Categorias
Cultos

Diocese pede falência após inundação de processos por abuso sexual

Bispo Salvatore R. Matano, da Diocese de Rochester. | Captura de tela: YouTubeBispo Salvatore R. Matano, da Diocese de Rochester. | Captura de tela: YouTube
Semanas após ter sido atingida por dezenas de ações por abuso sexual, a Diocese Católica Romana de Rochester, em Nova York, entrou com pedido de falência.
“Esta é uma decisão muito difícil e dolorosa”, disse o bispo de Rochester, Salvatore R. Matano, em uma carta aos fiéis, juntamente com uma mensagem de vídeo.
“Depois de avaliar todas as possibilidades razoáveis ​​para satisfazer as reivindicações, a reorganização é considerada o melhor e mais justo curso de ação para as vítimas e para o bem-estar da diocese, suas paróquias, agências e instituições. Acreditamos que esta é a única maneira de fornecer uma compensação justa para todos os que sofreram o pecado flagrante de abuso sexual, garantindo o compromisso contínuo da diocese com a missão de Cristo.”
Os processos estão sendo movidos como resultado da nova Lei de Vítimas de Crianças, que estende o prazo de prescrição para um sobrevivente de abuso sexual de crianças em casos criminais e civis em Nova York. Também permite uma janela de um ano, a partir de 14 de agosto, para  as vítimas de abuso sexual de crianças entrarem com uma ação sem um estatuto de limitações.
Pelo menos 47 processos de abuso sexual foram movidos no Condado de Monroe na semana passada, informa a estação de notícias local WHAM. Desses 47 processos, 45 apontam a diocese de Rochester como réu.
As informações do processo de falência, informa o WHAM, mostram que a diocese tem menos de 1.000 credores, com entre US $ 50 e US $ 100 milhões em ativos e entre US $ 100 e US $ 500 milhões em passivos. “Vários requerentes de abuso sexual” representam 264 dos credores da diocese.
O advogado Leander James, que representa vítimas em Rochester, observou: “A falência é uma ferramenta da lei e, como qualquer outra ferramenta, pode ser usada para o bem ou para o mal. Espero que o bispo e seus advogados usem essa ferramenta para o bem das pessoas sobreviventes, a comunidade e a proteção das crianças”.
A diocese, de acordo com o WHAM, já pagou US$ 4,27 milhões a 43 vítimas de abuso do clero. James, que representou milhares de casos em estados onde leis semelhantes entraram em vigor, estima que o número de casos contra a diocese de Rochester provavelmente esteja entre 250 e 300.
Folha Gospel com informações de The Christian Post

Violação de crianças é “parte da nossa cultura”, alega pregador islâmico

Meninas de 9 anos estão prontas para o sexo, segundo a tradição islâmica

            Violação de crianças é “parte da nossa cultura”, alega pregador islâmico

Um político influente da Malásia causou espanto esta semana ao defender publicamente uma prática relativamente comum no Islã, mas que gera grande controvérsia nos países ocidentais: a violação de crianças.

Segundo lei religiosa islâmica é “aceitável” que crianças menores de 16 anos se casem, se os tribunais da Sharia permitirem. Na Malásia, como na maior parte do mundo, a idade mínima de casamento sem a necessidade de autorização dos pais é de 18 anos. Como as duas percepções entram em conflito, o Congresso malaio recentemente debateu uma lei que criminalizaria o casamento infantil. Ela não foi aprovada.

O deputado Shabudin Yahaya, afirmou em discurso no Parlamento que meninas de nove anos estão “fisicamente e espiritualmente” prontas para o casamento. Ele acredita também que não há “nada de errado” com as mulheres se casarem com seus estupradores.

Yahaya entende que uma vítima casar com o homem que a estuprou, evitaria um “futuro sombrio”, especialmente quando ela é menor de idade. “Talvez através do casamento eles possam levar uma vida melhor e mais saudável. E a pessoa que foi estuprada não necessariamente tem um futuro sombrio. Ela terá um marido, pelo menos, e isso poderia servir como um remédio para crescentes problemas sociais” , disse ele, que recebeu o apoio de alguns de seus pares.
 A grande maioria dos casos de abuso sexual infantil na Malásia não resultam em prisões, em grande parte por conta de questões religiosas. Apenas 140 dos 12.987 casos de casos de abuso sexual de crianças relatados às autoridades entre 2012 e julho de 2016 resultaram em algum tipo de condenação.

Tendência na Europa

As decisões jurídicas tomadas em países de maioria muçulmana e que se baseiam em preceitos religiosos, nos chamados tribunais da sharia, parecem estar se espalhando pelo mundo todo na esteira da imigração em massa de refugiados.

 A Europa vem lidando cada vez mais com esse tema. Segundo um levantamento do governo, no ano passado 1.475 meninas refugiadas, chegaram à Alemanha já casadas. A maioria vindas da Síria, Afeganistão e Iraque.

Na maioria dos países os governos nada fizeram para coibir as violações de meninas em nome do “multiculturalismo”, filosofia que prega a inclusão irrestrita, sendo defendida sobretudo pelos movimentos de esquerda.

Nos últimos anos, uma série de denúncias vem sendo feitas sobre as pregações de imãs radicais que defendem a “naturalidade” das relações sexuais com crianças.

O caso mais conhecido é o de Abu Bilal Ismail, que defendeu na Mesquita Grimhøj, em Aarhus, Dinamarca, que os imigrantes islâmicos no país não podem ser condenados por tais atos. Segundo ele, é algo que faz parte da sua cultura.

Segundo os Hadiths da tradição islâmica, quando Maomé tinha cerca de 53 anos ele escolheu como esposa a menina Aisha, de apenas 6 anos de idade. Contudo, ensinam, só teve relações sexuais quando ela tinha 9.

Ismail já enfrentou processos pelo seu discurso extremista, ensinando que devem ser mortos os apóstatas, os adúlteros e qualquer um que prejudique um muçulmano. Segundo a denúncia da jornalista norte-americana Pamela Geller, o presidente da Mesquita, Oussama El-Saadi defendeu os sermões, enfatizando: “nós acreditamos no Islã”. Com informações do Gospel Prime