Categorias
Noticias

A violência contra cristãos cresce no mundo todo

Pesquisa sobre perseguição religiosa revela que 2.983 cristãos foram mortos por sua fé em 2019

Igreja incendiada no Níger. (Foto: Portas Abertas)

Um dos dados mais alarmantes pesquisados pela Portas Abertas para a formulação da Lista Mundial da Perseguição 2020 é o número de cristãos mortos, presos, violentados, pressionados no mundo.

Foram contados mais de 260 milhões de cristãos que enfrentam algum tipo de hostilidade por professarem sua fé em Jesus.

A pesquisa foi realizada no período de 1º de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019.

Ao todo, 2.983 cristãos foram mortos por sua fé, nos países pesquisados. No ano passado, esse número passou dos 4.300. A razão para a queda é a diminuição do número oficial de cristãos mortos na Nigéria.

Isso se deve ao fato de pastores de cabra fulani, muçulmanos radicais, terem mudado parcialmente de tática.

Em vez de se concentrarem em invadir propriedades e comunidades cristãs, eles agora colocam mais ênfase em sequestros e assassinatos em massa. Apesar disso, o número de cristãos mortos em outros países aumentou, o que significa que a violência contra cristãos no mundo tem aumentado a cada ano.

Grande parte disso se deve a alguns fatores, como:

O número de igrejas atacadas de diferentes formas aumentou consideravelmente, de 1.847 em 2019 para 9.488 este ano.

Isso está especialmente relacionado à ação do regime chinês contra a igreja, onde o número de igrejas violadas, direta ou indiretamente, no período do relatório de 2020 foi de pelo menos 5.576. Outros países também viram um aumento de ataques nas igrejas, mas vale ressaltar que essa é uma estimativa conservadora.

Grande parte do número de cristãos mortos e igrejas atacadas estão em países da África Subsaariana.

O mesmo se aplica a sequestros, abuso físico ou mental, casas ou outras propriedades atacadas e lojas ou negócios atacados. Isso ocorre porque a violência na África Subsaariana está frequentemente ligada a grupos extremistas islâmicos que visam criar instabilidade. Isso também acontece pelos muitos governos enfraquecidos na região.

Para os cristãos que são violentados ou assediados sexualmente, os números apresentados devem ser considerados apenas a ponta do iceberg.

Cabe ressaltar que lideram esta lista quatro países da Península Arábica (Arábia Saudita, Catar, Kuwait e Emirados Árabes Unidos). Isso é especialmente devido à situação das empregadas domésticas africanas e asiáticas em famílias árabes que são vulneráveis a assédio ou abuso sexual. Há poucos dados disponíveis, porque esse tipo de violência ocorre normalmente a portas fechadas.

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus

Categorias
Noticias

Ministério reconstrói quase 700 casas de cristãos destruídas pelo EI

“Deus está fazendo uma ‘coisa nova’ em Qaraqosh”, afirma um relatório da Portas Abertas.

          Ministério reconstrói quase 700 casas destruídas pelo EI

Quase 700 casas cristãs foram reconstruídas pela missão Portas Abertas e seus parceiros nas Planícies do Nínive, Iraque, após anos de genocídio e destruição cometidos pelo Estado Islâmico.

Há cerca de três anos e meio, os jihadistas forçaram os cristãos e outras minorias religiosas na região a escolher se converter ao Islã, pagar um pesado imposto para manter sua fé ou ser morto. Vendo suas vidas em risco, centenas de milhares de cristãos assírios, católicos e ortodoxos decidiram fugir de suas casas e procurar refúgio nos países vizinhos.

Após a cidade de Mosul e as planícies vizinhas de Nínive terem sido libertadas em meados do ano passado, os membros da comunidade cristã estão lentamente reconstruindo suas casas e igrejas destruídas e profanadas pelo brutal grupo terrorista.

Embora não tenham recebido muito auxílio de governos estrangeiros, grupos humanitários internacionais estão oferecendo ajuda para restaurar as aldeias.

A Portas Abertas, ministério que opera em mais de 60 países em todo o mundo, que já trabalhava com refugiados na região, anunciou que 678 casas foram restauradas nas Planícies de Nínive, graças às doações de seus parceiros. Foram 286 casas em Qaraqosh, que já foi a maior cidade cristã do Iraque.

“Como o Senhor disse a Seu povo através do profeta Isaías, Deus está fazendo uma ‘coisa nova’ em Qaraqosh”, afirma um relatório da Portas Abertas. “Lojas e restaurantes estão abertos, as crianças vão para a escola, os ônibus cheios de estudantes se dirigem para Mosul diariamente para que possam estudar na Universidade de Mosul, e um número crescente de cristãos estão retornando à cidade assíria”.

Mesmo assim, os custos para restauração do norte do Iraque ultrapassam o que a as missões cristãs conseguem levantar. Outros grupos humanitários, como os Cavaleiros de Colombo e a Fundação Auxílio à Igreja que Sofre (ACN), bem como organizações menores, estão se unindo para apoiar os moradores, independentemente da fé que professam.

A ACN, uma organização ligada ao Vaticano, comprometeu-se com cerca de US$ 5 milhões para apoiar projetos de reconstrução e reforma de aproximadamente 2.000 casas de cristãos no Iraque.

O governo da Hungria fez uma grande doação no ano passado para ajudar a restaurar casas na cidade cristã de Telskuf. Espera-se que em breve chegue o dinheiro prometido por Donald Trump. Com informações de Gospel prime e  Christian Post

Categorias
Estudos Noticias

MUNDO MUÇULMANO

MISSÕES

Começa o ramadã e Portas Abertas faz campanha

     Na segunda-feira, 1º de agosto, foi iniciado o Ramadã para os islâmicos. O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, no qual se acredita que o profeta Maomé recebeu a revelação da parte de Alá, por meio do anjo Gabriel, dos primeiros versos do Alcorão. De acordo com o islamismo, Maomé estava andando em um deserto perto de Meca em 610 d.C. Isso aconteceu onde atualmente localiza-se a Arábia Saudita. Esse ano o Ramadã será do dia 1º de agosto até o dia 30 do mesmo mês.
“Na história muçulmana, o Ramadã é frequentemente marcado por revoltas e vitórias”, recorda Abdullah al-Amadi, responsável pelo site Islamonline. “Acredito que os jovens da Primavera Árabe irão se inspirar para ter ainda mais força na luta contra a injustiça e a tirania”, analisa.
Para ele, as manifestações serão mais fortes especialmente nos últimos 10 dias do mês, que são ainda mais sagrados. O Ramadã, ou mês da piedade, é também definido por inúmeros muçulmanos como o mês do esforço e sacrifício, o que pode motivar ainda mais os manifestantes.
Na Síria existem mais de 10 mil mesquitas que todas as noites recebem uma quantidade considerável de fiéis, manifestantes em potencial. Os Comitês de Coordenação da Revolução Síria esperam que isso aconteça. “O regime está aterrorizado com o Ramadã e as orações noturnas de Tarawih”, lê-se na página do Facebook “Syrian Revolution 2011”.
Na Líbia, os que tomaram as armas contra o regime de Muamar Kadhafi esperam o Ramadã com um sentimento de grande determinação, ainda que encarem com apreensão os novos combates.
No Iêmen, onde o movimento de protesto iniciado em janeiro perdeu força devido a divisões na oposição e a incerteza sobre as reais intenções do presidente Ali Abdullah Saleh, hospitalizado em Riad desde um ataque em junho, nada pode prever como irão se desenrolar os acontecimentos.
Mas os jovens manifestantes que ainda acampam em Sana se mostram determinados a retomar o movimento durante o Ramadã. “Este será o mês da mudança, ainda mais porque Ali Abdullah Saleh não está no Iêmen”, acredita Walid al Omari, um dos porta-vozes do movimento.
A Portas Abertas está fazendo uma campanha de oração em favor do mundo muçulmano. A equipe da missão terá a possibilidade de demonstrar de forma prática um de seus valores centrais, que diz: “somos pessoas de oração”.
A campanha também faz um apelo pelos cristãos que passam pela época do Ramadã. Eles enfrentam uma difícil fase nesse mês.

Data: 2/8/2011
Fonte: Portas Abertas