Arqueólogos encontram ruínas da cidade de Corinto

Parte da cidade estava submersa após ser atingida por um forte terremoto


          Arqueólogos encontram ruínas da cidade de Corinto

Novas escavações arqueológicas no antigo porto da cidade bíblica de Corinto, revelam partes pouco conhecidas da história. Um terremoto atingiu o local, deixando parte de Corinto no fundo do mar. De acordo com a Bíblia, ela foi visitada pelo apóstolo Paulo, no período em que esteve sob o domínio do Império Romano. Também é mencionada nas duas cartas que Paulo escreveu aos membros da igreja naquela cidade.

Arqueólogos da Grécia e da Dinamarca estão investigando o porto de Lechaion, que ficou submerso. Também investigam o porto de Kenchreai. Eles descobriram ruínas que mostram traços de engenharia romana e prédios muito antigos.

“Por quase duas décadas, fiquei procurando o contexto arqueológico perfeito, onde todo o material orgânico normalmente não encontrado em terra estivesse preservado”, explica Bjørn Lovén, diretor do projeto. “O potencial para mais descobertas únicas é inacreditável”.
 A estrutura portuária, localizada no golfo de Corinto, antes do terremoto ligava a cidade de Corinto com as rotas comerciais na região. Isso ajudou a acumular grandes riquezas.

Os romanos destruíram Corinto no ano 146 a.C. quando conquistaram a Grécia. O imperador Júlio César reconstruiu a cidade e seus portos no ano 44 a.C. A cidade tinha uma posição estratégica no mar Mediterrâneo em seus dias.

 A história registra que o porto foi atingido por um terremoto no início do século 7 d.C., mas os alicerces de madeira e outros artefatos encontrados estão bem preservados.

“Essas estruturas de madeira extremamente raras que encontramos nos estágios iniciais de Lechaion nos dão esperança que encontremos outros materiais orgânicos, como ferramentas, mobiliário, bem como pedaços de prédios e navios naufragados, que eram feitos de madeira.  Há um potencial imenso, sendo importante sublinhar que muito raramente encontramos material orgânico em terra na região do Mediterrâneo central”, destacou Lovén.

O Projeto Porto de Lechaion é uma parceria entre o Instituto Dinamarquês em Atenas, a Universidade de Copenhague e o Éforo Grego de Antiguidades Subaquáticas. Com informações Gospel prime e Christian Post

Categorias
Estudos

A reforma da mente cristã

De uma mente humana e religiosa para a Mente de Cristo

                                                          A reforma da mente cristã

E, não se conformem com este século, mas transformem-se pela renovação das mentes de vcs, para que vcs ganhem experiências sobre a vontade de Deus (Apóstolo Paulo)

Olá amigo leitor,

Estamos cada vez mais procurando levar à igreja a uma reflexão sobre os últimos dias. Uma cosmovisão do governo de Cristo na terra desde a eternidade. É necessário permanecermos “sempre alertas”, lembram da parábola das Dez Virgens? Pois é. Não se distraiam com coisas e rituais na igreja, que são irrelevantes na Nova Aliança. Corrida atrás do vento.

Em outras palavras, não envide esforços naquilo que Jesus “não” mandou a igreja fazer! Então, espero que vc seja ricamente edificado com este artigo. Ah, e aproveite para abençoar um grupo de amigos com estas palavras.

Obrigado, e boa leitura!

É fato que a igreja cristã no Brasil e no mundo tem vivido dias de crise teológica das mais críticas e preocupantes de todos os tempos. Notadamente quanto aos aspectos fundamentais do ensino de Cristo.

Neste século temos visto os desvios doutrinários dos mais diversos para satisfazer uma bandeira ou um ego a qualquer custo. Paulo, porém, alertava a igreja em Roma que os irmãos não deveriam se conformar com este século. E, isto ainda serve para todas as igrejas espalhadas no mundo.

Renovar a mente, isso não é uma opinião, é um ensino bíblico que Paulo deixou como legado em romanos 12:2. Ele ensinava a não se conformar com as coisas deste mundo. Isso nos deixa bem claro que Jesus ensinou para os seus discípulos que o reino de Deus é recheado de revelações e de habilidades. O dinamismo da humanidade não pode servir de modelo para o Corpo de Cristo. A bússola do homem perdido é a Palavra de Deus. Sempre será. Toda a busca se encerra em Cristo. Ele é o Poder que concentra todas as forças do universo. A humanidade e a igreja devem se realinhar a Cristo. Ele reformou a mente dos discípulos com a verdade sobre o reino eterno. Um destes discípulos se entregou à corrupção, onze, porém, seguiram a Cristo. A mente destes, deixou de ser religiosa para poder alcançar a mente de Cristo. Neste reforma judaica, temos várias lições a contextualizar. São elas:

Não é palco, é campo!
Não é dinheiro, é tesouro eterno!
Não é lucro, é perda de cobiça e renúncia!
Não é fama, nem honra, é humildade!
Não é coisa, é alma!

Não é prédio, é Corpo! Não é altar, é templo do Espírito!
Não é “sacerdotes”, é O Sumo Sacerdote!
Não é mais levita, é discípulo.
Não é “ovelha, é “gente”!
Não é tradição, é tudo novo! Não é devoção a líder, é adoração a Deus!

Não é coaching, é pastoreio!
Não é evangelismo, é missão!
Não é por assédio, é por amor!
Não é partido, é unidade!
Não é instituição, é igreja!
Não é campanha, é fé!

Não é promoção, é salvação eterna! Não é clube, é reino! Não é ouvir, é praticar!

Não é temporal, é eterno!

Repense. Para que a igreja não seja enganada por vícios, heresias e apostasias, faz-se necessário interceder por um genuíno “reablibliamento”, que é o início de uma reforma na mente (saida do vício religioso) para chegar ao avivamento no espírito, que é intercessão para a salvação eterna de todas as nações da terra! Sem almas, sem avivamento. Pedro alertou à igreja: “Cuidado com os falsos profetas!”

Reflexão: o que é vício religioso?

Até a próxima, amados!

Pr. Claudinho Santos

“500 anos de Reforma.”

 

Claudio Santos
Claudio Santos

Fundador das Missões Adore no Brasil e da Escola do Reino. Com mais de 30 anos de vida cristã, Claudinho, além de pastor, é músico e conferencista. Tem formação em teologia, missiologia e capelania prisional. Membro do Conselho de Pastores de SP, é coordenador das Missões Adore na Amazônia. #quevenhaoteureino; #missõesribeirinhas. #missõesurbanas

Categorias
Estudos

Falar em línguas – Uma experiência não obrigatória ao cristão

O Falar em línguas

índiceix

.“É apenas uma virtude espiritual – você deseja falar e simplesmente fala. Não é necessário se emocionar ter um “chilique” qualquer e pronto falei em línguas. .

Falar em línguas, ou “glossolalia”, não é própria por todos os cristãos, alguns acreditam que a habilidade de falar em outras línguas humanas ou uma oração inteligível foi inspirada pelo Espírito Santo somente entre os cristãos do primeiro século da igreja quando da formação da igreja e para aquele determinado fim.

“São váras as formas utilizadas pelo Espírito Santo. Não importa como você recebe”. A minha experiência aconteceu enquanto orava pela madrugada, nasci em um lar cristão batista tradicional e meu pai era Pastor hoje sou pastor batista renovado.

Enquanto orava, de repente me vi falando em língua estranha..Em meio a oração senti alguma coisa diferente e meu linguajar mudou. Eu não sabia o que estava falando mas, entendia em minha mente o que eu falava. Isso não alterou meu emocional, pois com meus conhecimentos bíblicos e estudos teológicos eu sabia muito bem o que estava acontecendo.

O dom de falar em línguas estranhas.nada altera ao  crist!ao, como dizem alguns pregadores porque ele só serve para quem o usa e para se relacionar com Deus através da oração, tanto é que o Apóstolo Paulo diz que quando alguém orar em línguas que haja interprete para que todos entendam.

O Espírito Santo dá os dons conforme ele quer e pra quem ele quer, na hora que ele deseja e para o fim especifico que ele determinar. Estamos aqui como servos para obedecer ao comando do Espírito Santo.

O dom de línguas é uma das manifestações do Espírito Santo que mais causam controvérsias entre os cristãos por ser complexo e porque envolve doutrinas teológicas baseadas em interpretações do Novo Testamento.

Não existe, a meu ver, embasamento no Novo Testamento para constante busca desse dom da forma como ocorre hoje em muitas igrejas. Trata-se de experiência pessoal com o Espírito Santo, e, neste caso em especial, o dom de línguas, segundo o apóstolo Paulo em sua carta aos Coríntios, ele sugere que não se deixem levar pela emoção e que o dom seja usado em benefício da igreja.

Na verdade, Paulo estava aborrecido pela ênfase que o dom havia ganhado, e no capítulo 12 da primeira carta aos Coríntios ele colocou limites a respeito do dom de línguas Eu, particularmente, não acredito na doutrina pentecostal que exige o falar em línguas como sinal de que você está cheio do Espírito Santo, ou como demonstração de que você é verdadeiramente um cristão cheio do Espírito Santo..Sou contra a forma como esse dom é usado publicamente, como um êxtase coletivo, isso não tem base no Novo Testamento”.

Não existe nenhum mandamento para que não busquemos esse ou outro dom. Na verdade, Paulo nos ensina a fazê-lo”,

Há duas aplicações para o dom de línguas: a manifestação do Espírito Santo em um idioma conhecido por todos, mas desconhecido pelo profeta – e que seria usada na entrega de uma mensagem a alguém que entende tal idioma; e através da língua dos anjos, em um momento espiritual. Nesse  caso, Paulo diz que, para que toda a igreja seja beneficiada, é indispensável que haja um intérprete, pois em caso contrário, ninguém entenderá o que foi dito por isso o alerta do apóstolo Paulo para que “se não houver intérprete presente, não fale em línguas em público”.

27-5-16-a 006

Rev. Ângelo Medrado, Bacharel em Teologia, Doutor em Novo Testamento, referendado pela International Ministry Of Restoration-USA e Multiuniversidade Cristocêntrica é presidente do site Primeira Igreja Virtual do Brasil e da Igreja Batista da Restauração de Vidas em Brasília DF., ex-maçon, autor de diversos livros entre eles: Maçonaria e Cristianismo, O cristão e a Maçonaria, A Religião do antiCristo, Vendas alto nível, com análise transacional e Comportamento Gerencial.