Categorias
Artigos Noticias

Bento XVI adverte sobre males do mundo em audiência com cardeais

 

O líder da Igreja Católica falou neste sábado após concluir retiro espiritual.
‘Permanece em mim esta gratidão’, disse o pontífice sobre seu papado.

Do G1, com agências internacionais*

 

O Papa Bento XVI prometeu neste sábado (23) aos cardeais uma maior "proximidade espiritual"  de sua parte após concretizar sua renúncia histórica, prevista para 28 de fevereiro, e fez uma advertência sobre os "males deste mundo, o sofrimento e a corrupção".

"Mesmo se concluo hoje a comunhão exterior visível, permanece a proximidade espiritual, uma profunda comunhão da oração", disse Bento XVI ao terminar um retiro espiritual iniciado no último domingo (17), onde refletiu sobre "o maligno, os males do mundo, o sofrimento e a corrupção".

Imagem divulgada neste sábado (23) mostra o Papa Bento XVI (à direita) lendo mensagem aos cardeais após concluir retiro espiritual (Foto: L'Osservatore Romano/AP)Imagem divulgada neste sábado (23) mostra o Papa Bento XVI (à direita) lendo mensagem aos cardeais após concluir retiro espiritual no Vaticano (Foto: L’Osservatore Romano/AP)

De acordo com a agência de notícias "Ansa", Bento XVI agradeceu ainda aos cardeais pelos últimos oito anos de papado, dizendo que eles acompanharam o “peso do ministério papal” com “habilidade, afeto, amor e fé”. “Permanece em mim esta gratidão”, disse o pontífice.

Ele também mencionou a importância da Palavra de Deus para Igreja e fez uma observação sobre os males que, segundo ele, “são uma criação suja que sempre querem contradizer Deus e embaralhar sua verdade e sua beleza”.

Ainda neste sábado, o líder da Igreja Católica se encontrou com o presidente da Itália, Giorgio Napolitano. De acordo com a "Ansa", Bento XVI disse que irá rezar pela Itália e agradeceu a visita do presidente, acompanhado de sua mulher. No domingo (24), o Papa participará pela última vez da "hora do Angelus", quando falará ao público na Praça São Pedro.

Bento XVI recebeu neste sábado (23) o presidente da Itália, Giorgio Napolitani (Foto: L'Osservatore Romano/AFP)Bento XVI recebeu neste sábado (23) o presidente da Itália, Giorgio Napolitani (Foto: L’Osservatore Romano/AFP)

arte veja trajtetória do papa versao 2 (Foto: 1)

Lobby gay
Também nesta manhã, o porta-voz do Vaticano rebateu "a desinformação e, inclusive, as calúnias", sobre possíveis intrigas na cúpula da Santa Sé e a existência do chamado "lobby gay" publicadas na imprensa.

"Há quem tenta aproveitar o movimento de surpresa e desorientação, após o anúncio de que o Papa Bento XVI abandonará seu cargo, para semear a confusão e desprestigiar a Igreja", declarou Federico Lombardi, em uma entrevista a Rádio Vaticano.

"Aqueles que apenas pensam em dinheiro, sexo e poder, e estão acostumados a ver as diversas realidades com estes critérios, não são capazes de ver outra coisa, nem sequer na Igreja, porque seu olhar não sabe dirigir-se para cima ou descer com profundidade nas motivações espirituais da existência", completou.

Uma série de revelações sobre uma trama de corrupção, sexo e tráfico de influências noVaticano, publicadas esta semana pela imprensa italiana, ofusca o conclave para a eleição de um novo Papa.

As denúncias, publicadas pelo jornal La Repubblica e a revista Panorama, afirmam que o Papa decidiu abandonar o cargo depois de receber um relatório secreto de 300 páginas, elaborado por três cardeais veteranos e considerados inatacáveis.

No documento são descritas as lutas internas pelo poder e o dinheiro, assim como o sistema de "chantagens" internas baseadas nas fraquezas sexuais, o chamado "lobby gay" do Vaticano.
Renúncia
Bento XVI surpreendeu a Igreja e o mundo ao anunciar, em 11 de fevereiro, que iria deixar o cargo no fim do mês, por conta de sua saúde frágil.

Ele se retirou com a Cúria para "exercícios espirituais" da Quaresma: um "oásis" para ele, depois dos dias tumultuados seguidos ao anúncio de sua renúncia, explicou Ravasi, que dirige estas meditações.
Na capela "Redemptoris Mater", 17 sessões de reflexões do cardeal italiano Gianfranco Ravasi ocuparam este tempo dedicado tradicionalmente à oração e exame de consciência neste período de preparação para a Páscoa, em 31 de março.

Conclave
Na última quarta-feira (20), o Vaticano informou que as regras atuais do Conclave — encontro em que os cardeais, secretamente, escolhem o novo Papa — passarão por modificações. Com isso, a escolha do sucessor de Bento XVI poderá ser antecipada. A reunião de cardeais, estava prevista inicialmente para depois de 15 de março.

O Conclave, segundo a atual Constituição Apostólica, deve começar "entre um mínimo de 15 dias e um máximo de 20" desde que se decrete a chamada "Sé Vacante", fixada para o próximo 28 de fevereiro às 20h (16h de Brasília), o momento que Bento XVI escolheu para abandonar o Trono de Pedro.
Cardeais de todo o mundo já começaram consultas informais por telefone e e-mail para a construção de um perfil do homem que eles acham que seria mais adequado para liderar a Igreja em um período de crise contínua.
Cerca de 117 cardeais com menos de 80 anos de idade terão o direito de entrar no conclave, que é realizado na Capela Sistina, no Vaticano.

Categorias
Artigos

Número dois do Vaticano, cardeal é alvo de intrigas

 

estadão.com

CLÓVIS ROSSI
ENVIADO ESPECIAL A ROMA

Sucessão PapalNa usina de intrigas e boatos em que se transformou o Vaticano nos últimos meses, o salesiano Tarcisio Bertone, 78 anos completados no dia 2 de dezembro, é sempre um dos personagens principais, em geral o principal.

É natural que seja assim: em 2006, ou seja, no ano seguinte à eleição de Joseph Ratzinger como papa, Bertone foi nomeado secretário de Estado, o segundo posto na hierarquia do Vaticano. Um ano depois, seria designado camerlengo, sempre por Bento 16, como é óbvio.

Camerlengo é a pessoa que convoca os cardeais para o conclave que elegerá o novo papa e também quem anuncia o escolhido. Uma espécie de gestor interino do Vaticano entre a morte ou, como agora, renúncia de um papa e a eleição de outro.

Com essa visibilidade, as intrigas anônimas dos últimos meses "atacaram o secretário de Estado para atingir um alvo mais elevado", escreve Paolo Griseri, que cobre Vaticano para o "La Reppublica".

O alvo mais elevado seria Bento 16, mas há outras versões para o tiroteio contra esse piemontês de Romano Canavese que fez todo o seu percurso de estudos em instituições salesianas.

Bertone teria atraído a ira da Cúria romana ao afastar os homens ligados a seu antecessor no cargo, o cardeal Angelo Sodano, hoje presidente da Conferência Episcopal italiana –outro polo de poder, dado que a Itália é o país que tem maior número de eleitores no conclave (28 em 117 contra, por exemplo, 5 do Brasil).

Há um caso concreto de afastamento que ajuda a entender a ira contra Bertone: o cardeal Carlo Maria Viganò, que chefiava o Governatorato, responsável pelas licitações e pelo abastecimento do Estado do Vaticano, escreveu carta ao papa, denunciando irregularidades e solicitando a permanência no cargo.

A carta vazou na televisão italiana e Bertone em seguida despachou Viganò para os Estados Unidos, como núncio apostólico.

Em termos ideológicos –item que não está na ordem do dia hoje no Vaticano– Bertone é definido por Griseri como líder de um "Novo Centro". À direita, o líder seria Angelo Scola, cardeal de Milão, em tese o favorito de Bento 16 para sucedê-lo.

Mas, na época de sua nomeação para a secretaria de Estado, a leitura mais disseminada foi a de que Bento 16 buscava um braço direito para ajudá-lo nas disputas internas na Cúria.

Que há divisões na igreja, o próprio Bento 16 o admitiu, na Missa de Cinzas. Que Bertone o tenha ajudado, no entanto, é uma tese polêmica, visto que o papa acabou por deixar o cargo, embora alegando apenas falta de forças para prosseguir.

Sacerdote há 53 anos, Bertone é licenciado em teologia e história da religião, pela Faculdade Salesiana de Turim, a capital piemontesa.

Ele foi reitor da Pontifícia Universidade Salesiana e é doutor em direito canônico, o que o coloca em situação privilegiada para gerir a transição, dado o ineditismo de uma renúncia papal, que exige interpretações das regras canônicas ao alcance apenas de especialistas.

Bispo em 1991, cardeal em 2003, tornou-se, em 1995, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, a antiga Inquisição.

Categorias
Artigos

Papa é uma ovelha cercada de lobos

 

LEITORA ÂNGELA LUIZA S. BONACCI
DE SÃO PAULO

Extraído do site folha.com

Com base na minha santa ingenuidade ética, alguns seres humanos atingiriam o ápice da grandeza de alma na dedicação ao desenvolvimento espiritual em retiros, conventos, monastérios etc.

Na minha pia crença, até infantil, a cada degrau da hierarquia católica os sacerdotes subiriam em iluminação e tenderiam a uma santidade quase mística. O papa seria, então, um semideus.

No entanto, tudo que é ingênuo termina sofrendo um choque de realidade arrasador. O papa é uma ovelha cercada por lobos. Cardeais que beirariam a santidade (segundo minha pura teoria) disputam no "tapetão" o poder mundano.

Martin Meissner – 25.set.2011/Associated Press

Papa Bento 16 em uma visita oficial à Alemanha

O papa Bento 16 em uma visita oficial à Alemanha, em 2011; chefe da Igreja Católica anunciou que vai renunciar

A intriga palaciana substitui a humildade e a luminosidade mística. O amar aos outros como a ti mesmo, ganha versão pop do "primeiro o meu".

O profano paira como uma nuvem negra sobre o Vaticano. Tudo tão humano, e tão rasteiro… Pouco transcendente, muito imanente; nada metafísico ou espiritual, apenas picuinhas palacianas.

As vísceras religiosas estão expostas na hipocrisia… Mas, como disse, isso tudo é apenas uma visão inocente de quem ainda crê em magnitude espiritual e pureza contemplativa.

*