Filipinas inclui Conselho Nacional de Igrejas na lista de grupos terroristas

Conselho Nacional de Igrejas das Filipinas é considerado grupo terrorista
Conselho Nacional de Igrejas das Filipinas é considerado grupo terrorista

O Departamento de Defesa Nacional das Filipinas (DND) incluiu o Conselho Nacional de Igrejas nas Filipinas (NCCP) na lista de “organizações de frente de grupos terroristas comunistas locais”.

Além do NCCP, várias organizações humanitárias foram colocadas nessa lista apresentada pelo major-general Reuben Basiao, vice-chefe do Estado-Maior da Inteligência das Forças Armadas das Filipinas, em 5 de novembro.

Em uma declaração, o NCCP ” desacredita a inclusão infundada de seu nome na lista […] e pede respeitosamente ao governo que reveja e revise seriamente as acusações e se envolva na construção da paz”.

“Reconhecemos a clara ameaça que agora é apresentada aos funcionários do NCCP, igrejas membros, membros associados e outros parceiros ecumênicos”, disseram eles em uma carta que o NCCP enviou a seus parceiros na semana passada.

O NCCP também alertou que “a marcação em vermelho atrasará, ou até impedirá, a entrega de serviços tão necessários às comunidades marginalizadas em meio a desastres. Em uma escala maior, isso reduzirá ainda mais o espaço civil já limitado”.

Em junho de 2019, o governo filipino rejeitou o pedido das Nações Unidas de uma investigação sobre violações dos direitos humanos pelas políticas do governo contra o tráfico de drogas, argumentando que era uma “interferência”.

Segundo dados oficiais, 5.300 suspeitos foram mortos pela polícia desde 2016. Mas, de acordo com os defensores dos direitos humanos, o número seria três vezes maior.

O NCCP explicou na carta aos seus parceiros que “nos últimos dias, testemunhamos ataques contra organizações da sociedade civil que são críticas às políticas e programas do governo. Houve ataques, prisões ilegais e difamação. Antes disso, é claro, houve até assassinatos de ativistas e defensores dos direitos humanos”.

“O NCCP considera essas medidas como tentativas desesperadas das autoridades de criminalizar dissidências e armar a lei contra o povo”, afirmou.

A ação do governo foi amplamente condenada por vários líderes cristãos internacionais .

O Rev. Olav Fyse Tveit, Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas , disse que “o uso de etiquetas vermelhas dá luz verde ao assédio e ataques mortais das forças de segurança e milícias contra os listados”.

Declarações semelhantes foram divulgadas pela Conferência Cristã da Ásia, pela Aliança Ação das Igrejas Juntas, pela Christian Aid e pela Igreja Evangélica Luterana no norte da Alemanha, entre outras.

Fundado em 1963, o NCCP é uma federação ecumênica de igrejas de denominações católicas não romanas.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.