Categorias
Noticias

Eleitores americanos vetam leis islâmicas em decisão judicial

 

PROIBÍDO CONSULTAR A SHARIA NOS EUA

Com mais da metade dos votos, os eleitores de Oklahoma aprovaram uma emenda que proíbe os juízes estaduais do estado de consultar a lei islâmica para decidir casos.

A Pergunta Estado Referendo 755, pedindo que os residentes de Oklahoma alterem o 7º artigo da Constituição do Estado de proibir os tribunais do estado de usarem ou mesmo considerarem a lei da Sharia quando se pronuncia um processo judicial, passou com 70 por cento dos votos, segundo assessores.

O ex-deputado republicano Duncan Rex, o defensor do referendo, elogiou aprovação da emenda como um ataque preventivo contra o que ele chama de "juízes ativistas."

Duncan acredita que os tribunais americanos estão cada vez mais consultando a Sharia para decidir questões relativas à comunidade muçulmana dos EUA. O recém-eleito procurador distrital chama essa prática de "grosseiramente inadequada."

"Eu acho que o benefício deste referendo será sentido em outros estados afogando-se em juízes liberais," disse Duncan.

Professor de Leis da Universidade de Fordham, Jim Cohen, disse à ABC News que ele acredita que o Estado está ultrapassando seus limites.

"Nosso sistema federal e estadual [estão] em parte regulado pelo conceito de separação de poderes. Está longe de ser claro que o legislador de Oklahoma possa restringir o que um ramo separado do governo pode considerar em termos de fazer o seu trabalho," disse ele.

Ele disse à ABC que referências à lei da Sharia em questões legais são "raras."

Outros temem que, mesmo a menor confiança na lei islâmica pode abrir a porta para os tribunais da Sharia e prática na América.

Paul Estabrooks, especialista sênior em comunicação do grupo de vigilância da perseguição cristã Open Doors, concorda que a lei da Sharia, uma vez introduzida, irá levar aos humanos verdadeiros desafios.

"É uma espécie de velho ditado que uma vez que o camelo fica com a cabeça dentro da tenda, não vai demorar muito para que ele esteja completamente lá dentro. Muitas pessoas temem isso,” disse ele.

Estabrooks salientou que a sharia permite o tratamento desproporcional de mulheres e de perseguição religiosa.

"Uma das implicações da lei da Sharia é que quando alguém abandona a fé do Islã, torna-se apóstata e é punível com a morte pela lei islâmica," afirmou.

Dr. Bill Wagner, autor de Como o Islã Planeja Mudar o Mundo (How Islam Plans to Change the World), diz que a Sharia, que significa caminho ou o caminho para o charco no deserto, é visto pelos Muçulmanos como uma forma dedicada utópica da vida.

"Muçulmanos devotos sentem que é seu dever viver sob este sistema. Eles são autorizados a viver sob outros sistemas, se eles são uma minoria. Mas [eles] devem tentar instituir a Sharia para si o mais rapidamente possível," explicou Wagner.

Ainda assim, ambos Wagner e Estabrooks acreditam que a alteração é prematura.

"Em Oklahoma não há perigo de uma tentativa de trazer a Lei Sharia para os próximos anos, mas sinto que quando os Muçulmanos obtenham uma maioria em algumas áreas, se tornará um grande problema," disse Wagner.

Se Sharia se torna uma questão importante, diz Wagner, os Cristãos devem estar preparados para tomar uma posição.

Data: 5/11/2010 09:12:57
Fonte: Christian Post

Categorias
Noticias

Islamismo: Batalha Legal de convertida termina após 18 anos

 

Um juiz de Ohio (EUA) divulgou o aniversário de 18 anos de uma adolescente fugitiva cristã sob custódia do estado, na terça-feira, efetivamente, pondo fim a uma batalha legal entre ela e seus pais Muçulmanos.

Desde agosto do ano passado, os pais de Rifqa Bary têm lutado para recuperar a custódia de sua filha depois que ela fugiu de casa com medo de que sua conversão ao Cristianismo custasse, então, a sua vida de 17 anos de idade.

Bary alegou que seu pai lhe disse: "Se você tem este Jesus em seu coração, você está morta para mim!" e também algum tempo depois, "Eu vou te matar!"

O advogado de Rifqa também apresentou os documentos do tribunal acusando a mesquita que seus pais assistem, o Centro Cultural Islâmico Noor, no subúrbio de Columbus, Ohio, de ter ligações com militantes extremistas.

O advogado de Rifqa disseram ao juiz que, mesmo se sua família não a prejudique, Bary estaria em perigo pelos membros da mesquita.

No Sri Lanka, onde a família Bary tinha emigrado, e em muitas sociedades Muçulmanas, as mulheres que se afastam da educação cultural estrita são, frequentemente, acusadas de trazer a desonra à família e são expulsas ou mesmo mortas.

O pai de Bary, Mohamed Bary, no entanto, negou veementemente de haver ameaçado matar sua filha por converter-se ao Cristianismo e acusa os pastores com quem ela ficou na Florida, de fazerem "lavagem cerebral" em sua filha, acreditando que ela estivesse em perigo de um crime de honra."

Desde que a batalha legal começou, Bary foi viver em lares adotivos – o primeiro na Flórida e, posteriormente, em Ohio, onde os juízes de ambos os estados, eventualmente, concordaram na jurisdição no caso de custódia.

Agora que ela tem 18 anos, Bary é livre para viver onde quiser.

Mas Bary ainda enfrenta possível deportação para seu país natal, o Sri Lanka, por causa de seu status de imigração ilegal. A adolescente de Ohio está, atualmente, tentando obter o status de imigração especial.

Bary se recusou a falar com a imprensa após a curta audiência, terça-feira, quando o Magistrado Mary Goodrich do Tribunal Juvenil do Condado de Franklin terminou a participação da agência de serviços das crianças do condado.

Data: 13/8/2010 08:53:59
Fonte: Christian Post

Categorias
Noticias

Cristão muçulmano é obrigado a vender rim para pagar empréstimo

image Um cristão paquistanês que recebia salários muito baixos disse que seu patrão muçulmano o forçou a vender seu rim para pagar um empréstimo feito com juros exorbitantes aplicados a não muçulmanos.
John Gill, operador de máquinas na indústria Shah Plastic, na área de Youhanabad, Lahore, disse que pegou um empréstimo de 150.000 rúpias (US$ 1.766) – com juros  de 400% – com seu chefe, Ghulam Mustafa, em 2007, para poder mandar sua filha de 17 anos para a faculdade.

     “Eu pagava as parcelas todos os meses, descontadas do meu salário, mas após três anos, cansei de pagar o juros absurdo”, conta Gill.
O empregador negou ter recebido o pagamento das parcelas, apesar de Gill afirmar que tem os recibos.
Mustafa confirmou que invadiu a casa de Gill na semana passada, após dar ao cristão mais três semanas para pagar o restante do empréstimo. Então, no dia 6 de maio, Mustafa foi até a casa de Gill, acompanhado de cinco homens armados, e o levou até o hospital Ganga Ram, onde o forçaram a vender seu rim, contra a sua vontade.
“Eles venderam o meu rim e disseram que no próximo mês voltariam para buscar o restante do dinheiro’, diz Gill.
O valor do rim foi estimado em 200.000 rúpias (US$ 2.380), no entanto, Gill continua com uma divída de 250.000 rúpias (US$ 2.976), por causa dos juros. Em casa, recuperando-se da cirurgia, Gill não sabia que teria que pagar o resto da dívida.
Mustafa disse que Gill ainda devia os 400% de juros no empréstimo.
“Eu cobro apenas 50% de juros dos meus funcionários muçulmanos”, diz ele, mas afirma que se recusa a aceitar menos de 400% de juros de qualquer não muçulmano.
      Venda de rins
Não houve nenhuma confirmação do hospital Ganga Ram. No entanto, grupos de direitos humanos já denunciaram que centenas de estrangeiros vão ao Paquistão todos os anos para comprar rins de doadores vivos e pobres.
A insuficiência renal está se tornando comum em países ricos, normalmente causada por obesidade e hipertensão, e isso faz aumentar o mercado negro de tráfico de órgãos, que explora doadores necessitados como Gill.
Gill está tentando entrar em contato com grupos de ajuda cristãos locais para ajudá-lo a se recuperar e superar sua dificuldades financeiras e espirituais.

Fonte: Compass Direct

06-06-16 013

Rev. Ângelo Medrado, Bacharel em Teologia, Doutor em Novo Testamento, referendado pela International Ministry Of Restoration-USA e Multiuniversidade Cristocêntrica é presidente do site Primeira Igreja Virtual do Brasil e da Igreja Batista da Restauração de Vidas em Brasília DF., ex-maçon, autor de diversos livros entre eles: Maçonaria e Cristianismo, O cristão e a Maçonaria,A Religião do antiCristo, Vendas alto nível, com análise transacional e Comportamento Gerencial.