Categorias
Cultos

Eslováquia rejeita o Islã e não permitirá uma única mesquita no país

Protestos contra o islamismo e a imigração na Eslováquia
Protestos contra o islamismo e a imigração na Eslováquia
Thaís Garcia
Conexão Política

A Eslováquia é o último Estado-Membro da União Europeia e não possui mesquitas em seu território.

Políticos do país interromperam tentativas anteriores de permitir a construção do templo dos muçulmanos, orientada em direção a Meca.

O país não reconhece o Islã como uma religião e tem apenas alguns milhares de residentes muçulmanos.

O Islã é proibido de ser ensinado nas escolas e os 5.000 muçulmanos, principalmente os europeus, que residem no país não são reconhecidos oficialmente. Eles representam apenas 0,1% da população.

Poucas nações da União Europeia se opuseram a uma abordagem continental da crise migratória mais do que a Eslováquia.

O país eslovaco provocou a ira de seus vizinhos europeus quando prometeu que a Eslováquia só aceitará migrantes cristãos e, depois dos ataques terroristas em Paris, prometeu monitorar “todo e qualquer muçulmano” no país.

“Somos uma nação cristã pequena e etnicamente homogênea. Se o multiculturalismo está falhando em lugares como Paris e Bruxelas, por que deveríamos tentar aqui?”, disse o político eslovaco, Luboš Blaha.

Em setembro de 2015, o Conselho de Ministros do Interior atribuiu à Eslováquia 802 refugiados no âmbito do regime de cotas. O governo concordou em dar refúgio a 149 cristãos, escolhidos a dedo, de campos deslocados internamente no Iraque.

“Você não pode ter uma política de migração de portas abertas em um país onde a opinião pública deseja exatamente o oposto”, disse o, então, primeiro-ministro esquerdista, Robert Fico.

Diferente da maioria dos países no mundo, na Eslováquia, tanto os políticos de esquerda quanto os de direita não concordam com as políticas migratórias da União Europeia.

Rydlo, historiador e ex-vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores do parlamento, é membro do Partido Nacional Eslovaco (SNP) de direita e disse que quando se trata de migrantes e refugiados, há pouco a escolher entre esquerda ou direita no país.

“Nosso maior medo com a UE é que possamos perder nossa identidade nacional”, disse Rydlo.

Rydlo já foi refugiado – ele fugiu da repressão soviética durante a Primavera de Praga e se estabeleceu na Itália – mas sua experiência não o deixou menos cético em relação à perspectiva do multiculturalismo na Eslováquia.

“Os muçulmanos simplesmente não se encaixam aqui”, diz ele.

Ao contrário da Europa Ocidental com histórias coloniais, a Eslováquia nunca foi exposta a trocas culturais com o resto do mundo. Segundo uma pesquisa eslovaca de 2018, 80% do público eslovaco é contra a aceitação de migrantes no país.

Em 2007, parlamentares eslovacos mudaram as leis do país com o reconhecimento das 20.000 assinaturas de seus membros. Em 2017, o número de assinaturas dobrou.

O islã não ser reconhecido oficialmente como uma religião no país, traz grandes dificuldades para o grupo. Entre outras coisas, eles não têm permissão para ter líderes religiosos oficiais, realizar casamentos entre muçulmanos ou receber contribuições financeiras do Estado, direitos que outras 18 religiões reconhecidas possuem.

Segundo políticos do país, o Islã é visto como uma ameaça séria.

“A islamização começa com kebab e em Bratislava já começou. Então, entenda como pode ser daqui a 5 a 10 anos ”, disse o deputado Andrej Danko.

“Todo europeu comum, cristão ou ateu teme essa criação satânica de pedófilos do diabo”, comenta outro parlamentar, Stanislav Mizik, em uma reportagem da TV TRT.

A TRT alegou que a Eslováquia viola as leis de direito e da liberdade de religião, asseguradas pela UE, ao não permitir a construção de mesquitas.

Fonte: Conexão Política

Categorias
Cultos

PALESTINO PRESO POR SUPOSTAMENTE FRATURAR CRÂNIO DE BEBÊ DE 11 MESES

Atualmente, a criança recebe respiração artificial no hospital.
POR HAGAY HACOHEN
Palestino preso por supostamente fraturar crânio de bebê de 11 meses


Boneca abandonada, sentado sobre um piso de concreto. (crédito da foto: INGIMAGE)

Uma criança de 11 meses foi levada às pressas para o Soroka Medical Center, no Negev, na noite de segunda-feira, e teria sofrido uma fratura no crânio após sofrer um abuso extremo de criança , informou na terça-feira Maariv , a publicação irmã do The Jerusalem Post .

A criança foi levada às pressas para o Centro Médico da Universidade Soroka, em Berseba, na noite de segunda-feira, onde está recebendo respiração artificial.

Um morador palestino da Cisjordânia, que supostamente abusou do bebê, ficou preso por seis dias. O pai do bebê foi interrogado pela polícia e depois libertado.

A mãe alegou que confiou um amigo a um amigo e foi a uma reunião de família. Ela então recebeu uma ligação da amiga que pediu que ela voltasse para casa porque a criança estava doente. Quando a mãe voltou para casa, ligou para os serviços de emergência.

O palestino deixou o apartamento antes que a mãe voltasse e tentasse fugir da cidade. Ele foi preso em Plugot Junction, perto de Kiryat Gat. Atualmente, a mãe está presa por suspeita de negligência.

O Conselho Nacional para a Criança de Israel, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos da criança, divulgou nesta terça-feira um comunicado dizendo que “há muitas crianças que passam pelo inferno em suas casas ou arredores imediatos”.

A ONG acrescentou que 20% das crianças em Israel sofrem abusos e que uma maneira de combater esse desafio seria voltar à política de visitas domiciliares, como antes era a política.
O conselho informou que o número de crianças em risco dobrou desde 2000 e ficou em aproximadamente 344.000 em 2017.

Categorias
Cultos

“Refugiados sírios estão chegando a Cristo em massa”, diz diretor de organização cristã

Refugiados da Síria
Refugiados da Síria

O Líbano é o país com maior quantidade de refugiados vindos da Síria. Estima-se que entre 900 mil e 1,5 milhão de refugiados sírios sobrecarregam recursos e infraestrutura do país vizinho.

Deportações forçadas, em andamento desde abril, mandam os refugiados de volta para a Síria, quer eles queiram ou não partir.

Os líderes políticos culpam os refugiados por muitos dos problemas do Líbano, especialmente os financeiros. A dívida nacional representa mais de 150% da produção econômica do Líbano, ou PIB.

Os especialistas preveem outro declínio; o Fundo Monetário Internacional projeta que o ônus da dívida pública do Líbano aumentará para 180% do PIB até 2023.

No meio desse drama humanitário, o diretor da instituição Heart for Lebanon (Coração para o Líbano), Tom Atema diz que os refugiados sírios estão chegando a Cristo em massa.

“Eles estão compartilhando sua fé. Eles estão ganhando outros muçulmanos sírios para Jesus Cristo”, afirma.

Heart for Lebanon ajuda esses novos crentes a se tornarem discípulos de Jesus. “Temos cerca de 600 pessoas em nossos estudos bíblicos a cada mês [e] estamos correndo cerca de 300 em nossos cultos a cada semana, além das escolas dominicais”, diz Atema.

Atendendo os refugiados no Vale do Bekaa

Embora positivo, o crescimento descrito acima também introduziu um problema; Heart for Lebanon rapidamente ficou sem espaço em suas instalações. “Já superamos nosso espaço duas vezes agora”, confirma Atema.

Agora, Heart for Lebanon está terminando o trabalho em um novo Centro do Ministério da Esperança no Vale do Bekaa, no Líbano. Ela fornecerá ajuda humanitária para famílias e educação cristã para 250 crianças, com idades entre 5 e 13 anos. A instalação abrirá “oficialmente” no dia 1º de outubro – quase um ano antes do previsto.

“No centro da estrada de migração, fomos capazes de construir – pela graça de Deus – um centro de ministério de 54.000 pés quadrados”, diz Atema.

“Ele tem o propósito de treiná-los (refugiados) a tal ponto que eles se tornarão embaixadores irresistíveis para Jesus Cristo quando eles retornarem à Síria”, diz o diretor da organização.

O Heart for Lebanon’s New Facilities inclui um depósito para itens de ajuda para embalagens, uma capela de 250 lugares e sala de treinamento, refeitório, clínica, dormitórios para equipes missionárias, sala de confraternização e área de distribuição.

O Centro do Ministério Hope irá educar mais de 12.000 refugiados a cada ano e equipá-los com as habilidades necessárias para superar a pobreza.

O centro é um recurso crítico para essa população sitiada. Enquanto o Vale do Bekaa é considerado a região agrícola mais importante do Líbano, é também o lar de aproximadamente 350.000 dos refugiados mais pobres do Líbano.

Há “800.000 [sírios] crianças no Vale do Bekaa que não têm educação. Se tiverem oito anos de idade ou menos, nasceram no Líbano sem certidão de nascimento”, afirma Atema.

“Estamos nos concentrando agora em muitas dessas crianças, e os órfãos, para dar-lhes uma vantagem inicial com o Evangelho”, relata.

Próximos passos

O Centro do Ministério da Esperança é totalmente financiado e aumenta em três vezes a capacidade do ministério. No entanto, com o aumento da capacidade, surge uma necessidade crescente.

“Acreditamos profundamente que Deus nos dá facilidade para facilitar o ministério. E triplicar nosso ministério significa que precisamos de muito mais recursos”, diz Atema.

O diretor diz que o projeto precisa de oração contínua. “Precisamos de sabedoria sobre como [dizer]” não “para muitas pessoas que realmente precisam de ajuda e dizer” sim “para os outros”, explica.

“Isso não é fácil quando todos precisam desesperadamente do Evangelho e do cuidado familiar”, conclui.

Fonte: Guia-me com informações de MNN Online