Categorias
Noticias

Em Angola, vice-presidente Mourão pede fim das tensões na Igreja Universal

  
Vice-presidente Hamilton Mourão
Vice-presidente Hamilton Mourão

Durante agenda em Angola, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão (PRTB), pediu um arrefecimento das tensões dentro da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), que já levaram à suspensão da direção de origem brasileira e criaram tensão política entre os dois países.

Mourão afirmou que o governo brasileiro gostaria que se chegasse a um consenso entre as duas partes. Há um embate entre a direção brasileira da Universal — fundada e liderada pelo bispo Edir Macedo —, e bispos e pastores angolanos que se rebelaram, desde o final de 2019, passando a contestar o comando geral da igreja.

“O governo brasileiro gostaria que se chegasse a um consenso entre essas duas partes e que o Estado angolano recebesse a delegação parlamentar brasileira que quer vir aqui para tentar chegar a um acordo e a um ponto em que se arrefeça as diferenças que ocorreram”, pediu Mourão.

Recentemente, governo angolano reconheceu a direção angolana como a legítima representante da instituição religiosa no país. Sem terem seus vistos renovados, muitos pastores e bispos brasileiros saíram da Angola. Também houve suspensão da televisão evangélica Record.

Segundo Mourão, esta divisão interna criou um problema “no plano espiritual”, mas também “no plano político”. Ele defendeu a busca por “uma pacificação, apesar de não ser um assunto” que envolva diretamente o governo brasileiro. Trata-se de uma “questão mais privada”, concluiu.

Em entrevista à Agência Lusa, Mourão disse que o problema da Igreja Universal em Angola afeta o governo e a sociedade brasileira.

“Essa questão da Igreja Universal aqui afeta o governo e a sociedade brasileira pela penetração que essa igreja tem e pela participação política que ela possui [no Brasil], com um partido que é o Partido Republicano, que representa o pessoal da igreja”, explicou Hamilton Mourão em entrevista à Agência Lusa na sexta-feira (16/7).

Fonte: Metrópoles

Categorias
Cultos

O cristão não pode entrar em pânico pelo coronavírus

Os reinos se abalam, os governos caem, os homens entram em desespero, mas o Todo Poderoso permanece inabalável.

Enfermeira alimenta paciente com coronavirus. (Foto: China Daily)

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o coronavírus como uma pandemia e a previsão é que a coisa pode piorar e piorar. Governos estão fechando as fronteiras, restringindo voos, declarando estado de emergência e impondo restrições para tentar impedir o avanço da doença. Sem falar no prejuízo financeiro enorme que isso vem causando.

No entanto, um dos ensinamentos mais importantes que o cristão jamais deve esquecer é que nada foge do controle de Deus. Lembre-se que a Bíblia, em Lucas capítulo 21 e versículo 11, adverte sobre esses acontecimentos: “Haverá grandes terremotos, fomes e epidemias em vários lugares e acontecimentos terríveis e grandes sinais provenientes do céu”.

O que estamos vendo já estava previsto para os últimos tempos, mas em Mateus 24 e versículo 6, Jesus diz que não devemos nos assustar, “porque é necessário que essas coisas aconteçam”. Ele diz ainda que isso acontecerá antes de Seu retorno para buscar a Igreja, o que todos esperamos ansiosamente. Maranata!

Não estou dizendo que a situação atual não causa preocupação. Seria leviano de minha parte afirmar que não devemos nos precaver. Porém, digo que isso deve estar acompanhado de serenidade. Pânico não é bom e não leva a nada.

Todas as crises que enfrentamos neste mundo, seja qual for o seu nível, devem ser encaradas com fé e coragem. Entrar em desespero demonstra que nossa confiança em Deus está abalada e que não estamos olhando a situação da maneira correta.

Em 2 Timóteo no capítulo 1 e versículo 7, a Bíblia diz: “Pois Deus não nos deu um Espírito que produz temor e covardia, mas sim que nos dá poder, amor e autocontrole” (NVT).

As Escrituras também ensina que Deus é o nosso refúgio e fortaleza (Salmos 46.1), o que demonstra o tamanho do Seu poder para nos proteger e nos assegurar vitória em meio aos enormes problemas que temos de enfrentar nesta vida.

De nada adianta entrarmos em pânico e acabar piorando ainda mais a situação que já é delicada. Algumas coisas podem nos deixar confusos, crises podem provocar preocupação e levantar dúvidas em nossa mente, mas o Senhor não se abala.

A Bíblia diz que Deus está assentado no seu trono. Os reinos se abalam, os governos caem, os homens entram em desespero, mas o Todo Poderoso permanece inabalável. É por isso que devemos depositar toda a nossa confiança nEle, sabendo que nada pode impedir o Seu agir.

Problemas de proporções tão grandes podem nos deixar desequilibrados, causam preocupação e trazem muitas coisas negativas. Eu poderia dizer para você se prevenir da melhor forma, estocar alimento, comprar remédios, encher sua despensa, estocar álcool gel, mas nada disso te daria esperança.

Ao invés de te trazer mais preocupação, quero que pense em como o Senhor mantem o controle sobre tudo isso que está acontecendo. Você precisa se cuidar, se precaver e evitar o contágio pela doença, mas jamais deve permitir que isso vire pânico descontrolado.

Caro leitor, estamos em tempos difíceis em todo o mundo, o medo está aumentando e o desespero vem se tornando cada vez mais evidente. É por isso que, como crentes em Jesus Cristo, devemos ser instrumentos de boas notícias. Devemos anunciar a esperança de um Reino de perfeita paz.

“Não fique ansioso por nada, mas em todas as situações, por oração e petição, com ações de graça, apresente seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que transcende todo entendimento, guardará seus corações e suas mentes em Cristo Jesus ”(Filipenses 4.6-7).

Samuel Gonçalves

Pastor da catedral da Assembleia de Deus em Cabo Frio, casado com Michelle Gonçalves, formado em direito, filosofia e teologia.
Categorias
Muçulmanos

Meca vazia : Pela primeira vez em milênios, fotos mostram o local mais sagrado do Islã, Meca, ‘completamente deserta’ por causa do coronavírus

A Caaba em Meca foi esvaziada para limpeza [Twitter / @ Abdi10i]
A Arábia Saudita esvaziou na quinta-feira o local mais sagrado do Islã para a esterilização devido aos temores do novo coronavírus , uma iniciativa sem precedentes depois que o reino suspendeu a peregrinação de Umrah durante todo o ano.
A televisão estatal transmitiu imagens impressionantes de uma área vazia de azulejos brancos ao redor da Kaaba – uma grande estrutura de cubo preto dentro da Grande Mesquita de Meca , que geralmente é lotada com dezenas de milhares de peregrinos .
As imagens chocaram os muçulmanos em todo o mundo, muitos dos quais nunca viram a Caaba completamente deserta.
A medida foi uma “medida preventiva temporária”, mas os andares superiores da Grande Mesquita ainda estavam abertos para orações, disse uma autoridade saudita à AFP .
Ele chamou a medida de “sem precedentes”.
A mesquita também fechará uma hora após a oração da noite e reabrirá uma hora antes do amanhecer para impedir a propagação da infecção, informou o Lebanon Files .
Na quarta-feira, o reino interrompeu a peregrinação de Umrah para seus próprios cidadãos e residentes.
A Arábia Saudita declarou na quinta-feira três novos casos de coronavírus, elevando para cinco o número total de infecções relatadas. A medida ocorreu depois que as autoridades suspenderam na semana passada vistos para o Umrah e proibiram cidadãos do Conselho de Cooperação do Golfo de seis países de entrar em Meca e Medina.
A Umrah, que se refere à peregrinação islâmica a Meca, que pode ser realizada em qualquer época do ano, atrai milhões de muçulmanos de todo o mundo anualmente.
A decisão de suspender a Umrah vem antes do mês sagrado do jejum do Ramadã, que começa no final de abril, que é um período favorecido para a peregrinação.
Não está claro como o coronavírus afetará o hajj, que deve começar no final de julho.
Cerca de 2,5 milhões de fiéis viajaram para a Arábia Saudita de todo o mundo em 2019 para participar do hajj, que é um dos cinco pilares do Islã, como são conhecidas as obrigações muçulmanas.
O evento é um enorme desafio logístico para as autoridades sauditas, com multidões colossais se acumulando em locais sagrados relativamente pequenos, tornando os participantes vulneráveis ​​ao contágio.
A Arábia Saudita tem implementado uma variedade de medidas para tentar manter-se a par da disseminação do vírus.
No final de fevereiro, o reino disse que os terrenos da Grande Mesquita de Meca seriam lavados e esterilizados quatro vezes ao dia como parte de uma “limpeza profunda” para garantir a  segurança dos peregrinos  e visitantes.
Mais de 13.500 mil tapetes de oração também serão removidos diariamente para lavagem e esterilização, disseram a Presidência Geral para os assuntos da Grande Mesquita e a Mesquita do Profeta.