Categorias
católicos Noticias

O TRONO DO VATICANO QUE MUITOS CONSIDERAM UM MONUMENTO SATÂNICO

Imagem atrás de estrutura de bronze é alvo de diversas especulações
Por History Channel Brasil em 30 de Junho de 2021 às 11:45
O trono do Vaticano que muitos consideram um monumento satânico-0

Igreja Católica tem um lado sombrio e isso é de conhecimento público, dados os inúmeros episódios de pedofilia e lavagem de dinheiro divulgados nos últimos tempos.

Porém, para além desses crimes, a obscuridade também se manifesta, pelo menos aparentemente, na decoração da Santa Sé, no Vaticano. Nela, na Sala Paulo VI, o trono luxuoso utilizado pelo sumo sacerdote é uma estrutura de bronze que muitos associam ao satanismo.

Trono satânico no Vaticano?

 

O trono do Vaticano que muitos consideram um monumento satânico - 1

Essa construção, finalizada em 1971, representa a ressurreição de Cristo como um homem que nasce do caos. Seu criador, o escultor italiano Pericle Fazzini, afirmou que a obra chamada “Resurezzione” simboliza Cristo emergindo de uma cratera produzida “por uma bomba nuclear; uma explosão atroz, um vórtice de violência e energia”.

O trono do Vaticano que muitos consideram um monumento satânico - 2

Tanto conspiradores quanto o público em geral que observaram a peça relacionam a imagem a um altar satânico. A estrutura macabra causou muita agitação entre os que a contemplavam, e alguns chegaram a afirmar até que ela seria uma nova prova de que, na verdade, a Igreja é uma organização do mal.

via history/uol

Categorias
católicos

Segredos sobre o papa Pio XII são revelados pelo Vaticano

O Vaticano abriu nesta segunda-feira, 2, os arquivos sobre o pontificado do papa Pio XII, acusado de se manter em silêncio durante o extermínio de 6 milhões de judeus no Holocausto, supostamente por ser um simpatizante do nazismo.

A partir de agora, os documentos, que se referem ao período do pontificado, de 1939 a 1958, estarão acessíveis a pesquisadores do mundo inteiro. A liberação ocorre um ano após o papa Francisco declarar que a “Igreja não tem medo da História”. A montanha de documentos se tornou acessível graças a um inventário elaborado por funcionários da Santa Sé durante 14 anos. Na mesma leva, também serão abertos, pela primeira vez, os arquivos do pós-guerra e da censura de escritores e padres inspirados pelo comunismo.

Os desafetos criticam Pio XII por nunca ter condenado publicamente a perseguição e o extermínio de judeus. Seus defensores dizem que bater de frente com a Alemanha colocaria em risco padres e freiras. Eles garantem que o papa incentivava discretamente que conventos e outras instituições católicas dessem abrigo aos perseguidos pelo nazismo.

“Agora, os historiadores poderão fazer um juízo histórico”, disse o bispo Sergio Pagano, diretor dos Arquivos Apostólicos do Vaticano. Segundo o bispo, os gestos de bondade de Pio XII “ofuscarão algumas pequenas sombras” de seu papado. A análise de milhões de páginas, no entanto, poderá levar anos.

Pio XII foi secretário de Estado do Vaticano no papado anterior, de Pio XI, e núncio apostólico na Alemanha – espécie de embaixador do Vaticano. Em 1933, ele negociou uma concordata entre a Igreja Católica e o governo alemão. Ele foi eleito papa seis meses antes do início da 2.ª Guerra. Na Santa Sé, ele manteve relações diplomáticas com o Terceiro Reich e nunca condenou a invasão nazista da Polônia, em 1.º de setembro de 1939.

Em sua biografia, o historiador britânico John Cornwell chama o pontífice de “papa de Hitler”, descrevendo Pio XII como “antissemita”, narcisista e determinado a “promover o poder do papado”. “Ele foi um peão de Hitler”, grifou Cornwell.

Em 2012, o Yad Vashem, o museu do Holocausto em Jerusalém, mudou a descrição de Pio XII em uma exposição sobre o papa de “não interveio” contra o extermínio de judeus para “não protestou publicamente”.

O novo texto reconheceu diferentes visões da posição do papa dizendo que o museu “aguarda com expectativa o dia em que os arquivos do Vaticano serão abertos aos pesquisadores para que se possa obter uma compreensão mais clara dos acontecimentos”. O dia, finalmente, chegou. Fonte: Associated Press.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Categorias
católicos Estudos

Estudo revela 3 mil ataques a igrejas e símbolos cristãos na Europa em 2019

Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)

Um estudo divulgado pela Fundação Católica Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) revela que em 2019 ocorreram cerca de 3 mil ataques contra igrejas, escolas e símbolos cristãos na Europa, entre incêndios criminosos, profanação de lugares de culto, saques, roubo e vandalismo.

A pesquisa foi realizada por Gatestone Institute, centro de estudos e conselho de política internacional e aponta que os ataques foram particularmente significativos na França e na Alemanha, mas também foram “comuns” em países como a Bélgica, Grã-Bretanha, Dinamarca, Irlanda, Itália e Espanha.

Para a realização deste estudo, o instituto analisou inúmeras notícias e reportagens divulgadas durante o ano passado na imprensa europeia, assim como registros policiais e publicações nas redes sociais.

O resultado indica que “aproximadamente 3 mil igrejas, escolas, cemitérios e monumentos cristãos foram vandalizados, queimados, saqueados ou desfigurados na Europa durante 2019 – mais de cinco por dia, um ano recorde para a hostilidade anticristã no continente”.

Conforme assinala ACN, estes dados confirmam uma tendência registrada ao longo dos últimos tempos e que tem sido avaliada por diversas entidades. Uma delas, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos, denunciou, em junho do ano passado, que no espaço de apenas 60 dias, entre o início do mês de abril e o início desse mês de junho, foram registrados 30 incidentes em igrejas apenas na Alemanha.

Esses incidentes, assaltos, roubos e incêndios intencionais traduziam, segundo o Observatório, “falta de respeito” pelos lugares de culto naquele país.

Do mesmo modo, a França surge como um dos países onde têm ocorrido mais incidentes contra Igrejas e símbolos cristãos. Em abril de 2019, a Fundação ACN informou sobre relatórios dos serviços de segurança que evidenciavam um aumento do número de ataques ao longo dos últimos três anos.

De 2016 a 2018, segundo um relatório do Serviço Central e Inteligência Criminal, citado pelo jornal ‘Le Figaro’, “houve milhares de casos de vandalismo nas igrejas”, com 1063 ocorrências registradas em um dos anos, o que dava, nesse caso, uma média de quase três casos por dia.

Estes dados foram divulgados após doze igrejas francesas terem sido saqueadas, profanadas e alvo de atos de vandalismo no espaço de apenas sete dias, durante a segunda semana de março de 2019. Um desses templos, o de Saint-Sulpice, foi mesmo incendiado logo após a celebração Eucarística do meio-dia.

Entretanto, no final de 2019, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos publicou um relatório sobre o ano de 2018 em que documenta “um aumento no número de igrejas, símbolos cristãos e cemitérios em toda a Europa sendo vandalizados, profanados e queimados, em comparação com os anos anteriores”.

Divulgado em 16 de novembro, Dia Internacional da Tolerância, data instituída pelas Nações Unidas, este relatório assinala diversos sinais de intolerância para com a comunidade cristã na Europa e que se estendem para lá dos ataques ou incidentes em Igrejas.

Segundo a diretora executiva do Observatório, Ellen Fantini, “os cristãos são ‘pressionados’ de muitas maneiras diferentes na Europa: desde interferência nas liberdades de consciência, expressão e associação, até negação de acesso à justiça e serviços jurídicos”.

Aponta ainda diversas situações em que isso se verifica, como a violação dos “direitos dos pais cristãos de criar seus filhos em conformidade com a sua fé”. “Os símbolos religiosos cristãos são removidos da praça pública, os cristãos são submetidos a estereótipos negativos nos meios de comunicação social e os grupos cristãos são excluídos dos campus universitários”, completou.

Fonte: ACI Digital