Categorias
Noticias

Após encontro com Deus, médico deixa indústria do aborto

Hoje, Haywood Robison lidera grupo pró-vida

Haywood Robinson. (Foto: Reprodução / Facebook)

Antes de se tornar um ativista pró-vida, o médico Haywood Robinson realizou centenas de aborto, mas um encontro com Deus o fez mudar sua vida completamente e o levou para o time de defesa da vida.

Ao podcast “The Pure Flix”, Robinson revelou que desde criança desejou ser médico, quando iniciou a residência, ele aprendeu a fazer os procedimentos de dilatação e curetagem, utilizados em abortos.

Robinson foi treinado na década de 1970 depois de Roe v. Wade – o caso da Suprema Corte que legalizou o aborto em todo os Estados Unidos.

“As instalações de aborto estavam espalhadas por todo o sul da Califórnia”, disse Robinson. “Aprendi a fazer o procedimento em 1978 e passei três anos treinando em medicina de família”.

Robinson conheceu sua esposa, Noreen, durante seu treinamento em residência e os dois começaram a realizar abortos juntos.

Mas tudo mudou em 1986, quando o casal participou de um evento em uma igreja e o pregador fez uma ligação para quem quisesse “estar bem com Deus”. Até aquele momento, o médico nunca tinha ouvido falar do Evangelho ou no que significava ser cristão.

Foi ao se converterem que ele e sua esposa entenderam que o trabalho deles estava errado. “[Deus] abriu nossos olhos para o quão hedionda é essa guerra contra bebês e ele nos lançou em uma carreira pró-vida”, disse ele.

“Você fica dessensibilizado a ponto de o médico desumanizar o bebê dentro do útero e não ser mais algo sagrado – não é mais uma vida humana preciosa”, disse ele.

Ele acredita que Deus realmente o transformou – e ofereceu uma mensagem a qualquer pessoa que esteja procurando por uma mudança de vida.

“Jesus, ele entra e muda tudo. Nós nos tornamos uma nova criatura”, disse Robinson. “Ele transforma nossa mente e nos alinhamos à sua palavra pelo seu espírito, por isso é uma nova vida.”

Hoje o Robinson tem 66 anos e é diretor de assuntos médicos e educação do grupo pró-vida 40 Days for Life.

Categorias
Cultos

Ministério Público abre inquérito contra a Globo após ‘aula’ de aborto em novela

Logo da Rede Globo
Logo da Rede Globo

Após reclamações nas redes sociais, o Ministério Público Federal (MPF) instaurou um inquérito civil contra a Globo por conta do debate sobre aborto exibido no capítulo de sábado (19) da novela “Bom Sucesso”.

O órgão quer saber se a emissora descumpriu a classificação indicativa da trama, e se a abordagem didática ao tema serviu como uma “aula”, ensinando os telespectadores como praticar o ato.

O responsável pelo inquérito é o procurador da República Fernando de Almeida Martins, que enviou um ofício ao Ministério da Justiça para saber o horário exato de exibição e a classificação indicativa recomendada à novela das sete.

As emissoras deveriam observar na sua programação as cautelas necessárias às peculiaridades do público infantojuvenil”, disse o procurador em nota enviada à imprensa.

A portaria que regulamenta a classificação indicativa da programação da TV aberta brasileira estabelece que o horário das 6h às 20h está na faixa de proteção infantojuvenil. Por essa razão, as emissoras devem apresentar somente programas de fins educativos, artísticos, culturais ou informativos.

No entendimento do procurador, a indecisão da personagem Nana (Fabiula Nascimento) sobre manter sua gravidez ou não foi exposta de uma maneira que abriu margem para dupla interpretação. Para ele, crianças e adolescentes não conseguem diferenciar o merchandising social de um incentivo ao aborto.

“Os direitos das crianças e adolescentes à proteção da formação psíquica e moral de nossa juventude precisam ser respeitados”, explicou ele.

Na cena, Nana conversou com Paloma (Grazi Massafera) e se mostrou confusa sobre o que fazer em relação à gestação. “Pensando bem, ainda não é um bebê. É só um embrião. Não tem sistema nervoso, não tem coração, não é nem um humano ainda”, disse a herdeira da editora Prado Monteiro. “Eu não sou a favor do aborto, ninguém é. Mas sou a favor do direito de decidir sobre o meu corpo, sobre a minha vida”, completou a personagem.

O debate sobre o aborto continuou em outra cena, quando Nana encontrou seu ex-marido, Jorginho (Daniel Warren), e falou sobre o fato de ser ilegal praticar o aborto no Brasil.

“Aqui é ilegal, mas todo mundo conhece alguém que já fez. Quem tem dinheiro consegue fazer um aborto seguro. Quem não tem condições, pode até morrer ou ser presa. Sou privilegiada, eu sei, mas eu não queria estar passando por isso”, desabafou a irmã de Marcos (Romulo Estrela).

As falas da personagem motivaram críticas nas redes sociais, que levaram o Ministério Público a abrir uma investigação sobre a possibilidade de a emissora ter feito apologia ao aborto.

“O MPF solicitou para a Coordenação de Classificação Indicativa, do Departamento de Promoção de Políticas de Justiça, do Ministério da Justiça, o horário de exibição e a classificação indicativa adotada para a novela. O MPF também pediu análise específica do capítulo em que a temática sobre aborto foi discutida, sob justificativa de incompatibilidade de exibição desse tipo de conteúdo ao horário infantojuvenil”, disse o órgão em nota.

Fonte: Notícias da TV – UOL

Categorias
Cultos

Foram encontrados 165 bebês abortados no porta-malas do Mercedes Benz de Ulrich Klopfer

Os restos de bebês abortados foram descobertos no porta-malas de uma Mercedes Benz dos anos 90, de propriedade do falecido abortista Ulrich Klopfer. O veículo estava sendo armazenado em um estacionamento fechado em uma empresa em Dolton, Illinois, informou o Gabinete do Xerife do Condado de Will em comunicado divulgado em 9 de outubro de 2019. | WGN9 Chicago

O procurador-geral de Indiana, Curtis Hill, disse na sexta-feira que 165 restos de bebês abortados foram recuperados de dentro do porta-malas da Mercedes Benz de Ulrich Klopfer, que a polícia vasculhou na quarta-feira. O número de bebês encontrados até agora nesta investigação é de 2.411.  

Relatório original: 

Restos de bebês abortados foram encontrados na quarta-feira em uma propriedade alugada pelo falecido abortista Ulrich Klopfer. O Gabinete do Xerife do Condado de Will não divulgou o número exato de corpos recuperados, mas disse acreditar que existem “menos de 100”.

Os detetives revistaram oito veículos pertencentes à Klopfer que foram armazenados em um estacionamento fechado por mais de seis anos em uma empresa em Dolton, Illinois. Os restos foram encontrados dentro do porta-malas de uma Mercedes Benz dos anos 90.

As autoridades descobriram “cinco sacos de plástico e uma caixa que continham numerosos restos fetais medicamente preservados”, disse o Gabinete do Xerife do Condado de Will em comunicado nesta quarta-feira.

“Os restos recuperados foram preservados, embalados e marcados de forma semelhante aos [2.246] restos fetais descobertos na residência Klopfer em 12 de setembro. Todos os itens e informações observados pelos detetives e investigadores da cena do crime hoje coincidem com os conhecidos anteriormente informações de que os restos fetais eram do período de 2000 a 2002, quando o Dr. Klopfer estava realizando abortos no estado de Indiana ”, acrescentou o comunicado.

Durante uma busca na residência de Klopfer no município não registrado de Creta, a família informou os detetives sobre outras propriedades que ele alugou e possuía, incluindo os veículos. Depois que a família encontrou as chaves dos veículos, o escritório do xerife conduziu sua busca. “Não havia indicação de que bens pessoais adicionais estivessem armazenados ou visíveis dentro dos veículos que teriam contidos restos fetais adicionais”, disse o Gabinete do Xerife do Condado de Will.

Em resposta à descoberta, a diretora de políticas estaduais de Susan B. Anthony List, Sue Swayze Liebel, nativa de Indiana, disse que a organização pró-vida está “convidando o Congresso a aprovar a Lei da Dignidade pelas Crianças Abortadas “. A legislação exigiria que os provedores de aborto enterre ou crema os restos em vez de descartá-los como lixo médico.

O projeto foi patrocinado pelo senador norte-americano Mike Braun, na Indiana, após a descoberta de 2.246 restos de bebês abortados na garagem de Klopfer. Esses restos foram transferidos para o escritório do procurador-geral de Indiana, onde os corpos estão sendo mantidos como evidência à medida que a investigação continua.  

Em maio, a Suprema Corte dos EUA confirmou uma lei de Indiana exigindo que os restos de bebês abortados sejam enterrados ou cremados. A legislação foi sancionada em 2016 pelo então Gov. Mike Pence. 

Acredita-se que Klopfer tenha realizado cerca de 30.000 abortos durante seus 43 anos de prática, antes que sua licença médica fosse suspensa por tempo indeterminado em 2016 pelo Conselho de Licenciamento Médico de Indiana.

Recentemente, ele foi comparado ao ex-abortista Kermit Gosnell, da Filadélfia Ocidental, que guardou os restos de bebês abortados “no porão da clínica, em um freezer, em potes e sacolas e jarros de plástico”, disse um relatório do Grande Júri .

Décadas antes de bebês abortados “preservados medicamente” serem encontrados na casa de Klopfer, uma descoberta semelhante foi feita em uma casa em Woodland Hills, Califórnia.

Em 1982, os restos mortais de 16.433 bebês abortados foram encontrados dentro de um  contêiner  alugado por um homem que dirigia um laboratório médico. Os corpos foram encontrados somente depois que ele parou de fazer pagamentos e o contêiner de aço foi recuperado da casa do homem.

Em uma entrevista coletiva no dia 19 de setembro, o xerife do condado de Will, Mike Kelley, disse que os restos recuperados da garagem de Klopfer foram encontrados individualmente selados em sacos plásticos e armazenados dentro de 70 caixas de papelão empilhadas do chão ao teto.

Cada sacola foi preenchida com um conservante chamado Formalina. As bolsas também foram rotuladas, mas os investigadores não revelaram o que estava escrito nos rótulos, exceto para dizer que as datas indicam que os bebês foram abortados de 2000 a 2002. As clínicas de Klopfer em South Bend, Fort Wayne e Gary estavam operando naquele momento.

Um médico que se ofereceu para ser o médico substituto de Klopfer em sua clínica em Fort Wayne, em um esforço para salvar uma Portaria de Segurança do Paciente de 2010  no condado de Allen, recentemente o descreveu como “patológico” e o comparou ao personagem fictício Hannibal Lecter .

Geoffrey Cly, um OBGYN, disse que trabalhou ao lado de advogados pró-vida para criar a ordenança porque estava tratando um número alarmante de mulheres que estavam sofrendo complicações de emergência devido a abortos fracassados ​​realizados por Klopfer.

Cly chamou Klopfer de “perturbado” e disse que sentiu “há um elemento de troféus” em sua decisão de manter os restos mortais dos bebês.

Um documentário sobre a clínica de aborto de Klopfer em Fort Wayne, intitulado ” Inwood Drive “, terminou a produção em julho, mas agora está sendo atualizado após as recentes descobertas e será lançado em 2020.

Os cineastas Mark e Amber Archer entrevistaram Klopfer em novembro de 2018 para o documentário. Em seu livro , Interview With the Abortionist , eles o descrevem como um homem triste e perdido que argumentou que ele nunca matou bebês porque dentro do útero não é um bebê, é um feto.