Categorias
Cultos

Por que Deus criou a mulher?

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

FONTE: GUIAME, CLARICE EBERT

(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

A narrativa bíblica da criação do homem e da mulher relata que o homem estava no paraíso, mas mesmo assim, sentiu-se só. Impulsionado por esse sentimento procurou alguém que lhe correspondesse. Evidentemente, entre os demais seres criados, não encontrou ninguém com esse perfil, que estivesse à altura de suas expectativas e até mesmo de suas necessidades psicofísicas e espirituais. Deus, que se alegrara em tudo que criara até então, percebeu a solidão do homem e disse “não é bom que o homem esteja só” (Gênesis 2.18). Assim, ele criou a mulher, moldada diretamente por suas hábeis mãos.

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

Uma leitura dessa narrativa bíblica pelas lentes da atual sociedade erotizada, interpretaria que essa exclamação de Adão revelaria que ele estaria vislumbrado com o porte físico da mulher e que estaria feliz porque, enfim, seus instintos sexuais seriam atendidos. No entanto, vislumbrar o relato bíblico da criação da mulher por essas lentes, pode levar ao equívoco de que a mulher teria sido criada para o homem apenas, ou principalmente, com o intuito de satisfazer seus impulsos sexuais masculinos. Sob essa ótica a mulher não passaria de um objeto sexual para atender o homem em suas demandas sexuais instintivas e fisiológicas, ou reprodutivas. Seria um objeto ou para o prazer ou para reprodução.

Outra leitura equivocada da exclamação de Adão, seria via lentes machistas. Nessa ótica se entenderia que a mulher fora criada como um ser subalterno para auxiliar e servir ao homem, um ser superior. Ela seria uma espécie de secretária competente que estaria disponível para auxiliar o homem na missão que Deus dera somente a ele. Por essa perspectiva, a mulher até obteria o reconhecimento de ser indispensável, mas como uma serva.  Ela serviria como uma auxiliar competente e indispensável, para que o homem pudesse cumprir com os mandatos sociais, culturais e espirituais, que, de acordo com essa ótica, teriam sido dados por Deus somente a ele.

Mas, se utilizarmos lentes menos embaçadas por erotizações e discriminações culturais e históricas, talvez seja possível nos aproximarmos um pouco mais da percepção da real intenção do criador para a relação homem e mulher. Parece que Adão percebeu que enfim estava diante do ser correspondente que estava à procura. Não um ser objetal nem subalterno, mas um ser igual a ele em sua humanidade. É como se dissesse “Enfim um ser humano igual a mim”. Enfim um ser correspondente em sua humanidade, com quem poderia manter comunhão, conversar, trocar vida e cuidar do mundo.

No original hebraico o nome dado por Deus à mulher foi Ezer Knegdo. O significado carrega o sentido de socorro, um auxílio sem o qual não seria possível viver. A humanidade estaria em risco sem esse socorro. O homem não conseguiria reproduzir a espécie humana sem a mulher e, além disso, não conseguiria ser humano sem outro humano correspondente.

Portanto, a exclamação de Adão “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23) manifesta o reconhecimento de que ele e a mulher são feitos da mesma matéria e carregam a mesma essência. E Deus, o Senhor dessa bendita criação, sela essa ideia ao afirmar que ambos, homem e mulher, são portadores da sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26). O reconhecimento por parte do homem de que a mulher que Deus acabara de criar, era um ser igual a ele, permitiu que o primeiro casal cumprisse os mandatos de Deus numa parceria no cuidado da vida e do mundo criado.

Infelizmente após a queda relatada na narrativa bíblica, ocorreu uma ruptura dessa parceria. Homens e mulheres não conseguem mais se ver como iguais em sua humanidade. A história da trajetória humana nos conta que a mulher passou a ser vista como um ser criado nas trevas, inclinado para o mal, para o pecado e perigosamente a serviço do descaminho do homem. Ela foi destituída de razão e de alma, e considerada um ser menor, de segunda categoria. Por isso, foi segregada sem direitos à voz e expressão, tanto no ambiente familiar, como no contexto social, laboral e religioso.

No entanto, a história nos faz refletir. As reconexões promovidas pelo ato salvífico de Cristo nos convidam a reconectar com o criador e ao outro correspondente também. Dessa forma, já é possível retomar o intento do criador em promover a parceria entre o homem e a mulher. Que acabem as guerras entre os sexos e possamos ouvir em alto e bom som a exclamação que reconhece: “Enfim um ser humano igual a mim”.

Para lembramos desse reconhecimento é que existe o Dia Internacional da Mulher na agenda anual. Os mimos nesse dia podem até ser muito bem-vindos, mas sem esse reconhecimento essencial não passam de homenagens triviais com poucas ressonâncias de uma reflexão mais profunda. Que ao final, ambos, homens e mulheres, possam perceber que foram criados com a mesma matéria e essência, e que em sua missão parceira de cuidar do mundo, possam refletir a imagem e semelhança do Criador.

Por Clarice Ebert, Psicóloga (CRP0814038), Terapeuta Familiar, Mestre em Teologia, Professora, Palestrante, Escritora. Sócia do Instituto Phileo de Psicologia, onde atua como profissional da psicologia em atendimentos presenciais e online (individual, de casal e de família). Coordenadora e palestrante, em parceria com seu marido, do Ministério Vida Melhor (um ministério de cursos e palestras). Membro e docente de EIRENE do Brasil.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Categorias
Estudos

O imensurável poder da Palavra de Deus

4. A Bacia de Bronze (Êx 30.17-21; 38.8).
A Bacia, palavra hebraica “Kiyyor” significa “bacia, pote ou tacho”. Utensílio de Bronze maciço polido, designado como Pia ou Lavatório de Bronze, contendo água e apoiada num pedestal ou base. Formando um conjunto dividido em duas partes, “uma bacia de bronze com uma base ou suporte de bronze”.
Foi feita com bronze dos espelhos das mulheres que ofertaram ao Senhor. Continha água que deveria ser usada para limpeza dos sacerdotes. Os sacerdotes deveriam lavar as mãos e os pés na bacia antes de qualquer tarefa no Santuário. Moisés lavou inteiramente Arão e seus filhos na limpeza inicial da consagração.

Não há nenhum registro do modelo ou das medidas da bacia de bronze. Também não temos informações de como ela era transportada pelo deserto, sejam varas ou barras. A bacia deveria ser aspergida com sangue, ungida com azeite e conter água para a limpeza. A sua posição, seria no pátio entre a Tenda e o altar de bronze. Quando em trânsito pelo deserto, não era coberta como os demais móveis sagrados.

1. O fato de ser feita de bronze maciço revela que é um símbolo de força, firmeza e juízo contra o pecado. A bacia de bronze representa este juízo operando através da Palavra de Deus, pois haverá um tempo de juízo para todos que não foram julgados (1 Pe 1.7).
2. Feito com espelhos, instrumentos de vaidade e orgulho, mas o Senhor os transformou em instrumento de purificação e limpeza, pois a Palavra de Deus é um espelho que nos permite enxergar de modo claro como realmente estamos e somos pelo poder da Palavra revelado pelo Espírito Santo (Tg 1.23). Há três palavras necessárias à discussão desta grande verdade:
• Revelação – Que é o processo de Deus manifestar a si próprio, e também sua mensagem, ou vontade, a mensageiros humanos (Jr 1.2).
• Iluminação – Que é o entendimento espiritual concedido pelo Espírito Santo a fim de habilitar o homem a assimilar a verdade revelada (Jo 14.16,17).
• Inspiração – Que é os escritores não funcionaram como simples robôs, mas que houve cooperação vital entre eles e o Espírito Santo que neles agia (Gl 1.11,12).
3. A água vinha provavelmente da Rocha ferida no deserto. Jesus Cristo providenciou através de sua morte, sepultamento e ressurreição purificação necessário para o homem aproximar-se de Deus, sem ser julgado pelo Senhor, isto, enfatiza a lavagem da água pela Palavra de Deus (Ef 5.26).
4. Lavar as “mãos e os pés”, antes de entrarem no Santuário, significa o ato da purificação diária pela Palavra de Deus, contra as contaminações pelo contato com este mundo pecaminoso, pois o nosso andar cristão e o nosso serviço no Santuário devem ser santificados diariamente (Jo 13.10). Os aspectos importantes de viver diariamente em contato com a Palavra (a bacia) antes de entrar no santuário do Senhor:
• Obediência proposital – (Mt 7.24-27): É o resultado de quem experimentou o novo nascimento.
• Crescimento natural – (Ef 4.15): É o único meio para o crescimento espiritual.
• Santificação individual – (Sl 119.9): É a fonte e arma contra a natureza humana pecaminosa.
• Direção sobrenatural – (Sl 119.105): É para ter lugar na carreira espiritual do crente regenerado.
5. Na limpeza inicial da consagração dos sacerdotes, temos o significado da lavagem de regeneração que se realizou uma vez só, mas a purificação deve ser um processo contínuo e diário, sem o qual é impossível ter comunhão perfeita com Deus (Tt 3.5).
6. O modelo, o tamanho da Bacia de Bronze e como era transportada no deserto, não está revelado, indicando que Cristo e sua Palavra são imensuráveis, insondáveis, e assim também não conhecemos todo o poder santificador, purificador e regenerador da Palavra de Deus (Hb 1.3).
7. Passos para uma vida cristã abundante: primeiro, devemos passar pela remissão do sangue, logo, somos consagrados para Deus pela unção do Espírito e continuamente devemos passar pelo processo da purificação e santificação pela Palavra de Deus, para desempenharmos um ministério frutífero (1 Jo 5.7,8).
8. Assim como a bacia de bronze estava posicionada entre o altar de bronze (a Obra Expiatória do Calvário) e a Tenda do Encontro (O Ministério santo), a gloriosa Palavra de Deus deve estar no centro de nossas vidas e ter prioridade em nosso ministério (Sl 119.97,105).
9. A base ou suporte de bronze revela que o Senhor Jesus Cristo sustenta todas as coisas pela Palavra do seu poder. A Igreja deve estar fundamentada, solidificada, edificada sobre a Palavra imutável de Deus (Hb 1.3). Vejamos as bases da autoridade da Palavra de Deus:
• Foi inspirada por Deus – Possui peculiaridade indiscutível em seu caráter, de ser nada menos que o poderoso decreto real divino (2 Tm 3.16).
• Foi escrita por homens escolhidos por Deus – A mensagem que receberam e pregaram era inspirada por Deus por isso ela não falha é de Deus (2 Pd 1.20).
• Foi autenticada por Jesus Cristo – São trinta e cinco referencias nos quatro Evangelhos citadas por Jesus que registram seu testemunho (Lc 24.44).
10. A bacia de bronze (a Palavra de Deus) é tudo quanto diz ser: (1) Foi inspirada por Deus (2 Tm 3.16); (2) Está completa (Ap 22.18); (3) Contém a mente de Deus (2 Pe 1.21); (4) Revela o futuro (2 Pe 1.19) e (5) Deus vela por sua Palavra gloriosa para cumpri-la (Jr 1.12):
• É Poder Eterno (Sl 119.89).
• É Poder Salvador (1 Pe 4.17).
• É Poder Santificador (Jo 17.17).
• É Poder Revelador (Sl 119.130).
• É Arma Poderosa (Ef 6.17).
• É Poder Capacitador (Jo 4.6).
• É Fogo Purificador (Jr 23.29).
• É Martelo Esmiuçador (Jr 23.29).
11. O mistério como a bacia de bronze era levada pelo deserto, pois a Bíblia não menciona se por varas ou barras, significa que a Palavra de Deus só pode ser conduzida pelo próprio Deus autor e consumador desta Palavra eterna (Is 55.11)12. A bacia de bronze era o único entre os outros móveis sagrados que quando em trânsito pelo deserto não era coberta, ou seja, a Palavra de Deus é a revelação do plano de salvação para todos aqueles que a lêem com o coração. Is 46.19)

Pastor Antonio Romero Filho

Categorias
Estudos

Conheça as 4 características principais para ser um cristão fiel a Cristo

Embora muitos atos piedosos sejam atribuídos à fidelidade, há quatro características de importância vital. Como poderíamos aumentar a fé e servir a Deus de todo o coração?
Observe atentamente estas quatro maneiras:

1. Santidade é uma prioridade. Charles Spurgeon apontou corretamente: “Haverá três efeitos de proximidade com Jesus: humildade, felicidade e santidade”. Se esses três não estiverem presentes, perguntas difíceis devem ser feitas: “Eu tenho um espírito rebelde? Eu amo as coisas do mundo mais do que as coisas de Deus? Deixei surgir a amargura e o orgulho? ”Temos que lutar pela santidade; Nosso relacionamento com Deus depende disso. A santidade produz fé e poder espiritual; carnalidade produz falta de fé e vida vazia de poder espiritual

A carnalidade dá a Deus “o que lhe corresponde”, algumas horas no domingo, mas ele esquece seu chamado para “sair entre eles (o mundo) e se separar”. A santidade é um fogo que queima profundamente. Alimentamos as chamas e aumentamos o calor ou as apagamos continuamente? Estamos tão “empolgados” quando se trata das coisas do mundo, mas por que não as coisas de Deus?

A carnalidade extingue o fogo do Espírito e seca os rios da água viva. Você não pode amar a Cristo e a este mundo. Um cristão carnal não ora, realmente ora e busca o coração de Deus. Uma vida de profunda oração expõe fachadas e esmaga a hipocrisia. Um cristão carnal não ama, ele realmente ama em total abandono. A adoração profunda e penetrante não pode ocorrer em um coração carnal até que o arrependimento ocorra.

Você não encontrará aqueles que são carnais nas noites de oração ou na manhã do culto, mas os encontrará passando grande parte do tempo no Cinemark e no shopping. Verifique seu calendário e talão de cheques. Onde estão suas prioridades?

Se for você, que Deus acorde e restaure: “Portanto, arrependa-se e converta-se, para que seus pecados sejam apagados, para que os tempos de refresco venham da presença do Senhor” (Atos 3:19).

Você quer paz e alegria novamente? Simplesmente retorne a Deus: “Eles me buscarão e me encontrarão, quando me buscarem de todo o coração” (Jeremias 29:13). A rendição total é o terreno fértil para as sementes da alegria e da paz.

2. A Palavra de Deus é a fonte de autoridade. Um cristão fiel não busca continuamente conselhos fora da Palavra de Deus. Muitas vezes procuramos a Merrill Lynch para obter aconselhamento financeiro, um salão de beleza local para aconselhamento matrimonial e meninos trabalhando como priorizar nossas vidas. Olhe para Deus pela última palavra; Ele é o “conselheiro maravilhoso”.

3. Dependência da força de Deus, não do homem. “Minha graça te basta, porque minha força é aperfeiçoada na fraqueza” (2 Coríntios 12: 9b). Deus frequentemente nos dividirá para nos edificar. Ele tirará nossa força (naquilo em que temos confiado), por isso buscamos a Ele e a Ele somente. O fogo do refinador implica fogo e calor. As ondas de mudança envolvem queda, sacudidela e reviravolta: “Estamos perturbados em todos os lugares, mas não angustiados, estamos perplexos, mas não desesperados, perseguidos, mas não abandonados, abatidos, mas não destruídos” (2 Cor. 4: 8 -9).

Deus o lembra: “Quando você passar pela água, eu estarei com você; e junto aos rios, eles não transbordarão. Quando você passa pelo fogo, não queimará, nem a chama o inflamará. Eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, teu Salvador ”(Isaías 43: 2-3a). Deus é sempre o quarto homem no fogo (ver Daniel 3:25).

4. Permaneça na sua palavra, apesar dos contratempos. Os cristãos fiéis continuam o curso, independentemente da tempestade, independentemente das críticas, independentemente do calor. Nós devemos ensinar perseverança. Muitos teólogos estão divididos no momento do arrebatamento, ou se isso acontecerá. Dizer às pessoas: “Não se preocupe, você sairá daqui antes que seja difícil” é inconsistente com aqueles que sofrem em outros países. E não prepara as pessoas para tribulações, desafios e tempos difíceis. Uma coisa que sabemos com certeza é que Cristo retornará. Em Apocalipse 3:11, Ele diz: “Olha, eu estou voltando em breve. Segure o que tem, para que ninguém tire sua coroa. A mensagem da esperança é sempre urgente.

Fonte: Notícias Charisma