Categorias
Artigos Noticias

Muçulmanos incendeiam e saqueiam igrejas cristãs na Indonésia

 

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Um grupo de muçulmanos indonésios incendiou e depredou igrejas cristãs e enfrentou a polícia nesta terça-feira, em meio a uma onda de violência religiosa no maior país islâmico do mundo.

Dois dias depois de um grupo de muçulmanos ter linchado até a morte três membros de uma pequena seita islâmica, uma multidão de muçulmanos furiosos atearam fogo a dois templos cristãos e saquearam um terceiro na cidade de Temanggung, no centro da ilha de Java, segundo a polícia.

Os fatos ocorreram durante confrontos com a polícia quando o grupo reclamava a pena de morte para um cristão condenado por blasfêmia contra o islã.

Slamet Riyadi/AP

Estátua de Jesus Cristo quebrada por ataque a igreja cristã em Temanggung, em Java Central, Indonésia

Estátua de Jesus Cristo quebrada por ataque a igreja cristã em Temanggung, em Java Central, Indonésia

Eles exigem a pena de morte para Antonius Bawengan, 58, cristão condenado a cinco anos de prisão por distribuir panfletos considerados ofensivos ao islamismo.

"Hoje [terça-feira] foi o auge do julgamento. A multidão gritava que ele deveria ser condenado à morte ou ser entregue ao público", afirmou Djihartono, porta-voz da polícia provincial de Java Central.

Os manifestantes gritavam "morra, morra" do lado de fora do tribunal, e "queimem, queimem" ao seguirem em direção às igrejas, em uma região de Java onde muçulmanos e cristãos convivem pacificamente. Uma escola católica também foi vandalizada.

Os cerca de 1.500 manifestantes também atiraram pedras contra a polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo e tiros de advertência para o alto. Uma viatura da polícia foi queimada em meio à confusão, que começou em frente à corte e se espalhou pelas ruas do bairro.

O mais recente episódio de violência religiosa na Indonésia –geralmente citada como exemplo de país pluralista– coincide com um aumento da pressão sobre o governo para que combata o extremismo e reforce seu compromisso com a diversidade.

A Constituição indonésia garante liberdade religiosa, mas grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que a violência contra minorias –incluindo cristãos e ahmadis– só aumentaram desde 2008.

Organizações como a Anistia Internacional indicam que a intolerância está em alta na Indonésia, país de 240 milhões de habitantes, dos quais 80% são muçulmanos.

AHMADIS

Nesta segunda-feira, a imprensa indonésia divulgou um vídeo com imagens fortes, que mostram como membros de um movimento religioso minoritário são linchados por uma multidão de muçulmanos sem que a polícia intervenha.

As imagens foram filmadas no domingo em um povoado no oeste de Java, onde mais de 1.000 pessoas, armadas com machados e pedaços de pau, atenderam à convocação de organizações islâmicas para impedir uma reunião da seita dos ahmadis em uma casa particular. Três membros do movimento religioso morreram, segundo a polícia.

AFP

Imagem de vídeo que mostra ataque de multidão de muçulmanos a grupo religioso minoritário na Indonésia

Imagem de vídeo que mostra ataque de multidão de muçulmanos a grupo religioso minoritário na Indonésia

Os ahmadis, movimento pacifista, contam com 500 mil fiéis na Indonésia, onde mais de 80% da população é muçulmana.

Eles acreditam que Maomé não foi o último profeta do islã e dizem que Mirza Ghulam Ahmad, que fundou a seita na Índia no século 19, foi um sucessor e messias.

Um decreto do governo, adotado em 2008 devido à pressão de movimentos islâmicos, proíbe os ahmadis de propagar sua fé.

"Este brutal ataque contra fiéis ahmadis reflete o contínuo fracasso do governo indonésio em proteger as minorias religiosas de perseguições e ataques e em responsabilizar os responsáveis por estes crimes", destacou Donna Guest, diretora da Anistia Internacional para a região do Pacífico Asiático.

Scot Marciel, embaixador americano em Jacarta, divulgou um comunicado nesta terça-feira "lamentando a violência". "Encorajamos o governo indonésio a continuar incentivando a tolerância e protegendo os direitos de todas as comunidades", afirmou.

O presidente indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, condenou o linchamento dos ahmadis no domingo, mas defendeu a lei de 2008 que proíbe a seita de propagar sua fé. Esta legislação é usada por grupos radicais muçulmanos para justificar os ataques contra membros da minoria religiosa.

Categorias
Noticias

Irmandade Muçulmana anuncia início de diálogo com autoridades egípcias

Fonte: Folha.com

DAS AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Revolta ÁrabeA Irmandade Muçulmana, um dos mais influentes grupos da oposição no Egito — considerado ilegal pelo ditador Hosni Mubarak–, afirmou em um comunicado na madrugada deste domingo (hora local) que irá iniciar um diálogo com as autoridades egípcias para buscar uma saída a atual crise política vivida no país.

"Desejando preservar os interesses da nação e de suas instituições e ansiosos para preservar a independência do país e sua rejeição de qualquer interferência internacional ou regional em nossos assuntos internos, iniciamos um diálogo para ver se eles estão dispostos a aceitar as exigências da população", afirma o comunicado.

Um responsável do movimento afirmou à agência France Presse, sem se identificar, que "foi realizada uma reunião no sábado de manhã entre os responsáveis da Irmandade Muçulmana e o vice-presidente Omar Suleiman".

DIÁLOGO

Na noite da última sexta-feira, representantes da oposição egípcia reuniram-se com o premiê, Ahmed Shafiq, para reiterar a necessidade de o presidente Hosni Mubarak renunciar.

A Irmandade Muçulmana não participou deste encontro.

Abdel Rahman Youssef, representante da Assembleia Nacional para a Mudança (ANC, por sua sigla em inglês), liderada pelo Nobel da Paz Mohamed ElBaradei, declarou à rede de TV Al Jazeera que ele participou da reunião junto a outros dirigentes da oposição.

Youssef disse que foram apresentadas a Shafiq duas reivindicações principais: a renúncia do presidente e uma série de passos vinculados aos incidentes violentos dos últimos dias protagonizados por partidários do regime de Mubarak.

No poder desde 1981, Mubarak anunciou na terça-feira passada que não se apresentará como candidato presidencial para as eleições de setembro, e confirmou que se encarregará de dirigir uma transição que culmine em sua substituição.

"Achamos que sua saída tem que ser agora, seja deixando a Presidência ou saindo do país, ou delegando o poder ao vice-presidente, de acordo com a Constituição", disse o representante da oposição.

"A partir dessa etapa, começaríamos a negociar", acrescentou.

A oposição egípcia mostrou-se disposta a negociar com os militares e rejeitou qualquer oferta de diálogo proposta por Mubarak.

Um dos dirigentes da Irmandade Muçulmana, Gamal Nasser, afirmou na ocasião à Efe que seu grupo "não participará de diálogo algum até que o regime atenda às reivindicações do povo".

Nasser declarou que não foi informado sobre essa reunião com o premiê anunciada pela ANC.

Segundo Youssef, o premiê reconheceu na reunião "a legitimidade das reivindicações" populares.

Ele acrescentou que, se Mubarak continuar no poder, "a crise se aprofundará" e poderá haver uma escalada da violência.

REVOLUÇÃO ISLÂMICA

A Irmandade Muçulmana não quer "que a insurreição (no Egito) seja apresentada como uma revolução islâmica", afirmou o porta-voz do movimento, Rashad al Bayumi, em entrevista à edição da próxima segunda-feira da revista alemã "Der Spiegel".

"Nos manteremos num segundo plano" durante as manifestações, por "não querer que sejam apresentadas como uma revolução da Irmandade Muçulmana, islâmica. É um levantante do povo egípcio", explica al Bayumi.

O número dois da organização lamenta que o regime do ditador Hosni Mubarak "transmita voluntariamente uma visão deformada do movimento e manipule a opinião pública".

"O Ocidente não quer nos ouvir. Não somos diabos. Queremos a paz, não a violência. Nossa religião não é diabólica. Nossa religião respeita os fiéis de outras crenças, esses são nossos princípios", assegura.

Na mesma edição do semanário aparece, também, uma entrevista com o senador republicano americano John McCain, rejeitando a ideia de uma participação da Irmandade Muçulmana num governo de transição, porque seria "um erro histórico".

"A Irmandade Muçulmana é um grupo extremista, que tem como principal objetivo a instauração da Sharia, o código de leis islâmicas. É totalmente antidemocrático, em especial no que se refere aos direitos das mulheres", acrescentou McCain.

Categorias
Noticias

IRÃ : Pastor iraniano é preso pelas autoridades locais

     Behnam Irani é um pastor iraniano que foi condenado por "agir contra a Ordem" e preso pelas autoridades do Irã.
     Jason DeMars da agência Present Truth Ministries disse a Assist News Service (ANS, sigla em inglês) que isso significa o pastor organizava reuniões domésticas e outras atividades cristãs.
     Jason declarou a ANS: "Soube que em torno de 11h no Irã, o pastor foi convocado para uma reunião com o serviço de segurança e, posteriormente, foi preso."
     O pastor Behnam é casado e pai de dois filhos.
      Cristãos presos
     No caso de Behrouz Sadegh-Khandjani, que está preso em Shiraz, Jason afirma que o julgamento será em 05 de fevereiro.
     A mãe de Behrouz é originalmente do Congo e está incapaz de ter acesso aos serviços básicos no país, pois sua identificação foi levada pela polícia secreta.
     Jason também confirma a permanência de Youcef Nadarkhani na prisão de Lakan, na província no norte do Irã.
     "Seu status não mudou”, declara. “Ele continua sob pena de morte por apostasia. Ele espera que o Supremo Tribunal Federal derrube ou confirme a sentença.

Data: 29/1/2011
Fonte: Portas Abertas