Categorias
Cultos

Por que Deus criou a mulher?

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

FONTE: GUIAME, CLARICE EBERT

(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

A narrativa bíblica da criação do homem e da mulher relata que o homem estava no paraíso, mas mesmo assim, sentiu-se só. Impulsionado por esse sentimento procurou alguém que lhe correspondesse. Evidentemente, entre os demais seres criados, não encontrou ninguém com esse perfil, que estivesse à altura de suas expectativas e até mesmo de suas necessidades psicofísicas e espirituais. Deus, que se alegrara em tudo que criara até então, percebeu a solidão do homem e disse “não é bom que o homem esteja só” (Gênesis 2.18). Assim, ele criou a mulher, moldada diretamente por suas hábeis mãos.

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

Uma leitura dessa narrativa bíblica pelas lentes da atual sociedade erotizada, interpretaria que essa exclamação de Adão revelaria que ele estaria vislumbrado com o porte físico da mulher e que estaria feliz porque, enfim, seus instintos sexuais seriam atendidos. No entanto, vislumbrar o relato bíblico da criação da mulher por essas lentes, pode levar ao equívoco de que a mulher teria sido criada para o homem apenas, ou principalmente, com o intuito de satisfazer seus impulsos sexuais masculinos. Sob essa ótica a mulher não passaria de um objeto sexual para atender o homem em suas demandas sexuais instintivas e fisiológicas, ou reprodutivas. Seria um objeto ou para o prazer ou para reprodução.

Outra leitura equivocada da exclamação de Adão, seria via lentes machistas. Nessa ótica se entenderia que a mulher fora criada como um ser subalterno para auxiliar e servir ao homem, um ser superior. Ela seria uma espécie de secretária competente que estaria disponível para auxiliar o homem na missão que Deus dera somente a ele. Por essa perspectiva, a mulher até obteria o reconhecimento de ser indispensável, mas como uma serva.  Ela serviria como uma auxiliar competente e indispensável, para que o homem pudesse cumprir com os mandatos sociais, culturais e espirituais, que, de acordo com essa ótica, teriam sido dados por Deus somente a ele.

Mas, se utilizarmos lentes menos embaçadas por erotizações e discriminações culturais e históricas, talvez seja possível nos aproximarmos um pouco mais da percepção da real intenção do criador para a relação homem e mulher. Parece que Adão percebeu que enfim estava diante do ser correspondente que estava à procura. Não um ser objetal nem subalterno, mas um ser igual a ele em sua humanidade. É como se dissesse “Enfim um ser humano igual a mim”. Enfim um ser correspondente em sua humanidade, com quem poderia manter comunhão, conversar, trocar vida e cuidar do mundo.

No original hebraico o nome dado por Deus à mulher foi Ezer Knegdo. O significado carrega o sentido de socorro, um auxílio sem o qual não seria possível viver. A humanidade estaria em risco sem esse socorro. O homem não conseguiria reproduzir a espécie humana sem a mulher e, além disso, não conseguiria ser humano sem outro humano correspondente.

Portanto, a exclamação de Adão “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23) manifesta o reconhecimento de que ele e a mulher são feitos da mesma matéria e carregam a mesma essência. E Deus, o Senhor dessa bendita criação, sela essa ideia ao afirmar que ambos, homem e mulher, são portadores da sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26). O reconhecimento por parte do homem de que a mulher que Deus acabara de criar, era um ser igual a ele, permitiu que o primeiro casal cumprisse os mandatos de Deus numa parceria no cuidado da vida e do mundo criado.

Infelizmente após a queda relatada na narrativa bíblica, ocorreu uma ruptura dessa parceria. Homens e mulheres não conseguem mais se ver como iguais em sua humanidade. A história da trajetória humana nos conta que a mulher passou a ser vista como um ser criado nas trevas, inclinado para o mal, para o pecado e perigosamente a serviço do descaminho do homem. Ela foi destituída de razão e de alma, e considerada um ser menor, de segunda categoria. Por isso, foi segregada sem direitos à voz e expressão, tanto no ambiente familiar, como no contexto social, laboral e religioso.

No entanto, a história nos faz refletir. As reconexões promovidas pelo ato salvífico de Cristo nos convidam a reconectar com o criador e ao outro correspondente também. Dessa forma, já é possível retomar o intento do criador em promover a parceria entre o homem e a mulher. Que acabem as guerras entre os sexos e possamos ouvir em alto e bom som a exclamação que reconhece: “Enfim um ser humano igual a mim”.

Para lembramos desse reconhecimento é que existe o Dia Internacional da Mulher na agenda anual. Os mimos nesse dia podem até ser muito bem-vindos, mas sem esse reconhecimento essencial não passam de homenagens triviais com poucas ressonâncias de uma reflexão mais profunda. Que ao final, ambos, homens e mulheres, possam perceber que foram criados com a mesma matéria e essência, e que em sua missão parceira de cuidar do mundo, possam refletir a imagem e semelhança do Criador.

Por Clarice Ebert, Psicóloga (CRP0814038), Terapeuta Familiar, Mestre em Teologia, Professora, Palestrante, Escritora. Sócia do Instituto Phileo de Psicologia, onde atua como profissional da psicologia em atendimentos presenciais e online (individual, de casal e de família). Coordenadora e palestrante, em parceria com seu marido, do Ministério Vida Melhor (um ministério de cursos e palestras). Membro e docente de EIRENE do Brasil.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Categorias
Artigos

Por que a justiça social dos batistas do sul é realmente sobre a suficiência das Escrituras

O trailer do documentário Founders revela uma discordância maior sobre como abordar teorias seculares sobre raça e gênero.
Imagem: Por que tela padrão do trailer / Founders Ministries
O pastor Tom Ascol atua como presidente dos Ministérios dos Fundadores.

FALLOUT sobre uma controversa reboque documentário repreender uma suposta agenda de justiça social dentro das marcas Convenção Batista do Sul a mais recente ponto de inflamação em confrontos em curso sobre a forma como a denominação deve envolver ideologias vêem como contrária às Escrituras.

O Founders Ministries, um grupo batista do Sul orientado para calvinistas, anunciou em 1º de agosto que três de seus seis membros do conselho haviam renunciado por objeções ao trailer de um documentário intitulado By What Standard? Abordando debates recentes sobre justiça racial e papéis das mulheres, o documentário alega um compromisso “vacilante” “com a autoridade e suficiência” da Bíblia entre alguns batistas do sul, afirmou o ministério.

Dois dos membros cessantes do conselho – Tom Hicks e Fred Malone – disseram em declarações que concordam com as questões levantadas no documentário, mas acreditam que o trailer, que apresentava clipes da reunião anual da SBC em junho, confundiu os problemas com os esforços da denominação para confrontar abuso sexual. (Inicialmente, o trailer de quatro minutos incluía uma imagem do sobrevivente de abuso sexual e advogado da vítima, Rachael Denhollander. Após as queixas, o clipe foi removido.)

O outro membro do conselho de demissão, Jon English Lee, não divulgou uma declaração.

No ano passado, dois membros adicionais do conselho de fundadores haviam renunciado, mas o presidente do ministério, Tom Ascol, disse que nenhum dos dois citou diferenças teológicas ou filosóficas entre os motivos de sua saída.

Pelo menos três entrevistados a serem apresentados no documentário – o presidente do seminário Daniel Akin, o pastor Mark Dever e o autor Jonathan Leeman – pediram para serem retirados do filme devido a “preocupações sobre qual será o tom, o teor e o conteúdo do documentário completo. . ” Vários outros participantes tiveram problemas com o trailer.

Esses líderes não representam extremos opostos da maior denominação protestante do país. Os batistas do sul que discordam da abordagem dos fundadores compartilham muitas convicções fundamentais com o ministério, não apenas a inerrância das Escrituras, mas também uma oposição ao feminismo radical e à teoria crítica das raças que ditam o engajamento social da igreja. Uma diferença fundamental entre os batistas conservadores do sul está no quanto eles estão dispostos a aprender com elementos de ideologias seculares, em vez de rejeitá-los completamente.

Ascol, pastor da Grace Baptist Church em Cape Coral, Flórida, disse que a reação ao documentário ilustra como pode ser desafiador para os cristãos que concordam com a inerrância das Escrituras e a exclusividade do evangelho estabelecer uma estratégia comum para enfrentar o erro na Igreja. cultura.

http://lhm.org

Ascol disse ao CT que todos os envolvidos na discussão atual da SBC estão comprometidos com as Escrituras, mas há uma divisão entre aqueles que vêem o aprendizado de ideologias seculares como uma ameaça à suficiência da Palavra e aqueles que “pensam que podemos usar as ferramentas dessas ideologias sem se queimar pelas próprias ideologias “.

‘Inconsciente’ do perigo?

As ideologias em questão tendem a envolver raça e gênero, que se tornaram temas quentes entre os batistas do sul nos últimos anos, já que a denominação continua a contar com o racismo ao longo de sua história e a aplicar a aplicação adequada do ensino complementar.

Apesar do acordo relativo da SBC em sua declaração de fé, The Baptist Faith and Message , abordagens diferentes sobre essas questões sociais foram destacadas pela Convenção Batista do Sul nos últimos três anos, remontando a divergências em torno da eleição presidencial de 2016 .

Mais de 11.000 evangélicos conservadores – muitos deles batistas do sul – assinaram uma “Declaração sobre justiça social e o evangelho” de 2018, reivindicando “palestras sobre questões sociais” na igreja e “ativismo voltado para remodelar a cultura mais ampla” “tendem a se tornar distrações que inevitavelmente levam a afastamentos do evangelho. ”

Os batistas do sul adotaram recentemente uma resolução controversa sobre a teoria crítica da raça e a interseccionalidade (CRT / I), que citou as duas teorias como úteis para confrontar divisões raciais, embora as teorias “tenham sido apropriadas por indivíduos com visões de mundo contrárias à fé cristã”.

Os membros da denominação foram divididos: “Alguns batistas do sul afirmam que as idéias do CRT / I podem ser apropriadas para entender a situação das populações vitimizadas e para abordá-las mais efetivamente com o evangelho”, relatou o texano batista do sul . “Outros dizem que as origens das teorias – tipicamente atribuídas ao pós-modernismo e ao neo-marxismo – minam sua utilidade para os crentes.”

Uma discussão no Twitter sobre mulheres como Beth Moore pregando em culto público despertou entre os batistas do sul na primavera passada e levou a um debate formal sobre o assunto em uma reunião de fundadores em junho entre Ascol e o pastor do Texas Dwight McKissic, que também discordou de seu retrato. no trailer do documentário.

Graças à internet, o Southern Baptist se alterna sobre como envolver questões sociais e está acontecendo em tempo real e diante da igreja e do mundo observador. Ao mesmo tempo, os principais líderes e pastores de entidades têm procurado abordar os principais momentos culturais de uma perspectiva bíblica, em vez de permitir que a ideologia secular ou de esquerda conduza a discussão.

A denominação já esteve aqui antes. O presidente do Seminário Teológico Batista do Sul, Albert Mohler, reconhece as “grandes revoltas culturais” que a igreja enfrenta hoje, e ele se lembra de uma resistência à teologia liberal na década de 1970 que instituiu o Ressurgimento Conservador da SBC.

“Existe uma ansiedade … de que uma geração mais jovem desconheça muitos dos mesmos perigos” que levaram a SBC para a esquerda no passado “e talvez não saiba até que ponto muitas das maiores correntes da cultura foram adotadas”, disse ele. CT.

Mohler se distanciou do documentário dos Fundadores e disse que não acredita que exista um compromisso ideológico com “doutrinas de esquerda” na SBC, sem esforços conscientes para afastar a denominação das Escrituras.

‘Lutando com’ a justiça social

Olhando para trás ainda mais além do ressurgimento conservador, o conflito sobre o engajamento cultural na SBC não é novidade, de acordo com Carol Holcomb, professora da Universidade de Mary Hardin-Baylor que estuda batistas e o evangelho social.

Desde que o ensino do evangelho social surgiu no início do século 20, a SBC o adotou e denunciou alternadamente. A reticência dos batistas do sul de se dedicarem totalmente às causas sociais, Holcomb disse à CT, decorre em parte do desejo dos primeiros batistas do sul de defender a escravidão. Os fundadores da convenção planejaram uma “defesa elaborada da escravidão” em meados do século XIX “que separou o indivíduo do pecado social” e fez com que a SBC desenvolvesse “uma cultura religiosa” que “seja inóspita à justiça social”. Embora o apoio à escravidão tenha se dissipado há muito tempo, ela disse, a resistência residual às causas sociais permanece.

Embora os batistas do sul tenham se preocupado muito com os males sociais, disse Holcomb, sua herança teológica dificulta que eles “encontrem o evangelho de ambos / e” – abraçando a ideia de que “Jesus se importa com toda a pessoa” e não apenas com a salvação de Deus. a alma. Alguns se concentram mais na salvação individual, enquanto outros incluem uma ênfase maior no ministério social com seus esforços evangelísticos, disse ela.

https://www.umcmission.org/umcor?utm_source=&utm_medium=website&utm_campaign=&utm_content=3/1/2020paid300x250

Os autores de The Baptist Faith and Message aparentemente viam o ministério social e o evangelismo como complementares, e não como tensão. A declaração de fé da SBC defende tanto o dever de “tornar discípulos de todas as nações” quanto a “obrigação de buscar tornar a vontade de Cristo suprema em nossas próprias vidas e na sociedade humana”.

Para Ascol, a questão é a fidelidade às Escrituras. Ele teme que alguns batistas do sul, embora comprometidos em teoria com a inerrância, estejam permitindo que outras ideologias além das Escrituras determinem suas crenças e práticas na igreja.

Por exemplo, ele disse, a Bíblia declara qualificações para pastores em 1 Timóteo 3: 1–7, mas alguns minam a suficiência das Escrituras alegando que um pregador não está qualificado para declarar o ensino da Bíblia sobre raça, a menos que ele também estude extensivamente a experiência da etnia. minorias. Da mesma forma, as Escrituras apresentam um ensino claro sobre os papéis de gênero, mas alguns afirmam que o ensino não pode ser entendido sem se estudar extensivamente a experiência de ser mulher.

“Pode ser uma coisa muito boa” buscar a compreensão das experiências de outros crentes, disse Ascol. “Mas sugerir” que “de alguma forma não podemos conhecer a verdade a menos que façamos isso” implica “a Bíblia realmente não é suficiente”.

Além disso, as vozes preocupadas com o lugar das iniciativas de justiça social na igreja temem que essas prioridades possam desviar os esforços do evangelismo e da missão cristã.

Mark Coppenger, professor aposentado de filosofia e ética no Southern Seminary, disse: “Muitos evangélicos parecem pensar … ao se agraciarem com a cultura (ou pelo menos não desligá-la), eles verão uma colheita de boa vontade e crescimento do reino. ”

No entanto, alguns defensores da justiça social a veem como uma expressão do ensino e da missão cristã.

Kevin Smith, diretor executivo da Convenção Batista de Maryland-Delaware, onde cerca de 500 igrejas cultuam em 41 idiomas diferentes, disse que abordagens variadas ao envolvimento cultural não devem atrapalhar a comunhão de crentes, como os batistas do sul, que “concordam com a pessoa e o trabalho de Jesus. “

“Pelo menos metade do que está acontecendo entre os cristãos não é nem mesmo sobre o conteúdo e a discordância do assunto, mas sobre personalidade pecaminosa e divisiva, etnocentrismo, convicções políticas e arrogância excessivamente zelosa”, disse Smith. “Outra metade está discordando sobre como aplicamos o amor ao próximo”.

A SBC não está sozinha em discutir o caminho a seguir para os crentes em meio a desafios culturais. A Coalizão do Evangelho, um grupo para-igreja de evangélicos reformados, enfrentou discussões semelhantes e um intercâmbio muito discutido na Conferência dos Pastores do professor da Bíblia John MacArthur, no início deste ano, também abordou a justiça social.

David Roach é escritor em Nashville, Tennessee.

Categorias
Artigos

O Legado Congregacional e os Conclaves Assembleares

Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos
Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos

Os Batistas tem sua estruturação religiosa fundamentada no Governo Congregacional, submetendo-se a orientação do Espírito Santo personificada na manifestação de vontade da membresia, especialmente dos membros-efetivos, que tem direito a assento, voz e voto nas deliberações religiosas-administrativas, com sua fé em Jesus Cristo como único e suficiente salvador das ´almas´ das pessoas, embasando-se na Bíblia Sagrada como Regra de Fé e Prática, subordinando-se exclusivamente a direção de Deus, com a proposição de esperança, de transformação, de “uma vida em abundância”, como ensina o Cristianismo.

Enfatizamos que foi neste salutar ambiente eclesiástico, ainda adolescente, na década de 1970, que tivemos a satisfação de aprender com o “Pastor-Emérito do Coração”, Pr. Walter Santos, eis que, por este Homem de Deus recebemos o batismo em 1980 na PIB em São João de Meriti/RJ, o qual, juntamente com sua esposa, proficiente auxiliadora, Profa. Zeni Santos, diretora de escolas, liderou a Igreja por quase 32 anos, tendo durante seu Ministério Pastoral edificado um Moderníssimo Santuário, inaugurado em 1971, até a ocasião, pela maior Assembleia da Convenção Batista Fluminense, uma das inúmeras marcas de sua profícua liderança espiritual e comunitária, inclusive reconhecida junto à Sociedade Civil Meritiense.

Ele, que sempre teve uma respeitada atuação denominacional, seja na Associação Meritiense, na Convenção Fluminense, e ainda, na Convenção Brasileira, compartilhou vivencialmente ensinamentos da democracia batista, praticando as regras parlamentares na assembleias da Igreja, além de incentivar os membros a participar da vida eclesiástica, sobretudo dos Conclaves Deliberativos Denominacionais, em todos os níveis, pelo que, com satisfação prestamos este ‘Preito de Gratidão’ e estimamos com afeto de filho na fé a este amado Casal de Obreiros da Causa do Senhor, pelo ensino do legado congregacional, sistema de governo eclesiástico em que os membros efetivamente participam nas deliberações da Igreja.

A PIB São João de Meriti/RJ, onde há mais de quatro décadas congregamos, juntamente com a esposa Diác. Soraia Garcia, com quem enamoramos há trinta anos, e, a filha Alana Garcia, que é a 5ª Geração de Batistas na Família, celebra neste Ano de 2020, ‘Jubileu de Sândalo’ de Organização Denominacional pela PIB Jacarepaguá, Rio/RJ, sob a orientação do pioneiro Pr. Salomão Ginsburg, sendo que, neste período de 95 Anos de Instituição Eclesiástica foi praticamente presidida por quatro Líderes Espirituais: Pr Joaquim Rosa (29a), Pr. Walter Santos (32a), Pr. José Maria de Souza (20a), e, pelo Pr. Claudio de Souza, nos últimos 10 anos; cultivando ao longo da história o legado congregacional deliberativo dos batistas.

É de se ressaltar que Igrejas tradicionais se mantém praticando os princípios do Governo Congregacional, e até encontrando estratégias de ressignificação a indispensável participação dos membros nas deliberações, inclusive através da implementação de ferramentas digitais, modernização no formato das assembleias, além da conscientização dos membros da participação nos destinos da Grei, enfatizando a intrínseca relação do Sistema de Governo com a Igreja, eis que, este identifica os batistas ao longo da história, seja nos Cultos, EBD, Reuniões, Treinamentos etc; em algumas Congregações tem-se adotado um sistema de governança representativo, onde os membros elegem pessoas que atuam em Conselhos Administrativos, sejam de áreas ministeriais, de grupos etários, por funções eclesiásticas etc, os quais deliberam assuntos temáticos atinentes a governança, embasado no Estatuto Associativo da Igreja.

Estas pessoas assumem o comprometimento de compartilhar as referidas decisões, numa proposição de transparência com a prestação de relatórios etc, através participação da Diretoria Estatutária, Ministério Diaconal, Conselho Fiscal, Conselho de Ética, Diretores de Departamentos, Professores da EBD etc, socializando as informações que devem ser conhecidas dos fiéis, sendo estas deliberações submetidas a homologação de toda a membresia, o que não desobriga a Igreja a exercer a governança com transparência, buscando a aprovação da Congregação nas decisões de impacto na Comunidade de Fé.

As Assembleias Denominacionais se realizam no município, Associação Regional, no estado, Convenção Estadual, no país, Convenção Brasileira, no continente, União Latino-Americana, e, internacional, a Aliança Batista Mundial, que após 60 anos volta a se reunir no Brasil em 2020, não havendo hierarquia entre estas Entidades Denominacionais e a Congregação Batista, à luz do princípio da Autonomia da Igreja Local, e sim uma atuação cooperativa e voluntária, de sinergia de esforços em prol do Reino de Deus.

Com esta proposição os Batistas Fluminenses se reuniram na Cidade de São Gonçalo/RJ para a realização de mais uma Assembleia Convencional, que em 2019 ocorreu sob a presidência do Pr. Vanderlei Marins (PIB Alcântara/RJ), onde tivemos a alegria de completar 35 anos de participação na condição de ‘delegado’ da Igreja às Assembleias da Convenção Batista Fluminense (CBF), tendo como mensageiro direito a assento, voz, voto, igualmente a outros irmãos em Cristo, nos debates convencionais, usufruindo do legado congregacional construído ao longo da história, desde os protestantes holandeses.

Destacamos, com alegria, que há mais de duas décadas temos contribuído com os Conclaves Assembleares dos Batistas Fluminenses, e, dos Batistas Brasileiros, inclusive na presidência da Comissão de Assessoria Jurídico-Parlamentar, provendo suporte legal preventivo à Mesa Diretora e ao Plenário Convencional, retribuindo o aprendizado recebido ao longo dos anos de diversos líderes denominacionais, cooperando para que o Legado Congregacional deliberativo seja usufruído plenamente, pelos civilmente capazes, à luz do Ordenamento Jurídico Nacional, embasados na Constituição Federal, Código Civil, Estatuto Associativo, Regimento Interno e Regras Parlamentares aprovadas pelos Mensageiros das Igrejas, que elegeram o Pr. Elildes Macharete (PIB Barra de São João, São Pedro da Aldeia/RJ) para conduzir os destinos da CBF, e presidir a Assembleia de 2020, na Cidade de Campos dos Goytacazes/RJ.

Dr. Gilberto Garcia