Categorias
Estudos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Cristãos podem ter atração sexual sem que se torne luxúria: conselheiros cristãos

Unsplash / Travis Grossen

Os cristãos podem ter atração sexual sem que isso seja luxúria, de acordo com um par de conselheiros cristãos especializados em casamento e família.

O podcast “The Table” do Seminário Teológico de Dallas teve um episódio publicado no YouTube na semana passada intitulado ” Uma abordagem saudável para a atração sexual “.

A entrevista de especialistas do anfitrião Bill Hendricks incluiu Debby Wade, uma conselheira profissional licenciada especializada em casamento, família e dependência de sexo; e Gary Barnes, ministro ordenado e psicólogo licenciado, especializado em casamento e assuntos familiares.

Wade discordou da crença de que atração sexual e luxúria eram a mesma coisa, com ela explicando que luxúria envolve “objetivar” e “apenas ver um nível de uma pessoa”.

“Acho que a atração sexual é muito mais profunda e abrange muitas coisas”, disse Wade. “Da maneira que Deus nos projetou fisiologicamente, temos essa reação química e a química que podemos experimentar com os outros.”

“E nós sabemos que há uma atração por lá. Mas não queremos apenas basear um relacionamento nessa atração. ”

Wade acrescentou que a atração envolve um sentimento de longo prazo, usando o exemplo hipotético de um casal que está junto há 60 anos ou mais.

“Eles foram atraídos um pelo outro fisicamente. E embora o corpo deles tenha mudado fisicamente, por causa da intimidade, havendo uma atração e um conhecimento mais profundo, eles ainda diriam que, de todas as mudanças no corpo, nas rugas e tudo mais: ‘Estamos tão atraídos um pelo outro agora quanto há 60 anos ‘”, continuou ela.

Barnes também notou um contraste entre atração e luxúria, definindo luxúria como “objetivando a auto-satisfação”, enquanto a atração seria “contemplar a beleza” e “poderoso”.

“É poderoso de propósito. E poderia ser usado para fins construtivos ou destrutivos. Mas não é ho-hum. E essa é realmente a coisa boa da idéia de sexualidade de Deus é que não deveria ser ho-hum ”, disse Barnes .

Barnes também falou sobre o que ele descreveu como a “ladeira escorregadia da sexualidade”, que envolvia os extremos de “demonizar a sexualidade” de um lado e “deificar a sexualidade” do outro.

“Agora, no topo, a ladeira escorregadia que tendemos a deslizar para um lado ou para o outro é a sexualidade sagrada. E esse é o chamado de Deus para elevarmos ”, explicou.

“O que Deus nos deu é um presente que Ele deseja que elevemos. E o objetivo, novamente, é nos levar além da fisicalidade da sexualidade, embora a fisicalidade seja necessária para o desenho. E é para isso que a atração contribui. É uma parte poderosa do desenho. Mas não podemos deixar que isso nos puxe para os dois lados da ladeira escorregadia.

Para ajudar a elevar uma atração sexual saudável, Wade disse que é importante começar com “um coração de gratidão”.

“Uma gratidão que Deus escolheu para nos tornar como seres sexuais, uma gratidão que Deus escolheu para tornar homens e mulheres, que Deus escolheu, em Sua maneira criativa, nos tornar tão diferentes”, explicou Wade.

“Acho que quando ficamos em um coração de gratidão, estamos cientes disso, então não podemos reprimir, somos gratos por isso. E então, acho que quando temos uma gratidão e uma gratidão por alguma coisa, e sabemos que Ele é o Criador, isso nos ajuda a ficar na linha de manter isso elevado. ”

Carl Thomas, criador do Live Free Community App e fundador do ministério do vício em pornografia Live Free , abordou o assunto sobre o que a luxúria é e não está em um artigo de 2018 publicado pelo The Christian Post .

“Luxúria não está olhando. A luxúria está deixando sua mente vagar para pensamentos sexuais DEPOIS de olhar ”, escreveu Thomas, cuja coluna apareceu originalmente no XXXchurch.com.

“Veja bem, luxúria não é isso que acontece. Não é espontâneo. Não é aleatório. A luxúria cresce. É de várias maneiras orgânico. E tem seu próprio ciclo de vida. ”

Thomas acrescentou que “quando você ou eu olhamos para uma pessoa atraente, não estamos desejando … mas é nesse momento que o ciclo de vida pode começar a se desenrolar”.

Siga Michael Gryboski no Twitter ou Facebook
Categorias
Cultos

Por que Deus criou a mulher?

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

FONTE: GUIAME, CLARICE EBERT

(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

A narrativa bíblica da criação do homem e da mulher relata que o homem estava no paraíso, mas mesmo assim, sentiu-se só. Impulsionado por esse sentimento procurou alguém que lhe correspondesse. Evidentemente, entre os demais seres criados, não encontrou ninguém com esse perfil, que estivesse à altura de suas expectativas e até mesmo de suas necessidades psicofísicas e espirituais. Deus, que se alegrara em tudo que criara até então, percebeu a solidão do homem e disse “não é bom que o homem esteja só” (Gênesis 2.18). Assim, ele criou a mulher, moldada diretamente por suas hábeis mãos.

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

Uma leitura dessa narrativa bíblica pelas lentes da atual sociedade erotizada, interpretaria que essa exclamação de Adão revelaria que ele estaria vislumbrado com o porte físico da mulher e que estaria feliz porque, enfim, seus instintos sexuais seriam atendidos. No entanto, vislumbrar o relato bíblico da criação da mulher por essas lentes, pode levar ao equívoco de que a mulher teria sido criada para o homem apenas, ou principalmente, com o intuito de satisfazer seus impulsos sexuais masculinos. Sob essa ótica a mulher não passaria de um objeto sexual para atender o homem em suas demandas sexuais instintivas e fisiológicas, ou reprodutivas. Seria um objeto ou para o prazer ou para reprodução.

Outra leitura equivocada da exclamação de Adão, seria via lentes machistas. Nessa ótica se entenderia que a mulher fora criada como um ser subalterno para auxiliar e servir ao homem, um ser superior. Ela seria uma espécie de secretária competente que estaria disponível para auxiliar o homem na missão que Deus dera somente a ele. Por essa perspectiva, a mulher até obteria o reconhecimento de ser indispensável, mas como uma serva.  Ela serviria como uma auxiliar competente e indispensável, para que o homem pudesse cumprir com os mandatos sociais, culturais e espirituais, que, de acordo com essa ótica, teriam sido dados por Deus somente a ele.

Mas, se utilizarmos lentes menos embaçadas por erotizações e discriminações culturais e históricas, talvez seja possível nos aproximarmos um pouco mais da percepção da real intenção do criador para a relação homem e mulher. Parece que Adão percebeu que enfim estava diante do ser correspondente que estava à procura. Não um ser objetal nem subalterno, mas um ser igual a ele em sua humanidade. É como se dissesse “Enfim um ser humano igual a mim”. Enfim um ser correspondente em sua humanidade, com quem poderia manter comunhão, conversar, trocar vida e cuidar do mundo.

No original hebraico o nome dado por Deus à mulher foi Ezer Knegdo. O significado carrega o sentido de socorro, um auxílio sem o qual não seria possível viver. A humanidade estaria em risco sem esse socorro. O homem não conseguiria reproduzir a espécie humana sem a mulher e, além disso, não conseguiria ser humano sem outro humano correspondente.

Portanto, a exclamação de Adão “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23) manifesta o reconhecimento de que ele e a mulher são feitos da mesma matéria e carregam a mesma essência. E Deus, o Senhor dessa bendita criação, sela essa ideia ao afirmar que ambos, homem e mulher, são portadores da sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26). O reconhecimento por parte do homem de que a mulher que Deus acabara de criar, era um ser igual a ele, permitiu que o primeiro casal cumprisse os mandatos de Deus numa parceria no cuidado da vida e do mundo criado.

Infelizmente após a queda relatada na narrativa bíblica, ocorreu uma ruptura dessa parceria. Homens e mulheres não conseguem mais se ver como iguais em sua humanidade. A história da trajetória humana nos conta que a mulher passou a ser vista como um ser criado nas trevas, inclinado para o mal, para o pecado e perigosamente a serviço do descaminho do homem. Ela foi destituída de razão e de alma, e considerada um ser menor, de segunda categoria. Por isso, foi segregada sem direitos à voz e expressão, tanto no ambiente familiar, como no contexto social, laboral e religioso.

No entanto, a história nos faz refletir. As reconexões promovidas pelo ato salvífico de Cristo nos convidam a reconectar com o criador e ao outro correspondente também. Dessa forma, já é possível retomar o intento do criador em promover a parceria entre o homem e a mulher. Que acabem as guerras entre os sexos e possamos ouvir em alto e bom som a exclamação que reconhece: “Enfim um ser humano igual a mim”.

Para lembramos desse reconhecimento é que existe o Dia Internacional da Mulher na agenda anual. Os mimos nesse dia podem até ser muito bem-vindos, mas sem esse reconhecimento essencial não passam de homenagens triviais com poucas ressonâncias de uma reflexão mais profunda. Que ao final, ambos, homens e mulheres, possam perceber que foram criados com a mesma matéria e essência, e que em sua missão parceira de cuidar do mundo, possam refletir a imagem e semelhança do Criador.

Por Clarice Ebert, Psicóloga (CRP0814038), Terapeuta Familiar, Mestre em Teologia, Professora, Palestrante, Escritora. Sócia do Instituto Phileo de Psicologia, onde atua como profissional da psicologia em atendimentos presenciais e online (individual, de casal e de família). Coordenadora e palestrante, em parceria com seu marido, do Ministério Vida Melhor (um ministério de cursos e palestras). Membro e docente de EIRENE do Brasil.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Categorias
católicos Ciência Cultos

Coronavírus: evangélicos e católicos alteram cultos para evitar doença

Doenças tem primeiro caso confirmado no Brasil e mais 182 casos suspeitos.

Coronavírus no microscópio. (Foto: NIAID-RML/AP)

O surto de coronavírus que se espalhou pelo mundo está levando evangélicos e católicos a alterarem seus hábitos e cultos para evitar a doença.

É o caso do Vaticano, que pelo terceiro dia consecutivo teve eventos cancelados a pedido do papa Francisco, líder máximo da Igreja Católica, que tenta evitar que um número muito grande de pessoas se reúnam.

Em missas, como na Paróquia São Conrado, o padre Marcos Belizário deu orientações sobre o coronavírus, além de disponibilizar álcool gel na entrada da paróquia, permitindo assim que os fiéis se higienizem antes de entrar.

Já na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, do pastor Silas Malafaia, a orientação é para que os fiéis evitem dar as mãos na hora de cantar os louvores ou de trocarem abraços, beijos e apertos de mão.

Malafaia também deverá transmitir as recomendações sobre a doença nos seus cultos, principalmente depois da confirmação do primeiro paciente com a doença.

A Igreja Católica também orientou os fiéis a evitar o “abraço da paz” e dar as mãos depois que o coronavírus chegou ao país.