Categorias
Muçulmanos

Jornalista diz que general iraniano torturava crianças: “Pior do que poderia imaginar”

Qasem Soleimani liderava cerca de 15 mil homens na força Quds do Irã.

Por- – Gospelprime 

O general iraniano Qasem Soleimani, morto em um ataque dos Estados Unidos, seria responsável por espalhar terror no Oriente Médio, sendo responsável até mesmo por promover tortura contra crianças.

Segundo relato de Dan Andros, editor-chefe do site Faith Wire, em 2015 esteve frente a frente com o terror causado pelo chefe do serviço secreto iraniano e um dos principais nomes do regime islâmico.

Ele conta que durante visita ao Iraque, com o objetivo de cobrir o mal causado pelo Estado Islâmico naquele país, presenciou situações difíceis enfrentadas por vítimas do terror.

Durante a passarem pelo país, Andros afirma ter conhecido uma família, em um campo de refugiados, que havia sido vítima de milícias xiitas iranianas, as mesmas comandadas por Qassem Soleimani.

O chefe daquela família relatou que seu filho foi torturado e teve as pernas perfuradas como forma de ameaça. A criança estava deitada em uma maca e com sinais de trauma.

Ao relatar o que a criança havia sofrido, o pai afirmou que ele ainda tinha pesadelos diários, além de muitas vezes defecar e urinar por causa do medo causado pelas milícias.

“Ouvir os detalhes de uma violência tão horrível e ver os resultados dela pessoalmente foi difícil o suficiente para passar. Só podemos imaginar como era realmente vivê-lo”, disse Dan.

Qasem Soleimani estava encarregado de cerca de 15.000 homens na força Quds do Irã, responsável principalmente pelas operações “militares” que ocorrem fora do país.

Categorias
Muçulmanos

O que é um infiel para um muçulmano?

Como a França (tão liberal e pioneira em criação de valores) está passando por uma fase de “muçulmanização” nos hábitos e na leis, na última década, um advogado francês chamado Gilbert Collard resolveu se manifestar.

Vale a pena ler porque o mundo ocidental corre o mesmo risco.
_________
Como demonstram as linhas que se seguem, fui obrigado a tomar consciência da extrema dificuldade em definir o que é um infiel, para poder escolher entre Alá ou o Cristo, até porque o Islamismo é de longe a religião que progride mais depressa no nosso país. No mês passado eu participei de um estágio anual de atualização, necessária para renovação da minha habilitação de segurança nas prisões. Nesse estágio houve uma apresentação por parte de quatro palestrantes, representando respectivamente as religiões Católica, Protestante, Judaica e Muçulmana, explicando os fundamentos das suas doutrinas respectivas. Foi com um grande interesse que esperei a exposição do Imã.

A apresentação deste ultimo foi notável, acompanhada por uma projeção em vídeo.

Terminadas as intervenções, chegou-se ao tempo de perguntas e respostas, e quando chegou a minha vez, perguntei:
– “Agradeço que me corrija se eu estiver enganado, mas creio ter compreendido que a maioria dos Imãs e autoridades religiosas decretaram o “Jihad” (guerra santa), contra os infiéis do mundo inteiro, e que matando um infiel (o que é uma obrigação imposta a todos os muçulmanos), estes teriam assegurado o seu lugar no Paraíso. Neste caso poderá dar-me a definição do que é um infiel?”

Sem objetar à minha interpelação e sem a menor hesitação, o Imã respondeu:
– “Infiel é todo não muçulmano”.

Eu respondi:
– “Então permita-me assegurar se compreendi bem; os adoradores de Alá devem obedecer às ordens de matar qualquer pessoa não pertencente à vossa religião, a fim de ganhar o seu lugar no Paraíso, não é verdade ?

A sua cara, que até então tinha tido uma expressão cheia de segurança e autoridade, transformou-se subitamente na de um menino, apanhado em flagrante com a mão dentro do açucareiro!!!

– “É exato”, respondeu ele num murmúrio.

Eu retorqui:
– “Então, eu confesso ter bastante dificuldade em imaginar o Papa dizendo para os católicos que massacrem todos os vossos correligionários, ou o Pastor Stanley dizendo o mesmo para garantir a todos os protestantes um lugar no Paraíso.”

O Imã ficou sem voz !

Continuei:
– “Tenho igualmente dificuldades em me considerar vosso amigo, pois que o senhor mesmo e os vossos confrades incitam os vossos fiéis a cortarem-me a garganta !”

Além disso, me aflige uma outra questão:
– “O senhor escolheria seguir Alá que vos ordena matar-me a fim de obter o Paraíso, ou o Cristo que me incita a amar-vos a fim de que eu aceda também ao Paraíso, porque Ele quer que eu esteja na vossa companhia?”

Nessa hora, dava para ouvir uma mosca voar, enquanto que o Imã continuava silencioso.

Será inútil afirmar que os organizadores e promotores do Seminário de Formação não apreciaram particularmente esta maneira de tratar o Ministro do culto Islâmico e de expor algumas verdades a propósito dos dogmas desta religião.

No decurso dos próximos trinta anos, haverá suficientes eleitores muçulmanos no nosso país para instalar um governo de sua escolha, com a aplicação da “Sharia” como lei.

Parece-me que todos os cidadãos deste país e do mundo deveriam poder tomar conhecimento destas linhas, mas como o sistema de justiça e das “mídias” liberais combinados com a moda doentia do “politicamente correto”, não permitirão de forma nenhuma que este texto seja publicado de forma intensiva.

É por isto que eu vos peço para enviar a todos os seus contatos via Internet.

Obrigado,
Gilbert Collard
Cristão, Cidadão Francês e Advogado.

Categorias
Noticias

Nova série da Netflix, “Messiah” revolta muçulmanos

A primeira temporada de
A primeira temporada de “Messiah” chegou à Netflix em 1º de janeiro de 2020.

A Comissão Real do Cinema da Jordânia pediu à Netflix que proíba a série dramática “Messiah”, produzida pelo casal cristão de Hollywood Mark Burnett e Roma Downey, no país predominantemente muçulmano, alegando que o “conteúdo da série pode ser amplamente percebido ou interpretado como uma violação da santidade da religião. ”

Ontem, 1º de janeiro, a Netflix lançou “Messiah”, uma série de 10 episódios com a atriz Michelle Monaghan como agente da CIA investigando a aparência do homem misterioso Al-Masih (Mehdi Dehbi) realizando milagres e reunindo seguidores depois de afirmar que foram enviados à Terra por um ser superior.

A série do criador Michael Petroni, roteirista de “As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada” e co-criadora do drama espiritual da ABC “Miracles”, analisa a pergunta: “Ele é uma entidade divina ou um vigarista perigoso? “

A série foi parcialmente rodado na Jordânia, com o apoio da Royal Film Commission da Jordânia, de acordo com o Independent . A RFC revisou uma sinopse da série antes de aprovar as filmagens e até concedeu aos cineastas uma isenção de impostos.

No entanto, na segunda-feira, a RFC divulgou um comunicado pedindo que a Netflix se abstivesse de transmitir a série no país predominantemente muçulmano. Noventa e cinco por cento da população da Jordânia segue o islamismo sunita, enquanto uma pequena minoria segue os ramos xiitas.

“A história é puramente fictícia e os personagens também, mas a RFC considera que o conteúdo da série pode ser percebido ou interpretado em grande parte como uma violação da santidade da religião, possivelmente violando as leis do país”, afirmou a RFC.

“Ainda mantendo firmemente seus princípios, notavelmente o respeito à liberdade criativa, a RFC – como instituição pública e responsável – não pode tolerar ou ignorar mensagens que infringem as leis básicas do Reino.”

Um porta-voz da Netflix indicou que não recebeu um pedido legal formal para remover a série. A Netflix afirmou que “Messiah” é uma “obra de ficção”, “que não se baseia em nenhum personagem, figura ou religião”.

“Todos os programas da Netflix apresentam classificações e informações para ajudar os membros a tomar suas próprias decisões sobre o que é certo para eles e suas famílias”, disse a empresa, segundo o Deadline.

Esta não é a primeira vez que o “Messiah” provocou polêmica. Mais de 4.000 pessoas assinaram uma petição para proibir a série, alegando que ela é “propaganda maligna e anti-islâmica” que “lentamente transformará corações”.

“Podemos realmente permitir que nosso dinheiro seja usado na produção de conteúdo maligno como esse?” a petição pergunta.

O primeiro trailer de “Messiah”, lançado no início deste mês, também provocou a ira de alguns espectadores muçulmanos, que observaram que Al-Masih ad-Dajjal é uma figura enganosa na escatologia islâmica comparável ao anticristo.

Apesar da controvérsia, Petroni disse a Patheos que vê o programa como um ponto de partida para pessoas de várias origens.

“É uma conquista no programa que ele realmente não prega”, disse ele. “Na verdade, apenas apresenta as coisas e coloca a questão no colo dos espectadores, o que eu acho que é a melhor maneira de iniciar uma discussão sobre coisas como sistemas de crenças e fé. Não é um tipo individual de experiência. Eu acho que é uma experiência que você assiste e depois discute. ”

A série é produzida por Burnett e Downey, um dos principais casais de Hollywood, criando produções familiares e baseadas na fé e auto-descritas como “os cristãos mais barulhentos de Hollywood”.

O casal por trás da minissérie indicada ao Emmy “A Bíblia”, que foi assistida por mais de 100 milhões de pessoas nos Estados Unidos, disse anteriormente que “Messiah” vai “mudar tudo”.

“‘Messiah’ é uma série que fará o público fazer grandes perguntas. E se alguém aparecesse em 2018 em meio a ocorrências estranhas e fosse considerado o Messias? O que a sociedade faria? Como a mídia o cobriria? Milhões simplesmente desistiriam do trabalho? Os governos poderiam entrar em colapso?”, o casal pediu aos espectadores que considerassem a frente da série.

Folha Gospel com informações de The Christian Post