Categorias
Cultos

Avó entrega netos que vandalizaram igreja à polícia, após os reconhecerem no noticiário

Os dois meninos, de 8 e 9 anos, foram identificados como os infratores pelas imagens da câmera de segurança.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE FAITHWIRE
 Os dois meninos, de 8 e 9 anos, foram identificados pela câmara de segurança. (Foto: Reprodução/News 19WLTX).
Os dois meninos, de 8 e 9 anos, foram identificados pela câmara de segurança. (Foto: Reprodução/News 19WLTX).

Recentemente, uma avó, nos Estados Unidos, entregou os dois netos à polícia, após os reconhecerem, em reportagem na TV, como os autores do vandalismo em uma igreja local. Os dois meninos, de 8 e 9 anos, foram identificados pelas imagens da câmera de segurança, junto com outra criança de 10 anos.

A Igreja Batista Bell Memorial, na cidade de Columbia, Carolina do Sul, foi vandalizada cinco vezes desde o início do ano. O último ataque aconteceu na terça-feira passada (15).

Os atos de vandalismo deixaram vidros quebrados, objetos e livros espalhados e causaram danos no templo, cozinha e salas da igreja. O primeiro episódio aconteceu quando a congregação se preparava para retornar aos cultos presenciais e chocou toda a comunidade.

“Só de pensar que alguém entraria e faria isso na casa de Deus, eles não sabem o preço emocional que isso causou”, disse Johnnie Mae Butler, esposa do pastor, à TV local WACH-Fox, na época.

Antes da polícia identificar os menores infratores, Johnnie e o marido, líderes da Bell Memorial, declararam que já os havia perdoado.

Enquanto busca por programas de reeducação para as crianças, o Departamento de Polícia de Columbia recomendou que os meninos participem do dia de limpeza na igreja, no dia 5 de março. As famílias das crianças e a Bell Memorial concordaram com a decisão.

Categorias
Artigos

Hailey Bieber critica cultura da “panelinha” na Igreja: “Quando se tornou clube social?”

Em entrevista recente, a modelo revelou que já sofreu rejeição e se sentiu isolada dentro de sua congregação.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO THE CHRISTIAN POST
Hailey Bieber revelou que já se sentiu isolada em sua igreja. (Foto: YouTube/Hillsong Channel).
Hailey Bieber revelou que já se sentiu isolada em sua igreja. (Foto: YouTube/Hillsong Channel).

Recentemente, a super modelo Hailey Bieber criticou a cultura da “panelinha” nas igrejas, revelando que já sofreu rejeição em sua comunidade de fé.

Durante uma entrevista ao The Wall Street Journal, publicada na terça-feira passada (1), Hailey revelou que foi rejeitada por muitos irmãos em sua igreja em 2016, quando rompeu brevemente com o cantor Justin Bieber, com quem hoje é casada.

A experiência, que ela chamou de “clube social”, a fez se sentir isolada dentro da congregação. Na época, o casal era visto frequentando a Hillsong Church.

“Havia muitas pessoas no mundo da igreja que me fizeram sentir muito marginalizada. Quando a igreja se tornou um clube social? Foi uma sensação tão ruim”, disse a modelo.

Hailey e Justin, que se conheceram quando eram crianças, reataram o namoro em 2018, após se reencontraram em uma conferência da Hillsong, em Miami. Segundo a modelo, os pastores Judah Smith e Chelsea Smith da Churchome, seus amigos pessoais, foram os únicos que lhe apoiaram durante todo o processo.

O pastor Judah Smith foi quem oficializou o casamento religioso de Justin e Hailey, em 2019, em Palmetto Beach, Carolina do Sul.

Em uma entrevista para a Hillsong TV, Hailey Bieber contou que junto com o sentimento de ser rejeitada na igreja, ela também lutou contra a culpa por decisões erradas que tomou no passado, alguns meses depois de seu casamento.

A artista disse que precisou se perdoar por seus erros e deixar sua velha história para trás. “Todos sentimos vergonha pelas coisas que fizemos, mas isso não precisa definir quem somos”, refletiu.

E concluiu: “Estamos em constante evolução, especialmente em Jesus. Nosso relacionamento com Cristo está se aprofundando cada vez mais. Quem eu era antes de ser esposa, não é quem sou agora”.

Criação cristã

Filha de um americano e uma brasileira, Hailey cresceu frequentando uma igreja em Nyack, mas foi só quando se mudou para Nova York que ela realmente entrou em contato com sua própria fé.

“Quando fiquei mais velha, ficou mais difícil seguir a igreja e a Bíblia porque parecia muito adulta. Não quero me expressar mal, mas era chato. Eu não me importava mais, até encontrar uma igreja que eu achava que era voltada para os jovens. E para mim, essa era a Hillsong Church, na cidade de Nova York”, disse.

Hailey foi a um culto da Hillsong pela primeira vez aos 16 anos. “Comecei a sentir que era a minha pequena comunidade de pessoas, que também eram jovens e seguiam a Deus e estavam imersas na comunidade da igreja.

Depois, desenvolvi meu próprio relacionamento com a igreja e meu próprio relacionamento com Deus, independente de ser criada dessa maneira por meus pais. Essa foi uma jornada legal para mim”, afirmou.

 

Categorias
Cultos

Não adianta usar saia abaixo do joelho e ter a língua julgadora, diz Helena Tannure

A pastora disse que é preciso lutar contra a religiosidade para não julgar as pessoas.
FONTE: GUIAMEATUALIZADO: 

A pastora Helena Tannure alertou os cristãos sobre a religiosidade e como ela pode prejudicar a intimidade com Deus. Durante sua pregação no culto “Fé Meninas”, ela salientou que é preciso julgar menos. “Você conta para todo mundo que não assiste novela, mas continua fofoqueiro. Porque o seu impulso carnal, que a fofoca, continua no controle”, disse ela.

“Usar saia abaixo do joelho, não ‘rapar’ debaixo do braço, não usar brinco, deixar o buraco furado da orelha fechar, deixar o cabelo crescer, não pintar o cabelo. Isso são ordenanças de homens. Não estou aqui condenando quem se sente servindo ao Senhor dessa maneira. Mas, comumente as pessoas que assumem essas práticas para si exigem dos outros”, ressaltou.

“Tá falando do outro, mas não foi Jesus quem mandou fazer isso. Não foi Jesus que falou que eu posso usar barba ou não. Não foi Jesus que falou que os meus brincos me tornam ‘Jezabel’. Quem te falou isso foi o teu coração corrupto e julgador”, comentou.

“Você não usa brinco grande, você tem a saia abaixo do joelho, você não ‘rapa’ debaixo do braço, seu cabelo está aqui, mas a sua língua está grande e julgadora. Que religião é essa? Não tem nada a ver com o cristianismo. É uma aparência de justiça, aparência de humildade”, alerta.

“Agora, eu conheço pessoas que têm toda essa prática e que se sentem agradando a Deus assim. Mas, há uma qualidade nelas, que olham para uma menina de cabelo colorido e toda tatuada e consegue ver Deus na menina. Ela não julga a menina pela embalagem”, diz.

“Ela conhece a menina e tem a humildade de chegar perto, ouvir a experiência da menina com Deus e entender: ‘Essa aí tem o Espírito Santo’. Não interessa como ela está do lado de fora, não interessa se ela gosta de usar calça jeans rasgada. Quando ela abre a boca, derrama o Espírito Santo de Deus”, coloca.

“Em contrapartida, eu já conheci gente que tem sempre o dedo em riste para apontar. ‘Olha aquela lá, vai para o inferno. E você com esse cabelo, irmã? E você com essa calça, irmã?’. Um dia eu fui ler um comentário de uma pregação minha e uma pessoa me desacatou por causa dos meus brincos”, contou.

“Sério? Eu não tenho a pretensão de ser unanimidade. Deus não vai me usar para atingir todas as pessoas. Mas eu fico muito triste quando a pessoa não quer nem ouvir e nem conhecer a obra maravilhosa de Deus em mim, por que algum dia ela recebeu a instrução de uma falsa justiça. De uma falsa humildade, porque se ela estivesse realmente cheia do Espírito Santo de Deus, obedecendo os preceitos divinos, sendo transformada a imagem e semelhança. Se ela não fosse apenas uma ouvinte, mas se ela fosse discípula de Jesus, ela ia manifestar a graça de Jesus”.