Categorias
Artigos

O Legado Congregacional e os Conclaves Assembleares

Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos
Pastor Emérito no Coração Pr. Walter Santos & Profª. Zeni Santos

Os Batistas tem sua estruturação religiosa fundamentada no Governo Congregacional, submetendo-se a orientação do Espírito Santo personificada na manifestação de vontade da membresia, especialmente dos membros-efetivos, que tem direito a assento, voz e voto nas deliberações religiosas-administrativas, com sua fé em Jesus Cristo como único e suficiente salvador das ´almas´ das pessoas, embasando-se na Bíblia Sagrada como Regra de Fé e Prática, subordinando-se exclusivamente a direção de Deus, com a proposição de esperança, de transformação, de “uma vida em abundância”, como ensina o Cristianismo.

Enfatizamos que foi neste salutar ambiente eclesiástico, ainda adolescente, na década de 1970, que tivemos a satisfação de aprender com o “Pastor-Emérito do Coração”, Pr. Walter Santos, eis que, por este Homem de Deus recebemos o batismo em 1980 na PIB em São João de Meriti/RJ, o qual, juntamente com sua esposa, proficiente auxiliadora, Profa. Zeni Santos, diretora de escolas, liderou a Igreja por quase 32 anos, tendo durante seu Ministério Pastoral edificado um Moderníssimo Santuário, inaugurado em 1971, até a ocasião, pela maior Assembleia da Convenção Batista Fluminense, uma das inúmeras marcas de sua profícua liderança espiritual e comunitária, inclusive reconhecida junto à Sociedade Civil Meritiense.

Ele, que sempre teve uma respeitada atuação denominacional, seja na Associação Meritiense, na Convenção Fluminense, e ainda, na Convenção Brasileira, compartilhou vivencialmente ensinamentos da democracia batista, praticando as regras parlamentares na assembleias da Igreja, além de incentivar os membros a participar da vida eclesiástica, sobretudo dos Conclaves Deliberativos Denominacionais, em todos os níveis, pelo que, com satisfação prestamos este ‘Preito de Gratidão’ e estimamos com afeto de filho na fé a este amado Casal de Obreiros da Causa do Senhor, pelo ensino do legado congregacional, sistema de governo eclesiástico em que os membros efetivamente participam nas deliberações da Igreja.

A PIB São João de Meriti/RJ, onde há mais de quatro décadas congregamos, juntamente com a esposa Diác. Soraia Garcia, com quem enamoramos há trinta anos, e, a filha Alana Garcia, que é a 5ª Geração de Batistas na Família, celebra neste Ano de 2020, ‘Jubileu de Sândalo’ de Organização Denominacional pela PIB Jacarepaguá, Rio/RJ, sob a orientação do pioneiro Pr. Salomão Ginsburg, sendo que, neste período de 95 Anos de Instituição Eclesiástica foi praticamente presidida por quatro Líderes Espirituais: Pr Joaquim Rosa (29a), Pr. Walter Santos (32a), Pr. José Maria de Souza (20a), e, pelo Pr. Claudio de Souza, nos últimos 10 anos; cultivando ao longo da história o legado congregacional deliberativo dos batistas.

É de se ressaltar que Igrejas tradicionais se mantém praticando os princípios do Governo Congregacional, e até encontrando estratégias de ressignificação a indispensável participação dos membros nas deliberações, inclusive através da implementação de ferramentas digitais, modernização no formato das assembleias, além da conscientização dos membros da participação nos destinos da Grei, enfatizando a intrínseca relação do Sistema de Governo com a Igreja, eis que, este identifica os batistas ao longo da história, seja nos Cultos, EBD, Reuniões, Treinamentos etc; em algumas Congregações tem-se adotado um sistema de governança representativo, onde os membros elegem pessoas que atuam em Conselhos Administrativos, sejam de áreas ministeriais, de grupos etários, por funções eclesiásticas etc, os quais deliberam assuntos temáticos atinentes a governança, embasado no Estatuto Associativo da Igreja.

Estas pessoas assumem o comprometimento de compartilhar as referidas decisões, numa proposição de transparência com a prestação de relatórios etc, através participação da Diretoria Estatutária, Ministério Diaconal, Conselho Fiscal, Conselho de Ética, Diretores de Departamentos, Professores da EBD etc, socializando as informações que devem ser conhecidas dos fiéis, sendo estas deliberações submetidas a homologação de toda a membresia, o que não desobriga a Igreja a exercer a governança com transparência, buscando a aprovação da Congregação nas decisões de impacto na Comunidade de Fé.

As Assembleias Denominacionais se realizam no município, Associação Regional, no estado, Convenção Estadual, no país, Convenção Brasileira, no continente, União Latino-Americana, e, internacional, a Aliança Batista Mundial, que após 60 anos volta a se reunir no Brasil em 2020, não havendo hierarquia entre estas Entidades Denominacionais e a Congregação Batista, à luz do princípio da Autonomia da Igreja Local, e sim uma atuação cooperativa e voluntária, de sinergia de esforços em prol do Reino de Deus.

Com esta proposição os Batistas Fluminenses se reuniram na Cidade de São Gonçalo/RJ para a realização de mais uma Assembleia Convencional, que em 2019 ocorreu sob a presidência do Pr. Vanderlei Marins (PIB Alcântara/RJ), onde tivemos a alegria de completar 35 anos de participação na condição de ‘delegado’ da Igreja às Assembleias da Convenção Batista Fluminense (CBF), tendo como mensageiro direito a assento, voz, voto, igualmente a outros irmãos em Cristo, nos debates convencionais, usufruindo do legado congregacional construído ao longo da história, desde os protestantes holandeses.

Destacamos, com alegria, que há mais de duas décadas temos contribuído com os Conclaves Assembleares dos Batistas Fluminenses, e, dos Batistas Brasileiros, inclusive na presidência da Comissão de Assessoria Jurídico-Parlamentar, provendo suporte legal preventivo à Mesa Diretora e ao Plenário Convencional, retribuindo o aprendizado recebido ao longo dos anos de diversos líderes denominacionais, cooperando para que o Legado Congregacional deliberativo seja usufruído plenamente, pelos civilmente capazes, à luz do Ordenamento Jurídico Nacional, embasados na Constituição Federal, Código Civil, Estatuto Associativo, Regimento Interno e Regras Parlamentares aprovadas pelos Mensageiros das Igrejas, que elegeram o Pr. Elildes Macharete (PIB Barra de São João, São Pedro da Aldeia/RJ) para conduzir os destinos da CBF, e presidir a Assembleia de 2020, na Cidade de Campos dos Goytacazes/RJ.

Dr. Gilberto Garcia

Categorias
Estudos

Charles Spurgeon e o dom de profecia

Veja alguns relatos do próprio Spurgeon que atestam o dom de profecia

Do início ao fim de sua vida, o pregador inglês Charles Spurgeon (1834-1892), considerado por muitos reformados como “o príncipe dos pregadores” no século 19, esteve rodeado pelo dom de profecia. Embora Spurgeon não se declarasse continuísta e algumas vezes até tenha feito declarações sobre a restrição de alguns dons à era apostólica, fato é que na prática Spurgeon recebeu profecias, fez profecias e viveu profecias. Isso demonstra o quanto Deus é soberano na concessão dos seus preciosos dons! Se alguém duvida disso, então que leia os relatos a seguir. Na verdade, seria ingênuo dizer que Spurgeon foi cessacionista nos moldes como tomamos esta palavra hoje. A teologia cessacionista (ou cessacionismo) propriamente, que é militante e adversária do continuísmo (crença na continuidade dos dons espirituais), estava ainda sendo formulada (bebendo fortemente no racionalismo alemão) pelo famoso teólogo calvinista B.B. Warfield, considerado “o pai do cessacionismo”, que somente em 1918 é que publicaria sua obra Counterfeit Miracles (Milagres falsificados). Ou seja, 25 anos depois da morte de Spurgeon é que podemos encontrar uma teologia protestante cessacionista.

Leia os relatos abaixo e perceba o porquê de acreditarmos piamente na ocorrência do dom de profecia na vida de Charles Spurgeon.

I. Profecia na infância de Spurgeon

No capítulo V do 1° volume da Autobiografia de Spurgeon, material compilado por sua esposa e por sua secretária, o próprio Spurgeon descreve uma profecia que ele recebeu quando era uma criança, através de um amigo da família, o Sr. Knill.

Richard Knill (1787-1857), ex-missionário na Índia e na Rússia, profetizou que Charles Spurgeon, sendo ele ainda uma criança de 10 anos apenas, seria um pregador do Evangelho e um ganhador de almas e que pregaria na famosa capela de Rowland Hill na Inglaterra. Com a criança no colo, o missionário Knill disse a seus cuidadores: “Não sei como, mas tenho um solene pressentimento de que este menino pregará o Evangelho a milhares e que Deus o abençoará com muitas almas. Estou tão seguro disto, que quando meu pequeno homem pregar na capela de Rowland Hill gostaria que cantasse o hino que começa assim: ‘Deus se move de maneira misteriosa, para suas maravilhas efetuar’”.

Spurgeon reconheceu a autenticidade da profecia e a mencionou quando aos 21 anos de idade pregou na capela de Rowland Hill e cantou o hino que o velho missionário lhe tinha pedido 11 anos atrás na casa de seu avô: “Deus se move de maneira misteriosa”.

E antes que alguém suponha que esta história não tenha passado de uma lenda ou que não se trate exatamente de uma palavra de profecia, deixemos que o próprio Spurgeon diga do que se trata, conforme consta em sua Autobiografia: “A história do senhor Knill profetizando que eu deveria pregar o evangelho na Capela de Rowland Hill e nas maiores congregações do mundo, foi considera por muitos como lenda, mas era estritamente verdade (os grifos são meus)

Quem quiser descrer desta profecia, descreia. Spurgeon, porém, cria piamente nela!

II. Profecia na juventude de Spurgeon

Dois dias antes de completar 21 anos, em 17 de junho de 1855, pregando na Capela de New Park Street, em Londres, Spurgeon fez a seguinte declaração em seu sermão “O Poder do Espírito Santo” (grifos meus):

“Outra grande obra do Espírito Santo que não está cumprida ainda, é trazer a glória do último dia. Em alguns anos, não sei quando, não sei como, o Espírito Santo será derramado em uma forma mui diferente que no presente. Há diversidade de operações. E durante os últimos anos tem ocorrido das operações diversificadas consistirem muito pouco derramamento do Espírito. Os ministros seguem em sua rotina monótona, continuam pregando, pregando, pregando e pouco bem tem causado. Tenho a esperança de que talvez uma nova era tenha amanhecido sobre nós e que haverá maior derramamento do Espírito Santo agora. Porque chega a hora e pode ser justamente agora quando o Espírito Santo será derramado outra vez, de uma maneira tão maravilhosa que muitos correrão de um lado a outro e se encherá de conhecimento! (…) Meu coração se alegra e meus olhos brilham com o pensamento de que muito provavelmente viverei para ver como ele assim derramará o Espírito quando, ‘os filhos e filhas de Deus outra vez profetizarão e os jovens terão visões e os velhos sonharão sonhos’”.

Qualquer avivamento que se possa ser registrado, nas proporções e brevidade preditas por Spurgeon, será um avivamento do Espírito no final do século 19 e início do século 20. Seria o avivamento das curas, liderado pelo presbiteriano A.B. Simpson? Seria o avivamento no país de Gales em 1904, encabeçado pelo avivalista Evan Roberts? Ou seria o grande avivamento pentecostal da Rua Azusa, em Los Angeles, liderado pelo negro descendente de escravos William Seymour, cujas proporções são inimagináveis, tendo influenciado fortemente até mesmo igrejas tradicionais?

Com toda certeza, foram os avivamentos carismáticos que tiraram as igrejas de sua “rotina monótona”, que rapidamente disseminaram o conhecimento do Senhor pelo mundo (hoje já são 700 milhões de pentecostais e carismáticos no mundo, em cem anos de pentecostalismo!), e nos quais se pode ver filhos e filhas profetizando!

III. Profecias ao longo da vida adulta de Spurgeon

Spurgeon não só foi alvo de profecia em sua infância, nem apenas fez uma profecia única em sua juventude. O dom operava nele regularmente, e pelo dom de profecia, a partir dos púlpitos em que pregava, declarava coisas íntimas sobre pessoas em seu auditório. O apóstolo Paulo disse que quando a igreja usa o dom de profecia no culto, “os segredos do seu [do indouto ou infiel] coração ficam manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós” (1Co 14.25).

Percebamos se não era exatamente isso o que ocorria durante as pregações de Spurgeon, conforme ele mesmo relata no volume 2 de sua Autobiografia (grifos meus):

“Houve muitos casos de conversões notáveis no Music Hall; uma especialmente era tão singular que eu muitas vezes relatava como uma prova de que Deus às vezes orienta Seus servos para dizer o que eles próprios nunca imaginavam proferir, a fim de que Ele possa abençoar o ouvinte para quem a mensagem se destina pessoalmente. Enquanto pregava no salão, em uma ocasião, deliberadamente apontei para um homem no meio da multidão, e disse: ‘Há um homem sentado ali, que é um sapateiro, ele mantém a sua loja aberta aos domingos; estava aberta no último domingo pela manhã; ele recebeu nove pence, e ganhou quatro pence de lucro. Sua alma está vendida a Satanás por quatro pence!’. Um missionário da cidade, que fazia sua caminhada, aproximou-se deste homem, vendo que ele estava lendo um dos meus sermões, e lhe perguntou: ‘Você conhece o Sr. Spurgeon?’, ‘Sim’, respondeu o homem, ‘Tenho todas as razões para conhecê-lo. Eu fui ouvi-lo; e, sob sua pregação, pela graça de Deus eu me tornei uma nova criatura em Cristo Jesus. Quer que lhe diga como isso aconteceu? Eu fui para o Music Hall, e sentei no meio do auditório; o Sr. Spurgeon olhou para mim como se me conhecesse, e em seu sermão, ele apontou para mim e disse à congregação que eu era um sapateiro, e que eu mantinha minha loja aberta aos domingos; e eu fiz isto, senhor. Eu não deveria me perturbar com aquilo; mas ele também disse que eu recebi nove pence no domingo anterior, e que tinha lucrado quatro pence. Eu de fato recebi nove pence naquele dia, e apenas quatro pence de lucro; mas como ele devia saber daquilo, eu não poderia dizer. Logo percebi que foi Deus quem tinha falado com a minha alma através dele, então eu fechei minha loja no domingo seguinte. No início, eu estava com medo de ir novamente para ouvi-lo, para que ele não dissesse às pessoas mais sobre mim; mas depois eu fui, e o Senhor se encontrou comigo, e salvou a minha alma”.

E antes que alguém insista na teimosia (ou incredulidade) e diga ter sido esse um caso isolado no ministério do pregador inglês e que não deve significar muita coisa, pergunto: quem realmente conhece a vida de Charles Spurgeon, e já tenha lido ao menos meia dúzia de livros sobre ele, que ainda não tenha ouvido falar sobre a vez em que ele apontou para um jovem no meio do salão e, não sabendo absolutamente nada daquele jovem, disse-lhe: “As luvas que você está usando não foram pagas, você as roubou de seu patrão!”, e de fato o jovem foi até ele no final do culto, trêmulo para se confessar? Este fato também está lá n Autobiografia de Spurgeon, e é recontada por muitos carismáticos sérios como Wayne Grudem e Jack Deere. Ademais, se pensam serem casos isolados, deixemos que Spurgeon mesmo ressalte:

Eu poderia falar de muitos, uma dúzia de casos semelhantes em que apontei para alguém no corredor, sem ter o menor conhecimento da pessoa, ou qualquer ideia de que o que eu disse estava certo, exceto que eu acreditava que era movido pelo Espírito para dizer isso; e tão marcante tem sido a minha descrição, que as pessoas foram embora, dizendo a seus amigos, ‘Venham ver um homem que me disse tudo quanto eu tenho feito; não tenho dúvida, ele deve ter sido enviado por Deus à minha alma, senão ele não poderia me descrever exatamente assim’. E não somente isso, mas eu tenho conhecido muitos casos em que os pensamentos dos homens foram revelados a partir do púlpito. Tenho visto algumas vezes pessoas cutucarem seus vizinhos com o cotovelo, porque tinham sido vividamente impactadas, e elas cochichavam entre si quando estavam saindo: ‘O pregador disse-nos exatamente o que dissemos um ao outro quando estávamos na porta’”.

Conclusão

Sim, Spurgeon não era só um expositor das Escrituras. Ele era também um profeta de Deus ao modo do Novo Testamento: falível e passível do julgamento da igreja. Mas era um profeta. Como dezenas de outros que o antecederam desde os dias da Reforma Protestante (John Knox, Samuel Rutherford, John Welch, Alexander Peden, e muitos outros) e como milhares que o sucederam após os grandes avivamentos espirituais do início do século 20. O Espírito ainda é o mesmo!

“Filhos e filhas profetizarão” (Joel 2.28)

Referências

Charles Spurgeon. The Autobriography of Charles H. Spurgeon, vol. 2 (Curts & Jennings, 1898), p. 226-227

Martin Lloyd-Jones. O comportamento cristão, exposição sobre o cap. 12 de Romanos, PES, pp. 279-283,

Samuel Storms. Dons Espirituais, pp. 104,109, Anno Domini

Wayne Grudem. O dom de profecia no Novo Testamento e hoje, Carisma, pp. 252-261

Casado, bacharel em teologia (Livre), evangelista da igreja Assembleia de Deus em Campina Grande-PB, administrador da página EBD Inteligente no Facebook e autor de quatro livros: A Mensagem da cruz: o amor que nos redimiu da ira (2016), Biblifique-se: formando uma geração da Palavra (2018), Reflexões contundentes sobre Escola Bíblica Dominical (versão e-book, 2019), e Poder, poder pentecostal: reafirmando nossa doutrina e experiência, à luz das Escrituras Sagradas (lançamento previsto para final de 2019).

Categorias
Cultos

Pare de tentar conquistar o amor do Espírito Santo, diz filha de Billy Graham

Anne Graham Lotz é escritora e evangelista. (Foto: Facebook/Anne Graham Lotz)Anne Graham Lotz é escritora e evangelista. (Foto: Facebook/Anne Graham Lotz)

“O que você sabe sobre aquele que Jesus prometeu que pediria ao Pai para nos dar, na Sua ausência? Quanto você sabe sobre o Espírito Santo?”.

A pergunta um tanto inusitada foi feita pela escritora e evangelista Anne Graham Lotz, filha do falecido pastor Billy Graham, em um artigo recente para o site Charisma News. O texto teve como passagem bíblica central, o livro de João, capítulo 14, versículos 16-17.

Anne Graham explicou que seu questionamento se deu, justamente porque ela não aprendeu sobre o Espírito Santo logo que se converteu.

“Quando me entreguei a Jesus como meu Salvador, presumi que o Espírito Santo havia sido ‘designado’ para mim. Eu pensei que Ele tinha entrado na minha vida porque não tinha opção. A minha vida agora era Seu ‘trabalho’, Sua responsabilidade”, confessou.

“Minha visão sobre Ele era estritamente profissional, um defensor perfeccionista de detalhes e alguém que me manteria na linha até que um dia Ele me apresentasse ao Pai e dissesse algo como: ‘Aqui está ela… Eu fiz o Meu melhor para trabalhar com o que eu tinha’. Esse equívoco prejudicial poderia ter me levado a viver uma mentira, como eu teria tentado impressioná-lo. Eu poderia ter me queimado tentando conquistar Seu amor”, acrescentou ela.

A evangelista continuou seu testemunho pessoal, relatando que ao ler a Bíblia, passou a refletir sobre a relação dela com o Espírito Santo.

“Um dia, enquanto lia minha Bíblia, fui tomado pelo seguinte: ‘Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção’ (Ef 4:30, NVI). Embora eu entenda que as Escrituras estão nos alertando para não pecar intencionalmente, intencionalmente, a palavra ‘entristecer’ pegou e prendeu minha atenção”, afirmou.

“Eu refleti sobre a tristeza em minha própria vida e sabia que tinha experimentado essa emoção apenas quando eu me importava profundamente com alguém ou alguma coisa. Eu sofri quando minha mãe foi para o céu. Fiquei triste quando meu marido a seguiu até lá oito anos depois. Eu sofri quando meu pai se juntou a ambos. E percebi que ‘tristeza’ é uma palavra de amor. Eu sofro porque amo minha mãe, meu marido e meu pai”, destacou.

Anne Graham explicou que esta nova percepção foi essencial para perceber que o Espírito Santo tem uma relação de amor com os filhos de Deus e não apenas algo “profissional”, como ela pensava logo após sua conversão.

“Essa percepção iluminou meu pensamento quando percebi que, se posso entristecer o Espírito Santo, é porque Ele me ama. O Espírito Santo me ama! Esse foi um pensamento profundo e revolucionário. Ele não é apenas um parceiro profissional. Ele não é apenas designado para mim. Ele não vive dentro de mim porque tem ‘obrigação’ de fazer isso. Ele vive dentro de mim porque quer isso. Ele se preocupa profundamente com o que eu faço e com quem eu me torno”, ressaltou.

“Ele não só está espiritual e praticamente envolvido em minha vida, mas também está emocionalmente envolvido em quem eu sou e quem eu devo ser. Que diferença essa simples verdade fez na minha perspectiva! Eu posso ser eu mesma com o Espírito Santo. Eu não tenho que estar ‘ligada’. Eu posso relaxar e ser transparente com Ele. Eu posso confiar Nele completamente porque Ele realmente me ama!”, acrescentou.

A evangelista caminhou para a conclusão de seu artigo, lembrando que não há motivos para os filhos de Deus conquistarem o amor do Espírito Santo ou tentarem impressioná-lo. Esse amor já existe, já está sobre aqueles que entregaram suas vidas a Cristo e é essa relação que precisa ser cada vez mais próxima.

“O Espírito Santo te ama também! Ele se importa profundamente com o que você se importa, porque Ele se importa com você (veja 1 Pe 5: 7). Não importa o quão pequena ou grande seja a sua preocupação. Ele se importa. Ele te entende. Ele quer o que é melhor para você. Ele deseja que você cumpra o seu propósito dado por Deus”, disse.

“Ele quer aliviar seu fardo, resolver seu problema, confortar seu coração partido, curar suas feridas, ajudar você a passar pelo do vale da sombra, lhe cobrir de bênçãos e bênçãos. E sim, Ele quer te fazer santo, porque Ele te ama! Ele irá fazer com que todas as coisas cooperem para o seu bem (veja Romanos 8:28). Então relaxe. Pare de tentar impressioná-lo. Pare de trabalhar tão duro para ganhar o Seu amor. Seja aberto, honesto e transparente. Viva com a confiança de que você é profundamente, incondicionalmente, permanentemente amado por Ele”, finalizou.

Fonte: Guia-me com informações de Charisma News