Arqueólogos encontram templo bíblico ligado à Arca da Aliança

Local fica em cidade fronteiriça entre israelitas e filisteus.

Por 

Templo em Beth Shemesh. (Foto: Dr. Zvi Lederman)

Durante escavação em um templo de 3.100 anos, arqueólogos que trabalham no antigo assentamento de Beth Shemesh, perto de Jerusalém, descobriram uma mesa de pedra incomum que estranhamente lembra uma descrita na Bíblia como tendo um papel na história da Arca da Aliança.

A descoberta pode ser interpretada de várias maneiras, mas uma possibilidade é que o sitio esteja vinculado à narrativa bíblica da lendária Arca da Aliança, onde segundo relatos bíblicos guardavam as tábuas dos Dez Mandamentos recebidos por Moisés no Monte Sinai.

“Este seria um caso raro no qual podemos mesclar a narrativa bíblica com uma descoberta arqueológica”, diz o Dr. Zvi Lederman, arqueólogo da Universidade de Tel Aviv que lidera a escavação de Beth Shemesh junto com seu colega, professor Shlomo Bunimovitz.

Se a hipótese deles estiver correta – que esta tábua incomum de pedra esteja conectada à história bíblica da arca – a descoberta seria evidência de que a Bíblia contém núcleos de verdades históricas de períodos muito anteriores aos que a maioria dos especialistas pensava anteriormente.

Ao site Haaretz, os arqueólogos explicaram que é possível saber que no local funcionava um templo por conta das paredes mais robustas e também duas grandes pedras côncavas e redondas nas quais as calhas haviam sido esculpidas. Estes objetos tanto podem ser usados para bebidas alcoólicas, quanto para produzir óleo de oliva.

Outros elementos indicavam que se tratava de um templo. “Há muitas evidências de que este era realmente um templo”, diz o arqueólogo.

Para descobrir o templo, os arqueólogos tiveram que cavar várias camadas de um material preto grosso, que inicialmente pensavam serem cinzas que se formaram quando o prédio foi incendiado.

Mas quando o material foi analisado, a verdade ficou muito mais nojenta: todo o edifício estava coberto de pilhas de esterco de animais.

“Logo após a destruição, todo o local foi transformado em um curral de animais”, disse Lederman ao Haaretz. “Para mim, isso é um ato de hostilidade, uma profanação intencional de um lugar sagrado.”

Quanto a quem poderia ter sido responsável por esse sacrilégio, o arqueólogo aponta um dedo hesitante para os filisteus – cujo povoado mais próximo, Tel Batash, ficava a meros sete quilômetros de Beth Shemesh.

Com base na cronologia bíblica, os séculos 12 a 11 aC correspondem à era do Israel pré-monárquico, quando juízes como Sansão e Débora governavam as doze tribos hebraicas fracamente unidas. Beth Shemesh é descrita como uma cidade fronteiriça entre os israelitas e os filisteus, em uma região onde os dois povos frequentemente se chocavam.

“Embora a precisão da narrativa bíblica seja uma questão importante (mais sobre isso mais tarde), a arqueologia de Beth Shemesh confirma que o assentamento era realmente um local de fronteira do ponto de inflamação”, diz Lederman.

No espaço desses dois séculos, os arqueólogos identificaram quatro aldeias distintas construídas, umas sobre as outras. Isso significa que o local foi conquistado, abandonado ou destruído e reconstruído várias vezes no espaço de 200 anos, diz ele.

Foi durante um dos períodos em que Beth Shemesh mudou de mãos que o templo foi destruído. Portanto, parece provável que os responsáveis ​​pela profanação foram os filisteus conquistadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.