Vaticano esclarece suposto envio de terço pelo Papa Francisco a Lula

Nota fala sobre declaração do advogado argentino Juan Gabrois que entregou o rosário ao ex-presidente.
Santa Sé explica que “em nenhum momento” ele afirmou que o terço foi enviado pelo Papa, mas apenas ‘abençoado’ por ele
 |

O Vaticano publicou na manhã desta terça-feira (12) uma nota de esclarecimento sobre o suposto envio de um terço pelo Papa Francisco ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Santa Sé se manifestou na página Vatican News, no Facebook.

A nota se baseia nas declarações do advogado argentino Juan Gabrois, fundador do Movimento dos trabalhadores excluídos e ex-consultor do Pontifício Conselho Justiça e Paz, que entregou o rosário ao petista na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde ele está preso. “Na entrevista – e nos ativemos a ela – EM NENHUM MOMENTO Grabois afirmou que o Terço foi enviado pelo Santo Padre, mas apenas ‘ABENÇOADO’ pelo Papa (não se sabe quando e nem em que ocasião), tendo sua fala sido traduzida de forma parcial e equivocada”, relata o texto.

A notícia sobre o suposto presente foi veiculada pela equipe do ex-presidente também em sua página oficial no Facebook na tarde de segunda-feira (11), com a foto de um rosário. De acordo com a publicação, Lula recebeu o terço junto com um cartão assinado pelo Papa na sala onde cumpre a pena de 12 anos e um mês de prisão após condenação no processo do tríplex.

Em uma segunda publicação, no Twitter, a assessoria do petista afirma que o terço foi trazido por “Juan Grabois, assessor do papa Francisco para assuntos de Justiça e Paz, que foi impedido de visitar o presidente”. O texto do Vaticano cita Grabois como “ex-consultor”.

O rosário foi entregue hoje na PF por Juan Gabrois, assessor do Papa Francisco para assuntos de Justiça e Paz, que foi impedido de visitar o presidente. https://t.co/DKB0Yu9XnK

Lula está preso há mais de 60 dias na sede da Polícia Federal, em Curitiba. Mesmo atrás das grades, Lula pode receber presentes desde que os objetos não coloquem em risco a saúde dele ou de alguém da carceragem.Com informações da Gazeta do Povo

Siga-nos