Categorias
Cultos

Benny Hinn não acredita mais na teologia da prosperidade

Acho que é hora de dizermos do jeito que está: o evangelho não está à venda.

Benny Hinn abandona a teologia da prosperidade

Benny Hinn, que ganhou destaque como um dos pregadores mais conhecidos do mundo com a chamada teologia da prosperidade, disse nesta semana que está “corrigindo” seus pontos de vista e não acredita mais na teologia da saúde e da riqueza que anteriormente defendia.

No último dia de 2 de setembro no programa Your LoveWorld, Benny Hinn, confirmou sua decição, “Estou corrigindo minha própria teologia, e todos vocês precisam saber disso”, porque quando eu leio a Bíblia agora, não a vejo nos mesmos olhos que vi a Bíblia há 20 anos.”

A teologia da prosperidade promove a idéia de que Deus deseja que todos os cristãos sejam ricos e saudáveis. De acordo com essa crença, as bênçãos de Deus são liberadas quando os cristãos doam dinheiro.

Observando que ele viu a necessidade de mudar há um tempo, ele explicou que ainda não havia se tornado público, a fim de evitar ferir amigos que se apegam a essa visão. Agora, porém, ele pensa que “é uma ofensa ao Espírito Santo colocar um preço no evangelho”.

“Para mim chega. Nunca mais pedirei a você que dê mil ou qualquer quantia, porque acho que o Espírito Santo está farto disso. . . . . Eu acho que isso machuca o evangelho. ”

“Acho que é hora de dizermos do jeito que está: o evangelho não está à venda. E as bênçãos de Deus não estão à venda, e milagres não estão à venda. E prosperidade não está à venda.”

Hinn e outros televangelistas do evangelho da prosperidade foram alvo de uma investigação do comitê do Senado dos EUA em 2007, examinando seus registros financeiros.

A televangelista, Joyce Meyer, foi outra que também no início deste ano disse que agora rejeita grande parte da teologia da prosperidade que anteriormente ensinava. Hinn é o segundo pregador desse grupo a renunciar às crenças centrais do movimento.

O Christian News procurou o sobrinho de Benny Hinn em busca de reação e ele ofereceu uma perspectiva cautelosamente otimista – cheia de esperança, mas não ingênua:

“Fui encorajado por sua refutação franca do evangelho da prosperidade. Sinceramente, espero e oro para que este seja o começo do arrependimento para ele e uma participação nestes anos posteriores em sua vida e ministério. ”. . .

Costi disse ao Christian News que espera que seu tio esteja genuinamente arrependido e não apenas com remorso. Ele disse que Hinn se arrependeu de declarações e decisões no passado apenas para retomar seu comportamento não-bíblico.

“O arrependimento genuíno da Bíblia é sempre acompanhado por ações que provam que realmente é arrependimento”, afirmou, explicando que o arrependimento seria semelhante ao do relato de Zaqueu, que subiu em uma árvore de sua ânsia de ver Jesus.

“Jesus o salva e vai para sua casa naquele dia, e está disposto a fazer uma refeição com ele e mostrar-lhe amor e graça no meio de seu passado e seu pecado”, lembrou. “E Zaqueu está pulando de alegria, animado para retribuir as pessoas, animado para fazer o que for preciso para seguir Jesus e mostrar seu genuíno arrependimento por meio de suas ações.”

Ele observou que a Bíblia diz que o amor é acreditar em todas as coisas e esperar todas as coisas (1 Cor. 13: 7), e que o anúncio de segunda-feira deve ser tratado de acordo. O tempo dirá, disse ele, se a transformação é real ou não.

“Meu desejo é que a declaração do tio Benny não seja apenas um remorso público para salvar o rosto ou proteger seu ministério do declínio”, afirmou, “mas sim que é um arrependimento genuíno e que ele estaria disposto a abandonar tudo se isso significa ganhar a Cristo e o evangelho completo. ”

Categorias
Cultos

“Teologia da prosperidade é a ‘bela mentira’ que a igreja ama”, alerta teóloga

Doutora em teologia, Kate Bowler se aprofundou no tema após ser diagnostica com câncer

          “Teologia da prosperidade é a ‘bela mentira’ que a igreja ama”

Uma professora de teologia de uma universidade renomada nos EUA vinha se dedicando há anos ao estudo da “teologia da prosperidade”. Contudo, sua vida mudou após ela ser diagnosticada com câncer.

Kate Bowler, da Duke Divinity School em Durham, Carolina do Norte, decidiu escrever um livro contando como mesmo para alguém criada na igreja e com formação teológica é fácil ser enganado pelo discurso do púlpito de que “saúde e prosperidade material” são consequências naturais da fé.

O argumento central de seu livro Everything Happens for a Reason: And Other Lies I Loved [Tudo acontece com um propósito e outras mentiras que amamos] é que existem certos chavões repetidos exaustivamente nas igrejas que nunca fizeram parte do evangelho. Para a autora, essa é mais uma “bela mentira” amada e repetida na igreja sem que se faça uma análise sobre o que isso realmente significa.

Dois anos atrás, aos 35 anos, Bowler foi diagnosticada com câncer de colo de útero, em estágio avançado. Era um tumor agressivo e “incurável”, que acabou se espalhando por seu fígado. Desenganada pelos médicos, ela decidiu escrever sobre sua crença de que esse tipo de situação não poderia acontecer com “pessoas como ela”.

Sua conclusão é que os cristãos estão acostumados com “clichês” sobre fé que, na verdade, são mentiras, mas que fazem os fiéis sentirem-se bem. Ela já havia escrito outra obra sobre o tema em 2013: “Blessed: A History of the American Prosperity Gospel” [Abençoado: A História do Evangelho da Prosperidade].

Oriunda de uma família batista tradicional, ela passou a ser influenciada pela pregação que via na televisão nos anos 1990, no auge de pregadores como Benny Hinn.

Bower relata que crê na cura divina, mas que desconfia da aparente “facilidade” que isso ocorre em frente as câmeras nas cruzadas de grandes expoentes desse tipo de ministério.  Suas críticas também incluem pregadores como Rick Warren, que apresenta um evangelho onde tudo ocorre com um “propósito”. Não por acaso esse é o nome de seus livros mais famosos: “Uma igreja com propósitos” e “Uma vida com propósitos”.

Segundo a erudita, esse tipo de discurso gera nas pessoas uma “supervalorização” das dificuldades e sofrimentos da vida que acaba sendo prejudicial para os cristãos, uma vez que não se sustenta à luz das Escrituras.

“O que consumimos no banco da igreja é, cada vez mais, uma teologia onde tudo é progresso para nossa vida, até mesmo as dores… Eu não acredito mais nisso. Durante muito tempo acreditei que a vida era apenas uma série de ‘escadas’ e, se eu continuasse me esforçando, chegaria a algum lugar de sucesso”, explica.

Contudo, o diagnóstico de câncer mudou toda a sua perspectiva de vida. E, consequentemente, do que ela cria. Bower não acha que o evangelho é o oposto, apenas sofrimento, mas entende que geralmente o assunto não é tratado de forma sadia nas pregações.

“[Durante o tratamento do câncer] Eu senti a presença de Deus. Senti também o amor de outros cristãos. Quando comuniquei que estava doente, minha igreja orou por mim, fizeram até uma corrente de orações para que eu fosse curada”, revela.

Ainda em tratamento, além do livro ela tem escrito alguns artigos sobre o tema. Na revista Vox  ela faz uma longa reflexão sobre o que chama de “Deus do Se” – se eu orar, se eu contribuir, se eu crer…

Ela testemunha: “Antes da doença, eu estava mergulhada na expectativa da eterna juventude. Minha vida era algo que eu poderia conduzir, ou pelo menos tentar, se tivesse determinação o suficiente. Eu tinha a confiança ilimitada que o evangelho da prosperidade chama de ‘vitória’. Nada estava além da minha capacidade de crer…. O que faz a teologia da prosperidade ser popular é a promessa que teremos uma vida sem dificuldades ou que tudo pode ser restaurado em algum momento. Mas a verdade é que, muitas vezes, estamos presos em corpos fracos, vivendo relacionamentos difíceis e situação que fogem ao nosso controle… Eu sempre amei ouvir sobre a garantia que ‘o melhor ainda está por vir’, trechos de versículos aliados a conselhos otimistas de pastores e amigos… Porém, só o que me restou agora, contemplando a proximidade da morte iminente, é saber que Deus me salvou”. Com informações de Christian Post

Categorias
Cultos

Benny Hinn admite ter exagerado com a Teologia da Prosperidade

Benny Hinn é famoso pastor televangelista neopentecostalBenny Hinn é famoso pastor televangelista neopentecostal

Enquanto refletia sobre a vida e a morte do evangelista Billy Graham em um vídeo publicado no Facebook, o evangelista Benny Hinn admitiu que “foi longe demais” com a teologia da prosperidade.

“Nós somos atacados por pregar prosperidade. Bem, está na Bíblia, mas acho que alguns chegaram ao extremo com isso, e a palavra de Deus não ensina assim. Acho que eu sou tão culpado quanto os outros”, disse ele.

“Às vezes você vai um pouco além do que realmente precisa ir e, então, Deus o traz de volta à normalidade e à realidade”, disse Hinn, de 65 anos, em sua conversa com um colega do ministério. O vídeo completo pode ser visto no final dessa matéria, em inglês.

“Quanto mais você conhece a Bíblia, mais você se torna biblicamente embasado e equilibrado em suas opiniões e pensamentos, porque somos influenciados. Quando eu era mais novo, fui influenciado pelos pregadores que ensinavam naquela época. Mas como vivi mais tempo, fico pensando: ‘Você sabe que isso não se encaixa totalmente com a Bíblia e com a realidade’. Então, o que é prosperidade?”, questiona.

Hinn falou sobre o ensino que diz que os cristãos podem obter bênçãos de saúde e riqueza através de confissões positivas de fé e “plantar sementes” através de pagamentos de dízimos e ofertas.

“Será que Elias, o profeta, tinha um carro? Nem sequer tinha uma bicicleta. Ele não tinha falta alguma. Jesus dirigiu um carro ou vivia em uma mansão? Não. E os apóstolos?”, questionou Hinn, explicando sua interpretação sobre o que é sentir falta de algo. “Hoje, a ideia é abundância e casas palacianas, carros e contas bancárias. O foco está errado. Tão errado”, ressaltou.

O evangelista, que já foi apanhado em controvérsias sobre as riquezas em seu ministério, disse que vive muito mais humildemente agora. “Quero me perdoar. As pessoas me acusaram de coisas que nem sequer são reais. Um cara escreveu: ‘Oh, ele vale 40 milhões’. Como eu gostaria! Eu daria tudo ao Reino diante de Deus”, disse.

“Ele voa em jatos particulares”, continuou Hinn, imitando seus críticos. “Não, eu não. Eu não viajei em voos privados nestes anos. Eu vôo em viagens comerciais como qualquer outra pessoa”, explicou.

“Nós cometemos o erro de pensar que isso é o que Deus quer e Deus diz: ‘Não, isso não é o que Eu quero’. É hora de viver biblicamente. Você sabe que tudo se resume a uma coisa. Nós amamos Jesus, sim ou não? Se amamos a Jesus, é tudo sobre Ele. Se não amamos Jesus, então é sobre outras coisas”, salientou. Em última análise, Hinn disse que quer que sua vida “termine bem” com Deus.

Ministério e o divórcio

Em 2015, durante o evento “Escola Profética” conduzido pelo Ministério Joel Engel, Benny Hinn revelou que chegou a pregar separado de sua esposa. “Em 2010, eu passei por um desafio na minha vida, e isso pode acontecer com qualquer um. Minha esposa vem de uma grande família, muito ricos no espírito. O pai dela acabou perdendo o ministério por causa de uma mulher”, disse ele.

Depois do escândalo na família de sua esposa, Suzanne Hinn, um período turbulento marcou o processo de separação do casal. “Minha esposa começou a ter lutas com a identidade dela. Eu estava viajando, pregando e ministrando, enquanto minha esposa estava emocionalmente morrendo. Acabamos enfrentando o divórcio”, conta o pregador.

O casal ficou separado durante três anos, causando grande polêmica no meio evangélico e um abalo na vida familiar, ministerial e espiritual de Benny. “Esses três anos foram muito terríveis. Um dia, eu e minha esposa fomos ter uma longa conversa, e foi horrível, uma guerra. E como resultado desse divórcio, minha força espiritual começou a ser afetada”, conta.

Mesmo com todos os acontecimentos em sua vida pessoal, a unção permaneceu sobre o ministério de Benny Hinn. “Isso começou a mexer comigo. Eu perguntava: ‘Senhor, por que está me ungindo sabendo que eu estou lutando pela minha vida?’. De início Ele não me respondeu, mas eu comecei a perceber, dia após dia, o perigo em que eu estava.”

“Comecei a entender que a unção do meu ofício não tem nada a ver com a unção na minha vida. A unção na minha vida é o que mantém o fogo de Deus na minha alma. É essa unção nos nosso corações que precisa ser cuidada”, disse. “A unção no ministério é como um peso que você carrega. Se a unção do seu coração começar a enfraquecer, a unção que está no seu ministério vai te destruir”.

Casamento restaurado

Benny Hinn contou que sua entrega a Deus foi a chave para a restauração de sua família. “Foi isso que curou a minha família. Minha esposa olhou no meu rosto, e disse: ‘Benn, eu vejo Jesus nos seus olhos. Vamos ficar juntos novamente’. Graças a Deus, hoje, o Senhor curou o meu casamento”.

“Vou dizer algo: no nosso caso, o divórcio foi a melhor coisa que nos aconteceu. Alguns pastores aqui estavam no meu casamento – o segundo casamento, com a mesma mulher. O Senhor curou o nosso relacionamento e a minha esposa completamente”, disse na época.

Confira o vídeo em inglês:

Fonte: Guia-me