Categorias
Estudos

É o fim dos tempos? O caos russo tem a ver com Gogue e Magogue? Especialistas respondem

Alguns teólogos defendem que os atuais acontecimentos encontram referência nas profecias de Ezequiel sobre a batalha de Gogue e Magogue.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE FAITHWIRE
Explosão em Kiev no segundo dia da invasão russa à Ucrânia. (Foto: Captura de tela/YouTube Band Jornalismo)
Explosão em Kiev no segundo dia da invasão russa à Ucrânia. (Foto: Captura de tela/YouTube Band Jornalismo)

Com a invasão russa à Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, muitos se perguntam se é o prelúdio de uma Terceira Guerra Mundial. É o fim dos tempos?

No segundo dia da invasão, embora a situação esteja perigosa e violenta e o número de mortos esteja subindo, nenhum dos chefes de Estado envolvidos declarou estado de guerra.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse às Nações Unidas, na quarta-feira (23), que uma guerra total com a Rússia seria o “fim da ordem mundial”.

E além das conversas políticas, há também discussões teológicas acontecendo, resgatando temas sobre o fim dos tempos bíblicos e do envolvimento teórico da Rússia nele.

Estamos diante do fim dos tempos?

Será que as ações da Rússia fazem parte do cenário escatológico? Especialistas bíblicos são cautelosos para não exagerar ou fazer proclamações definitivas sobre nações e eventos, embora tenham surgido teorias viáveis ​​que valem a pena explorar, conforme o Faithwire.

O autor Joel Rosenberg está entre aqueles que exploram abertamente as profecias do Antigo Testamento sobre o fim dos dias bíblicos. Ele discute a potencial colocação da Rússia nos acontecimentos atuais.

Em seu blog, ele publicou há alguns anos sobre uma possível relação entre eventos mundiais aos escritos de Ezequiel. “O profeta hebreu Ezequiel escreveu há 2.500 anos que nos ‘últimos dias‘ da história, Rússia e Irã formarão uma aliança militar para atacar Israel pelo norte”,  escreveu Rosenberg .

Estudiosos da Bíblia referem-se a esse conflito escatológico, descrito nos capítulos 38 e 39 do livro de Ezequiel, como a Guerra de Gogue e Magogue. “O texto fala de um ‘Gogue, da terra de Magogue’ [Ez 38.14-16] e aponta não apenas uma batalha, mas uma vitória do Senhor diante dos olhos do mundo”, continuou.

O que significa Gogue e Magogue?

Há muitas opiniões e interpretações teológicas sobre Gogue e Magogue. Conforme o Got Questions Ministries, existe uma ligação com a Rússia. “Gogue é uma pessoa. E quem quer que seja Gogue, ele é da terra de Magogue, um líder de Tubal e Meseque [algumas traduções adicionam ‘Rosh’ à lista]”, diz o site.

Além disso, menciona também uma confederação de outras nações: Pérsia, Cuxe, Put, Gomer e Beth Togarma, conforme Ezequiel 38.5-6. “E, quem quer que seja, ele terá planos de ‘atacar um povo pacífico e inocente‘, isto é, Israel [versículos 11, 14 e 18]. Mas, independentemente dos planos de Gogue, o Senhor Deus está contra ele e o derrotará”, explica ainda.

E por que alguns acreditam que a Rússia é Magogue?

No mapa, se olhar para o lado norte, estará a Rússia e os antigos territórios soviéticos. Portanto, não é surpreendente ver tantos especialistas bíblicos apontarem para essa região, de acordo com artigo do Faithwire.

Outra nota mencionada no artigo é a “Pérsia”, uma nação listada como estando em aliança com Magogue, ou seja, o Irã moderno. O pastor Roger Barrier, que se aposentou como pastor sênior da Igreja Casas, em Tucson, Arizona, disse algo essencial: “Deus escolheu não nos dar todos os detalhes sobre o fim dos tempos”.

Por esse motivo, nem sempre há respostas definitivas sobre o que está acontecendo, por exemplo, quanto à questão da invasão russa à Ucrânia. Mas, ele enfatiza também que é “incrivelmente frutífero explorar as Escrituras e ter uma compreensão do que os textos bíblicos estão apontando”.

“Quando falamos de ‘Gogue e Magogue’, estamos falando de um líder na terra da Rússia. Porém, se daqui a 500 anos, se Cristo demorar, essa terra poderá ter outro nome, pois estará em outro tempo”, observou o pastor que é fundador do Crosswalk.

“Magogue significa o ‘Príncipe de Rosh’ [de Gogue]. Rosh é a antiga palavra raiz para a terra da Rússia. Deus informa que Magogue virá do extremo norte. O que fica ao norte de Jerusalém? Moscou. E ‘Meseque’ é o antigo nome da capital da Rússia ocidental. Tubal é identificada como uma cidade da Sibéria”, detalhou.

O pastor ainda especifica que Gogue (Rússia) é o rei do Norte. E que o rei do Sul é uma coalizão árabe-africana.

Sobre os nomes das nações

“Ezequiel 38.5-6 identifica as outras nações que serão arrastadas para a batalha, contra os reis do Sul: Pérsia — Cush e Put estarão com eles, com escudos e capacetes. E também Gomer com suas tropas, e Beth Togarma do extremo norte”, acrescentou.

Pérsia — atual Irã.

Cush — atual Etiópia e nações da África Central.

Put e Líbia — localizados no norte da África.

Gomer — povo que se estabeleceu na Alemanha.

Beth Togarma — atual Ásia Menor e Turquia.

Para Roger, essas nações se alinharão com a Rússia nas batalhas contra o rei do Sul e, mais tarde, contra o Anticristo.

Profecias que ainda não se cumpriram 

Ao citar que Israel ressurgiu como nação, em 1948, Rosemberg aponta para o cumprimento de uma profecia bíblica e foca depois naquelas que ainda não se cumpriram, como a profecia de Gogue e Magogue.

“O líder da Rússia [disse sem citar nomes] fará uma aliança com Irã, Turquia e alguns outros países hostis para cercar e atacar Israel nos últimos dias”, lembrou.

Alguns podem se perguntar se Putin e a Rússia contemporânea se encaixam nessa profecia, mas Rosenberg foi cauteloso ao dizer que é possível que sim e que não.

“Talvez esses eventos estejam a centenas de anos de distância ou mais próximos do que imaginamos. A Bíblia não especifica e os cristãos são exortados a não definir uma data”, ponderou.

Porém, também disse em 2018, que “Vladimir Putin é mais perigoso para os Estados Unidos do que o islamismo radical”.

Resumindo, o caos entre Rússia e Ucrânia indica que estamos no fim dos tempos? “Ninguém sabe, mas considerando as questões internacionais em andamento em torno de Israel, Irã e Rússia, muitos cristãos e teólogos preferem observar de perto”, concluiu.

Categorias
Estudos

Evidências de ‘gigantes bíblicos’ são encontradas no norte de Israel

A busca por provas da existência de nefilins foi transformada em uma série documental.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST
Gilgal Refaim, ou Roda dos Gigantes, nas Colinas de Golã. (Foto: Abraham Graicer/Wikimedia Commons)
Gilgal Refaim, ou Roda dos Gigantes, nas Colinas de Golã. (Foto: Abraham Graicer/Wikimedia Commons)

Os gigantes da Bíblia, também mencionados como Nefilim, são figuras que provocam a curiosidade dos estudiosos bíblicos. Uma intensa pesquisa em busca de vestígios dos nefilins se tornou em uma série documental.

Produzida pela Inspiration TV, uma rede de entretenimento cristã, a série “Anjos e Gigantes, os Vigias e Nefilins” apresenta uma investigação sobre as teorias por trás dos gigantes bíblicos.

“A Bíblia descreve os Nefilim em vários lugares”, disse Rudy Landa, produtor e diretor da Inspiration TV, ao site Jerusalem Post.

Landa lembra que a principal referência aos nefilins está em Gênesis 6:4, que diz: “Naqueles dias havia nefilins na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos. Eles foram os heróis do passado, homens famosos.”

Para encontrar evidências reais, fugindo do sensacionalismo que pode haver em torno do assunto, Landa contou com a ajuda do autor Douglas Van Dorn, que acabou de escrever um livro sobre o tema.

A busca por provas passou por diversos países como Egito, Peru e Estados Unidos, mas a série documental começa nas Colinas de Golã, em Israel.

“Faz sentido começar em Israel, onde a história dos Nefilim começou”, disse Landa. “E isso foi em Golã.”

O Livro de Enoque, um livro apócrifo do segundo século a.C. atribuído ao bisavô de Noé, faz uma descrição dos Nefilim e afirma que o nome do Monte Hermon é derivado da palavra hebraica cherem, que significa “ser banido”.

De acordo com o Livro de Enoque, os Nefilim foram banidos do céu e enviados à terra no Monte Hermon. A região, conhecida como Basã, é de onde o rei Ogue saiu contra os israelitas no momento de sua entrada na Terra Prometida.


Gilgal Refaim é um antigo monumento nas Colinas de Golã.  (Foto: Wikimedia Commons)

Roda dos Gigantes em Israel

Os produtores da série também foram ao Gilgal Refaim (“Roda dos Gigantes”), uma formação rochosa localizada nas Colinas de Golã. Olhando do chão, parecem pilhas de rochas. Mas de cima, é possível ver círculos concêntricos de pedras com um túmulo no centro.

O propósito de Gilgal Refaim, que afirma-se ter sido construído ainda em 3500 a.C., é um mistério e foco de debate acadêmico. “Existem teorias que afirmam que Ogue foi enterrado em Gilgal Refaim”, disse Landa.

Além disso, Landa explicou que Gilgal Refaim se alinha com fenômenos astronômicos, permitindo que o local fosse usado para prever o início das chuvas — uma habilidade de sobrevivência muito importante.

A entrada para o centro dá para o nascer do sol no solstício de verão. Os entalhes nas paredes indicam os equinócios da primavera e do outono. Outras marcações indicam as ascensões das estrelas.

“Havia claramente um design muito inteligente por trás do local”, observou Landa.

Com base em Gênesis 14:13, que descreve um “fugitivo” (Palit) que contou a Abrão sobre a captura de Ló, a tradição judaica ensina que Ogue estava vivo no tempo de Noé, mas escapou do dilúvio se agarrando ao lado da Arca.

Deuteronômio 3:11 diz que “Ogue, rei de Basã, era o único sobrevivente dos refains”.

Uma estimativa aproximada do tamanho de Ogue pode ser feita com base em uma referência ao tamanho de sua cama, que é descrita como 9 côvados de comprimento e 4 de largura. Fazendo a conversão da medida bíblica, significaria que a cama de Ogue tinha mais de 4 metros de comprimento e mais de 1,80 de largura.

A Inspiration Networks “Angels & Giants: The Watchers & Nephilim” estará disponível ainda este ano, mas ainda está analisando o canal de distribuição.

Categorias
Artigos

Avanço do Evangelho: maior canal cristão do YouTube alcança 10 milhões de seguidores

Pastor Antônio Júnior disse que o mais importante não são os números, mas as vidas. “Para Deus 1 ou 10 milhões não faz diferença, pois Ele enxerga a cada um individualmente”, disse.
FONTE: GUIAME, CRIS BELONI
Pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)
Pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)

“Ide e pregai o Evangelho por todo o mundo” é um imperativo muito comum aos cristãos. Essa possibilidade nunca foi tão real quanto nos dias de hoje. Com o avanço da tecnologia, a internet permitiu que as pessoas pudessem levar a mensagem de Deus a terras onde sequer sonham pisar.

Em entrevista ao Guiame, o pastor Antônio Júnior disse que quando abriu seu canal no YouTube, a intenção era apenas alcançar as pessoas através das imagens. “Antes, eu só escrevia posts no Instagram, Facebook e site. Mas, eu queria alcançar as pessoas que são mais visuais como eu”, disse ao contar que entende melhor a Bíblia através de filmes e ilustrações.

“Era meu sonho transmitir a mensagem de Deus dessa forma visual, didática e fácil de entender. Quando gravo vídeos, eu sempre imagino aquela senhorinha lavando louça, numa comunidade sem recursos. Penso numa criancinha que pode estar ouvindo”, ilustrou.

“Ouvi Deus falando comigo”

Ao contar sobre suas experiências com Deus, o pastor disse que recebeu a instrução de abrir uma página no Facebook, em 2013. “Foi por onde comecei. Deus disse para eu abrir uma página no Facebook, pois Ele falaria com as pessoas ali, através da minha vida”, revelou.

Em apenas três meses, já havia mais de 100 mil seguidores. “E as pessoas testemunharam muito, dizendo que Deus estava falando com elas, que as mensagens eram profundas. Tudo cresceu muito rápido. No site tinha mais de 1 milhão de pessoas acessando”, especificou.

Ao contar sobre o crescimento instantâneo de suas redes sociais, o pastor reconhece: “É de Deus mesmo. Esse ministério é de Deus”.

Antônio Júnior
“Quero que o maior número de pessoas possa se converter e seguir a Jesus para serem salvas”, diz o pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)

“Meu objetivo é alcançar as pessoas independente de religião”

“O que eu faço é pregar o Evangelho e falar do amor de Deus. Meu público alvo são as pessoas que querem ouvir e meu objetivo é somente alcançar essas pessoas, independente de religião”, destacou.

O pastor sempre faz questão de deixar claro que “conhece os dois lados”, já que se converteu aos 18 anos. Por esse motivo toma muito cuidado para não agredir a religião dos outros. “Nunca preguei de maneira agressiva. Eu só quero mostrar para as pessoas que elas também podem ter um encontro com Deus”, disse.

“Deus pode mudar a vida das pessoas assim como mudou a minha. É isso o que queima no meu coração, eu quero que o maior número de pessoas possa se converter e seguir a Jesus para serem salvas”, mencionou.

Sobre o crescimento rápido no número de seguidores

“Sei que tem muitos católicos que me seguem, espíritas e até pessoas que não seguem religião nenhuma. As pessoas ouvem a mensagem porque não têm preconceito com a palavra de Deus, elas tem preconceito de religião”, esclareceu.

Conforme o pastor, em janeiro de 2015 havia 8 mil seguidores em seu canal no YouTube e, em dezembro do mesmo ano, já havia quase 1 milhão.

Antônio Júnior compartilha que não são os números que o inspiram a continuar a fazer esse trabalho. “Para Deus não faz diferença se tem 1 ou 10 milhões, porque Ele enxerga a cada um individualmente”, considerou.

 “Eu já pensei em desistir”

O pastor revela que já pensou em desistir várias vezes. “Muitas vezes eu chorei e tive muitos levantes do inimigo, porque ele não queria que essa obra continuasse. Mas, os testemunhos das pessoas me mostraram que eu estava no caminho certo”, continuou.

“Maridos estavam voltando para suas esposas, famílias inteiras estavam se convertendo. Foram tantos os testemunhos que me motivaram a continuar nessa jornada. Muito mais do que números, são vidas. Eu valorizo cada pessoa porque sei que ela é especial para Deus”, disse.

“Eu não consigo responder a todas, mas eu queria poder dar um abraço em cada uma delas. Sei que é impossível, então eu sempre falo nos vídeos: ‘Se a gente não puder se encontrar pessoalmente aqui, teremos tempo lá na glória’. Eu digo que vamos poder celebrar o que Jesus fez por nós”, resumiu.

O pastor Antônio Júnior tem 38 anos, é formado em publicidade, grava mensagens diariamente em seu canal no YouTube que atingiu na quarta-feira (9) a marca dos 10 milhões de seguidores, com mais de 1,3 bilhões de visualizações. Trabalha como pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana do Brasil, em Minas Gerais.