Categorias
Cultos

PALESTINO PRESO POR SUPOSTAMENTE FRATURAR CRÂNIO DE BEBÊ DE 11 MESES

Atualmente, a criança recebe respiração artificial no hospital.
POR HAGAY HACOHEN
Palestino preso por supostamente fraturar crânio de bebê de 11 meses


Boneca abandonada, sentado sobre um piso de concreto. (crédito da foto: INGIMAGE)

Uma criança de 11 meses foi levada às pressas para o Soroka Medical Center, no Negev, na noite de segunda-feira, e teria sofrido uma fratura no crânio após sofrer um abuso extremo de criança , informou na terça-feira Maariv , a publicação irmã do The Jerusalem Post .

A criança foi levada às pressas para o Centro Médico da Universidade Soroka, em Berseba, na noite de segunda-feira, onde está recebendo respiração artificial.

Um morador palestino da Cisjordânia, que supostamente abusou do bebê, ficou preso por seis dias. O pai do bebê foi interrogado pela polícia e depois libertado.

A mãe alegou que confiou um amigo a um amigo e foi a uma reunião de família. Ela então recebeu uma ligação da amiga que pediu que ela voltasse para casa porque a criança estava doente. Quando a mãe voltou para casa, ligou para os serviços de emergência.

O palestino deixou o apartamento antes que a mãe voltasse e tentasse fugir da cidade. Ele foi preso em Plugot Junction, perto de Kiryat Gat. Atualmente, a mãe está presa por suspeita de negligência.

O Conselho Nacional para a Criança de Israel, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos da criança, divulgou nesta terça-feira um comunicado dizendo que “há muitas crianças que passam pelo inferno em suas casas ou arredores imediatos”.

A ONG acrescentou que 20% das crianças em Israel sofrem abusos e que uma maneira de combater esse desafio seria voltar à política de visitas domiciliares, como antes era a política.
O conselho informou que o número de crianças em risco dobrou desde 2000 e ficou em aproximadamente 344.000 em 2017.

Categorias
Cultos

Mais de 200 mil muçulmanos oram em Jerusalém, e ataques ferem israelenses

  
Muçulmanos se reúnem para a última grande oração de sexta-feira do Ramadã na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém OrientalMuçulmanos se reúnem para a última grande oração de sexta-feira do Ramadã na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental

Mais de 200 mil fiéis foram ao terceiro lugar santo do Islã para a última grande oração de sexta-feira do Ramadã, em Jerusalém Oriental, sob um forte esquema de segurança de Israel, após um ataque palestino que deixou dois feridos israelenses.

Cerca de 260 mil muçulmanos se posicionaram em fileiras na Esplanada das Mesquitas na Cidade Velha, afirmou Azzam al Yatib, diretor-geral da Waqf, fundação que administra o lugar.

Mais cedo, um ataque com arma branca levou a polícia israelense a fechar provisoriamente alguns acessos à Cidade Velha, fazendo temer um aumento das tensões em torno de onde estão erguidos o Domo da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa.

A oração transcorreu sem mais incidentes para além das dezenas de pessoas atendidas nas barracas do Crescente Vermelho por desidratação, ou mal-estar, devido a uma temperatura de mais de 30ºC. Não há lugares para se proteger do forte sol.

O fluxo de fiéis teria sido ainda maior se não fosse o reforço do controle israelense, após o ataque, completou Azzam al Yatib.

Ataques

No incidente registrado mais cedo, um palestino de 19 anos esfaqueou e feriu gravemente dois israelenses perto das duas portas da Cidade Velha – a de Damasco (que leva à zona leste) e a de Jaffa (que leva ao lado judaico). Ele foi morto pela polícia.

“As unidades da polícia que seguiram para o local detectaram o agressor, que estava com uma faca. Os policiais abriram fogo e o mataram”, disse o porta-voz da força de segurança, Micky Rosenfeld.

Uma das vítimas é um jovem de 16 anos, atingido na saída de uma sinagoga, e o outro, um homem de 47 anos. Depois de chegar em estado crítico ao hospital Shaare Tzedek, o quadro deste último foi estabilizado.

Também nesta sexta-feira, um adolescente palestino morreu em uma operação de soldados israelenses nas proximidades de Belém, na Cisjordânia, informou o Ministério palestino da Saúde no território, ocupado pelo Exército israelense.

De acordo com a imprensa palestina, o jovem pretendia atravessar a barreira israelense para viajar a Jerusalém para a oração da última sexta-feira do Ramadã. A polícia israelense se limitou a indicar que abriu fogo contra um palestino que tentava cruzar a barreira.

A polícia também prendeu outro jovem, armado com uma faca, perto do Túmulo dos Patriarcas em Hebron, na Cisjordânia ocupada.

Por pura coincidência, nesta sexta-feira também é celebrada a Laylat Al Qadr, ou Noite do Destino, um dia de muitas festividades para a comunidade muçulmana.

Os festejos acontecem dois dias antes de uma grande manifestação, no domingo, pelo Dia de Jerusalém, que marca para os israelenses a “reunificação” da cidade após a tomada da parte leste durante a guerra dos Seis Dias (1967).

‘Indivisível’

A passeata, que passa pelo bairro muçulmano, provoca grande tensão todos os anos.

A Cidade Velha fica em Jerusalém Oriental, parte palestina da cidade anexada por Israel. Para a ONU, a anexação foi ilegal, e a organização considera Jerusalém Oriental um território ocupado.

Nos últimos anos, foi cenário de vários ataques com arma branca cometidos por palestinos contra israelenses.

Os palestinos reivindicam esta parte da cidade como a capital do Estado a que aspiram. Israel proclama, porém, que toda Jerusalém é sua capital “reunificada” e “indivisível”.

Jerusalém é uma fonte recorrente de tensão no conflito entre israelense e palestinos. O processo diplomático está paralisado há vários anos.

O governo americano de Donald Trump tenta mediar a situação, mas aumentou a ira dos palestinos com uma série de medidas pró-Israel. Entre elas, está o reconhecimento de Jerusalém como capital do Estado hebreu, rompendo décadas de consenso internacional.

Fonte: AFP

Categorias
Cultos

Cristão foi queimado vivo por três vezes, mas não morreu: “Jesus falou comigo”

O relato impressionante faz parte de um documentário que será lançado pela Bethel Music em Los Angeles
Cristão iraquiano. (Foto: Reprodução / Youtube)

Um documentário produzido pelo cantor Sean Feucht, da Bethel Music, mostrará a história de um cristão iraquiano da etnia Yazidi que foi queimado vivo três vezes pelos terroristas do Estado Islâmico, mas conseguiu sobreviver.

O testemunho chocante foi noticiado pela Fox News, com trechos do depoimento dado pelo homem – que por razões de segurança não teve o nome revelado – onde ele fala da sua fé e dos perigos que correu.

O cantor revelou que os yazidis eram alvos de ódio dos terroristas. “Eles foram realmente alvos do genocídio do ISIS… foram estuprados, espancados, executados. O ISIS não queria aprisioná-los, eles só queriam matá-los, limpá-los do mapa”, revelou Feucht.

O relato do homem é impressionante, ele conta que antes de ser queimado pela primeira vez, teve dois sonhos com Jesus. “Ele falou comigo”, contou o iraquiano. No primeiro ataque o fogo nem ardeu em seu corpo, mesmo assim ele ficou preso e foi torturado por dois meses.

Na segunda vez o drogaram e encharcaram seu corpo com 20 galões de gasolina. “Eles me queimaram, mas eu não queimei”, disse o homem que afirma ter sido salvo por Jesus que ele conseguiu sobreviver a um ataque tão violento e mortal.

O documentário chamado de “Hearts and Hands: Iraq”, será lançado durante a conferência “Heaven Come”, em Los Angeles, mostrando a vida de cristãos perseguidos ao redor do mundo.

Nos últimos 15 anos, o líder de adoração da Bethel Music foi para a Coréia do Norte, Índia, Afeganistão … “alguns dos países mais fechados e lugares onde é ilegal ser cristão”. Muitas histórias foram coletadas e farão parte desse documentário.