Categorias
Ciência

É encontrado em Cesareia anel com figura do “Bom Pastor”, que faz menção a Jesus

O anel contém uma pedra verde com a figura de um jovem pastor envolto em uma túnica, carregando um cordeiro nos ombros.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST
Anel em ouro com a figura do Bom Pastor. (Foto: Dafna Gazit/Autoridade de Antiguidades de Israel)
Anel em ouro com a figura do Bom Pastor. (Foto: Dafna Gazit/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Um anel de ouro com que leva a inscrição “Bom Pastor”, uma das expressões para se referir a Jesus nos Evangelhos, foi encontrado em Cesareia por uma equipe de mergulhadores da Unidade de Arqueologia Marinha da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Em um anúncio nesta quarta-feira (22), a Autoridade de Antiguidades de Israel informou que seus mergulhadores encontraram um verdadeiro tesouro subaquático, com centenas de moedas e jóias.

Foram encontrados também dois navios antigos que datam dos séculos 3 e 14 d.C. que naufragaram no mesmo local, a poucos metros da costa — com mais de 1.000 anos de diferença.

Mas o achado mais extraordinário foi o anel de ouro. Com espessura grossa e formato de octógono, o anel contém uma pedra verde com a figura de um jovem pastor envolto em uma túnica, carregando um cordeiro nos ombros.

O “Bom Pastor” é uma das expressões para se referir a Jesus nos Evangelhos. “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas”, diz João 10:11.

“Sabemos que imagens semelhantes foram encontradas nas catacumbas cristãs de Roma”, disse Helena Sokolov, curadora do Departamento de Moedas da Autoridade de Antiguidades de Israel.


Diversas moedas e jóias foram encontradas no mar de Cesareia. (Foto: Dafna Gazit/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Cristãos em Cesareia

Estabelecida pela primeira vez no quarto século a.C., Cesareia foi escolhida por Herodes para construir uma cidade portuária. A cidade foi um centro importante durante os períodos romano e bizantino.

Cesareia era também o lar de uma importante comunidade cristã primitiva e é mencionada várias vezes no Novo Testamento. Foi em Cesareia que o centurião romano Cornélio foi batizado pelo apóstolo Pedro, segundo o livro de Atos.

“Esta foi a primeira vez que um não-judeu foi aceito na comunidade cristã”, explica Sharvit. “A partir daqui, a religião cristã começou a ser disseminada em todo o mundo.”

Categorias
Ciência

Descoberta arqueológica em Jerusalém pode evidenciar idolatria entre israelitas

 

Os israelitas aparentemente não limitaram sua adoração a Yahweh, mas adoraram um panteão de deuses, incluindo o infame Baal.

FONTE: GUIAME,
Pernas de um deus cananeu em um templo de Judá. (Foto: David Rafael Moulis)
Pernas de um deus cananeu em um templo de Judá. (Foto: David Rafael Moulis)

Partes de uma estátua de antiga divindade cananeia pode ter sido encontrada no lugar aparentemente mais impensável: um santuário de Judá perto de Jerusalém da época do lendário Templo do Rei Salomão.

O santuário também se parece muito com as descrições bíblicas daquele Primeiro Templo e é visto como um reflexo das crenças e rituais que eram mantidos em Jerusalém na época.

Se a descoberta for verificada, seria uma evidência tangível confirmando a suspeita de longa data de que, no período do Primeiro Templo, começando 3.000 anos atrás, a religião dos antigos israelitas era muito diferente da fé anicônica e monoteísta que o Judaísmo mais tarde se tornou.

Os israelitas aparentemente não limitaram sua adoração a Yahweh, mas adoraram um panteão de deuses, incluindo o infame Baal.

A ênfase aqui está no “se” porque os pesquisadores estão sendo muito cautelosos sobre como interpretam essa pedra desgastada, que foi encontrada no templo da antiga comunidade de Motza, a apenas seis quilômetros do Monte do Templo em Jerusalém.

O artefato pode ser uma pedra que se quebrou de uma forma incomum, mas é mais plausível que fosse parte de um relevo feito pelo homem representando as pernas de uma figura em pé. Isso seria típico das imagens religiosas levantinas e cananeias nas quais divindades, governantes e seres míticos eram retratados em pé, dizem os arqueólogos.

A pedra enigmática foi incrustada em uma das paredes maciças do templo Motza e foi vista neste verão pela arqueóloga Shua Kisilevitz, um arqueólogo da Universidade de Tel Aviv que codirige a escavação junto com o Prof. Oded Lipschits.


Altar no templo de Motza, do início do século 9 a.C. (Foto: David Rafael Moulis)

“Esta seção foi escavada anteriormente, mas não foi devidamente limpa”, diz Kisilevitz. “Não é surpreendente que inicialmente não a tenhamos percebido, mas este é um daqueles casos em que, uma vez que você vê, você não pode deixar de vê-lo”.

A menos que os pesquisadores estejam sofrendo de uma ilusão de ótica coletiva, o relevo de fato mostra os membros inferiores de uma figura com os pés apontando na mesma direção, o que, no antigo Oriente Próximo, costumava ser uma pose usada em representações de divindades atacando a tempestade, como Baal, observa Kisilevitz.

“Por ser tão desgastado, sempre há uma chance de que tenha se formado naturalmente. É possível, mas não plausível”, diz ela.

Representantes do Templo de Salomão

O local de Motza foi escavado pela primeira vez em 1993 pela Autoridade de Antiguidades de Israel antes dos trabalhos de construção de um novo viaduto na estrada para Jerusalém, que agora se eleva acima das ruínas do antigo complexo.

O santuário é um de um punhado de templos da Idade do Ferro que foram descobertos no Levante e que foram construídos quase na mesma época que o Templo de Salomão – no século 10 AEC, se seguirmos a cronologia bíblica. Esses edifícios vão desde o monumental templo siro-hitita de Ain Dara (que foi fortemente danificado pelas recentes operações militares turcas no norte da Síria) até o santuário muito menor na fortaleza judia de Arad, no sul de Israel.

Embora pertencessem a diferentes povos e entidades políticas, todos esses templos compartilhavam certas características, como uma estrutura de três câmaras (um pátio, um salão principal e um santuário) e, nos exemplos mais monumentais, a presença de pares de esfinges ou leões servindo como guardiões.

É improvável que os restos do Primeiro Templo jamais sejam encontrados, em grande parte devido à massiva reconstrução do Segundo Templo pelo Rei Herodes na época dos romanos e porque a escavação no local que agora abriga os principais santuários muçulmanos poderia desencadear uma guerra mundial.

Portanto, para os pesquisadores, estudar esses outros santuários do Oriente Próximo tem sido a melhor coisa na busca para obter uma visão sobre as práticas religiosas do Primeiro Templo e as crenças dos antigos israelitas.


Estatueta de cavalo rústica encontrada em Motza, indicando o politeísmo entre judeus. (Foto: David Rafael Moulis)

Investigação

O templo de Motza tem sido um impulso particular para esta linha de investigação, tanto porque é quase do mesmo tamanho que o santuário sagrado de Salomão (descrito em 1 Reis 6) e devido à sua proximidade com Jerusalém. Isso significa que, durante uma parte considerável de sua história, o assentamento em Motza deve ter sido parte do Reino de Judá, e seu templo deve refletir as crenças religiosas oficiais promovidas pela dinastia davídica.

Não se sabe quando exatamente Motza foi incorporado a Judá (ou quando o próprio Judá se tornou um reino), mas está claro que a área deve ter tido certa importância para Jerusalém. Não era apenas na principal abordagem ocidental da cidade, mas o vale circundante era um celeiro próspero, como evidenciado pelos numerosos silos de grãos que foram descobertos ao redor do templo.

“Este não é um santuário pequeno e periférico, é um templo enorme e monumental que quase se iguala ao de Jerusalém e fica bem na estrada para a cidade, que fica a apenas alguns quilômetros de distância”, diz Kisilevitz. “Todo mundo deve ter sabido disso. Não poderia ter existido se não fosse considerado legítimo e aprovado pelos governantes em Jerusalém.”

Daí a grande empolgação – e cautela – em expor algo que parece contrariar os princípios mais básicos do judaísmo, conforme listados no primeiro e segundo mandamentos: a adoção do monoteísmo e a proibição de fazer imagens de escultura.

Categorias
Israel

Nome de Deus aparece soletrado em muro de contenção no Monte do Templo

O rabino Yosef Berger atribuiu esse episódio a passagens bíblicas.

Por   via Gospel prime
letras formando nome de Deus no muro do Monte do Templo

Letras formando nome de Deus no muro do Monte do Templo (Foto: Reprodução/China Aid)

O muro de contenção oriental do Monte do Templo abrigava o nome de Deus, mas ninguém havia percebido, até que uma mulher israelense religiosa, Batya Vagshal, ficou chocada ao ver que as plantas que cresciam no local cresceram e adquiriram formato de letras.

A visão profética estava ali em uma área pública, mas passaram despercebidas, até um post aparecer no Tik Tok.

As letras pareciam que foram escritas em ktav ashuri, e davam para ser vistas perfeitamente, (yud), (heh), (vav), essas são as três primeiras letras do nome de Deus, faltando apenas a última letra.

O rabino da Tumba do rei Davi no Monte Sião, Rabi Yosef Berger, atribuiu o aparecimento das letras ao versículo de Deuteronômio 28:10: “Então todos os povos da terra verão que vocês pertencem ao Senhor e terão medo de vocês”.

A glória de Deus revelada

E acrescentou que esse versículo afirma que nos finais dos tempos se veria claramente o nome de Deus em Israel. Berger ainda explicou que essa visão também foi profetizada pelo profeta Isaías:

“Nos dias que virão, a Casa do Monte de Hashem permanecerá firme acima das montanhas E elevar-se-á acima das colinas; E todas as nações devem contemplá-lo com alegria.” (Isaías 2: 2)

Para o rabino, a natureza está se tornando um meio para revelar a glória de Deus, isso seria apenas uma amostra de grandes maravilhas que ainda estão por vir, segundo o Israel 365 News.

“A pandemia, todas as tragédias recentes, estão nos preparando para estarmos prontos para ver as mensagens que estão aparecendo. Qualquer um pode sair pela manhã e ver o Nome de Deus escrito nas nuvens, ouvi-lo no vento ou no canto dos pássaros. Essas coisas sempre estiveram lá, mas agora estão se tornando ainda mais claras”, acrescentou Berger.