Categorias
Noticias

Em Angola, vice-presidente Mourão pede fim das tensões na Igreja Universal

  
Vice-presidente Hamilton Mourão
Vice-presidente Hamilton Mourão

Durante agenda em Angola, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão (PRTB), pediu um arrefecimento das tensões dentro da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), que já levaram à suspensão da direção de origem brasileira e criaram tensão política entre os dois países.

Mourão afirmou que o governo brasileiro gostaria que se chegasse a um consenso entre as duas partes. Há um embate entre a direção brasileira da Universal — fundada e liderada pelo bispo Edir Macedo —, e bispos e pastores angolanos que se rebelaram, desde o final de 2019, passando a contestar o comando geral da igreja.

“O governo brasileiro gostaria que se chegasse a um consenso entre essas duas partes e que o Estado angolano recebesse a delegação parlamentar brasileira que quer vir aqui para tentar chegar a um acordo e a um ponto em que se arrefeça as diferenças que ocorreram”, pediu Mourão.

Recentemente, governo angolano reconheceu a direção angolana como a legítima representante da instituição religiosa no país. Sem terem seus vistos renovados, muitos pastores e bispos brasileiros saíram da Angola. Também houve suspensão da televisão evangélica Record.

Segundo Mourão, esta divisão interna criou um problema “no plano espiritual”, mas também “no plano político”. Ele defendeu a busca por “uma pacificação, apesar de não ser um assunto” que envolva diretamente o governo brasileiro. Trata-se de uma “questão mais privada”, concluiu.

Em entrevista à Agência Lusa, Mourão disse que o problema da Igreja Universal em Angola afeta o governo e a sociedade brasileira.

“Essa questão da Igreja Universal aqui afeta o governo e a sociedade brasileira pela penetração que essa igreja tem e pela participação política que ela possui [no Brasil], com um partido que é o Partido Republicano, que representa o pessoal da igreja”, explicou Hamilton Mourão em entrevista à Agência Lusa na sexta-feira (16/7).

Fonte: Metrópoles

Categorias
Noticias

Ex-bruxa diz que Baal e Asherah se infiltraram na igreja cristã

Beth Eckert diz que a adoração foi corrompida e que devemos nos arrepender.

Beth Eckert, ex-bruxa (Foto: Reprodução/YouTube)

Uma ex-bruxa que passou parte da sua vida envolvida no ocultismo, afirmou que alguns dos principais falsos deuses do Antigo Testamento estão infiltrados no culto da igreja cristã. Ela diz que isso acontece frequentemente através da música.

“A música moderna de adoração se tornou um disfarce de Satanás para alinhar o povo de Deus com a adoração profana”, diz ela.

Beth Eckert diz que a adoração costumava ser uma forma de ela passar um tempo de intimidade com Deus, até o início dos ataques de bruxaria. Eles eram super sutis, ela diz, e ela não conseguia entender por que isso estava acontecendo.

Em vez de adorar a Deus, Eckert diz que sua mente se voltou para si mesma, o que ela queria e como queria ser promovida. Foi assim que ela soube que seu coração estava sob ataque.

Ela diz que o tipo de adoração que está sendo promovida, com luzes e shows, não necessariamente significa uma adoração verdadeira, mas que ela deveria estar baseada no espírito e na verdade.

“Deus deseja nossa adoração pura e inalterável e Ele merece nada menos que isso. Temos sido enganados por lúcifer com usa versão corrompida de adoração e é hora de tomar uma posição contra ela”, disse.

Assista:

Categorias
Cultos

Prédios da igreja são deixados vazios no domingo, com Trump, milhares de fiéis se mudando

Prédios da igreja são deixados vazios no domingo, com Trump, milhares de fiéis se mudando

Jentezen Franklin, pastor sênior da Igreja Free Chapel de vários campus em Gainesville, Geórgia, prega para sua audiência on-line em um auditório vazio em 15 de março de 2020. | YouTube / Capela Grátis

O presidente Donald Trump estava entre centenas de milhares de cristãos que freqüentaram a igreja on-line em todo o país no domingo depois que ele se apoiou fortemente nas Escrituras no sábado para declarar um Dia Nacional de Oração após a nova pandemia de coronavírus.

A mudança on-line ocorre quando muitas igrejas respondem a um chamado da saúde pública e de outras autoridades do governo local e federal para abandonar reuniões físicas para ajudar a conter a propagação do vírus que já infectou quase 4.000 pessoas e matou 69 delas nos Estados Unidos.

Na manhã de segunda-feira, mais de 169.000 pessoas foram infectadas globalmente e mais de 6.500 delas morreram,  segundo a Universidade Johns Hopkins .

O presidente Trump anunciou no Twitter na manhã de domingo que havia se ligado ao culto on-line de Jentezen Franklin, pastor sênior da Igreja Free Chapel de vários campus em Gainesville, Geórgia, que também é um de seus conselheiros evangélicos.

“Estou assistindo a um ótimo e belo culto do pastor Jentezen Franklin. Obrigado! @Jentezen ”, twittou Trump.