Categorias
Cultos

Sinais do Fim dos Tempos: O Vinho para o Serviço do Terceiro Templo está agora Pronto

Señales del Fin de los Tiempos: El Vino para el Servicio del Tercer Templo ya está Listo

ISRAEL – Trinta garrafas de vinho foram entregues ao novo Sinédrio de Israel, sendo aprovadas para uso no serviço do Templo, na semana passada. De acordo com a Breaking Israel News, a produção de bebidas segue uma tradição antiga e é feita em um vinhedo onde as obrigações do ritual se seguem.

O vinho tem um status especial para o judaísmo, onde é usado para a celebração do sábado, festas como a Páscoa e rituais como casamento e circuncisão.

Embora seja proibido aos sacerdotes beber vinho no templo, uma libação com a bebida deve ser oferecida no ritual todas as manhãs como parte da adoração. Um quarto de hin – um pouco mais de um litro -, é necessário que seja derramado no altar, como ensinado em Números 15: 5.

As uvas são uma das sete espécies de plantas em que Israel é especialmente abençoado, de acordo com o texto de Deuteronômio 8: 8.

Rabino Hillel Weiss para quem é porta-voz do conselho, eu indico a necessidade de vinho para ser usado no Terceiro Templo deve ser kosher, e purificado por um padre.

O retorno dessas uvas para Israel depois de ser banida durante os anos de governo islâmico, quando o álcool foi proibido, está profetizado por Miquéias 4: 4 como um prenúncio da vinda do Messias.

Os requisitos para um vinho ser considerado kosher são mais rigorosos do que outros alimentos. Em todo o processo, desde o esmagamento das uvas até o engarrafamento, deve ser feito inteiramente por judeus que guardam o sábado.

A indústria do vinho em Israel é muito grande, com centenas de vinícolas, que produzem mais de dez milhões de garrafas por ano. Até agora, os requisitos para seu uso no templo não foram atendidos, Weiss salientou.

O vinho é anexado ao óleo como elementos rituais básicos para a retomada dos cultos de acordo com as determinações bíblicas. O Instituto do Templo criou todas as partes interiores e cuidando de tudo, incluindo animais para sacrifício, que devem seguir rigorosamente a Lei da Torá.

Produção do ritual

Como primeiro ponto, é necessário encontrar uma vinha que seja adequada. Normalmente, as videiras são cultivadas acima do solo suspensas nos galhos. Estas uvas para o vinho do Templo são cultivadas diretamente no chão, sendo este um método que não é usado atualmente.

A técnica é usada apenas no vinhedo pertencente a uma escola secundária em Yatir, ao sul de Hebron. Moshe Hagger, que é diretor da escola, trabalhou profissionalmente em um armazém antes de entrar no setor de educação e manter um vinhedo para fins educacionais.

“Toda a produção da vinha é orgânica”, disse Hagger. “As máquinas não são usadas quando as uvas são colhidas ou quando o vinho é feito. Eles são os estudantes que pisam as uvas. Nós não adicionamos outro elemento ou produtos químicos no processo. A fermentação é causada pela levedura natural da pele da uva “, disse ele. Ele deixou muito claro que o objetivo era mostrar aos seus alunos como era a produção tradicional e nunca imaginou que seu vinho pudesse ser usado no Templo.

O judeu praticante diz que ele segue a Torá e, portanto, durante o ano sabático, não há produção em sua terra. Este é um hábito extremamente raro no Israel moderno. Sua pequena vinha produziu 60 garrafas no ano passado, respectivamente. Metade deles foi adquirida pelo rabino Weiss para o Sinédrio.

Este líder religioso explicou que ficou surpreso com a qualidade do vinho. “Eu não esperava que o vinho fosse excepcional. O vinho não é apenas uma parte essencial do serviço do Templo, mas o antigo Israel era conhecido por produzir o melhor vinho do mundo “, salientou Weiss.

Na semana passada, uma cerimônia muito especial chamada “terumá e maaser” aconteceu nas colinas de Jerusalém. Acompanhado de rabinos e milhares de litros de vinho de qualidade foram oferecidos como um dízimo. Quando o Templo for reconstruído, eles justificam que todo o dízimo de origem agrícola armazenado será levado ao Templo.

Fonte: Christian News

Categorias
Cultos

Bolsonaro manifesta apoio à construção do Terceiro Templo

Presidente assinou um livro em que há o projeto de construção, explica senador Flávio Bolsonaro

 

 Gospel Prime – 
Bolsonaro em sinagoga no Muro das Lamentações

Bolsonaro em sinagoga no Muro das Lamentações

Um gesto do presidente Jair Bolsonaro em sua visita ao Muro das Lamentações nesta segunda pode ter passado despercebido da grande mídia, mas tem um profundo significado espiritual. Acompanhado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o mandatário do Brasil esteve no Muro das Lamentações, onde fez orações.

Depois, desceu nos túneis que levam a porção subterrânea do complexo e esteve na sinagoga que fica cerca de vinte metros abaixo do que os judeus acreditam ser o local do Santo dos Santos no Templo construído por Salomão. Naquele espaço de culto, conversou com rabinos e assinou um livro. A rápida visita foi mostrada nas redes sociais do premiê israelense, mas curiosamente sem som.

Falando à imprensa, o senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), que acompanha o pai na visita a Israel, explicou que trata-se do livro no qual apoia a construção de um templo em Jerusalém, no alto do Monte do Templo, onde hoje estão as mesquitas muçulmanas.

“Quando se assina um livro em que há um projeto de construção de um templo onde hoje é uma mesquita, é uma sinalização de qual é o elemento político-ideológico do presidente Bolsonaro”, ressaltou o senador.

No mesmo lugar, a comitiva de Bolsonaro viu com Netanyahu uma maquete mostrando como era o judaico que ficava no Monte do Templo.

Para muitos a decisão de não anunciar a mudança da embaixada para Jerusalém gerou decepção. Em seu lugar, no momento o Brasil manterá apenas um escritório de negócios. O senador disse que mesmo assim foi um passo importante: “O presidente e seus ministros vão dar o momento certo de fazer isso [a mudança]. Não tem prazo. Só o gesto que demos agora é tão importante quanto. Essa é a sinalização do elemento político-ideológico do presidente Bolsonaro”.

Para os judeus religiosos, a reconstrução do templo no alto do monte Moriá, é um sinal da vinda do Messias. Estudiosos das Escrituras acreditam que esse será um dos indícios mais claros de que a volta de Jesus está próxima de acontecer.

Categorias
Cultos

“Superlua de sangue” deste domingo tem ligação com o Terceiro Templo, defende pastor

Fenômeno será visível no Brasil na madrugada de domingo para segunda (21)

gospelprime

Moradores do Brasil poderão ver, na madrugada de domingo para segunda-feira (21), o fenômeno conhecido como “superlua de sangue”. O eclipse lunar, que será o único total de 2019, será completamente visível no continente americano, além de partes da Europa e da África.

Para um eclipse lunar ocorrer, Sol, Terra e Lua devem ficar alinhados, nesta ordem. No Brasil, o fenômeno deve ser mais visível a partir da 1h33 da manhã (horário de Brasília), quando a Lua começará a entrar na região atrás da Terra chamada de umbra, em que não há iluminação direta do Sol. À medida que a Lua se mover, será possível vê-la escurecendo.

Um pastor e autor norte-americano diz que eventos como estes têm sido historicamente acompanhados por desenvolvimentos significativos para a nação de Israel. Mark Biltz, que estudo o tema há anos e já escreveu um livro sobre o tema, assegura que “existem alguns padrões incríveis que estão acontecendo nos céus e isso não é coincidência”.

Biltz acredita que esse tipo de coisa é previsto em Gênesis 1:14. O texto diz que os corpos celestes servem “para sinais e para tempos determinados”. O pastor lembra que as luas de sangue de 2014 e 2015 caíram nos feriados judaicos, e que o eclipse neste fim de semana ocorre justamente no aniversário de dois anos de governo do presidente Donald Trump, que restaurou o status bíblico de Jerusalém como capital de Israel.

“Quando ele foi empossado como presidente em 20 de janeiro de 2017, Trump tinha 70 anos, sete meses e sete dias. Além disso, muito significativamente, a super lua de sangue também cai no feriado judaico de Tu B’Sheva.” O estudioso defende que, do ponto de vista bíblico, ter duas luas de sangue no mesmo feriado bíblico dois anos seguidos é muito significativo.

 “A Bíblia diz que tudo deve ser estabelecido por duas ou três testemunhas”, disse ele. “De fato, a Bíblia diz no Salmo 89 que o pacto de       Deus com Israel e o rei Davi é para sempre, e que o Sol e a Lua serão suas fiéis testemunhas no céu”, assevera.

“Nosso calendário é diferente do calendário bíblico”, acrescentou Biltz. “Nosso janeiro é equivalente ao mês bíblico de Shevat. Tu B’Shevat significa o 15º dia do mês de Shevat. Levítico 19: 23-25 ​​fala de quando Israel planta árvores em sua terra prometida, eles não podem comer o fruto dele até o quinto ano, como nos anos anteriores é considerado sagrado. Então Tu B’Shevat, que é quando a primavera está prestes a começar em Israel, foi determinado como o dia em que todas as árvores plantadas no ano anterior seriam ser considerado um ano de idade para tornar mais fácil para manter o mandamento”.

O pastor Biltz acredita que Deus está dizendo que as nações não determinarão os limites de Jerusalém, mas Ele o fará. “Jerusalém não terá muralhas e o Deus de Israel a protegerá”, diz. “O grande problema é que o povo da nação de Israel não está entendendo que é a hora de reconstruir o Templo. Em conclusão, não estou dizendo que é o fim do mundo, mas entendo que os padrões mostram que este ano poderia trazer uma guerra no Oriente Médio Sabemos que Israel será vitorioso, e nós podemos ver um decreto em breve para a reconstrução do Templo”.