez  y Manuel de León , Asturias; Miguel Quesada , Málaga; Carlos Muela , Alcorcón (Madrid); Joaquín González , Coín (Málaga); Juan Ruiz , Melilla; Félix Benlliure , Tarragona; Manolo y Pablo Salvador , Sevilla; Juan Hernández , Sanlúcar de Barrameda Cádiz; Francisco Postigo , Estepona (Málaga); Mercedes Zardaín  (Madrid).
CONFERENCIAS Y TALLERES
Hubo dos conferencias y dos talleres. Las primeras estuvieron a cargo de Juan Antonio Monroy, quien trató estos temas: “Aflicciones y sinsabores del ministerio” y “Recompensas y bendiciones del ministerio”.
En uno de los talleres Jesús Manzano habló sobre “El liderazgo cristiano en la Iglesia del Nuevo Testamento” y Daniel Urdaneta lo hizo explicando el sentido de la evangelización en el año 2012.
REFLEXIÓN
Se trataron temas relacionados con el fondo nacional, su pertenencia a entidades nacionales del movimiento evangélico español  tales como la Sociedad Bíblica, la Federación de Entidades Religiosas Evangélicas de España, el Consejo Evangélico de Madrid y otras, la continuación y mejora de la página web de las Iglesias de Cristo  y la necesidad de una implantación más efectiva de sus iglesias en la sociedad española actual , “tan necesitada de luz divina”.
También se tomó el acuerdo de celebrar las conferencias nacionales los días 28, 29, 30 y 31 de agosto en el hotel situado en Torrevieja , donde lo vienen haciendo los últimos años.
Con las manos enlazadas y el tradicional himno “El Espíritu Santo en Jesús nos unió” concluyó el encuentro.
HISTORIA DE LAS IGLESIAS DE CRISTO
Las Iglesias de Cristo son un movimiento de restauración nacido a principios del siglo XIX  por iniciativa del escocés Thomas Campbell, teólogo y pastor que inició un movimiento de restauración entre las iglesias evangélicas de Norteamérica, que pretendía regresar a las raíces del evangelio y del cristianismo del primer siglo.
El Movimiento de Restauración se extendió rápidamente por todo el territorio de Estados Unidos. Veinte años después ya contaba con medio millón de seguidores. Las congregaciones que se formaban adoptaban todas el mismo nombre: Iglesia de Cristo, basándose en el texto de San Pablo en su epístola a los Romanos: “Os saludan todas las Iglesias de Cristo” (16:16). Actualmente, las Iglesias de Cristo están implantadas en 163 países de los cinco continentes.
En diciembre 1964 cinco líderes cristianos, todos ellos españoles, se reunieron en Sevilla para establecer en nuestro país el Movimiento de Restauración. Actualmente existen congregaciones de las Iglesias de Cristo en distintos lugares de nuestra geografía .

© Protestante Digital 2012

Creative Commons

Tags:

Categorias
Noticias

Crescimento evangélico e denúncias barram Papa no México

 

Um dos motivos da visita do papa Bento XVI ao México é tentar reunir os fiéis do país, onde, a exemplo do que ocorreu no Brasil, mais e mais pessoas são atraídas para as igrejas protestantes evangélicas.

O pontífice alemão, que também vai a Cuba nesta semana, enfrenta o desafio de provocar o mesmo tipo de fervor gerado por seu antecessor, João Paulo II, que era bastante querido no país, que visitou cinco vezes durante seus 27 anos de pontificado.

Como uma amostra da crescente divisão religiosa no México, uma grande igreja evangélica em León, cidade na região central do país onde o papa iniciou sua visita, organizou um culto com centenas de fiéis na quinta-feira, com cartaz que dizia: "Não somos católicos romanos".

Além da concorrência dentro da cristandade, o Vaticano enfrenta a mancha em sua reputação causada pelas acusações de abuso sexual de crianças e jovens em paróquias de todo o mundo. Algumas delas são dirigidas a um importante líder religioso mexicano, Marcial Maciel, que fundou a proeminente ordem católica Legionários de Cristo. Maciel, que morreu em 2008 aos 87 anos, caiu em desgraça após acusações de abuso sexual e vício em drogas.

Durante a visita papal, o pesquisador da religião Bernardo Barranco lança um novo livro sobre os Legionários, usando documentos do Vaticano que vazaram. Segundo o autor, esses documentos provariam que a Santa Sé sabia dos abusos de Maciel contra menores e de seu uso de morfina por décadas.

"O entusiasmo (sobre a visita do papa) sentido em León não é o mesmo no resto do país. Os abusos do padre Maciel lançaram uma sombra", disse Barranco. Bento XVI já se desculpou no passado pelos abusos, mas não tem planos de se encontrar com vítimas mexicanas.