Categorias
Cultos

Debate sobre Amazônia escancara tensão entre grupos inimigos no Vaticano

Papa Francisco preocupado
Papa Francisco preocupado

Jamil Chade
Colunista do UOL

Terminado o Sínodo da Amazônia, fontes dentro da Santa Sé revelam que o mergulho na realidade da floresta teve um outro impacto: o de escancarar a tensão dentro do Vaticano entre os aliados de um papa progressista e uma minoria insatisfeita com o debate e mesmo com o perfil das pessoas que passaram a frequentar os corredores do local.

Não era segredo para ninguém que, desde sua escolha, Jorge Bergoglio passou a ser alvo de questionamentos por suas atitudes. Foi chamado de “palhaço” pelos ultraconservadores e alvo de ataques públicos por teólogos alinhados à extrema-direita. Ao questionar o sistema econômica, foi ainda classificado de “comunista”.

Neste fim de semana, algumas das propostas aprovadas pelos bispos chacoalharam a praça São Pedro: a avaliação de uma eventual participação das mulheres na liturgia, a criação de um pecado ecológico e a possibilidade de que homens casados possam ser ordenados padres. Tudo isso para que a Igreja volte a ter um papel na Amazônia.

Se não bastasse, a presença de pessoas de pele escura, com outras tradições e vestimentas pelas salas do Vaticano deixaram os mais conservadores incomodados, e a crise ainda mais explícita. Na semana passada, uma estátua indígena que representava a fertilidade e que fora usada numa igreja de Roma ainda foi roubada e jogada num rio. A suspeita é de que o ato tenha sido cometido por grupos católicos que acreditam que as imagens estariam ferindo os ritos da religião.

No fim de semana, o papa Francisco se pronunciou. E mandou seu recado direto, sem insinuações. O argentino deixou claro que não aceitará ser “prisioneiro de um seleto grupo”, classificando seus adversários de “elite católica”.

Para questionar esse grupo, o papa citou os trabalhos de Charles Péguy que, há um século, escreveu “Nota Conjunta sobre Descartes e Filosofia Cartesiana”.

“Porque lhes falta a coragem de assumir assuntos terrenos, eles acreditam que estão assumindo os de Deus. Porque têm medo de fazer parte da humanidade, pensam que são parte de Deus. Porque não amam ninguém, iludem-se pensando que amam a Deus”.

Segundo o papa, essa elite tentou impor seus interesses pessoais no Sínodo e “esqueceu o diagnóstico que fizemos”. Para o pontífice, “pequenos grupos elitistas” tentaram afirmar sua visão, se concentrando em “detalhes”.

Bergoglio deixou claro ainda que não vê a manutenção da tradição como um valor em si mesmo.

“Algumas pessoas pensam que a tradição é um museu, algo antigo. Gosto de dizer, no entanto, que a tradição é a preservação do futuro, não o cuidado das cinzas. É como as raízes através das quais a seiva faz a árvore crescer para dar frutos.”

Nos próximos meses, Francisco irá se pronunciar sobre as recomendações do Sínodo. Mas, de acordo com fontes de alto escalão em Roma, o evento criou um ambiente de clara rivalidade por parte da ala mais conservadora e que tentará pressionar a Cúria. “No fundo, o que vemos já é um posicionamento de muitos, pensando no próximo Conclave”, alertou um experiente interlocutor dentro da Santa Sé.

Fonte: Jamil Chade – UOL

Categorias
Cultos

Cardeal critica Sínodo da Amazônia: “Justificados pela fé, não pelo ativismo ambiental”

Gerhard Müller criticou vários pontos do documento, entre eles o termo “Mãe Terra”.

Neste domingo (6) uma entrevista do cardeal Gerhard Müller ao jornal Il Foglio trouxe uma série de críticas ao Sínodo da Amazônia, evento que reúne líderes católicos para discutir diversos assuntos sobre a região amazônica.

O religioso declarou que, pelos protagonistas da assembleia, “se compreende facilmente que a agenda é totalmente europeia”, sobretudo a agenda alemã para permitir que leigos tenham direito a votos.

Entre os temas a serem debatidos até o dia 27 deste mês estão o fim do celibato sacerdotal, à ordenação das mulheres, a reforma da moral sexual e a democratização dos poderes na Igreja.

Esses assuntos foram criticados pelo religioso durante a entrevista, pois ele entende que a crise da fé não “se trata de recrutar mais pessoas para administrar” as igrejas e que é necessária “uma preparação espiritual e teológica”, sendo, por isso contrário ao fim do celibato e a ordenação de mulheres.

O religioso declara que o erro está presente também no Instrumentum laboris, o documento base do Sínodo sobre a Amazônia: “um documento que não fala de Revelação, do Verbo encarnado, da Redenção, da Cruz, da Vida eterna”. Ele também critica que o evento exalta as tradições religiosas dos povos indígenas e suas cosmovisões no lugar da Relevação divina.

Müller critica também o tema ambiental como pauta de um evento religioso. “A Igreja é de Jesus Cristo e deve pregar o Evangelho e dar esperança para a vida eterna. Você não pode se tornar o protagonista de nenhuma ideologia, seja a de ‘gênero’ ou a de neopaganismo ambientalista”, declarou.

O uso do termo “Mãe Terra” dentro do “Instrumentum laboris” do Sínodo na Amazônia também foi alvo de críticas por parte do cardeal. Ele entende que a expressão é pagã, pois “a terra vem de Deus e nossa mãe na fé é a Igreja”.

“Somos justificados pela fé, esperança e amor, não pelo ativismo ambiental. É verdade que o cuidado do criado é importante, afinal vivemos em um jardim querido por Deus. Mas este não é o ponto decisivo. O fato é que, para nós, Deus é a coisa mais importante. Jesus deu sua vida pela salvação dos homens, não do planeta”, disse o religioso.

Categorias
Cultos

A Revelação da BBC que o Vaticano tentou esconder: Conheça o amante de João Paulo II

Um conjunto de cartas e fotografias arquivados fora do domínio público na Biblioteca Nacional da Polónia revelar a intensa amizade que manteve o falecido Papa João Paulo II com o filósofo polonês-americano Anna-Teresa Tymieniecka, informou a BBC.

POLÔNIA.- Um conjunto de cartas e fotografias arquivados fora do domínio público na Biblioteca Nacional da Polónia revelar a intensa amizade que manteve o falecido Papa João Paulo II com o filósofo polonês-americano Anna-Teresa Tymieniecka, informou a BBC.

São palavras escritas por Karol Wojtyla em 10 de setembro de 1976, dois anos antes de ser ordenado papa e tornar-se João Paulo II.

Seu destinatário: a filósofa americana de ascendência polonesa Anna-Teresa Tymieniecka, uma mulher casada .

Linhas como essa, contidas em centenas de cartas, revelam a intensa amizade que ambas compartilharam por mais de 30 anos.

A BBC teve acesso a algumas das cartas escritas por João Paulo II, embora ele não pudesse ver as escritas pela mulher para o futuro papa.

Há também fotografias que testemunham esse relacionamento.

“EU ESTAVA PROCURANDO UMA RESPOSTA PARA ESTAS PALAVRAS DE VOCÊ NO ANO PASSADO: ‘EU PERTENÇO A VOCÊ'” JOÃO PAULO II.

Faceta pouco conhecida

Os documentos mostram uma faceta pouco conhecida de João Paulo II. 
A amizade entre os dois começou em 1973, quando Tymieniecka contatou o futuro papa, o cardeal Karol Wojtyla, então arcebispo de Cracóvia, por um livro de filosofia que ele havia escrito.


                                             E, em reconhecimento a esses serviços, o Sumo Pontífice concedeu-lhe o título de cavaleiro papal. 
O casamento teve três filhos
.
 

A primeira carta escrita pelo cardeal foi formal, mas à medida que a amizade cresceu, a correspondência tornou-se mais íntima. 
Além disso, decidiram trabalhar juntos numa versão mais extensa do livro Osoba i Czyn (“Pessoa e ação”, em polonês), uma análise fenomenológica escrita por Wojtyla sobre a ação humana e publicada em 1969.

A versão definitiva, estendida junto com Tymieniecka, seria publicada em inglês em 1979 e seria intitulada A pessoa em ação (“A pessoa que age”).

Depois da colaboração, eles se encontraram várias vezes, alguns na presença da secretária de Wojtyla e às vezes sozinhos. 
E a correspondência continuou.

As imagens que definem a relação íntima de João Paulo II

Em 1974 ele escreveu para Tymieniecka que estava revisando quatro das cartas que ela lhe enviara em um único mês, porque elas eram “muito significativas e profundamente pessoais”.

Há também fotografias que testemunham o relacionamento, que nunca foram tornadas públicas e que mostram um descontraído Wojtyla.

Algumas delas são caminhadas no campo e dias de esqui para os quais o futuro pontífice convidou seu amigo.

Tymieniecka até se juntou a ele em uma viagem de acampamento em grupo.

E há também imagens em que o filósofo é visto visitando o já papa no Vaticano.

 

“Aqui é uma das poucas figuras transcendentes da vida pública no século XX, o chefe da Igreja Católica em um intenso relacionamento com uma mulher atraente”, diz Eamon Duffy, professor emérito de História do Cristianismo na Universidade de Cambridge, do Reino Unido.

“Presente de Deus”

Em 1976, o cardeal Wojtyla participou de uma conferência católica nos EUA. 
E Tymieniecka convidou-o para ficar com sua família na casa de campo que ela possuía na Nova Inglaterra, no nordeste do país. 
As cartas escritas pelo futuro Papa depois daquela viagem refletem um homem que luta para encontrar significado, em termos cristãos, em seu relacionamento, o que sugere que ela pode ter revelado sentimentos intensos por ele.

Em uma dessas cartas, datada de 1976, ele escreve: “Minha querida Teresa, recebi as três cartas. Você escreve que está arrasado, mas não consigo encontrar uma resposta para essas palavras “.

E depois de um tempo, João Paulo II respondeu:

“OLHANDO DO ÚLTIMO ANO UMA RESPOSTA PARA ESTAS PALAVRAS SUAS: ‘EU PERTENCIA'”.

Acredita-se que cópias destas foram incluídas no arquivo vendido à Biblioteca Nacional da Polônia em 2008, seis anos antes de sua morte.

Tal era a sua amizade, que seria o líder da Igreja Católica deu Tymieniecka um de seus bens mais valiosos: um escapulário, um objeto devota formado por dois pequenos pedaços de tecido em conjunto com duas longas fitas para jogá-lo em torno de seu pescoço.

Isso é revelado pelas linhas contidas em uma carta datada de 10 de setembro de 1976, com a qual este artigo começa.

Em 16 de outubro de 1978, após dois dias de deliberações do conclave, Wojtyła foi eleito sucessor de San Pedro. 
E imediatamente depois ele foi ao seu amigo.

“Eu escrevo para você depois do evento (sua eleição como Papa), para que a correspondência entre nós continue”, diz a carta.

“Eu prometo que nesta nova etapa da minha viagem eu vou lembrar de tudo”, acrescenta.

Fonte:Folha Gospel –  BBC