Categorias
católicos

Vaticano recebeu mil denúncias de abusos sexuais em 2019

Pedofilia na igreja
Pedofilia na igreja

O departamento do Vaticano responsável por registrar denúncias de abusos sexuais cometidos por membros do clero no mundo todo recebeu o número recorde de mil queixas ao longo do ano de 2019.

O balanço foi apresentado pelo diretor da Seção Disciplinar da Congregação para a Doutrina da Fé, John Joseph Kennedy, em entrevista à agência AP, ressaltando que o número recorde de denúncias “sobrecarregou” os funcionários da entidade.

“Eles trabalharam sete dias por semana”, comentou.

As mil denúncias representam quase quatro vezes mais do registrado há dez anos.

“Estamos, efetivamente, assistindo a um tsunami de casos, principalmente de países dos quais nunca tínhamos ouvido falar”, disse Kennedy.

De acordo com o diretor, Argentina, México, Chile, Itália, Polônia e Estados Unidos foram os países com o maior número de denúncias neste ano.

“Suponho que, se eu não fosse padre e se eu tivesse um filho que foi maltratado, provavelmente eu pararia de comparecer à missa”, comentou. “Mas o Vaticano está empenhado em combater os abusos e só precisa de tempo para examinar todos os casos. Examinaremos do ponto de vista forense e garantiremos o resultado justo. Não se trata de reconquistar o público, porque a fé é uma coisa muito pessoal. Daremos apenas a chance das pessoas dizerem: ‘Podemos dar uma segunda chance à Igreja para escutar a mensagem’”, defendeu Kennedy.

O papa Francisco se reuniu no Vaticano com o secretário-geral das Nações Unidas, o português Antonio Guterres, com quem gravou uma mensagem em vídeo fazendo um apelo contra os abusos.

“Não podemos e nem devemos virar as costas para as injustiças, para as desigualdades, para a fome no mundo, para a pobreza, para os meninos que morrerem porque não têm acesso à água, à comida, às curas necessárias. O mesmo empenho deve ser tido diante de qualquer abuso dos menores”, diz um trecho da mensagem.

“Devemos, todos juntos, combater essa praga”, ressaltou o papa.

O vídeo tem duração de cerca de oito minutos e defende o multilateralismo. Nas imagens, Francisco e Guterres também falam sobre imigração.

Fonte: Agência ANSA

Categorias
Artigos católicos Jovens católicos

Pastor Silas Malafaia escreve sobre idolatria e explica “porque reverências aos santos é pecado”

Publicado por Tiago Chagas

Pastor Silas Malafaia escreve sobre idolatria e explica “porque reverências aos santos é pecado”Um dos principais embates entre católicos e evangélicos se dá na definição do que é “idolatria”.De um lado, argumentam os católicos, as imagens de santos funcionam apenas como uma representação de alguém que em vida teve uma conduta de santidade e que pode interceder a Deus por uma causa. Do outro lado, os evangélicos frisam que Deus ordenou expressamente que não se fizessem imagens de escultura e que não fosse dada adoração a elas, como diz o texto em Êxodo 20.

Às vésperas de mais um feriado católico, o pastor Silas Malafaia publicou um artigo explicando o conceito adotado pelos evangélicos para pregar contra a idolatria e o uso de imagens.

“Na época em que a Lei foi dada a Moisés, os israelitas haviam acabado de chegar ao Egito, uma terra cheia de ídolos. Cada deus representava um aspecto da vida, por isso era comum adorar diversos deuses para tentar alcançar o maior número de bênçãos”, explicou o pastor. “Quando Deus disse ao Seu povo que este precisava adorá-lo, a sugestão não pareceu difícil aos olhos dos israelitas, pois seria apenas mais um deus. Mas, ao perceberem que deveriam servir somente ao Deus todo-poderoso, que os libertara da escravidão no Egito, tiveram dificuldade de aceitar a ideia”, acrescentou, recapitulando os pontos iniciais do conceito teológico.

De acordo com Malafaia, atualmente “muitas pessoas estendem sua devoção a santos, em busca de uma quantidade maior de benesses”, e por isso, caem na idolatria. “Infelizmente, muitos católicos, sem o devido conhecimento das Escrituras e confiando apenas no que lhes é ensinado nas missas e catecismos católicos, ainda estão presos a essas crenças antibíblicas, confessando publicamente a sua fé no poder e ministério intercessor de Maria, por exemplo.

Eles oram a ela e adoram-na, como se ela fosse a despenseira da graça divina, a estrela da manhã, o refúgio dos pecadores, atributos que pertencem exclusivamente a Cristo”, escreveu.

Segundo o pastor, muitos católicos “desconhecem o que a própria Maria disse quanto à condição dela, igual à nossa, de salva por Deus e serva do Senhor”, e cita a passagem de Lucas 1:46-48, em que Maria agradece a Deus pela salvação: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, porque atentou na humildade de sua serva”.

“Em texto bíblico algum, vemos que foi dado a Maria qualquer poder ou autoridade para realizar milagres ou interceder pela humanidade, ligando e desligando qualquer coisa no céu e na terra”, acrescenta Malafaia.

O pastor ainda desfaz uma conclusão equivocada a que muitos católicos chegam a respeito dos evangélicos: “Está enganado quem pensa que nós, evangélicos, desprezamos Maria.

O que repudiamos e contestamos veementemente são essas concepções errôneas e contrárias à Lei de Deus. Esses ensinamentos têm levado muitos a entregarem-se à idolatria, pecado abominável e expressamente condenado nas Escrituras, bem como a afastar-se da verdade de que ninguém pode ser perdoado e achegar-se a Deus, senão por intermédio de Jesus”, pontua.

Em sua conclusão, Silas Malafaia conceitua o que é idolatria de forma ampla, indo além das imagens de escultura: “[Idolatria] é tudo aquilo que rouba o primeiro lugar, que pertence exclusivamente a Deus, em nosso coração.

Sendo assim, quem é avaro ama mais o dinheiro do que a Deus; quem é egoísta ama mais a si do que a Deus; quem ‘tieta’ artista e quem vai à igreja apenas para ouvir padre, pastor ou cantor gospel é tão idólatra quanto aquele que se inclina diante de imagens de escultura, pois cultua ídolos em seu coração. Essa pessoa precisa reconhecer seu erro, pedir perdão e ajuda ao Senhor para mudar, pois os idólatras não herdarão o Reino dos céus (Gálatas 5:20,21)”, finaliza.

Categorias
Artigos Noticias

Pastor sueco anuncia conversão ao catolicismo

Ele era líder de uma das maiores igrejas da Suécia com 3.000 membros

por Leiliane Roberta Lopes

  • gospelprime

 

Pastor sueco anuncia conversão ao catolicismo
Pastor sueco anuncia conversão ao catolicismo

O pastor sueco Ulf Ekman, líder da Igreja Palavra da Vida, anunciou no domingo (9) que ele e sua esposa se converterão ao catolicismo.

Por mais de 30 anos ele se dedicou a pregação do evangelho em seu país, liderando uma igreja de 3.000 membros e uma escola com mais de mil alunos.

O anuncio de sua conversão ao catolicismo chocou os fiéis que estavam no culto e em poucas horas a notícia se espalhou pela imprensa internacional.

No site oficial do ministério Ekman publicou um texto explicando a mudança: “Encontramos um grande amor por Jesus e uma teologia sã, fundada na Bíblia em dogma clássico. Experimentamos a riqueza da vida sacramental. Vimos a lógica de ter uma estrutura sólida de sacerdócio, que mantém a fé da Igreja e passa de uma geração para a seguinte. Encontramos uma força moral e ética consistente que se atreve a enfrentar a opinião pública, e uma simpatia para com os pobres e fracos”.

O pastor explicou que se decidiu depois de entrar em contato com representantes de movimentos carismáticos católicos e que a decisão foi tomada apenas pelo casal, em nenhum momento ele pensou em ligar a igreja Palavra da Vida à Igreja Católica.

A Suécia tem vivido um tempo de secularização, mesmo a maioria da população dizendo que é membro da Igreja da Suécia, que é de tradição luterana, apenas 18% acredita em Deus e apenas 2% se declara católico. Com informações Renascença.