Vaticano vive sem diretriz para combater abusos sexuais, mesmo após anos de denúncias

 
Papa Francisco cabisbaixo
Papa Francisco cabisbaixo

O papa Francisco tomou medidas para enfrentar um crescente escândalo de abuso sexual no Chile, mas não abordou um problema mais próximo de sua casa: a própria Cidade do Vaticano não tem diretrizes para proteger crianças de padres pedófilos ou exigir que suspeitos de abuso sejam denunciados à polícia.

Sete anos depois de o Vaticano ordenar que todas as Conferências Episcopais do mundo desenvolvessem diretrizes escritas para evitar abusos, cuidar das vítimas, punir os infratores e manter os pedófilos fora do sacerdócio, a sede da Igreja Católica não tem essa política.

A lacuna na tolerância zero do pontífice em relação ao abuso é surpreendente, dado que a Santa Sé disse à ONU (Organização das Nações Unidas), há cinco anos, que estava desenvolvendo um “programa de ambiente seguro” para crianças dentro da Cidade do Vaticano.

Perguntado sobre as diretrizes prometidas de proteção à criança, o secretário-geral da administração do Estado da Cidade do Vaticano, monsenhor Fernando Vergez, disse à Associated Press que não poderia responder “já que o estudo e a verificação do projeto ainda estão em andamento”.

Sim, o papa Francisco atualizou em 2013 o código legal da Cidade do Vaticano para criminalizar a violência sexual contra crianças e, no mês passado, o tribunal do Vaticano condenou um ex-diplomata por posse e distribuição de pornografia infantil.

E pode-se argumentar que, além da nova lei, uma diretriz por escrito e um programa de ambiente seguro são desnecessários em uma cidade onde apenas um punhado de crianças vive em período integral.

Mas milhares de crianças passam pelos muros do Vaticano todos os dias, visitando os museus, participando de audiências e missas papais e visitando a praça de São Pedro e a basílica.

Autoridades da Cidade do Vaticano não precisariam procurar muito por ajuda na elaboração de políticas desse tipo. A Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores do papa, seu conselho consultivo de abuso sexual escolhido a dedo, tem um modelo para essas diretrizes em seu site no Vaticano.

A ausência de uma diretriz clara tornou-se evidente no final do ano passado, após revelações de que um seminarista adolescente no seminário juvenil do Vaticano havia, em 2012, acusado um dos garotos mais velhos de molestar sexualmente seu colega de quarto.

Não houve consequências. A polícia do Vaticano, que tem jurisdição sobre o território, não foi chamada para investigar. Uma série de bispos –incluindo o cardeal Angelo Comastri, vigário de Roma em Roma e arcipreste da Basílica de São Pedro– disseram que investigaram, mas ninguém jamais entrevistou a suposta vítima.

O estudante que apresentou a queixa, Kamil Jarzembowski, foi prontamente expulso do seminário enquanto o seminarista acusado foi ordenado sacerdote no ano passado.

A Associated Press descobriu que a vítima desde então apresentou uma queixa formal ao tribunal criminal do Vaticano e as autoridades da igreja italiana lançaram uma investigação canônica sobre o recém-ordenado sacerdote.

Mas isso só ocorreu depois que os jornalistas italianos Gaetano Pecoraro e Gianluigi Nuzzi expuseram o escândalo no ano passado, levando o Vaticano a reabrir a investigação. Em seus relatos, a história de Jarzembowski –incluindo todas as cartas que ele enviou às autoridades da igreja, autoridades do Vaticano e o papa ao longo dos anos– veio à tona.

“Naqueles anos, quando eu estava enviando cartas, nunca houve qualquer resposta”, disse Jarzembowski à AP. “Eu estava realmente sofrendo, porque o silêncio pode ser uma arma real que te machuca quando você sofre. Você faz uma denúncia e ninguém vai lidar com isso.”

Oficiais da igreja haviam descontado a queixa de Jarzembowski, alegando que ele só veio a público com isso porque estava rancoroso por ter sido expulso do seminário. Jarzembowski é realmente rancoroso –o estudante polonês teve de se esforçar para encontrar um lugar para morar e uma nova escola para seu último ano do ensino médio.

O seminário em questão, a poucos passos do hotel no Vaticano onde o papa Francisco mora, serve como residência para cerca de uma dúzia de garotos de 12 a 18 anos e são coroinhas nas missas papais.

Jarzembowski disse que seu colega de quarto foi molestado pelo seminarista mais velho quando ambos eram menores, mas que o abuso sexual continuou depois que o seminarista mais velho completou 18 anos.

O status da investigação não é claro. Ligações e emails para a Diocese de Como, que é responsável pelo seminário e está conduzindo a investigação canônica, não foram respondidos. O porta-voz do Vaticano recusou vários pedidos de comentários.

Mas a falta de uma investigação completa sobre as reclamações originais de Jarzembowski expôs como a ausência de uma diretriz de tratamento de denúncias de abuso pode ter repercussões.

“Se a Santa Sé não pode ser incomodada para proteger o punhado de crianças em seu próprio quintal, como pode proteger os milhões de crianças em seus cuidados em todo o mundo?”, perguntou Anne Barrett Doyle, do banco de dados de pesquisa online BishopAccountability.org. “É uma medida pequena, mas reveladora, da desconexão da Igreja Católica quando se trata de seu problema de abuso. Faz promessas que abandona ou esquece quando a atenção do mundo se desvanece.”

As promessas foram feitas há cinco anos, quando o Vaticano compareceu ao Comitê dos Direitos da Criança da ONU para defender seus esforços para combater o escândalo global de abuso sexual.

A Santa Sé argumentou que a convenção dos direitos da criança da ONU era de natureza “territorial” e que a Santa Sé não poderia ser responsável por implementá-la fora dos confins da Cidade do Vaticano. Dentro da cidade, no entanto, disse à ONU que estava tomando medidas extensas para proteger as crianças.

Não surpreendentemente, o comitê da ONU rejeitou o argumento da Igreja e pediu que a Santa Sé não apenas cumpra com a proteção das crianças dentro do território do Vaticano, mas globalmente.

“Não concordamos com o estreito entendimento da implementação, confinada ao Estado da Cidade do Vaticano”, disse Kirsten Sandberg, que era presidente da comissão da ONU na época.

O Vaticano deveria informar ao comitê em setembro passado sobre o progresso feito desde sua apresentação de 2013. Sandberg disse que os países estão atrasados nos prazos –a Santa Sé estava 14 anos atrasada quando finalmente apresentou suas respostas em 2013.

Ela disse que esperava que a Santa Sé, em seu próximo relatório, seguisse uma recomendação básica para exigir cooperação com a polícia, em vez de manter as investigações exclusivamente internamente.

“Eles devem deixar os casos para as autoridades judiciais”, disse ela.

   Fonte: Associated Press via UOL com tradução de Thiago Varella
Siga-nos

Compartilhe